Home
Corinthians

 

Confesso que infelizmente não tive a sorte de nascer corintiana. Minha paixão pelo time começou quando eu estava na quinta série graças a uma paixão de infância (Raphinha, que até hoje é meu amigo). Mas foi em 1995 que eu me empolguei em torcer pelo Corinthians. Minhas vizinhas Carol e Ana Martha iam sempre em casa ver os jogas comigo. Acho que minha torcida valeu, que já que nesse ano, o Corinthians conquistou muitos títulos... Montei uma pasta com reportagens sobre o Timão e outra sobre o meu `ídolo` Marcelinho Carioca.

 Em março de 1997, pude conhecer os jogadores no CT do Guarani. O ex-treinador do time (FlávioTrevisan) é de Caconde e conhecia minha mãe. Então fui apresentada ao Marcelinho que tirou uma foto comigo, me deu um autógrafo e me fez elogios...

 Um ano depois, escrevi uma música em sua homenagem. Ele ficou muito alegre, me mandou uma carta (que coloquei num quadro) e telefonou em casa... Eu tinha ido ao shopping! Minha mãe foi correndo me buscar, mas ele não ligou de volta...

 

 

Os dez maiores artilheiros

1- Cláudio 295 gols

2- Baltazar 267

3- Teleco 243

4- Neco 217

5- Marcelinho (indefinido)

6- Servílio 201

7- Luisinho 172

8- Sócrates 169

9- Rivellino 165

10- Paulo 160

 

Títulos


Campeonato Paulista
1914 (invicto) - 1916 (invicto)
1922, 1923, 1924 (tricampeonato)
1928, 1929 (invicto), 1930 (tricampeonato)
1937, 1938 (invicto), 1939 (tricampeonato)
1941
1951, 1952 (bicampeonato) - 1954
1977 - 1979
1982, 1983 (bicampeonato) - 1988
1995 - 1997 - 1999 - 2001

Torneio Rio-São Paulo
1950 - 1953 – 1954 -1966
Copa do Brasil
1995


Campeonato Brasileiro
1990
1998 - 1999 (bicampeão)

 

Mundial de Clubes
2000

Conquistas

1º TRICAMPEONATO PAULISTA (1922/23/24)

 Campanha de 1922
Campanha de 1923
Campanha de 1924

2º TRICAMPEONATO PAULISTA (1928/29/30):
Campanha de 1928
Campanha de 1929
Campanha de 1930

3º TRICAMPEONATO PAULISTA (1937/38/39):
Campanha de 1937
Campanha de 1938
Campanha de 1939

BICAMPEONATO PAULISTA (1951/52)
Campanha de 1951
Campanha de 1952

CAMPEÃO DO CENTENÁRIO DA INDEPENDÊNCIA (1922)

CAMPEÃO DO QUARTO CENTENÁRIO (1954)

 

 

Marcelinho Carioca

Nome: Marcelo Pereira Surcin
Posição: Meia
Número: 7
Altura: 1,69
Peso: 63
Data de nascimento: 31/12/1971, mas foi regiatrado em 02 de fevereiro do ano seguinte.
Local: Rio de Janeiro (RJ)
 

O meio-campista subiu para o time principal do Flamengo em 1988. Conquistou a Copa do Brasil em 1990, o Carioca em 1991, e o Brasileiro, em 1992. Em 1994, transferiu-se para o Timão, e no ano seguinte foi campeão da Copa do Brasil, marcando o gol do título na vitória sobre o Grêmio, em pleno estádio Olímpico. Foi campeão paulista em 1995 e 1997. Nesse mesmo ano, transferiu-se para o Valência, da Espanha. Retornou ao Corinthians seis meses depois. Em 1998, foi campeão e artilheiro do Brasileirão, com 19 gols. No ano seguinte, conquistou o Campeonato Paulista e em 2000 foi campeão do primeiro Mundial de Clubes organizado pela Fifa. É o grande ídolo da Fiel e considera a camisa do Corinthians como sua "segunda pele". Marcelinho já é o sexto maior artilheiro da equipe de Parque São Jorge, atrás apenas de Servílio, Neco, Teleco, Baltazar e Cláudio.

 

 

 Brasão
O atual brasão do Corinthians não se parece em nada com o distintivo original, criado às pressas, em 1913, quando a equipe conquistou uma vaga na Liga Paulista de Futebol: um "C" e um "P" maiúsculos, sobrepostos um ao outro, lembrando vagamente as linhas de um coração.

A primeira variação aconteceu em 1916, após a conquista do Campeonato Paulista. Três letras no escudo, em um fundo redondo embutido num contorno mais complicado, continuavam dando pouca leitura. Talvez por isso sua vida tenha sido tão curta. Pouco mais de um ano depois, nova mudança. O formato redondo, assumido naquele ano, nunca mais foi abandonado.

Em 1920, ficou definido que a bandeira do Estado de São Paulo, o nome do clube por inteiro e a data de fundação, em círculo negro com fundo branco, passariam a fazer parte do distintivo corintiano.

A âncora, os remos e a bóia estilizada surgiram apenas em 1926, com a marcha do clube para a região leste da cidade de São Paulo e a compra da enorme gleba em que foi erguido o Parque São Jorge. O distintivo do Sport Club Corinthians Paulista passou a ter leitura e significado, mas apenas integrou as camisas do clube em 1937.

Na última mudança, a bandeira paulista ondula, transmitindo a idéia de dinamismo e ação, ao contrário da que permaneceu durante anos na camisa do time, que permanecia estática e não respeitava o rigor das treze listras.

Em 1990, o emblema recebeu a primeira estrela de Campeão Brasileiro. Em 1998 e 1999, mais duas estrelas foram incorporadas devido às conquistas de mais dois campeonatos nacionais. A quarta estrela, acima das anteriores, refere-se ao título do Mundial de Clubes da Fifa.

        

 

 

 

1