Discografia:
h
"Here Comes The Life" (CD-Demo - 2001)
h
Formação (2002):
h
Ilton Nogueira (vocals)
Alberto Kury (keyboards)
Bernardo Pellon (bass)
Bruno Agra (drums) 
Leandro Gomes (guitars)
Roberto Scripilliti (guitars)
h
Contatos:
e-mail: uirapuru@fly.to 
Site: fly.to/uirapuru

Das terras agitadas e quentes do Rio de Janeiro, a tão falada capital do samba brasileiro, atualmente tem tido o que falar em respeito ao Heavy Metal em geral, ao mesmo tempo em que é respeito por ótimas bandas de death e black metal, o Heavy Metal Clássico e Melódico vai alçando vôos como o que podemos ver neste caso! Uirapuru é o nome da banda e o som praticado por eles é no mínimo um Heavy Melódico cheio de influências orquestrais brasileiras e carcaterísticas da nossa música barroca, e olha que a banda somente lançou um cd demo, imagine quando for lançado o debut!!! Quer saber mais à respeito do Uirapuru? Então vá em frente e leia a entrevista que segue com o tecladista Alberto Kury...

por Vinícius Botti Vidal


B.O.H.M.) Primeiramente gostaria de saber, qual é a procedência do nome Uirapuru e o porquê de sua escolha?  

Alberto: O Uirapuru é um pássaro habitante da alta floresta amazônica, que possui um canto melodioso e raro, o qual pouquíssimas pessoas o escutaram. Escolhemos este nome porque ele, além dos motivos já citados, representa muito para o folclore brasileiro, tendo várias lendas a seu respeito.  

B.O.H.M.) Assim como o Angra fez, o Uirapuru está tentando (e digo, conseguindo) conquistar sua personalidades, misturando clássico ao brasileiro ao metal. Qual é a importância disto, digo é importante ter a sua personalidade, porém qual foi o caminho que o Uirapuru procurou para fugir da mesmice do Heavy Melódico?

Alberto: Acreditamos que a música brasileira é a música popular mais poderosa do mundo, e ela combina muito com o Heavy Metal, por ser visceral e intuitivo...já o clássico, adoramos escutar este tipo de música, e ele já está muito imcorporado à linguagem heavy...mas com certeza o estilo próprio é fundamental, e ele se dá justamente como você falou, da junção de elementos desses estilos musicais.

B.O.H.M.) Procuro dizer, que o Uirapuru acertou na dose ao misturar sons no Cd e adicionar ao melódico, porém quando pode-se saber que a música está perfeita, sem correr o risco de estragá-la?

Alberto: Boa pergunta...no caso de Here Comes The Life, deixamos a coisa fluir na mais absoluta liberdade, sem amarras, e o resultado são músicas de grande duração, com  muitas citações e variações...

Atualmente, estamos optando por músicas de menor duração, mais voltadas para o Heavy Metal Melódico, mais rápidas e pesadas, porém sem perder as características da banda, com pitadas clássicas aqui e ali, temas que se desenvolvem, etc

B.O.H.M.) Como foi este processo de gravação da banda, a participação de Ilton Nogueira e os arranjos?

Alberto: Gravamos com 6 meses de banda! Resolvemos fazer tudo muito rápido porque tínhamos propostas na época...ensaiamos muito, faziamos os arranjos juntos, horas seguidas, e convidamos o Ilton para gravar...demos uma pré produção para ele e ele pegou em pouco tempo...

B.O.H.M.) Aliás falando em Ilton Nogueira, ele se tornou membro original da banda?

Alberto: Sim!

B.O.H.M.) Qual é a importância de adicionar elementos da música brasileira no Heavy Metal, seria como uma influência da nossa música, criando assim um aspecto no metal nacional, ao ver dos de fora?

Alberto: Exatamente. Este é o nosso grande diferencial, os ritmos brasileiros, as levadas de bossa nova, estes maneirismos que ninguém tem no mundo...Adoramos e damos o maior valor a música brasileira.

B.O.H.M.) Qual artista nacional ou que estilo musical brasileiro vocês ousariam e adicionariam à música do Uirapuru?

Alberto:  Nós basicamente usamos ritmos de baião e outros. Eu particularmente gostaria muito que Virginia Rodrigues, uma grande cantora brasileira, cantasse em uma passagem de nossas músicas...ela é uma cantora baiana, que cantava nas igrejas católicas de lá, e tem uma voz simplesmente maravilhosa!

B.O.H.M.) Shows. Sobre o que eu li, vocês estão mais interessados no novo CD (o debut) do que mostrar a performance da banda no palco? Seria mais ou menos como o aclamado Rhapsody?

Alberto: É verdade. Acreditamos que precisamos lançar um CD (Álbum) primeiro e divulgá-lo para, ai sim, cairmos na estrada....estamos muito atarefados com a produção, que desta vez terá mais cuidados e será mais bem produzida.

B.O.H.M.) Quando pretendem cair na estrada?

Alberto: Assim que o primeiro Álbum estiver lançado

B.O.H.M.) Na minha modesta opinião, acredito que se o Uirapuru lançassem um disco totalmente conceitual, cairia muito bem e seria com certeza um dos melhores lançamentos da nossa terrinha. O que vocês acham desta idéia, de fazer algo conceitual?

Alberto: Você acertou na mosca! Nosso primeiro álbum será um álbum conceitual, que aliás está todo pronto!

B.O.H.M.) Assim como o Angra, Rhapsody entre outras, vocês gravariam um CD com acompanhamento de uma orquestra real?

Alberto: Esse é um grande sonho , e se possível usaremos instrumentos reais sim.  

B.O.H.M.) Quais são os temas líricos à qual a banda usa em suas letras?

Alberto: Falamos muito de questões humanas, ligados a temas metafísicos, algo em torno das diversas mitologias, de forma  holística, integrada.

B.O.H.M.) Quem são os inspiradores musicalmente e ideologicamente falando da música do Uirapuru?

Alberto: São  vários. Tem o Villa Lobos, maior expoente da música erudita nacional, que tinha uma filosofia de vida e uma crença no povo e nas coisas brasileiras digna de se louvar...ele foi um sujeito muito bacana e um grande exemplo para amarmos mais esse pais.

B.O.H.M.) Na modesta opinião, há como fazer trabalhos dignos e ser reconhecidos internacionalmente no nosso país?

Alberto: Sim, o Heavy Metal está crescendo muito aqui no Brasil, e um desses indicadores é o projeto Hamlet, que mostra um bom nível das bandas brasileiras, com boa produção, e acredito que isto é apenas o começo.

B.O.H.M.) O que vocês acham do nosso underground atual?

Alberto: Acho que o Heavy Metal como um todo está crescendo aqui no Brasil...e a cena underground crescer é conseqüência natural disso...veja no passado, parecia ser mais escasso conseguir tocar e fazer projetos...hoje temos muitas bandas! A internet ajudou muito ao acesso e a divulgação das bandas, tal qual a gravação, que também ficou mais barata e acessível...a tecnologia mais acessível vai fazer “democratizar”mais as coisas.

B.O.H.M.) Quais seriam as bandas nacionais que vocês convocariam para uma jam sesion com o Uirapuru? E internacionais?

Alberto: Shaman! Internacionais tem muitas, acho meio louco citar algumas, mas queria um dia, quem sabe, tocar com Robert Plant....sonhar não custa nada!

B.O.H.M.) Enfim, ficamos aqui, agradeço ao Uirapuru pela participação no site. Deixem aí uma mensagem aos fãs, futuros fãs e bangers em geral... Thanx!

Alberto: Agradeço aqui imensamente ao site Baron of Heavy Metal,   pela oportunidade, e a todas as pessoas que acompanham o nosso trabalho desde o inicio, e que nos dão  força para cada vez mais desenvolver boa musica, pesada e melódica!!! O Brasil será com certeza a próxima geração do metal mundial, pois todo brasileiro é muito musical, e isto é bem claro quando você escuta as bandas nacionais...obrigado e and let the show begin! :)

# B.O.H.M. - Você está em:  

# Undergrounda

_entrevistasa

_entrevista: uirapuru
h
© Copyright Baronshell - 2000/2002 - Todos os direitos Reservados - All Rights Reserved.
1