Vida na Água

A água é o fator que mais afeta os seres vivos. As primeiras formas de vida surgiram no ambiente aquático e viveram lá por quase dois bilhões de anos. Isso porque, pelas suas características físico-químicas, a água cria um ambiente muito mais estável que o terrestre. Os diferentes tipos de seres vivos se adaptaram a diferentes ambientes e muitos vivem na água doce ou no mar.
O mar é o artista do planeta, que, com seus auxiliares temperatura, pressão, vento e chuva, transforma-o diariamente, infinitamente. São 528 milhões de quilômetros cúbicos de água em constante movimento. Praticamente todo oxigênio produzido no planeta vem do mar, através da fotossíntese de algas planctônicas. Os rios e lagos também exercem papel importante no equilíbrio dos ecossistemas e para a manutenção de diversas formas de vida. A água doce constitui cerca de 190 mil quilômetros cúbicos de água. Preservar o meio ambiente é necessário porque é o nosso futuro que está em jogo. Se poluirmos o mar, destruirmos o ambiente e dilapidarmos as espécies existentes, nossa espécie estará ameaçada no planeta. Milhares de espécies resistirão e sobreviverão numa nova evolução, onde o homem poderá não estar presente.

ninfeia

Bactérias         

As bactérias são organismos unicelulares, procariontes, podem viver em muitos ambientes aquáticos. Muitas podem decompor matéria orgânica, outras produzirem substâncias tóxicas, outras contaminarem as águas.

bactéria do cólera

-§- Protistas -§-

 Algas         

Organismos clorofilados, uni ou pluricelulares. A maioria das algas vive em ambiente aquático. Podem crescer em águas doces, salobras ou salgadas e se desenvolvem em lugares úmidos como o solo, os muros, as escarpas e a casca das árvores. Algumas algas realizam associações com fungos, para formar os líquens ou com animais. Servem de alimento para os peixes e aumentam a quantidade de matéria orgânica do solo. As algas planctônicas produzem a maior parte do oxigênio da Terra. A maioria das algas verdes ou clorófitas é microscópica e forma o plâncton. Há também macroscópicas, como a alface-do-mar. Entre as algas douradas (crisófitas) salientam-se as diatomáceas, as mais numerosas do grupo, cujas células são providas de uma carapaça silicosa ou frústula, muito importantes na formação do fitoplâncton. As algas pardas ou feófitas são as que alcançam os maiores tamanhos, são marítimas. Formam gigantescas "florestas" submersas. O grupo das algas vermelhas ou rodófitas compreende algumas das mais delicados organismos marinhos. Costumam existir em grandes quantidades nos mares quentes. Podem viver até 60m de profundidade sendo, dentre as algas, as que vivem em maiores profundidades. As algas marinhas formam, em muitos lugares, extensas associações que protegem o litoral desempenhando o papel de quebra-ondas. As algas têm destacada ação na produção de oxigênio da Terra, especialmente as planctônicas.

algas

 Protozoários         

Os Protozoários (gr. protos, primeiro + zoon, animal) são organismos unicelulares de tamanho microscópico. Os principais protozoários aquáticos são as amebas e os ciliados. Quanto à estrutura um protozoário é comparável a uma célula de um metazoário, mas funcionalmente ele é um organismo completo, fisiologicamente balanceado e realiza todos os processos vitais essenciais de um ser vivo. Cada espécie vive em um determinado habitat aquático - na água do mar ou no fundo do oceano; em água doce, salobra ou poluída, na terra; no solo ou matéria orgânica em decomposição. Muitos vivem sobre ou dentro de algumas plantas e de muitos tipos de animais. Muitos protozoários servem de alimento para outros organismos pequenos. Há espécies causadoras de moléstias. Os protozoários são divididos, de acordo com as estruturas que possuem para a locomoção, em cinco classes: (1) Mastigophora ou flagelados, com um ou mais flagelos em forma de chicote; (2) Sacordina ou rizópodos, com pseudópodos; (3) Sporozoa, sem organelas locomotoras;( 4) Ciliata ou ciliados, com cílios. As amebas, incluem organismos muito simples, constituídos por uma célula independente com núcleo e citoplasma. A despeito de sua aparente simplicidade ela pode mover-se, capturar, digerir e assimilar alimento complexo, eliminar resíduos não digeridos, respirar, produzir secreções e excreções, responder a mudanças (estímulos) de vários tipos, tanto do ambiente interno como do externo, crescer e reproduzir-se. Algumas amebas podem viver na água. Os ciliados, (cilium, cílio) possuem cílios durante toda a vida, os quais servem para locomoção e captura de alimentos. Cada espécie possui forma constante e característica e a maioria delas tem um macronúcleo grande (ou mais), relacionado com as funções vegetativas ou de rotina e um ou mais micronúcleos pequenos, importantes na reprodução. Os ciliados abundam em águas doces e salgadas. Eles são muito usados em estudos experimentais devido ao seu tamanho relativamente grande e à facilidade com que podem ser criados . Paramecium é um ciliado comum em água doce que contenha alguma vegetação em decomposição.

Paramécio

-§- Invertebrados -§-

 Esponjas         

As esponjas são animais pluricelulares, sésseis, de aspecto semelhante ao de várias plantas. Espécies diferentes se apresentam como crostas finas e chatas, em forma de vaso, ramificadas, globulares ou de forma variada e de 1mm até 2 metros de diâmetro. Muitas são coloridas de cinzento ou pardo e outras são brilhantemente vermelhas, alaranjadas, azuis, violáceas ou pretas. A maioria das esponjas é marinha, vivendo da linha da maré baixa até a profundidade de 6.000 metros. Todas são fixas a rochas, conchas e outros objetos sólidos. O nome porifera refere-se à estrutura porosa do corpo, com muitas aberturas superficiais. A "esponja" comercial, usada no banho e para outras finalidades, é o esqueleto flexível de uma esponja marinha com todas as partes vivas retiradas.
    Esponjas de água doce: Pertencem à família Spongillidae é de ocorrência cosmopolita, restrita a córregos ou tanques e lagos de água doce. Crescem como tufos ou massas irregulares, até 30 cm mais ou menos de largura, em gravetos, pedras ou plantas.
     Indústria de esponjas: Desde os dias da Grécia antiga, o homem tem usado os esqueletos fibrosos da esponja de banho para lavar e esfregar. Os melhores e principais suprimentos destas esponjas ocorrem em fundos rochosos das águas quentes e rasas do Mediterrâneo e do Golfo do México, perto da Flórida e das Índias Ocidentais. As maiores esponjas de banho vivas podem ter até 50 anos de idade.

esponja

 Celenterados         

Os celenterados também são chamados cnidários. Esta palavra vem do grego knide, urtiga. São todos aquáticos e incluem as medusas, hidras, os corais, etc. Seu corpo, ao entrar em contato com a pele de outros animais, como o homem, provoca reação urticante, que pode ser fatal. Vivem em ambientes marinhos, embora haja alguns exemplares de água doce. Muitos deles formam colônias gigantescas, como os corais. Possuem cores e formas diversas e muito atraentes, bastante apreciadas pelos mergulhadores. Um dos celenterados mais conhecidos é a água-viva, responsável por numerosos casos de queimaduras em banhistas. Seu corpo contém mais de 95% de água, o que explica seu nome. Os recifes de corais são enormes colônias formadas por uma quantidade gigantesca de pequenos animais fixos, que crescem e se desenvolvem uns sobre os outros. Os animais mais antigos, que ficam na colônia, morrem e deixam a sua estrutura calcária, que serve de suporte para as gerações mais jovens.

anênoma do mar

 Platelmintes         

Como exemplos temos a planária, a tênia e a fascíola hepática. São vermes achatados, bilateramente simétricos, isto é, seus caracteres externos e muitas partes internas são dispostos simetricamente em ambos os lados de um plano mediano ou sagital. Têm corpo mole e fino. Os vermes mais inferiores são os Platyhelminthes (gr.Platy, chato). O filo inclui três classes: os Turbellaria ou platielmintes de vida livre, a maioria dos quais habita a água doce ou salgada ou lugares úmidos na terra; os Trematoda, parasitas externos ou internos; e os Cestoidea ou tênias, cujos adultos são parasitas intestinais de vertebrados. A maioria dos turbelários é inteiramente de vida livre, alguns vivem no exterior de outros animais e poucos são endoparasitas. A planária é um organismo de água doce sendo muito comum em lagos calmos com aguapé.

Planária

 Nematelmintos         

A maioria é parasita. Inclui a lombriga, o ancilóstomo, filária e outros. Os nematelmintos aquáticos são de menor importância.

lombriga

 Moluscos         

Os moluscos (mollis, mole) têm corpo mole, não segmentado, consistindo tipicamente de uma cabeça anterior, um pé ventral e uma massa visceral dorsal. Como exemplos temos lulas, polvos, ostras, mariscos, mexilhões, caracóis e lesmas. O corpo é mais ou menos coberto por um manto fino, carnoso e comumente abrigado em uma concha calcária externa. O filo compreende seis classes de aspectos e hábitos diferentes: Neopilina (Classe Monoplacophora), os quítons (Classe Amphineura), dentálios (Scaphopoda), caramujos, caracóis e lesmas (Gastropoda), mariscos, ostras e outros bivalves (Pelecypoda) e os náutilos, lulas e polvos (Cephalopoda). São na maioria marinhos, vivendo ao longo das praias ou águas rasas, mas alguns ocorrem a 10.500 metros de profundidade e outros são pelágicos. Vários caramujos e alguns bivalves habitam a água salobra ou doce e os caracóis e lesmas são terrestres. Os moluscos são na sua maioria animais de vida livre que rastejam lentamente. Alguns aderem a rochas, conchas ou madeira, alguns cavam, outros flutuam e as lulas e polvos podem nadar livremente. De maior importância econômica são os mariscos, ostras, lulas e outros que servem como alimento humano; as conchas de bivalves de água doce, que são cortadas em botões de roupas; e alguns bivalves que produzem pérolas. Alguns caracóis e lesmas alimentam-se de plantas cultivadas, certos caramujos de água doce são hospedeiros intermediários de vermes parasitas, um grupo de bivalves de água doce tem larvas parasitas em peixes e os teredos danificam navios e portos de madeira. A coleção de conchas é um passatempo popular e tem contribuído significantemente para o conhecimento dos moluscos.

caracol

 Anelídeos         

São anelídeos aquáticos: Nereis, palolo, sanguessuga (pode viver também na terra), etc. Os anelídeos têm o corpo composto de muitos segmentos ou metâmeros, essencialmente semelhantes entre si e em forma de anel. Esta segmentação geralmente se mostra em aspectos externos e internos, incluindo músculos, nervos e órgãos circulatórios, excretores e reprodutores. A maioria das minhocas habita solo úmido e água doce, os vermes marinhos são encontrados principalmente ao longo das praias e as sanguessugas são principalmente de água doce ou solo úmido. Os poliquetos são vermes segmentados comuns ao longo das costas marinhas. Possuem cabeça com apêndices sensitivos, cada segmento do corpo com muitas cerdas implantadas em um par de parapódios laterais. Nereis é um poliqueto representativo que vive próximo à linha da maré baixa. Esconde-se durante o dia embaixo das pedras ou em buracos temporários, com apenas a cabeça para fora; à noite sai, rasteja sobre a areia ou nada por dobramentos laterais do corpo. Indivíduos grandes podem medir até 45 cm de comprimento. Os hirundíneos incluem sanguessugas que são vermes aquáticos ou terrestres, de hábitos predadores ou parasitários, que têm ventosas terminais alargadas para locomoção e fixação. Produzem casulos e não possuem tentáculos, parapódios e estágio larval.

poliqueto

 Crustáceos         

Os crustáceos incluem as cracas, lagostins, camarões, caranguejos e seus afins. A maioria é marinha, mas muitos vivem em água doce ou salobra e poucos, como o tatuzinho-de-quintal, encontram-se em lugares úmidos na terra. Espécies aquáticas habitam diversamente a praia, rochas, plantas submersas ou mares abertos; muitas larvas e alguns adultos cavam, outros são pelágicos e poucos vivem em mar profundo. A grande maioria é de vida livre e algumas espécies gregárias ocorrem em grandes grupos. Os cirripédios são sésseis ou parasitas e certos outros crustáceos são comensais ou parasitas de vários animais aquáticos, de hidróides até baleias. Algumas espécies parasitas são de tal forma modificadas que sua posição de crustáceo é mostrada somente em seus estágios larvais.Relações com o homem: A carne de certos crustáceos é muito apreciada como alimento humano. Camarões são capturados com arrastões, mas caranguejos, lagostas e lagostins são presos em armadilhas de arame, madeira ou rede, com iscas. O siri da costa atlântica é capturado e mantido em cativeiro até que mude e então é vendido na condição de casca mole. Os pequenos crustáceos que abundam na água salgada e doce são importantes elos no ciclo alimentar de muitos peixes e outros animais aquáticos úteis. Alguns copépodos são hospedeiros intermediários de vermes parasitas do homem e de vários vertebrados.

camarão

 Equinodermos         

Os Echinodermata (gr.Echinos, ouriço + derma, pele) incluem as estrelas-do-mar (Classe Asteroidea), ofiúros (Ophiuroidea), ouriços-do-mar e bolachas-da-praia (Echinoidea), crinóides (Crinoidea) e holotúrias (Holothurioidea). Quase todos são radialmente simétricos quando adultos e a maioria deles tem endoesqueleto calcário com espinhos salientes. Eles vivem na praia e no fundo do mar, desde a linha das marés até 10.700 metros de profundidade na Fossa Mariana e são principalmente de vida livre mas de movimentos lentos; alguns são pelágicos mas nenhum é parasita. Alguns são abundantes, porém não formam colônias; alguns crinóides são permanentemente fixos e muitos outros nadam em mar aberto. Poucos equinodermos são usados como alimento para o homem e seus ovos servem para muitas pesquisas experimentais. Estrelas-do-mar podem danificar culturas comerciais de ostras e outros bivalves. Muitas regeneram partes perdidas prontamente.

estrela do mar

 -§- Vertebrados -§-         

 Ciclóstomos         

Os Cyclostomata (gr. Cyklos, circular + stoma, boca) compreendem as lampreias e os peixes-bruxa, vivendo em águas salgadas ou doces. As lampréias são parasitas de peixes em sua maioria, fazendo uma cavidade no corpo do peixe e sugando seu sangue. Têm corpo alongado e vivem no mar e água doce. Os peixes bruxa são marinhos, de corpo alongado, cavam dentro do corpo dos peixes e consomem sua carne, deixando a carcaça.

lampréia

 Peixes         

Os peixes cartilaginosos, incluem os tubarões, raias e quimeras da Classe Chondrichthyes são os vertebrados que têm vértebras completas e separadas, mandíbulas móveis e extremidades pares. Todos são predadores e praticamente todos são habitantes dos oceanos. O tubarão tem grande interesse biológico, porque algumas de suas características anatômicas básicas aparecem em embriões jovens dos vertebrados superiores. Os peixes ósseos, têm esqueleto ósseo, são cobertos com escamas dérmicas, geralmente têm corpo fusiforme, nadam por meio das nadadeiras e respiram por brânquias. Várias espécies habitam todos os tipos de água, doce, salobra , salgada, quente ou fria. Os peixes têm sido um armazém de alimento proteico para a humanidade desde a antiguidade e muitas espécies fornecem recreação agradável para pescadores amadores. Os peixes ósseos são notáveis pelo esqueleto, escamas e placas ósseas, pela bexiga natatória e por avanços na estrutura do encéfalo. A bexiga natatória permite mudanças de densidad em alguns peixes ósseos e certas espécies têm narinas perfuradas e estruturas acessórias que lhes permite respirar ar em águas rasas e sujas.

peixe

 Anfíbios         

Os anfíbios incluem sapos e rãs, salamandras, cobras-cegas, etc. O nome da classe indica apropriadamente que a maioria das espécies vive parcialmente na água doce e parcialmente na terra. Tanto na estrutura como função, os anfíbios se situam entre os peixes e os répteis, sendo o primeiro grupo de cordados a viver fora da água. Alguns caracteres "novos" os adaptam para a vida terrestre, como patas, pulmões, narinas comunicadas com a cavidade bucal e órgãos dos sentidos que podem funcionar tanto na água como no ar. Anfíbios servem de alimento para vários vertebrados, algumas espécies são usadas no ensino e na pesquisa da biologia e as rãs são uma especialidade culinária. A transição da água para a terra envolveu modificação do corpo para andar em terra firme, retendo ainda a capacidade de nadar; desenvolvimento de patas em lugar de nadadeiras pares; modificações da pele para permitir a exposição ao ar; substituição das brânquias por pulmões; modificações no sistema circulatório para permitir a respiração pelos pulmões, pela pele e aquisição de órgãos dos sentidos.

sapo

 Répteis         

Os répteis aquáticos incluem as tartarugas, os jacarés e crocodilos. As tartarugas, podem ser de água doce ou salgada.As marinhas apresentam uma carapaça menor e as patas transformadas em nadadeiras em forma de remo, que permitem que esses animais nadem agilmente a uma velocidade que pode superar 35 quilômetros por hora. Certas espécies realizam longas migrações até chegarem às praias onde põem ovos; em alguns casos são observados deslocamentos em grupo de até quarenta mil indivíduos. A postura dos ovos acontece várias vezes em uma mesma estação. A locomoção desses animais por terra é lenta e torpe enquanto na água são muito rápidos e ágeis. Atualmente, quase todas as tartarugas marinhas estão em risco de extinção: a caça desenfreada de que são alvo e a coleta descontrolada de ovos por parte do homem pode acabar com as tartarugas. As tartarugas de água doce, incluem a tartaruga-da-Amazônia uma das maiores. ë uma espécie migratória que, após percorrer mais de 150 quilômetros, chega às pequenas ilhas dos rios, onde põe seus ovos. Os crocodilos e jacarés, à primeira vista, lembram os lagartos devido ao seu aspecto. Costumam ser animais grandes, com dimensões oscilando entre um metro e meio e dez metros. Possuem a cabeça relativamente longa, o corpo maciço, achatado e largo, a cauda comprida e as patas curtas e robustas. Seu corpo é recoberto por grandes placas córneas, reforçadas por ossos, a forma e a disposição das placas costumam ser uma das características empregadas para o reconhecimento das diferente espécies. O habitat típico desta ordem é a água: represas, pântanos, rios, lagos e até o mar. Apresentam adaptações que lhes facilitam a vida no meio líquido. Apresentam as patas traseiras e às vezes até as dianteiras, palmadas, característica de que se aproveitam exclusivamente para mudar a direção durante a natação, já que a propulsão é realizada pela cauda, comprida e muito musculosa. Os orifícios nasais, os olhos e as orelhas se localizam na região alta do crânio e na parte superior do focinho, o que permite ao animal cheirar, ver e ouvir emergindo apenas a parte superior da cabeça. São animais carnívoros, predadores e necrófagos. Os jovens consomem uma grande quantidade de insetos e outros vertebrados, os adultos caçam anfíbios, aves, grandes crustáceos, mamíferos e, nadando, perseguem peixes. Costumam passar a noite quase sempre na água e, pela manhã, se arrastam até a margem com o objetivo de se aquecer sob os raios do sol. Podem permanecer assim, imóveis, durante horas e horas, aparentemente distraídos e sonolentos quando, na verdade, estão atentos e preparados para submergir ao primeiro sinal de perigo ou ao avistar uma possível presa. Os crocodilos são encontrados nas zonas tropicais de todos os continentes. Vivem em águas doces com exceção de uma espécie australiana, que demonstra ter uma preferência pelo mar.

jacaré

 Aves         

Há várias espécies de aves relacionadas à água. Temos os pinguins, mergulhões, pelicanos, biguás, albatrozes, atobás, garças, cegonhas, flamingos, patos, gansos, galinhas d'água, gaivotas, martim-pescador, etc. Os pinguins são aves marinhas que perderam a sua capacidade de voar e que se encontram localizadas no hemisfério austral. Sua incapacidade de voar é compensada pela perfeita adaptação à vida aquática e à natação. Os pinguins apresentam as penas uniformemente distribuídas por todo o corpo, ou seja, não possuem zonas nuas, ão características em quase todas as demais aves. Em terra, caminham de forma desengonçada e, em terrenos cobertos de neve, patinam com todo o corpo, chegando a deslizar a uma grande velocidade por menor que seja o declive. As espécies atuais medem de 30 a 120 cm de comprimento. O desenho e a coloração da plumagem são semelhantes em todas as espécies, dando-lhes o aspecto de estarem usando fraque. O ambiente típico dos pinguins é o marinho, apesar de certas colônias com ninhos poderem ser encontradas a uma grande distância da água, especialmente nas latitudes mais extremas. Essas colônias podem contar com milhões de indivíduos. Os pinguins mostram um comportamento social muito marcante, inclusive durante o período não reprodutivo. Cada espécie possui um repertório vocal próprio e bastante amplo. Não existe nenhum outro grupo de aves, vivas ou extintas, que tenha alcançado tal grau de adaptação ao ambiente marinho.

biguá

 Mamíferos         

Os cetáceos: baleias, golfinhos e botos, são mamíferos muito bem ajustados à vida aquática. Os cetáceos possuem a pele fina e desprovida de pêlos. Graças a ela, alguns animais, como por exemplo os golfinhos, podem nadar sem formar turbulências que dificultem o seu avanço. Parece que a conhecida agilidade do golfinho, que se move até a 35 Km por hora sem esforço aparente, deve-se à particular elasticidade de sua pele. Uma das características mais notáveis destes mamíferos é o sistema respiratório. A cada vez que em cetáceo emerge para respirar, ele renova quase 90% de seu conteúdo pulmonar, podendo reter a respiração durante uma hora. Os golfinhos sempre têm fascinado os marinheiros e os viajantes. A grande velocidade que pode alcançar (35 km/h com picos máximos de 50 km/h), o coloca em condições de seguir e ultrapassar muitas embarcações, sem esforço aparente até "brincando" e sua companhia é considerada grata e de bom augúrio. Mas, além destas qualidades, que o convertem em um mamífero particulamente simpático, o golfinho possui um cérebro volumoso e complexo. Além desse dado, existem relatos desde a antiguidade de golfinhos ligados a "salvamento de naúfrago", de golfinhos "pilotos" em zonas pouco seguras e perigosas e sabe-se que existe uma excepcional sociabilidade, como demonstram os componentes de um grupo nas manifestações de defesa e ajuda recíproca. Os golfinhos não só possuem uma grande capacidade de aprendizagem como também estão em condições de modular uma gama muito ampla de sons, muitas vezes não só imperceptível para o homem como também para mamíferos dotados de audição sensível. Golfinhos de água doce: incluímos aqui, o boto ou delfim-da-Amazônia, que pode ter cor rosa, cinza ou preto. É muito inteligente. Esse animal vive em águas turvas e devido à seleção natural possui olhos pequenos, pouca acuidade visual e possui um órgão que localiza as presas pelo eco. Conta a lenda que o boto, à noite se transforma em um belo rapaz que seduz as moças, marca encontros de madrugada e elas ficam grávidas. Quando a madrugada chega, o sedutor pula na água e volta a ser boto. É comum no Pará a alusão, "filho de boto" às crianças de paternidade ignorada. Alguns golfinhos de água doce, frequentam os rios e estuários asiáticos e sul-americanos. O delfim-do-rio-do-prata se encontra ao longo das costas Atlânticas da América do Sul. São nadadores lentos, com mandíbulas longas e fusiformes que originam um bico fino usado para remexer os fundos lodosos e buscar peixes e crustáceos. Os carnívoros aquáticos, incluem as focas, os elefantes marinhos, os leões marinhos e morsas. Possuem vida anfíbia: podem viver no mar e na terra. Os machos são maiores que as fêmeas. O corpo é fusiforme com pernas em forma de remo para a natação, com dedos incluídos nas membransa natatórias. A cauda é muito curta. Alimentam-se principalmente de peixes. O acasalamento, o nascimento das crias, a amamentação, ocorrem fora da água. Os elefantes marinhossõ os maiores e os machos possuem o nariz em forma de tromba. Os machos chegam a 18 toneladas de peso. As fêmeas, até um tonelada. Quando os machos disputam a fêmea, o combate pode ser mortal. As morsas possuem dois caninos superiores na forma de presas de até 90 cm de comprimento, "colmilhos". Servem para cavar o gelo. Os "bigodes"(cerdas táteis) que adornam seu lábio superior podem desaparecer com o tempo. Os sirênios, incluem os manatis ou peixes-boi, com corpo grande e fusiforme, patas anteriores semelhantes a remos, sem patas posteriores, boca pequena, focinho obtuso, com poucos pelos espalhados pelo corpo, são herbívoros. Na América, a única espécie de peixe-boi de água doce vive no rio Amazonas e afluentes e no Orinoco. Os mustelídeos aquáticos, incluem o vison e a lontra. Há uma lontra marinha, da Califórnia ao Alasca que se alimenta de invertebrados marinhos.

golfinho

1