BITTENCOURT
O Dicionário das Familias Brasileiras, de Carlos de ALmeida Barata e Antonio Henrique Cunha Bueno afirma:
(Betencourt, Bettencort, Bethencourt, Bitencourt, Bittencourt) Sobrenome de origem geográfica. Do francês Bettone curte, a «corte» de Betto-one, nome de homem de origem germânica: Betto, hipocorístico, e curtis, forma medieval que significa «propriedade rural, quinta». Localidade no Somme (França). Portugal: Felgueiras Gayo, em seu Nobiliário de Famílias, principia esta família em Monsieur João Betancur, que corrigimos para Reynaldo Betancourt, irmão de João III de Betancourt, Rei das Canárias. Entre os descendentes de Reynaldo Betancourt, de interesse para o Brasil, registram-se: I- o quinto neto, Jorge de Lemos Betancourt, contratado para levar gente das ilhas para povoar o Maranhão e Grão Pará, no princípio do século XVII.
Família originária da França, que teve seu solar na Prov. de Normandia, onde se conserva sua Casa, conforme foi documentado em um antigo tratado genealógico desta família, impresso em 1629, em Paris, e transcrito por Henrique Henriques de Noronha, em seu Nobiliário da I. da Madeira (II, 52-56). Passaram às Ilhas Canárias, na pessoa de João 3.º de Bethencourt, gentil homem normando, camarista de Carlos VI, rei de França, e conquistador das ilhas Canárias, das quais foi senhor por mercê de Henrique III, rei de Castela em 1390. Foi intitulado Rei das Canárias, que se ausentando para França, deixou por governador das Ilhas os filhos de seu irmão Raynaldo de Bettencourt, que tornaram-se os verdadeiros patriarcas desta família Bettencourt, que se espalhou pelas demais ilhas portuguesas, Portugal e Brasil. Na Ilha da Madeira, transformou-se este sobrenome em Bittencourt ou Bettencourt. Entre os descendentes de Raynaldo, cabe registrar seus bisnetos, André de Bettencourt e Gaspar de Bettencourt, que tiveram mercê de Carta de Brasão de Armas desta Família; e seu terceiro neto, Francisco de Bettencourt [? - 1582], que passou para a Ilha Terceira, nos princípios do séc. XVI, O solar desta família, nesta última Ilha, é a Casa da Madre de Deus, ha freguesia de Santa Luzia, de Angra, cuja fundação data desde o estabelecimento dos Bettencourts na dita cidade (Sanches Baena, II, XXVII; Nobiliário da Ilha da Madeira, I, § 2, 58; Nobiliário da Ilha Terceira, Tomo I, 113). Felgueiras Gayo, principia esta família em Monsieur João [Reynaldo de] Betancur, que vivia por volta de 1360, irmão de D. João III de Betancur, Rei das Canárias.
A Grande Obra ARMORIAL LUSITANO diz o seguinte sobre os Bittencourt:
Família de Origem Francesa que passou para Portugal, instalando-se na Ilha da Madeira e Canárias, de onde muito se expandiu, passando pois para outros lugares do Reino. O Solar da Família é no Lugar de Bethancourt, na Picardia, de onde tiveram o Senhorio. Tanto no país de origem, como em Portugal, tiveram sempre Nobreza, e nestes se aliaram com as mais Distintas Famílias.
Parece que a pessoa mais antiga dessa linhagem é João de Bethancourt, Senhor dos Lugares de Bethancourt e Granville na Normandia, Camareiro Mor do Duque de Borgonha, casado com Madame Maria de Branquemont Florenville e Sedan,que vivia por 1360. Pai de João de Bethancourt, armou navios, decidido a encontrar novas terras, e descobriu as Ilhas Canárias, das quais se tornou Senhor e Rei. Contudo este não deixou herdeiros, pois não teve filhos legítimos, senão vários bastardados que não herdaram-lhe títulos... Seus herdeiros foram pois os filhos de seu irmão Reinaldo de Bethancourt, Marciot e Henrique de Bethancourt, dos quais decendem os Bethancourt das Ilhas da Madeira, Canárias e Portugal.
O Excelente Portal de Genealogistas GENEAPORTUGAL, diz o seguinte:
http://genealogia.netopia.pt/home/
Esta família é de origem francesa, tendo tirado o nome do lugar de Bethancourt, na Picardia, pelo que se trata de um apelido de raiz toponímica.
Dizem os genealogistas que o primeiro desta família que passou à Península foi
Messier Jehan de Bethancourt (JOÃO III de BETHANCOURT) que tendo partido à descoberta no comando de uma pequena frota de naus, veio a encontrar algumas das ilhas do arquipélago das Canárias, das quais parece ter chegado a titular-se rei. Tendo morrido solteiro e sem descendência, foram seus herdeiros Maciot e Henri e, falecendo o primeiro, vendeu o segundo aquelas ilhas ao Infante D. Henrique de Portugal, passando depois à Madeira, onde se fixou e teve as saboarias da ilha.
Sem descendência legítima por ser cavaleiro professo da ordem de S. João de Jerusalém, então chamada de Rodes, obteve a legitimação de uma filha bastarda, que se casou com Rui Gonçalves da Câmara, casamento de que não houve sucessão.
Por isso, instituíu ela com o citado seu marido o morgado designado de Águas de Mel, tendo chamado para seu primeiro administrador seu primo
Germano Gaspar de Bethancourt.
Esta família teve larga descendência, tanto nas ilhas como no continente havendo o seu nome sido deturpado para Bethencourt e popularizado sob as mais diversas formas: Bettencourt, Betencour ou Betencur, etc.
Palácio Bettencourt, Angra do Heroismo, Açores
Títulos, Morgados e Senhorios:
Barões da Fonte do Mato, Barões de Gorutuba, Barões de Jardim do Mar, Barões de Ribeiro, Condes de Albuquerque, Condes de Correia Bettencourt, Condes de Ribeiro Real, Condes do Carvalhal, Reis das Canárias, Senhores de Bettencourt, Senhores de Galdar, Senhores do Morgado das Lajes do Pico, Viscondes da Fonte do Mato, Viscondes da Torre Bela, Viscondes de Bettencourt, Viscondes de Carvalhais, Viscondes de Nogueiras, Viscondes de Nossa Senhora das Mercês, Viscondes de Ribeiro Real, Viscondes de Vila Nova de Ourém,Fidalgos da Casa Real
Em resumo: Sabemos que o Sobrenome Bittencourt é de origem Normanda e muito antiga, surge em terras hoje pertencentes a França, ainda no século XI.No Brasil seu registro mais antigo parece ser do século XVII, nos idos de 1600, por Ventura de Bittencourt (n.c.1618), casado com Juliana Martins (1623, RJ - 1659, RJ). Recebe armas em Portugal e título ainda no século XIV, quando se tornam Reis das Ilhas Canárias, e na França já as tinham antes disso...
Suas Armas são: De Prata com um Leão de Negro, Armado e Lampassado de Vermelho.
Timbre: Leão do Escudo.
Inicial Continuar