Escritor vê perigo de colapso da tecnologia, com o passar dos anos
[07/07/03 - 21h17]
WSCOM Online, da Redação


O funcionário público e escritor Pedro Severino de Souza encaminhou ao WSCOM Online, com pedido de publicação, um texto fatalista sobre o destino da tecnologia. O processo, segundo Severino Souza, tende a levar a humanidade de volta à Idade da Pedra. Leia o artigo.

Mundo Virtual

A tecnologia de ponta, através da informática, trouxe um benefício precioso para a economia mundial, que sem sombra de dúvida, agiliza as relações econômicas, culturais e até políticas entre as nações, e os meios de produção, através da automação (robotização), gerando, simultaneamente por meio da Internet, uma aldeia global. No entanto, em contrapartida, concentra renda, beneficiando o capital, em detrimento do homem, pois, gera, milhões ou talvez bilhões, de desempregos nesta economia automatizada, na qual o homem é trocado pela máquina. É um contra senso, pois, o capital e a máquina não possuem vidas, enquanto que o homem, a possui. Tudo isto, fomenta este modelo econômico neoliberal moderno e avançado, porém, perverso e injusto socialmente.

Além de robotizar os meios de produção, a tecnologia de ponta, superespecializa a força do trabalho, ou seja, a mão-de-obra. E, ao mesmo tempo, auto-superespecializa a própria tecnologia e por via de conseqüência, toda atividade humana, e que com o decorrer do tempo, deixará o homem, em todos os níveis de trabalho, dependente exclusivamente da máquina. E que, paulatinamente, vai acondicionando o homem, a um aculturamento virtual. Gerando, reversivelmente, um mundo virtual.

Este mundo virtual, levará a humanidade a um “beco sem saída”, e sem retorno para o mundo real, pois, tudo vai ser artificial e virtual e ao mesmo tempo, correndo um provável colapso na sua existência virtual, mediante sua fragilidade e falta de consistência na sua composição tecnológica-eletrônica, perante as leis cosmológicas e geofísicas.

E na vulnerabilidade da sua própria estrutura tecnológica, pois, permite invasão de corpos estranhos neste sistema, como: vírus, piratarias eletrônicas, todo tipo de terrorismo e sabotagem eletrônica.

Um fato que reafirma a vulnerabilidade deste sistema, foi o Bug do milênio, tão propagado e divulgado na época pela própria mídia eletrônica. Uma simples passagem de ano (1999 para 2000), gerou uma enorme confusão, imprevisão e incerteza neste mundo informatizado, a não ser que criaram estas expectativas com interesses escusos.

A informatização, ou melhor, o mundo virtual, só existe devido à eletronização da tecnologia. Ele é necessariamente interligado via Internet à rede de satélite artificial em órbita da terra para se emitir sinais a toda latitude e longitude do planeta, sem exceção. Assim, já funciona por meio da informática muita atividade humana, como por exemplo, toda mídia eletrônica, operações bancárias, controles de vôos em terminais de aeroportos, entre outras. Em um futuro próximo, todas as atividades humanas, até mesmo as atividades rudimentares, serão informatizadas.

Para melhor explicitar esta fragilidade e falta de consistência de sistema informatizado, basta então, que ocorra uma pequena pane nesta rede de satélites, através de uma poeira cósmica mais intensa, que tire de órbita esta referida rede. O fenômeno não é improvável e ocorre com certa freqüência, porém, em uma magnitude pequena, não chegando com força suficientemente para danificar esta rede de satélite.

Uma prova palpável disto, segundo a ciência astronômica, é que provavelmente, no ano 2026, um cometa, entrará em colisão com a rota da terra, entretanto, a própria tecnologia, terá meios para desvia-lo ou desintegrá-lo, antes que atinja a terra, através da técnica do raio laser. Mas, todavia, este cometa, trará, gravitacionando em torno de si, pequenos asteróides, meteoritos e mais, fragmentos e partículas desagregados da sua própria matéria, nesta longa e infinita jornada estelar. Embora seja desviado ou desintegrado, seus fragmentos, partículas, virão de forma dispersa, ou seja, pulverizados. Como este monitoramento é dificultado, provavelmente atingirá esta rede, deixando seqüelas irreversíveis e até mesmo, mortais para o sistema on-line.

Porventura, se um dia, um desses fenômenos cosmológicos referidos anteriormente, vier a acontecer, fatalmente, esta civilização ultramoderna e virtual, voltará, comparativamente, ao homem da Idade da Pedra.

 


 

 

1