Faça sua pesquisa aqui
A história de Belford Roxo
completa para seu trabalho
escolar. Clique aqui e veja
a história de sua cidade.
Mais sobre Belford Roxo!
Saiba mais de sua cidade,
sua prefeitura, habitantes e
o que acontece nela.
Clique aqui e confira.
Os point's de Bel aqui!
Confira aqui os lugares
onde você pode se divertir
em Bel. Veja aqui os melhores point's!

O SITE DO CIDADÃO DE BEL - www.belfordroxo.rg3.net

A HISTÓRIA DE BELFORD ROXO

Habitadas anteriormente pelos índios Jacutingas, as terras hoje pertencentes ao município de Belford Roxo foram assinaladas pela primeira vez no mapa elaborado por João Teixeira Albernaz II em 1566 entre os rios "Merith, Simpuiy e Agoassu", e couberam a Martim Afonso. Na carta topográfica da capitania do Rio de Janeiro, feita por Manoel Vieira Leão em 1767, aparece claramente nesta região o Engenho do Brejo, que teve em Cristovão Mendes Leitão, desde 1739, um de seus primeiros ocupantes. Cortado pelo Rio Sarapuí e, como quase toda a Baixada Fluminense, cercado por pântanos e brejais, possuía em sua margem um porto para escoamento da produção: açúcar, arroz, feijão, milho, e aguardente, mostrando que este engenho fazia parte da Freguesia de Santo Antônio de Jacutinga.

Pertencia ao "Capitão Apolinário Maciel e seu irmão, o padre Antonio Maciel, com 35 escravos, fabricando 25 caixas de açúcar e 9 pipas de aguardente."

Sobre este rio de águas límpidas com trechos encachoeirados, escreve monsenhor Pizarro: "Da Serra da Cachoeira chamada Pequena, situada ao norte, por onde se divide a mesma Freguesia com a de Santo Antônio de Jacutinga, e forma junto à Fazenda de S. Mateus, um pântano, do qual nasce o Rio Pioim, cuja grossura por curvas águas, ou descida de lugares altos, ou depositadas pelas chuvas. Para esse pantanal aflui a Cachoeira Grande, que se fermenta na Serra do mesmo nome, e está nos limites da Freguesia de Jacutinga, e misturadas umas às outras águas, confluindo igualmente às dos lagos e campos por que passam, se ensoberbecem a ponto de negarem passagem a cavalo (em direitura da Matriz), e permitem entrada a barcos grandes. Impedindo por isso o trânsito da Estrada Geral para o distrito da Freguesia do Pilar, por cujo caminho se vai à Serra dos Órgãos, mandou a Câmara fazer, em lugar que pareceu mais apto, uma ponte, para facilitar a comunicação dos moradores do continente, e também o comércio das Minas Gerais. Conservando a Cachoeira Pequena o seu nome, até se confundir com o Rio Pioim , aí o perde, substituindo-lhe a denominação desse rio, porque é conhecido até à estrada do território de Jacutinga, onde principia a ser Rio de Santo Antônio; mas a Fazenda do Brejo, em que há uma ponte, toma o apelido de Rio do Brejo e com ele chega à ponte do distrito de Serapuí de cujo sítio continua com o nome de Rio de Serapuí, até o mar."

Após uma sucessão de proprietários, vamos encontrar o nome de Pedro Caldeira Brandt, o Visconde de Barbacena adquirindo a Fazenda ao Barão de Jacutinga em 1843.

Casado com a Condessa de Iguaçu, Maria Izabel Alcântara Brasileira, filha do Imperador Pedro I com a Marquesa de Santos, o Visconde era filho de Francisco Caldeira Brandt, o Marquês de Barbacena, que a vendeu, anos depois para Manoel José Coelho da Rocha.

Com o surto das epidemias que assolaram a Baixada durante a segunda metade do século XIX, a fazenda entrou em decadência.

O assentamento dos trilhos para a passagem da estrada de ferro Rio D'ouro cortando a fazenda do Brejo em 1872, em terras doadas pelos descendentes de Coelho da Rocha (Manuel Coelho da Rocha – neto), deram início a um movimento de reivindicação para transformá-la em linha de trem de passageiros, pois anteriormente esta ferrovia foi construída para a captação de água nas serras do Tinguá, Rio D'ouro e São Pedro, com colocação de aquedutos ao longo de sua margem.

Em 1888, uma grande estiagem arrasa com a Baixada Fluminense. A Corte também ficou sem água. D. Pedro II ficou preocupado. A proposta que agradou a D. Pedro II, foi a do engenheiro Paulo de Frontin. Nessa proposta o engenheiro se comprometia à captar 15 milhões de litros de água para a Corte em apenas seis dias. Ele conseguiu e esse fato ficou conhecido como "milagre das águas".

O engenheiro Paulo de Frontin tinha um grande amigo e colaborador, um outro engenheiro maranhense que muito trabalhou a serviço dessas obras de abastecimento de água para o Rio de Janeiro, que se chamava Teixeira Belfort Roxo (com "t" mesmo!), e um ano depois veio a falecer. O Brejo, uma pequena vila depois de se chamar de Ipueras, Calhamaço Brejo, passa a chamar-se Belford Roxo, em homenagem a esse ilustre engenheiro, Raimundo Teixeira Belfort Roxo. O município foi desmembrado de Nova Iguaçu pela Lei Estadual no 1.640, de 03-04-1990. e foi instalado em 01-01-1993.

 

© 2003 Belford Roxo OnLine. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Alfanet informática. - www.alfanetinfo.rg3.net