ANOTAÇÕES

As Aventuras da Liga Extraordinária

Por Jess Nevins (jjnevins@ix.netcom.com)

Esse texto é divulgado com a permissão do Autor. Thanks, Jess!


Capítulo V: Um Poder Oculto e Dominador...

Capa

Esta é uma capa padronizada dos quadrinhos britânicos do início do século XX. O livro Discovering Comics (Descobrindo Os Quadrinhos), de Denis Gifford, mostra que esta é de uma edição de 1901 de Century Big Budget, que usa este exato formato. As quadras rimadas foram usadas na tira Rupert Bear do jornal Daily Express até os anos oitenta.

O título deste capítulo é uma citação de Holmes; ele está descrevendo Moriarty quando diz, em O Problema Final:

Como você está ciente, Watson, não há ninguém que conheça tão bem o mundo do crime de Londres como eu. Durante anos, estive continuamente consciente de parte do poder por trás dos criminosos, um poder oculto e dominador que sempre permaneceu no caminho da lei, e lança sua proteção por sobre os malfeitores.


Página 1

Esta é, claro, a confrontação entre Professor Moriarty e Sherlock Holmes, descrita em O Problema Final, a história que A.Conan Doyle pretendeu ser a última de Holmes. (Doyle veio a detestar Holmes e ficou radiante ao se livrar dele em O Problema Final) As Quedas de Reichenbach existem, no distrito de Berna, na Suíça. 4 de maio de 1891 foi a data estabelecida em O Problema Final para o fim de Holmes.


Página 2, quadrinho 1

Em O Problema Final, Holmes e Watson estão passeando pelo caminho visto na página 1 quando Watson, um médico, é chamado de volta para o hotel por um bilhete que pede a ajuda dele para confortar uma inglesa que está morrendo de tuberculose. O bilhete é um ardil, como Holmes percebe aqui.


Página 2, quadrinho 2

Este estilo de conversação, onde os processos de pensamento de ambos são os mesmos, e eles chegam independentemente às mesmas conclusões, é visto em O Problema Final. Watson realmente estava casado em 1890. Ele se casou em setembro de 1888.


Página 2, quadrinho 4

Igualmente, a idéia que ...não há nada pessoal nisto é vista em O Problema Final. Moore está sendo bastante fiel ao texto original.


Página 2, quadrinho 6

A alegria de Moriarty em ...a matemática lógica e dourada de tudo é uma referência a seu passado. Moriarty é descrito em O Problema Final como um homem bem nascido e de excelente educação. Dotado por natureza com uma fenomenal aptidão matemática. Aos vinte e um anos ele escreveu um tratado sobre o teorema binomial. Em virtude disto, ele ganhou a cátedra matemática em uma pequena universidade, e teve, aparentemente, uma carreira pouco brilhante.


Página 2, quadrinho 7

O bilhete que Holmes está escrevendo é o seu adeus para Watson, que pode ser vista por completo em O Problema Final.


Página 3, quadrinho 2

Note a figura no porta-cigarros nas mãos de Holmes. Watson, em O Problema Final, descreve-o como o porta-cigarros prateado que ele levava. Tem a mesma figura, coroada com um ponto de interrogação, que apareceu na capa da primeira edição da série.

Será essa figura o símbolo de uma Liga Extraordinária anterior?


Página 4, quadrinho 1

Holmes, em The Adventure of the Empty House (A Aventura da Casa Vazia) a história na qual ele retorna, diz que Moriarty não sacou nenhuma arma quando ele avançou contra Holmes. Mas pode ser que Holmes não se recorde dos eventos ocorridos em Reichenbach. Os movimentos de Holmes, enquanto lança Moriarty do precipício, são derivados, em suas próprias palavras, do baritsu, ou o sistema de luta japonês.


Página 5, quadrinho 2

Em The Adventure of the Empty House, Holmes comenta a queda de Moriarty:

Com minha face sob a beira, eu o vi cair por uma longa trajetória. Então ele bateu em uma pedra, desacelerando a queda, e se esparramou na água.


Página 6, quadrinho 2

Ainda em The Adventure of the Empty House, Holmes diz:

Eu levantei a cabeça e examinei a parede rochosa atrás de mim. Em sua pitoresca consideração sobre o assunto, que depois li com grande interesse há alguns meses, você afirma que a parede era escarpada. Isso não era literalmente verdade. Havia alguns pequenos apoios para os pés e as mãos, e havia a indicação de um peitoril. O precipício é tão alto que escalar todo ele era um impossibilidade óbvia, e era igualmente impossível fazer meu retorno pelo caminho molhado sem deixar alguns rastos. Eu podia, é verdade, inverter minhas botas, como eu fiz em ocasiões semelhantes, mas a visão de três rastros em uma única direção certamente sugestionaria uma burla. Então, era melhor que eu devesse arriscar a subida.


Página 6, quadrinhos 3-4

Mais de The Adventure of the Empty House, onde Holmes diz:

Eu não sou uma pessoa estranha, mas eu lhe dou minha palavra que me pareceu ter ouvido a voz de Moriarty, gritando comigo do abismo.


VOLTAR ------------- 2 DE 3

 

 

 
 
 
1 1