Problemas de Audição em Adolescentes

PROBLEMAS DE AUDIÇÃO EM ADOLESCENTES



O Mundo Está Ficando Surdo!!!!!!

O mundo lá fora anda mais barulhento, não resta dúvida, e o excesso de ruído pode ser ainda maior para as novas gerações, que não vivem sem aparelhos sonoros em casa, no carro ou direto no ouvido (tocadores de MP3 ou iPods).

No Canadá, mais de um milhão de pessoas têm problema de audição, e a superexposição ao barulho é responsável por 33,7% dos casos. No Brasil, de acordo com o IBGE, 5,7 milhões de pessoas têm algum grau de insuficiência auditiva.Além disso, um estudo sobre conservação auditiva realizado em 2000, com mil estudantes entre 17 e 23 anos de uma universidade em São Paulo, revelou alterações da audição em 20,5% dos exames audiométricos.

Quando ouvimos bem, o ouvido externo capta a onda sonora e a “afunila” para dentro do canal auditivo até o tímpano, no ouvido médio. O tímpano vibra; o som é amplificado e transmitido para a cóclea, ou ouvido interno. Neste tubo cheio de líquido, milhares de pequeninas células ciliadas flexionam-se e dobram-se em resposta às vibrações. Elas geram impulsos elétricos que se propagam pelo nervo auditivo até o cérebro, que então as transforma em informação sonora. Qualquer imprevisto ao longo do caminho pode causar problemas. Se o som não consegue atravessar o ouvido médio, você tem a chamada perda auditiva condutiva. Ela pode ser causada por grande variedade de doenças e condições, como acúmulo de cera ou infecção bacteriana, e não costuma durar muito. Os tratamentos em geral são bem-sucedidos e só ocasionalmente uma cicatriz causa dano permanente.No entanto, a lesão do ouvido interno, ou perda auditiva neurossensorial, tem mais probabilidade de ser irreversível.

O Dr. Antônio Lobo, professor de Otorrinolaringologia da Universidade Federal de Minas Gerais, explica que as células ciliadas do ouvido interno formam a estrutura nobre do aparelho auditivo. Se forem lesionadas, haverá prejuízo na percepção das freqüências sonoras na região atingida do ouvido interno. No caso de trauma acústico, por exemplo, a lesão ocorre principalmente na região onde estão as células responsáveis pela percepção de sons agudos. Nesse caso, há perda na capacidade de se discriminarem palavras ou sílabas que apresentem maior concentração de agudos.

Segundo o Dr. Luiz Carlos Alves de Sousa, presidente da Sociedade Brasileira de Otologia e coordenador da Campanha Nacional de Audição, “de todas as causas que levam à surdez, a exposição ao barulho é uma das poucas que podemos evitar. O problema é que a lesão auditiva não acontece da noite para o dia: é cumulativa. Uma hora usando um iPod acima de 100 decibéis hoje, somada a outras, pode, com o tempo, dificultar a compreensão durante a conversa”. Enquanto muitos trabalhadores usam protetores auriculares, as pessoas em geral não se preocupam com o barulho durante o lazer.

Para preservar a audição, é preciso estar atento à altura do som que ouvimos e ao tempo que ele dura. Qualquer tipo de ruído – um rock, uma sinfonia ou o barulho de uma máquina – pode causar problemas. A gravidade do dano depende da combinação entre tempo de exposição, intensidade (altura) e a suscetibilidade de cada pessoa. “Às vezes, há vários aparelhos ligados em casa, como máquina de lavar, microondas e computador, e os ruídos vão se somando sem que percebamos. É importante ficar alguns minutos em silêncio para dar descanso às células ciliadas”, aconselha a Dra. Eliane Schochat, presidente da Academia Brasileira de Audiologia.

MP3 Players Podem Causar Surdez

Aparelhos de MP3 como iPods e outros menos famosos podem contribuir para o risco de perda autiditiva, segundo alguns especialistas. O motivo seria a capacidade das baterias, que os mantém em funcionamento por quase 1 dia ininterrupto e, o design do fones de ouvido, que são de uso interno que causam mais problemas do que os antigos que cobrem os ouvidos. “Os fones de inserção são mais perigosos porque potencializam o som. Quando a fonte sonora é externa, há uma perda de energia vibratória no caminho entre ela e o ouvido. Com o fone dentro do ouvido, a energia vai toda”, comenta a fonoaudióloga Adriana Giora, do Centro Auditivo Telex no Rio de Janeiro. O especialista Yotaka Fukuda, professor de otorrinolaringologia da Unifesp, explica que o abuso do aparelho culmina na degenaração das células sensoriais localizadoas na cóclea, parte mais interna do ouvido, que transforma ondas mecênicas em sinais elétricos que posteriormente são enviados para o cérebro. No entanto, essas células tem limite de resistência à energia sonora. Fukuoka adverte que, se ao desligar o aparelho o usuário tem a sensação de estar ouvindo menos, então é melhor começar a se cuidar. Portanto, pessoas que adoram esses aparelhos, como eu e você, devemos moderar no volume e horas que passamos expostos a estes, senão daqui a algum tempo podemos ter problemas de audição.

Audição de jovens e adultos é afetada por MP3 players, diz estudo...

São Paulo - Pesquisa norte-americana ilustra que uso prolongado de players e handhelds diminui número de estudantes sem problemas auditivos.

O iPod não é tão responsável pela surdez de adolescentes e jovens como se acreditava. Pesquisa divulgada pela Associação Norte-Americana da Linguagem-Discurso-Audição afirma que, embora estudantes de faculdade apresentem mais falhas de audição que as gerações anteriores, são os adultos que abusam da música alta em seus players.

De acordo com o estudo, jovens que estão na faculdade são mais propensos a experimentar três dos quatro motivos de perda de audição: 28% deles admitem aumentar o volume da TV, enquanto 29% afirmam pedir que o interlocutor repita palavras durante uma conversa e 17% escutem barulhos em condições de silêncio.

Os adultos ouvidos pela pesquisa não ficam muito atrás nos dados citados acima - apresentam taxas de 26%, 21% e 12%, respectivamente.

A associação afirma que o fato mais assustador da pesquisa é a diferença entre os adolescentes e adultos que alegaram não ter problemas de audição. Enquanto 63% dos adultos disseram não enfrentar dificuldades para ouvir, apenas 49% dos estudantes afirmaram o mesmo.

Na suposta causa da crescente perda de audição, o uso de aparelhos eletrônicos como MP3 players e handhelds, as duas gerações se dividiram. Enquanto os jovens estão duas vezes mais propícios a usar um iPod, por exemplo, no volume máximo (13% contra 6%), são os adultos que usam o aparelho por um tempo mais longo - 43% deles usam entre uma e quatro horas diárias, enquanto 9% revelaram usar por mais tempo.

O estudo ainda descobriu que o perfil que tem sua audição mais afetada é dos homens jovens. Apenas 10% dos entrevistados também revelaram aprender os perigos da perda de audição com amigos e família.

Ainda que admita que o uso de aparelhos no volume máximo por muito tempo possa se tornar, "eventualmente, o responsável pela perda permanente de audição do usuário", o estudo da associação diz não conseguir apontar outros motivos que causem os problemas auditivos.

Fones de ouvido muito pequenos podem afetar audição dos usuários

O uso de toca-MP3 pode afetar, a longo prazo, a audição daqueles que utilizam o aparelho com freqüência. A possibilidade (já cogitada no tempo dos antigos walkmans) agora conta com um agravante: o tamanho reduzido dos fones de ouvido. Estes acessórios também são utilizados com discmans e telefones celulares.

O médico Brian Fligor, da Harvard Medical School, pesquisou diversos tipos de fones e descobriu que, quanto menores os acessórios, maiores as chances de perda parcial da audição. A pesquisa foi divulgada na publicação norte-americana "Ear and Hearing".

A diferença de níveis sonoros entre os fones grandes (uso externo) e os mais modernos, que se "encaixam" na orelha, fica por volta de nove decibéis. "Pode não parecer muito, mas seria como comparar o barulho de um despertador (80 decibéis)ao de um cortador de grama (90 decibéis)", explica o jornal "The New York Times".

Outro estudo, também citado pelo diário, mostra que os fones modernos não são tão eficientes quanto os antigos na hora de bloquear sons ambientes --o barulho dos carros em uma rua movimentada, por exemplo. Por isso, os usuários tendem a aumentar ainda mais o volume quando utilizam os pequenos acessórios.

O Laboratório Nacional de Acústica em Sidney, na Austrália, afirma que 25% dos usuários de iPod mantêm em seus aparelhos um volume que pode causar problemas de audição a longo prazo. A pesquisa, diz o "NYT", refere-se ao uso do toca-MP3 da Apple.

Questões:

1-)Como prevenir a perda de audição?
R:Para preservar a audição, é preciso estar atento à altura do som que ouvimos e ao tempo que ele dura. Qualquer tipo de ruído(um rock, uma sinfonia ou o barulho de uma máquina) pode causar problemas. A gravidade do dano depende da combinação entre tempo de exposição, intensidade (altura) e a suscetibilidade de cada pessoa.

2-)Por que o fone de ouvido é prejudicial e qual a intensidade e o tempo máximos de exposição que o ser humano suporta diariamente?
R:Pela simples razão: se você extrapolar os limites de tempo de exposição e intensidade sonora, sem dúvida você terá lesão auditiva. Como regra geral 85 decibéis(oito horas diárias) é a intensidade e o tempo máximos de exposição que o ser humano suporta diariamente.

3-)As lesões causadas pelo uso contínuo, e alto volume de ipods, MP3 players são reversíveis?
R:Não.Muito pelo contrário, com a evolução, são completamente irreversíveis.No início do abuso existe um perda de audição transitória, que se recupera após um "descanso" auditivo. Porém, após algum tempo, essa recuperação não mais acontece e a perda de audição vai se tornando progressivamente maior.
1