TRADEWINDS

Uma Longa Estória
"As flores que um amante de Deus colheu em seu jardim de rosas e que quis dividir com seus amigos subjugaram de tal forma sua mente por sua fragância, que caíram do seu regaço e murcharam". Poesia Sufi
UMA LONGA ESTÓRIA - Trabalho Incorreto dos Centros

Um aspecto importante ao se estudar as funções e os centros é a observação não somente do seu trabalho correto mas de seu trabalho incorreto também.

A natureza criou no homem uma espécie de salvaguarda da vida, de forma que quando um centro está impossibilitado de exercer sua função, outro centro possa exercê-la, ainda que de forma temporária e incompleta.

Essa substituição, quando prolongada é causa de grande desequilíbrio no organismo humano e assim de grave impedimento ao acesso às duas funções superiores.

Vamos a dois exemplos:

A respiração espontânea é coordenada pelo centro instintivo, porém podemos passar seu comando ao centro intelectual quando praticamos uma respiração artificial. Suponhamos que decidimos contar até 3 mentalmente e então inspiramos o ar; contamos novamente até 3 e expiramos, e assim por diante. O centro formatório, a parte mais inferior do centro intelectual consegue reproduzir uma respiração, embora utilize outros grupos musculares e vias nervosas diferentes.

Quando adoecemos, o centro instintivo utiliza a energia do centro intelectual e emocional, não nos permitindo pensar ou sentir de forma adequada. Com a progressão da doença, retira também a energia do centro motor, impedindo-nos de nos locomovermos. Se essa situação continua, o centro instintivo também se esgota e morremos, ou pode ocorrer o inverso e somos curados.

Devemos encontrar por nós mesmos outros variados exemplos do trabalho incorreto dos centros, mas vamos a mais alguns:

NO CENTRO MOTOR:

- Quando tenta substituir completamente o centro intelectual dá uma leitura mecânica, onde pronunciamos as palavras ou rezamos sem saber exatamente o quê.

- Tensões musculares.

- Nervosismo e pressas inúteis, quando utiliza a energia do centro sexual.

CENTRO EMOCIONAL:

- Ansiedade, angústia, estresse emocional.

- Preconceitos, julgamentos apressados e inadequados vêm do centro emocional, quando deveriam ser submetidos a um exame prévio do centro intelectual.

CENTRO INTELECTUAL:

- Devaneios; atividade do pensamento requerendo o mínimo de atenção possível. Se observarmos corretamente, veremos que nesse caso, o nível de consciência se encontra bem baixo, próximo ao nível do sono.

- Quando utiliza sua energia normal, argumenta, debate. Porém quando rouba energia do centro sexual, critica excessivamente, criando polêmicas e controvérsias, ou então cria o medo do pecado, o horror do inferno, o tormento dos pecadores, tudo com energia sexual.

- Imaginação excessiva de ordem sexual.

- Deliberações lentas, indecisões, quando tenta dar resposta a uma situação em que seria melhor utilizar o centro emocional.

TEXTO NÃO ACABADO E NÃO REVISADO

***