"Uma aventura pelo mundo"

É assim que o finlandês resume a viagem que está fazendo
pelos quatro continentes há mais de um ano. O motociclista,
Arto Rasimus, de 33 anos, que é engenheiro de computação,
está em Maringá há quatro dias. Ele já percorreu 49 mil
quilômetros desde que saiu do seu país em julho de 1997.

Até agora visitou 18 paises. Passou oito meses na África e
circulou 24,7 mil quilômetros pela Europa. Rasimus conheceu
Turquia, Atenas, norte da Itália, França, Marrocos,
Argentina e Brasil.

No roteiro está previsto rodar pelo nordeste, parar em Goiás
e retornar a Buenos Aires, atravessar a Cordilheira dos Andes,
Venezuela e depois Califórnia (EUA). A viagem deve durar
dois anos.

Arto Rasimus diz que em algumas cidades arruma emprego para se
sustentar e seguir em frente.
Até agora o custo da viagem
ficou em 15 mil dólares. "Procuro sempre hotéis e albergues.
São mais baratos", explica.


SONHO

O sonho de se aventurar pelo mundo começou em 1990. A
primeira moto, menos possante, foi comprada na primavera,
em 1996. Com a ajuda do cunhado, que é técnico e mecânico,
conseguiu algumas dicas de consertos.
A segunda moto DR-800 cilindradas, comprada com dinheiro de
seu trabalho, foi importada e registrada na África, pois na
Finlândia não há comercialização de motos. Em menos de
quatro meses, Rasimus já colocou os pés na estrada, literalmente,
mas nunca abusa da velocidade. Sem muita experiência embarcou
de navio, com a sua Suzuki nova, que teve que ser adaptada
para suportar o peso da carga. Na bagagem, ele carrega roupas,
barraca para acampar, alimentação e muitas ferramentas. Para
se guiar, não utiliza bússola e sim um GPS a pilha via
satélite, acoplado no tanque da moto. O aparelho é da Nokia,
uma empresa de telecomunicações da África que ele também
visitou durante a sua viagem.


REGISTRO


Rasimus diz que as lembranças guardadas em fotos e a
comunicação com a família faz através da Internet.
"Conhecer outras culturas e costumes me facina", admite.
As aventuras dele são enviadas por E-mail e registradas no
jornal Finlandês "Journal Kouvolan Sanomat".
Sobre Maringá ele comentou que o povo é muito receptivo
e alegre. Também ficou encantado com a quantidade de árvores.
Quanto ao Brasil, o Finlandês disse que já "conhecia" o
país pela Internet. "Só não me recomendaram viajar por
São Paulo e Rio de Janeiro, por causa do trânsito intenso e
problemas com assaltos e violência", mencionou.


DIFICULDADE


A maior deficuldade durante a viagem foi atravessar o
deserto do Saara e viajar 400 quilômetros por dia no oeste
da África em estrada de terra. Em Gana, o aventureiro
conviveu com tribos e aprendeu muito sobre a tradição e os
costumes africanos. "A experiência valeu a pena", confirmou.
Rasimus disse que outro problema foi a adaptação com a comida
africana, além do clima muito quente. Na Finlândia, a
temperatura no verão chega a 25 graus centígrados e no
inverno a baixa chega até 40 graus negativos. O finlandês é
solteiro, protestante e ainda não sabe qual será o seu
destino, mas pretende escolher um dos países visitados para
se fixar definitivamente. Em Maringá, Arto Rasimus fica até a
próxima semana.


SERVIÇO


Contatos com o aventureiro pelo E-mail el_viaje@hotmail.com
ou pela Internet através do endereço eletrônico:

http://www.oocities.com/Baja/3421.



Page created 27th Sep 1998

1