Discografia
h

DT "Where The Warriors Ride..." - 98

h
Debut "Battletales and Songs of Steel" - 2002 - Evil Horde Records
h
Formação (2002)
Surgat (vocals)
h
E.LordWizzard (drums)
h

Site: Great Vast Forest Ofical Page
E-mail: gvforest@hotmail.com 

Vindo das terras do sul, precisamente Santa Catarina, abro espaço para uma das hordas mais extremas do nosso Black Metal Scene! Sobre o rótulo de Barbarian Black Metal, o Great Vast Forest lança o seu debut "Battletales and Songs of Steel" pela Evil Horde Records e para aproveitar o gancho converso aqui com o guitarrista Iconoclastor, que além do debut debatemos o nosso underground, extremismo, a participação deles no "Fuck The Bastard Chil I", o maior festival de Black Metal do Brasil, entre outros... Quer saber mais guerreiro, empurre o portão e entre para o calabouço bárbaro do Great Vast Forest... Boa leitura...

por Vinícius Botti Vidal


B.O.H.M.) O Great Vast Forest é uma horda que existe desde 1995, desde a sua criação até os primórdios, como tem ocorrido todos os planos que se tinha no início do GVF, os objetivos principais, quais eram, mudaram ou vocês conseguiram tudo que haviam planejado?

RES (Iconoclastor): Sobre a Great Vast Forest, sempre seguimos o fluxo natural das coisas, realizamos uma etapa por vez, pensando unicamente na situação que nos encontramos em determinado período. Traçamos objetivos e lutamos incansavelmente até alcança-los. O objetivo principal é e sempre foi o mesmo: lutarmos por nossas crenças, as custe o que custarem... Cada um dos guerreiros que compõem a Great Vast Forest pode possuir alguns pensamentos divergentes, mas quando nos unimos, a horda Great Vast Forest sempre fala mais alto, e o objetivo comum é posto em evidência. Sobre o fato de conseguirmos todos os objetivos que traçamos no início de nossa união, eles estão se concretizando, sim. Estamos ainda na luta, e vamos conseguir atingir a todos, cada um há seu tempo.

B.O.H.M.) Em um breve resumo, comente sobre a história da banda, sua ideologia e som...

RES (Iconoclastor): A horda Great Vast Forest iniciou suas atividades em 1995, com Surgath nos vocais e E. LordWizard na bateria, mais um membro que tocou por um breve período as guitarras da horda. Isso se deu em Lages-SC.  Devido a problemas internos, ocorre a saída da banda do guitarrista e então une-se a horda o guitarrista Iconoclastor (Porto Alegre-RS), e o guitarrista Goat Perversion (Caxias do Sul-RS), além do section-member no baixo Molestus Necrovastor (Caxias do Sul-RS). A partir daí a Great Vast Forest inicia uma serie de composições e shows no sul do país, criando a base do que ela se tornou hoje em dia. Mais tarde, em 1997, entra o baixista oficial da horda Devilish (Farroupilha-RS), que assume o backing vocal também, e entra também o tecladista A.Lordgrimm (Garibaldi-RS). A união dos guerreiros se torna completa e 

essa sólida união perdura até os dias de hoje. Lançamos juntos nossa oficial DT “Where the warriors ride...” em 1998, e após uma maciça divulgação da mesma no underground, recebemos propostas de alguns selos nacionais e optamos por aquele que melhor se adaptaria a proposta da Great Vast Forest.         

         Em termos de ideologia, a Great Vast Forest baseia-se sua crença no barbarismo propriamente dito. Abordamos em nossas letras temas como a honra de guerreiros que lutam em prol de uma causa, usando para isso as virtudes que acreditamos serem essenciais, tais como lealdade, orgulho, bravura, coragem e honra. Além disso, a majestosa natureza sulista é uma constante em nossos espíritos, que geram a elaboração de hinos de euforia.

        Com relação ao trabalho sonoro, recomendo fortemente que conheçam nossa horda, pois acredito que falar não basta, é preciso ouvir.

B.O.H.M.) O Great Vast Forest se utiliza do termo Barbarian Black Metal, na sua opinião, qual é a importância da denominação do estilo praticado, como Vampiric, Folk, Gothic, etc. ou isto não é importante e se banalizou demais nos dias atuais?  

RES (Iconoclastor): A utilização de subclassificações para denominar hordas é interessante na minha opinião, pois isso ajuda a agrupar e diferenciar cada uma que possue características semelhantes. Afinal, hoje em dia chamar uma horda de Black Metal deixa uma vasta gama de possibilidades que está pode seguir, e a utilização destes rótulos diminui esta amplitude.  

B.O.H.M.) Agora seco e direto, nas suas palavras, o que é o Barbarian Black Metal praticado pelo Great Vast Forest?    

RES (Iconoclastor): Barbarian Black Metal para a Great Vast Forest é a completa mescla que realizamos em nosso trabalho lírico e sonoro.  Em termos de letras, o barbarismo é uma constante, relacionamos em toda a nossa essência o que os povos bárbaros relacionavam em suas vidas. Abordamos temas com o mesmo impacto que o mais bárbaro povo geraria. Em termos sonoros, é realmente necessário você ouvir para sentir o que a Great Vast Forest carrega e a sua relação com o barbarismo. Isso você não vê, mas sente!  

B.O.H.M.) Vocês estão para lançar o debut cd “Battletales and Songs of Steel” agora em fevereiro de 2002 pela Evil Horde Records, porém o CD foi gravado em fevereiro de 2001, porquê esta demora no lançamento e como foi este contrato com a Evil Horde Records?  

RES (Iconoclastor): Sobre o contrato da Evil Horde, o mesmo ocorreu no final do ano 2000. Após 2 anos do lançamento e divulgação de nossa DT, recebemos neste ano de 2000 propostas de selos nacionais para o lançamento de nosso CD de estréia. Optamos pela Evil Horde Rec. Com relação ao atraso, isso se deu por que a gravadora possuía outras prioridades. Mas hoje em dia, estamos trabalhando intensamente na elaboração de nosso material, temos a capa e a parte sonora finalizada. Estamos agora esperando a elaboração do encarte, e o mais rápido lançamento. Mas se quiserem explicações mais específicas pelo atraso, o mais fácil é perguntarem diretamente a Evil Horde.  

B.O.H.M.) Sobre a mesma Evil Horde Records, ela e a Chaos 666 Records, ambas de Curitiba-PR organizaram  e bancaram o festival black metal “Fuck The Bastard Child Festival I”. Como foi para vocês participarem deste grandioso evento (que na minha opinião, um fudido evento, porém as revistas especializadas, ou que dizem especializadas, simplesmente ignoraram o evento, e isto é lastimável) e qual a sua opinião sobre este fortalecimento de dois selos/gravadoras nacionais especializados em Black Metal?  

RES (Iconoclastor): Sobre a participação da Great Vast Forest neste evento, com certeza foi um grande prazer para nós mostrarmos todas as nossas artes às pessoas que tiveram interesse em presenciar um espetáculo da GVF. A Evil Horde e Chaos 666 são realmente selos nacionais que estão se destacando cada vez mais e mais pela seriedade que lidam com o underground. Isso é uma coisa extremamente positiva, saber que podemos contar cada vez mais com pessoas sérias que não estão por ai para perder tempo ou denegrir a imagem do underground. Sobre o desleixo das revistas “especializadas” em metal neste festival, sinto muito, mas para mim isso não faz a menor diferença mesmo, visto que não acompanho nada nas mesmas...

B.O.H.M.) Eu não sei nada à respeito, porém há várias acusações sobre o Great Vast Forest sobre cunho político espalhadas na net, principalmente em grupos de e-mail. Sobre o assunto como você comenta tais declarações? Qual a importância da política no Black Metal?

RES (Iconoclastor): Realmente este assunto é um tanto delicado. A horda Great Vast Forest não tem nenhuma ligação a nenhum segmento político. Somos unicamente uma horda de Barbarian Black Metal! Estão havendo muitos comentários, acusando-nos de assumir uma posição extremista, o que na verdade não ocorre. Basta acompanhar em nossas musicas, letras e shows. Não existem nenhuma apologia de cunho político dentro da Great Vast Forest, seja ele qual for... Em minha opinião, lugar de política é fora do Black Metal! Se alguém quiser alguma postura, assuma em sua comunidade. É preciso diferenciar as coisas...

B.O.H.M.) Quais são as influências musicais de bandas no Great Vast Forest?

RES (Iconoclastor): Eu particularmente gosto muito dos clássicos de Black Metal, tal como Bathory, Venom e Hellhammer/Celtic Frost, logicamente os antigos álbuns dos mesmos. Além disso, gosto muito de hordas, tipo Nokturnal Mortum, Graveland, Dark Funeral, War, Frostmoon, Ensiferum, Isengard, Mithotyn, Desaster, entre muitas outras. Mas o que posso lhe dizer é que a Great Vast Forest não sofre influência direta de nenhuma banda. Quando realizamos nossas musicas, não buscamos sermos iguais nem parecidos a ninguém. Temos nosso próprio estilo e nossa própria linha...

B.O.H.M.) Quais argumentos vocês se utilizam para escrever vossas letras, livros, contos, escrituras, etc?

RES (Iconoclastor): O responsável pela elaboração de nossas letras contidas no nosso CD é nosso vocalista Surgath, e agora estamos com nosso tecladista A.Lordgrimm também elaborando materiais para nosso próximo opus. Sobre a forma com que eles escrevem, não poderei lhe informar. Mas sobre a temática, abordamos temas como misantropia, paganismo, grandes valores do homem de uma era pré-cristã, onde honra e coragem eram com orgulho defendidas. Além de visões mais abrangentes sobre o que circunda em nossos pensamentos. Todas as nossas letras estão disponíveis em nosso website, e se alguém possuir interesse em conhece-las, basta visitar: www.greatvastforest.cjb.net .

B.O.H.M.) A cena Black Metal no Brasil tem crescido ultimamente, pois o que parece é que ela esteja sendo conduzida por pessoas fortes e que realmente vivem o real espírito guerreiro tanto dito e pouco praticado. Na vossa visão, como vêem o nosso cenário e as acusações entre bandas e black metallers de falsidade, entre outros? Para que se possa crescer, ou melhor, fortalecer, qual seria a solução à buscar?

RES (Iconoclator): Realmente meu amigo, palavras vão e vem, mas a atitude realmente era algo que faltava em nosso cenário. Creio que já vivemos situações piores, onde a qualidade e o profissionalismo eram muitos menores, mas hoje em dia me sinto muito satisfeito vendo que há pessoas que vêm valorizando seu trabalho, agindo com forte seriedade no que condiz com suas crenças. Mas isso não é uma regra ainda, visto que muitíssimos mais vêm se preocupando muito mais com os outros do que consigo mesmo e no que luta. Creio que a maioria das richas e queixas sobre falsidades de hordas provém de onde as hordas se encontram, através de desentendimentos locais, e muitas vezes sem um fundamento rígido... Mas sabe-se lá. Para mim, quem age com falsidade nunca terá uma segunda chance. Mas espero para tirar as minhas próprias conclusões, pois não vou tomar partido de ninguém sem saber ao certo o porquê.  

B.O.H.M.) Do nosso cenário quem vocês citariam como grandes e forte nomes?

RES (Iconoclastor): Em termos nacionais, creio que temos o Murder Rape e Evil Horde Rec, Dark Celebration, Posthumous, Malefactor, Pactum e Chaos 666, Nocturnal Worshipper e muitas outras hordas...

B.O.H.M.) Desde a roupa utilizada, passando pelas maquiagens, pregos, fogo, sangue, a simbologia e todos os artifícios utilizados, o que é mais importante no real e bárbaro Black Metal, a atitude ou o som? Ou tem de se equilibrar as coisas, pois um não vive sem o outro?

RES (Iconoclastor): Em minha opinião, creio que o som não vive sem a atitude e a recíproca também é verdadeira! De que adianta montar uma horda, se apenas se tem atenção em suas idéias? Qual a moral de criar a banda? É muito mais fácil e lógico criar, ao invés disso, somente um grupo ativista. E o contrario também é necessário, pois ao criar uma horda, é necessário ter um forte motivo e uma luta a travar... A música única e exclusivamente pela música não é nada. A ideologia é o diferencial entre o Black Metal e as outras vertentes musicais (ou a maciça maioria delas)... O Black Metal não vive sem uma ideologia, ele cai no banal e perde toda a essência caso não possua uma temática forte e precisa. Quanto ao visual, creio que estes acessórios são utilizados pelo impacto e agressividade que eles geram no público, completando o que a banda pretende transmitir na agressividade musical e temática.

B.O.H.M.) Qual a vossa opinião sobre os atuais nomes do Black Metal, enfim esta nova leva de bandas que vieram do meio da década de 90 que começaram a se utilizar de artifícios novos como o uso em demasia do teclado, sinfonias de ópera e orquestra, vocais líricos, violinos, eletrônico entre outros e que constantemente são alvos da ira dos tradicionais blackmetallers que bradam pelas bandas clássicas como Venom, Bathory, Celtic Frost, etc...?

RES (Iconoclastor): Realmente este não é o estilo que mais me atrai. Até escuto algumas poucas bandas de metal que utilizam algumas destas características, mas o meu preferencial é pelo tradicional e clássico Black Metal. Realmente sou um grande admirador de todos os clássicos de Venom, Celtic Frost/Hellhammer e Bathory. Sobre o fato do crescente número de bandas que vem utilizando novos elementos em seus trabalhos, isso realmente me gera um certo receio sobre o resultado.  Prefiro músicas mais diretas, e ríspidas, com o predomínio da guitarra sobre os demais instrumentos.

B.O.H.M.) Dessa atual fase, quem vocês recomendariam, ou não recomendariam nenhum?

RES (Iconoclastor): Na verdade não recomendo nenhuma destas novas bandas que se utilizam de “modernismos” no Black Metal. Mas entre as bandas novas (década de 90), algumas que vem me chamado a atenção são Cirith Gorgor, Nokturnal Mortum, Forefather, Windir (old), Menhir, Forsth, e muitas outras...

B.O.H.M.) Atualmente, ou melhor constantemente, as bandas nacionais de metal (nesta questão ignorando o estilo) fazem o seguinte jogo (que foi visto na última vez com o Krisiun), se lançam pela Europa afora e voltam para o Brasil consagrados, modificados (às vezes até perdem o real espírito underground nacional e reclama pra caramba do nosso cenário, visto que a facilidade na Europa é bem maior) e com um contrato debaixo do braço. Sobre estas ações, o que vocês diriam? Dá pra encarar algo assim, ou se quiser continuar forte tem de se encarar as turnês internacionais, mesmo nos trancos e barrancos?

RES (Iconoclastor): Realmente respeito as bandas que pegaram e venderam tudo que tinham aqui para tentar algo lá fora, visto que aqui no Brasil ainda é muito grande a dificuldade com que as bandas conseguem algum contrato ou algo mais sério com uma gravadora. Não gosto do estilo do Krisium, nem Rebaellium, bandas que se lançaram para o estrangeiro e voltaram com contrato, mas admiro sua atitude. Quanto a Great Vast Forest, já havia lhe falado que para tudo tem seu tempo, e assim que percebermos que teremos condições de nos lançarmos para alguma turnê no exterior, iremos fazer sem o menor receio. Somente sei que neste preciso momento ainda não é nossa hora.

B.O.H.M.) Aliás, falando em turnês, como anda a agenda do Great Vast Forest, terá algum show de lançamento do debut cd?

RES (Iconoclastor): Já recebemos diversas propostas para tocarmos neste ano, porém somente iremos começar a marcar algo quando nosso CD estiver sido lançado. Estamos ultimamente preparando ainda materiais e ensaiando. Sobre shows, nada confirmado ainda.

B.O.H.M.) Na vossa opinião, qual é a importância de zines, agora atacando na internet como o B.O.H.M., os web zines,  para o real underground nacional?

RES (Iconoclastor): Acho que a única diferença entre os novos webzines e os tradicionais zines, se da unicamente na velocidade com que a informação chega para o publico alvo. Apesar de termos passados para a forma digital, a maioria dos zines ainda continuam fiéis e compromissados ao Metal e ao Underground.  Isso é muito importante, pois somente o que alterou, em minha opinião foi a facilidade de acesso ao material.

B.O.H.M.) Enfim, terminando esta missiva, gostaria de agradecer imensamente sua participação, desejando ao Great Vast Forest um 2002 de car...! Deixem aí uma mensagem aos seguidores do Barbarian Black Metal praticado pelo GVF... Obrigado!

RES (Iconoclastor): Meu caro amigo Vinicius, muito obrigado por ter cedido à Great Vast Forest este valioso espaço em seu artefato, e pela força que vossa pessoa tem dado ao underground! E para aqueles que tenha a intenção de conhecer melhor a horda Great Vast Forest, visitem nosso website em: www.greatvastforest.cjb.net ou entrem em contato, mandem um mail para gvforest@hotmail.com . Hail War!!!

PS.: Agradecimentos neste entrevista à Evil Horde Records pelas fotos ao vivo.

# B.O.H.M. - Você está em:  

# Undergrounda

_entrevistasa

_entrevista: great vast forest
h
© Copyright Baronshell - 2000/2002 - Todos os direitos Reservados - All Rights Reserved.
1