ANOTAÇÕES

As Aventuras da Liga Extraordinária

Por Jess Nevins (jjnevins@ix.netcom.com)

Capítulo I: Sonhos de Império

Página 11, quadrinho 3

Este é o Capitão Nemo. O personagem de Verne é, como Moore mostra aqui, um príncipe indiano, um Sikh, levado à misantropia pela injustiça britânica; ele não é alguém que se parece com James Mason. O evento específico que levou Nemo a se tornar um pirata foi a supressão brutal pelos britânico dos indianos durante a insurreição deles em 1857-1858, um evento que deixou uma marca profunda na psique vitoriana, e uma marca até mais profunda no indiano; foi cheia de brutalidade e atrocidades de ambos os lados, e fortaleceu conservantismo britânico no subcontinente.

Em A Ilha Misteriosa, a origem de Nemo é descrita deste modo:

Capitão Nemo era um indiano, príncipe Dakkar, o filho de um rajah do então território independente de Bundelkund [1] e um sobrinho do herói indiano Tippu Sahib [2]. O pai dele o enviou para a Europa quando ele tinha dez anos para que ele recebesse uma educação completa com a intenção secreta de que lutaria um dia de braços iguais contra esses a quem ele considerou ser os opressores de seu país.

Em 1857, a Grande Revolta Sepoy [3] estourou. O príncipe Dakkar foi a sua alma. Ele organizou o imenso motim. Ele pôs os seus talentos e as suas riquezas ao serviço desta causa. Ele se sacrificou. Ele lutou nas linhas dianteiras, ele arriscou a sua vida como o mais humilde dos heróis que tinham tornado livre o país deles; ele foi ferido dez vezes em vinte embates, mas não pôde achar a morte quando os últimos soldados da batalha pela independência caíram sob as balas inglesas.

[1] Bundelkund, também conhecida como Bundelkhand, está localizada na parte oriental da Índia Central, e é agora uma parte de Madhya Pradesh, na parte centro-norte da Índia. Não foi “repassada” ao controle britânico até 1817, o que poderia ter sido feito por Nemo em seus 70 ou 80 anos na época da Liga se lhe enviassem para longe do território independente com a idade de 10 anos.

[2] Tippu-Sahib era, presumivelmente, o Sultão de Tipu (1753-1799), o filho de Haidar Ali. Haidar Ali (1721-1782) assumiu o trono de Mysore em 1761, combateu na Inglaterra e eventualmente os forçou a assinar um tratado de ajuda mútua, em 1767. Haidar Ali , com a ajuda francesa, atacou os britânicos na Carnataca em 1780, mas foi morto em 1782. O Sultão de Tipu continuou a batalha na Segunda Guerra Anglo-Mysore, mas parou quando a ajuda francesa foi retirada, em 1784. Em 1790 Tipu atacou a cidade de Travancore e começa a Terceira Guerra Anglo-Mysore, mas foi derrotado em 1792. Em 1799 Tipu, aprofundou as correspondências e negociações com os franceses, recusando a cooperar com o Governador-Geral britânico nos seus esforços de suprimir a influência francesa na Índia. Os britânicos enviaram dois exércitos para Mysore e conduziram Tippu em Seringapatam, a sua capital, e a tomou por desgaste; Tipu morreu, lutando bravamente numa brecha de seus muros.

O Sultão de Tipu, o Tigre de Karnataka, aplaudiu os princípios da Independência Americana e a Revolução Francesa e era um Aufklaerer, um homem de esclarecimento. Ele era muçulmano, mas tolerou o Hinduísmo e até mesmo adorou no Templo da deusa Sri-Ranga ... ele foi supostamente o primeiro homem na história a usar foguetes na guerra...

...aparentemente possuidor de um magnífico tigre mecânico que usou como um dispositivo de tortura para matar os seus inimigos. Um conto fictício do seige de Seringapatam, e mais sobre o próprio Sultão de Tipu, pode ser encontrado em Sharpe's Tiger, de Bernard Cornwall.

[3] A Grande Sepoy, ou O Grande Motim, foi a culminação do grande descontentamento indiano com as regras britânica. Os “sepoys” eram os asiáticos que se agrupavam nos exércitos da Companhia da Índia Oriental, que era para todos os intentos e propósitos, o poder militar britânico na Índia (havia relativamente algumas unidades regulares do exército britânico presentes na Índia antes disto). Os sepoys nos exércitos da Companhia eram em maior número que os britânicos, em torno de 7 para 1, mas eram (claro) comandados por um corpo de oficiais do exército britânico, a maioria deles eram e/ou incompetentes e/ou mercenários e/ou cruéis, e havia muita intranquilidade nos exércitos. O rifle de cartucho Minié foi introduzido nessa época; tinha que ser mordido para carregar, e um rumor se espalhou entre elementos desafeiçoados do exército de que a graxa usada no cartucho incluía gordura de vacas e porcos. Este rumor - dos quais recentes investigações mostraram ter tido um pouco de verdade - era imensamente ofensivo tanto para os hindus, para quem a vaca é uma criatura sagrada, como para os muçulmanos, para quem o porco é um animal sujo. Quando 85 sepoys em Meerut recusaram-se a aceitar os novos cartuchos, eles foram desgraçados e foram encarcerados; um regimento indiano os libertou e matou tantos europeus quanto puderam e incitaram massacres e contra-massacres.

Aquela concha na frente do turbante de Nemo é, claro, um nautilus (uma criatura marinha).

Memesahib é uma palavra Hindu, usada pelos hindus e muçulmanos na Índia colonial quando se dirigiam ou falavam a uma mulher européia de status social ou oficial; sahib é a palavra usada quando se dirigiam a um homem.

Essa foi a primeira vez em que Nemo foi descrito como "Indiano" em seus trajes, e que (além disso) ele se assemelhava ao retrato de Nemo em Fushigi No Umi No Nadia, (Nadia: O Segredo de Água Azul), é ao mesmo tempo um adaptação de animé iniciada no mesmo período da Liga, é sobre uma menina de circo chamada Nadia e é baseada um pouco em Vinte Mil Léguas Submarinas.

Nemo tinha sessenta anos durante os eventos de A Ilha Misteriosa, o que o faria consideravelmente mais velho durante a época da Liga. Moore & O'Neill tomaram alguma licença artística com o aparecimento de Nemo aqui, e Nemo não é quase tão distintamente um indiano em trajes indianos dos romances de Verne.



Página 11, quadrinho 4


Maometanos é uma antiga palavra muçulmana; foi, entretanto, em voga durante a era vitoriana. Além disso, como um indiano, Sikh, e hindu, é bastante lógico que ela seria um depreciativo de muçulmano; os Sikhs e os muçulmanos raramente se deram bem, e mais freqüentemente têm-se dado a cortar as gargantas uns dos outros.


Página 11, quadrinho
5


Homem com punhais: Não deixe os diabos brancos escaparem ... aquele grandalhão maldito ... ele não é... [1]

Página 11, quadrinho 6

Homem: Você irá nos dizer...

[1] o ele não é talvez seja uma referência à figura de um policial, ou para Quatermain ou para Nemo.

Página 13, quadrinho 5

Nemo é a palavra latina para ninguém. Nemo não é o nome real do Capitão do Nautilus, no romance de Verne; quando perguntado sobre sua identidade, ele diz:

Eu não sou nada mais para você do que Capitão Nemo; e você e seus companheiros não são nada mais para mim do que passageiros do Nautilus.

Isto é, com toda probabilidade, uma referência de Verne para a tática de Odysseus para o Ciclope Polyphemus onde ele disse que o seu nome era Homem Nenhum.

VOLTAR ------------- 5 DE 6

 

 

 
 
 
1 1