A Comissão Européia anunciou, na última semana, a nova lei de pesticidas, que impede a renovação da licença de mercado do agrotóxico glufosinato de amônio - usado em lavouras de algodão, milho e arroz transgênicos, dentre outras culturas - em seus países membros. Outros 21 pesticidas também entraram na lista.Apesar da boa notícia, a lei só vale para as futuras licenças de uso e suas renovações. Com isso, algumas substâncias perigosas permanecerão sendo utilizadas até 2020, colocando em risco populações e o meio ambiente.A conclusão do corpo de cientistas consultados pela Comissão é de que o glufosinato apresenta alto nível de toxicidade, considerado impróprio para uso em lavouras e para consumo humano, mesmo em quantidades mínimas.O glufosinato é produzido pela Bayer, que também desenvolve transgênicos resistentes a este tóxico. Um exemplo de transgênico resistente a glufosinato é o
Agrotóxico usado em arroz transgênico da Bayer tem os seus dias contados na Europa
arroz Liberty Link 62, que, no Brasil, aguarda audiência pública antes de ser votado na CTNBio.“A CTNBio deve avaliar o arroz transgênico resistente a glufosinato com a mesma seriedade que levou a Comissão Européia a banir este tóxico. Se for séria, a CTNBio não aprovará nenhum transgênico resistente a glufosinato de amônio nos próximos anos”, comentou Rafael Cruz, coordenador da campanha de transgênicos do Greenpeace.A autoridade de segurança alimentar européia – EFSA lançou, em 2005, relatório sobre os riscos do glufosinato de amônio ao meio ambiente e à saúde humana. Dentre as conclusões, há “risco agudo para crianças”, “alto risco para mamíferos” e “alto risco” para a biodiversidade.Após escândalo de contaminação genética de campos de arroz nos Estados Unidos, ocorrido em 2006, muitos países fecharam as portas para o arroz americano. Os prejuízos calculados chegam a mais de um bilhão de dólares."O arroz transgênico da Bayer e o glufosinato de amônio são irmãos inseparáveis – quem gostaria de consumir um arroz modificado geneticamente e tradado com um produto altamente tóxico?”, questionou Jan Van Aken, coordenador da campanha de agricultura sustentável do Greenpeace.Atualmente há dois tipos de milho transgênicos desenvolvidos para resistir ao glufosinato de amônio aprovados no Brasil. Em 2007, a ANVISA recomendou ao Conselho Nacional de Biossegurança, formado por onze ministros, que mais estudos sobre os efeitos negativos do glufosinato fossem feitos, antes da liberação do milho T25 da Bayer. O CNBS não considerou este posicionamento grave o suficiente para reprovar o milho da Bayer.Em 2008, o Brasil assumiu a liderança no consumo mundial de agroquímicos, posição antes ocupada pelos Estados Unidos, segundo estudo da Kleffmann Group. Das nove variedades agrícolas transgênicas aprovadas pela CTNBio, seis são resistentes a agrotóxicos.
Retitado do www.greenpeace.org.br
 
Loading libraries...
1