Ray Charles

RAY CHARLES

Todos os animais deste site foram resgatados das ruas. Muitos estavam em péssimas condições de saúde. Agora eles estão em uma clínica veterinária, esperando por uma família que abra espaço em sua casa e em seu coração para recebê-los. Adotar um animalzinho abandonado é um lindo ato de amor!

Para maiores informações ligue para (11) 3755-1037 e fale com a Dr. Maria Estrela (Pet Real - R. Luiz Gonzaga de Azevedo Neto, 173, Real Parque, São Paulo, SP) ou entre em contato através do E-mail:  adoteumamiguinho@yahoo.com.br

 

MENU

Adoção

Página Inicial

Amiguinhos para adotar - Cachorrinhos

Amiguinhos para adotar - Gatinhos

Histórias de Amiguinhos

Amiguinhos Adotados

Finais Felizes

Feiras de Adoção e Eventos

Rede de Proteção

Os Nossos Amigos Aguarde

Seja um(a) Protetor(a) Aguarde

Como Você pode ajudar

Divulgue o Site Aguarde

Links Amigos

Cuidados com seu Pet

Links Amigos

Cuidados com seu Pet

Posse Responsável

Dicas

Aguarde

Aguarde

Voltar ao Topo

Voltar ao Topo

Voltar ao Topo

Voltar ao Topo

Voltar ao Topo

Voltar ao Topo

Voltar ao Topo

Voltar ao Topo

Voltar ao Topo

Voltar ao Topo

Voltar ao Topo

Voltar ao Topo

Voltar ao Topo

Voltar ao Topo

Voltar ao Topo

Voltar ao Topo

Voltar ao Topo

Voltar ao Topo

Voltar ao Topo

Voltar ao Topo

Voltar ao Topo

Voltar ao Topo

Voltar ao Topo

Voltar ao Topo

Voltar ao Topo

Voltar ao Topo

Cuidados com os Animais de Estimação

Aquisição e Adoção Responsáveis

Por /Fotos: Fernanda Toniosso

Entrevistada: Maria Estrela Felício - Veterinária

Comportamento: Junho/2005


A Dra. Maria Estrela Felício é veterinária e tem sua Clínica no Real Parque, na Cidade de São Paulo, onde também exerce uma atividade sem fins lucrativos de resgate de animais abandonados nas ruas, geralmente, em péssimas condições de saúde.

Ela realmente acredita que os animais devem ter uma família que os amem e cuidem de sua saúde, onde eles nunca tenham de sofrer a dolorosa experiência do desamor e do abandono. Por essas razões, prioriza uma adoção/aquisição responsável.

Ela sugere, àqueles que gostam de animais, para pensarem na adoção como alternativa à aquisição de um novo amiguinho e, ainda, indica alguns cuidados com o seu novo companheiro!

Seleção e escolha da raça

Antes de adquirir um animal, deve-se lembrar que este será parte da família durante "alguns" anos, sendo que estes "alguns" podem chegar até mesmo aos 16 anos e não se pode adquirir um animal e mantê-lo com você até o dia em que ele não estiver mais tão bonitinho como quando era filhote, depois doá-lo ou jogá-lo nas ruas.

Adquirir um animal significa um compromisso e uma responsabilidade. Enquanto são filhotes são muito fofinhos, bonitinhos e engraçadinhos, mas vão crescendo e envelhecem, ou seja, tornam-se menos ativos e deixam de ser tão engraçadinhos. Lembre-se, o cão é extremamente dependente do seu dono.

Assim, algumas características deverão ser consideradas antes da adoção/aquisição, tais como: raça, se late muito, se tem facilidade de aprendizado, ou seja, deve-se procurar um amiguinho que combine com o seu estilo de vida.

Primeiros Passos Com Seu Novo Companheiro

Os filhotes devem passar por um período de amamentação de aproximadamente 40 dias, não devendo ser levado para longe de sua mãe antes disso. Mesmo após este período ele vai sentir falta dela e poderá chorar nas primeiras noites.

O banho nos filhotes é recomendado a partir dos dois meses, sempre com água morna e tendo o cuidado de não molhar ouvidos e olhos do animal. Deve-se usar um shampoo próprio para filhotes.

O novo ambiente do animal será por ele reconhecido e o novo dono deverá se certificar de que não há possibilidade de fuga ou queda do animal pelas janelas ou pavimentos superiores.

A excitação das crianças deverá ser controlada, orientando-as sobre os sentimentos e necessidades dos animais.

A alimentação do animal deverá respeitar horários, evitando-se que ele desenvolva o costume de incomodar a família durante as refeições.

Antes de começar a sair para passeios, certifique-se de que o seu animal está devidamente vacinado e, portanto, não corre o risco de contágio de doenças.

Mantenha-o com guia e coleira!

Socialização para filhotes

É saudável para o animal que, desde filhote, ele tenha muitas experiências agradáveis com as pessoas, lugares e outros animais. Quanto mais pessoas e animais, mais socializado ele ficará.

O convívio e as brincadeiras com outros animais são fundamentais nesta fase. O ideal seria reunir um grupo de proprietários de filhotes vacinados (várias raças) para seus animais brincarem juntos. O ideal é treinar os animais enquanto são filhotes, pois sua capacidade de aprendizado é melhor.

Quanto mais agressiva a raça, maior a necessidade de socialização.

Se você pensa em adquirir um cão para guarda da sua casa e/ou das pessoas da família não deve ensiná-lo ou mostrar a ele que as pessoas podem entrar livremente em sua casa, ou mesmo tocar aleatoriamente no seu dono. Isso porquê quando um cão é bastante socializado todas as pessoas para ele serão amigas.

Treinamentos de defesa e ataque não são recomendados, pois os animais já possuem instintos de guarda e proteção suficientes para que possam fazer a guarda da casa e da família.

Alimentação

Os cuidados com a alimentação são extremamente importantes. Restos de comida não devem ser dados ao seu animal. O ideal é fornecer uma ração de boa qualidade que além de nutrir, mantém os dentes limpos e gengivas sadias.

A água deve estar sempre fresca e em vasilhas limpas e à disposição do animal o dia inteiro.

Não dê ossos de frango ou de porco, pois eles podem quebrar e entalar na garganta e, ainda, causar sérios problemas se forem engolidos. Prefira os ossos de couro ou nylon.

Alimentos como bolachas, chocolates, salgadinhos, embutidos e doces em geral não devem ser dados aos cães, pois podem provocar diarréia, vômito, problemas de pele, além de estragar os dentes.

O filhote deve se alimentar de três a quatro vezes ao dia, enquanto os adultos duas vezes. Já os gatos podem comer sua ração diária de uma só vez, no entanto, eles preferem ingeri-la pouco a pouco e em várias vezes.

Lembrando sempre que a maneira mais correta e saudável de alimentar seu cão é o uso da ração, pois nela existem todas as vitaminas, proteínas e cálcio que seu cão necessita.

Doenças e Vacinas

Parvovirose

É uma doença contagiosa provocada por um vírus que causa vômitos e diarréia com sangue em grande intensidade. Afeta os cães de todas as idades, mas os mais novos e os mais velhos são os mais atingidos. O vírus pode causar morte súbita em cachorros com idade de 4 a 8 semanas, por atingir o músculo cardíaco. O tratamento intensivo deve ser iniciado logo que a doença é diagnosticada e pode levar de 3 a 10 dias até que o cão possa voltar para casa. De qualquer modo a doença é muitas vezes fatal!

Cinomose

É uma doença muito contagiosa, causada por um vírus que aparece mais freqüentemente nos cachorros mais idosos. Os sintomas são variados e vão desde uma simples constipação a convulsões com possíveis paralisias. Muitas vezes os que se recuperam podem ficar com "seqüelas" que se traduzem por contrações musculares não controladas.

A melhor forma de prevenir esta doença é mantendo a vacinação do seu cão atualizada, pois o tratamento pode ser inútil mesmo com o uso das técnicas e medicamentos mais modernos.

O tratamento consiste essencialmente em controlar as infecções secundárias que poderão aparecer no cão debilitado, na desparasitação e na manutenção de uma nutrição e hidratação equilibradas.

Leptospirose

É uma doença contagiosa provocada por uma bactéria e provoca vários sintomas: febre, vômito, desidratação, falência hepática ou renal aguda e aparecimento de pequenas hemorragias. O tratamento consiste na administração de antibióticos, juntamente com medidas de suporte do estado hídrico do animal. De qualquer forma, é sempre bom ter um esquema de vacinação atualizado.

Hepatite

Doença contagiosa provocada por um vírus que atinge o fígado e endotélios (córnea). Os sintomas têm evolução hiperaguda (o cão morre em horas) ou aguda (5 a 7 dias) e são variados: febre, vômito, diarréia, dor abdominal e desidratação. O tratamento consiste no suporte hídrico e nutricional do cão até que se recupere da infecção hepática.

Tosse de Canil

É uma traqueobronquite infecciosa e tem como etiologia múltiplos vírus que facilmente se transmitem de um cão para outro. Embora o cão permaneça bem disposto, começa a apresentar uma tosse profunda como se estivesse "engasgado". O tratamento é geralmente bem sucedido, mas o animal pode levar semanas para se recuperar, por isso, a vacina diminui a freqüência desta doença.

Raiva

Doença contagiosa provocada por um vírus e atinge mortalmente todos os animais de sangue quente, inclusive o Homem. O vírus é eliminado na saliva, e a sua propagação ocorre quando um animal doente morde um saudável. O vírus atinge o sistema nervoso do animal, provocando alterações do seu comportamento (agressividade, nervosismo, desorientação, convulsões) e paralisia progressiva. O animal morre por paralisia respiratória.

 

ESQUEMA DE VACINAÇÃO PARA CÃES

42 dias

Parvovirose e cinomose

60 dias

V8 e Tosse dos canis

90 dias

V8 e Tosse dos canis

120 dias

V8

150 dias

V8 e Anti-rábica

V8: Vacina contra parvovírus, coronavírus, cinomose, parainfluenza, leptospirose e adenovírus tipo 2.

Tosse dos canis: Vacina contra bortetella.

Anti-rábica: Vacina contra raiva.

Observações: As vacinas V8, tosse dos canis e anti-rábica devem ser repetidas anualmente.

 

VERMIFUGAÇÃO

Programa de vermifugação sugerido:

  • Filhotes: Durante a amamentação e após o desmame

  • Jovens: Intervalo de 3 em 3 meses

  • Adultos: Intervalo entre 3 e 6 meses, dependendo do ambiente em que vivem.

  • Fêmeas em reprodução: Antes do acasalamento e 10 dias antes do parto

Observações: É recomendado repetir o tratamento após 15 dias e sempre vermifugar todos os animais que convivem no mesmo ambiente.

Somente o médico veterinário saberá indicar um vermífugo específico para cada fase da vida do animal.

MAU HÁLITO

O mau hálito pode ser sinal de gastrite, gengivite, infecção de garganta, ou putrefação de alimentos. Uma alimentação com ração pode ajudar a melhorar o hálito.

O tártaro e/ou placa bacteriana, também causam mau hálito. Você deve levar o seu cão ao veterinário para uma limpeza nos dentes e, para prevenir ou amenizar o problema, você pode fazer uma escovação dos dentes dele com produtos específicos encontrados em Pet Shops, bem como dar ossos para o cão roer.

Algumas raças, como o Boxer e o Cocker Spaniel, possuem a comissura labial muito desenvolvida, facilitando a retenção de alimentos e saliva, causando mau hálito, por isso devem ser levados ao veterinário para identificar a causa e receber orientação específica.

Cuidados de Higiene e Limpeza

Os cães e gatos podem facilmente se infestar com vermes, carrapatos, pulgas e piolhos quando ficam em locais sujos. Manter limpo o local onde seu animal costuma ficar é muito importante.

Muito importante, também, é você se habituar a limpar seu animalzinho. A escovação ajuda a manter os pelos limpos e sem nós, sendo também uma ótima oportunidade para se verificar a presença de "bichinhos" indesejáveis, como pulgas, carrapatos e piolhos que além de picarem o animal podem ser transmissores de doenças.

Banho

Banhos são necessários e o intervalo entre eles vai depender da raça e do local onde seu animal vive. Use sempre produtos específicos para cães ou gatos (lembre-se, eles não são como pessoas). Prefira os dias quentes, seque-os bem após o banho e tome cuidado para não entrar água nos ouvidos. Muitos banhos podem tirar a oleosidade natural dos pêlos deixando-os menos brilhantes e mais sensíveis.

Os gatos têm hábitos de higiene próprios, se lambem para "tomar banho", porém, alguns gatos não se limpam tão bem o que faz com que necessitem de banhos além da escovação.

Unhas

As unhas devem estar sempre curtas, pois unhas compridas podem incomodar quando o cão andar e deformar o aprumo deixando-o com "patas tortas". Os gatos também devem ter suas unhas aparadas quando estão muito longas. Oferecer um arranhador para o gato fará com que ele mesmo apare suas garras além de evitar que utilize suas mobílias para esse fim.

Dentes

O filhote possui dentes de leite que caem sozinhos e aos 7 meses já tem sua dentição definitiva. A limpeza dos dentes é muito importante para a saúde do seu animal. Escovação freqüente, ossos de nylon, biscoito para cães e ossos de couro são indicados e previnem a formação da placa bacteriana impedindo o desenvolvimento da doença periodontal. Para os gatos vale a mesma regra, porém como eles não roem ossos, procure oferecer petiscos que controlem a formação do tártaro.

Orelhas

As orelhas devem ser limpas com algodão seco ou embebido em soluções específicas para esse fim. Evite introduzir cotonetes no conduto auditivo. Em caso de secreção excessiva e de mau cheiro, consulte um veterinário.

Como nós, os cães e gatos necessitam se exercitar para desenvolver uma boa musculatura. Para os cães, uma boa caminhada todos os dias ou mesmo um exercício com bola ou outro brinquedo ajudarão a manter a forma. Para o filhote que ainda não completou a vacinação e, portanto, não pode sair para passear, exercite-o com uma bola. Para os gatos, uma bolinha ou outro brinquedo específico já dão bons resultados, porém, não devemos nos esquecer que os gatos podem dormir até 16 horas por dia e é à noite que eles têm mais energia.

Limpeza dos Olhos

Quando seu cão ou gato apresenta secreção nos olhos (nos de pêlo longo é mais freqüente) convém limpá-los, pois, em contato com a poeira, forma um acúmulo de sujeira que pode causar uma infecção local. O soro fisiológico é um dos melhores produtos para isso (não causa alergia e nenhum outro inconveniente).

Embeba um chumaço de algodão com o soro e passe nos olhos do seu animal. Faça isso como parte de uma rotina de higiene dele. Mas cuidado, se a secreção for muito intensa ou de cor amarelada (pus), leve-o ao veterinário, pois ele pode estar com uma infecção nos olhos.

Calos nas Patas

Os calos geralmente aparecem em animais de grande porte, principalmente naqueles que dormem em pisos ásperos como o cimento. O melhor mesmo é evitar o aparecimento, oferecendo um lugar menos áspero para ele dormir, podendo-se forrar o piso com uma lâmina de borracha que, além de não machucar, impede que entre em contato com a friagem do piso. Mas se eles já apareceram, você pode acabar ou pelo menos amenizar com óleo de amêndoas.

Caspa

Os cães também têm caspa e as causas podem ser as mais variadas possíveis: alergia a produtos químicos (xampus), insetos (carrapatos e pulgas), alimentação inadequada, alterações de metabolismo, excesso de carboidratos e problemas genéticos (seborréia dos Spaniels).

Se seu cão estiver com caspa, não use xampus anticaspa, pois podem trazer complicações, só podendo ser usado por indicação do veterinário que terá condições de identificar a causa e oferecer tratamento adequado.

Cão com mau cheiro

Pode ser sinal que algo não vai bem com a saúde dele. Freqüentemente, a causa é uma inflamação das glândulas perianais ou aduanais, que produzem uma secreção com mau cheiro muito forte e que fica muito evidente quando ele toma banho ("cheiro de cachorro molhado"). Neste caso, o veterinário pode fazer uma drenagem das glândulas, tratamento com antiinflamatórios e antibióticos ou até a sua remoção cirúrgica, caso seja necessário. De qualquer forma, se seu cão estiver com um mau cheiro muito forte, mesmo estando limpo, leve-o ao veterinário.

Tártaro é duro demais para a escova.

Não se deixe enganar! Muitos Pet Shops oferecem serviços de remoção de tártaro com escova e pasta de dentes e cobram uma fortuna! Tártaro não sai com escovação! Leve seu animal a um veterinário para que ele faça a limpeza com instrumentos adequados.

Longevidade

O conhecimento da idade do cão em relação à idade humana ajuda a entender melhor o comportamento dos animais. São diversas as explicações e teorias que estudam esse processo através de escalas matemáticas. Existem duas teorias filosóficas: a americana e a francesa. Segundo a escola americana, cada ano do cachorro corresponde a sete anos do ser humano. Já para a escola francesa, só o primeiro ano de vida do animal representa, fisiologicamente, 21 do homem.

Essa comparação, na verdade, não é precisa. Não existe tabela exata, pois a idade do cão varia com inúmeros fatores como raça, porte e cuidados de saúde. Apesar da teoria americana ter se tornado a mais convencional por muito tempo, ela é bastante complexa, porque devem ser analisadas as diferenças no tempo do desenvolvimento humano em comparação com o animal. Com 1 ano, o cão está com seu corpo praticamente do tamanho adulto, o que não acontece com o ser humano, cujo desenvolvimento é mais lento.

A escala prevista pela escola francesa tenta comparar os estágios de desenvolvimento iniciais da vida do cão com as fases dos seres humanos.

Raças de pequeno porte geralmente alcançam seus tamanhos finais entre 8 e 12 meses; raças de porte médio entre 12 e 16 meses; raças de porte grande entre 16 e 18 meses; e as raças gigantes, por volta dos 2 anos. Na fase de envelhecimento a expectativa média de vida de um cão de pequeno ou médio porte é de, aproximadamente, 12 anos. Já os cães grandes e raças gigantes têm expectativa de vida mais curta.

Estudos realizados apontam que raças de grande porte, como o dogue alemão, têm um metabolismo superacelerado e, com sete anos de idade, já podem ser considerados idosos. Já um poodle com a mesma idade ainda está bem ativo. Nos cães de pequeno porte, a longevidade é grande. Também existem os vira-latas que, por terem uma carga genética bem variada, são muito mais resistentes e, geralmente, têm uma vida longa, mesmo os de maior porte.

Na rua

Jamais tente se aproximar de um animal estranho. O ideal é passar longe do cão na rua, a menos que ele esteja devidamente seguro pelo dono, caso contrário, o melhor é não passar perto.

Não olhar diretamente nos olhos do cão e evitar gestos que possam demonstrar agressividade.

Caso um cão venha cheirá-lo o melhor é ser natural; se estiver andando, continue da mesma forma e intensidade; se estiver parado, continue parado e evite sair correndo, pois o cão pode se sentir desafiado e querer correr atrás de você.

Provavelmente, um animal de rua somente irá mordê-lo caso se sinta ameaçado e isto somente acontecerá se você esboçar algum gesto agressivo para ele.

Lembre-se: cães em matilha agem de forma diferente da qual agiriam se estivessem sozinhos. Nas ruas, é comum os animais andarem em matilhas em busca de comida ou estarem em momento de conflito. Por isso, jamais tente agredi-los ou provocá-los e, se possível, nem chegue perto deles, pois você pode acabar sendo a vítima.

Em caso de mordidas de animais lave o ferimento com água e sabão; caso esteja sangrando muito, jogue água oxigenada 10 volumes em cima do ferimento e procure estancar o sangue pressionando o ferimento com um pano, mas cuidado, não enrole e amarre o pano, nem faça torniquetes, apenas o pressione sobre o ferimento e procure um médico imediatamente.

Mordidas de animais, mesmo os vacinados, são altamente infecciosas.

Como Ajudar nos Cuidados com os Animais Resgatados

Após um animal ser resgatado da rua, ele tem um longo estágio a percorrer até que esteja em condições de ser doado, uma vez que devem ser vacinados, vermifugados, esterilizados e estar em boas condições de saúde.

Eles devem receber uma boa alimentação e muitos têm que ser medicados, sem qualquer ajuda de entidades públicas ou ONG's.

Para aqueles que não tem condições de adotar ou não podem fazê-lo, mas querem ajudar, poderão fazer doações de:

  • Ração para cães (As marcas mais usadas são Pedigree Jr, Champ e Alpho);

  • Ração para gatos (Cat Chow gatinhos e adultos de qualquer sabor);

  • Latinhas, usadas para dar medicamentos e estimular os animais mais fraquinhos a comer;

  • Areia sanitária para gatos;

  • Medicamentos de uso veterinário e também de uso humano;

  • Roupinhas, cobertores, caminhas, casinhas, guias, coleiras, brinquedos, comedouros e jornais velhos;

  • Qualquer quantia em dinheiro, que será usada para custear castrações e vacinas, além de compra de medicamentos e ração.

Os interessados podem ainda apadrinhar os animais pelo site, numa espécie de adoção à distância. Você escolhe um dos animaizinhos do site e fica responsável pela sua alimentação até que ele seja adotado.

Para maiores informações: ligue para (11) 3755-1037 e fale com a Dr. Maria Estrela ou entre em contato através do E-mail: adoteumamiguinho@yahoo.com.br ou ainda acesse o site: http://www.adoteumamiguinho.org

 


Se Você quer contribuir de alguma forma, entre em contato através do e-mail: adoteumamiguinho@yahoo.com.br  Os amiguinhos agradecem!!!

Antes de pensar em comprar um companheiro pense em adotar!
Estrela e Ramos Ramos de barriga cheia Maria Eduarda e Maria Paula
 
 

"Ninguém pode se queixar da falta de um amigo podendo ter um cão"
Marquês de Maricá

Para maiores informações ligue para (11) 3755-1037 e fale com a Dr. Maria Estrela (Pet Real - R. Luiz Gonzaga de Azevedo Neto, 173, Real Parque, São Paulo, SP) ou entre em contato através do
E-mail:  adoteumamiguinho@yahoo.com.br

1