Quinta-feira, Junho 23, 2005

Band Pé no Rio 2005 - Uma experiência única

Como achar uma palavra para definir a vocês que acompanham o nosso blog, o que foi para nós o Band Pé no Rio 2005???
.
a - Esforço
b- Dedicação
c- Superação
d- Conscientização
e- Respeito a natureza
.
Concerteza foi tudo isso e mais um pouco, um pouco de dor, um pouco de cansaço, muito de companheirismo e muito de boas recordações desses momentos vividos com grande intensidade.
.
O Band Pé no Rio 2005 serviu para me ensinar muitas coisas, a cuidar mais ainda dos nossos rios, eu falo nossos porque do momento que é meu e seu também, a nossa responsabilidade é a mesma.

Ajudou a superar o "medo" de criar um blog, o qual parecia ser um bicho de sete cabeças para mim. Mostrou que nem tudo é tão difícil quanto parece, as vezes é a gente que deixa as coisas mais difíceis.

E acreditem só, serviu até para a definição do meu tema para a Monografia de Final de Curso, depois de meses e meses pensando o que fazer, dúvidas e mais dúvidas, agora estou me encaminhando para os estudos na área de Análise Ambiental. Acho que vou continuar metendo o pé no rio ainda por um bom tempo!!!

Todos esses anos na Universidade, todo o embasamento teórico, tudo o que se ouvia falar e o que aprendemos sobre a importância de se preservar a Natureza, tentamos aplicar no Band Pé no Rio, nos depoimentos mais simples, mas de grande valor, como não jogar lixo nos rios, fazer a separação do lixo, dizer não ao desmatamento indiscriminado de nossas florestas...

Saímos do discurso teórico e vivenciamos na prática a realidade de nossos rios, denunciamos, alertamos, mandamos a mensagem: "conscientização é o grande desafio". E tenho certeza que ajudamos a conscientizar muita gente.

E a luta não para por aí, temos o compromisso como estudante universitário e como cidadão, de procurar envolver os mais diversos segmentos da sociedade, amadurecer os processos de gestão por políticas públicas na resolução de problemas ambientais existentes, não só no meio urbano, como também no rural.

Agradeço a todos que acompanharam o nosso blog, mesmo não deixando comentários. Agradeço a todos que votaram na Federal pelo número 8003. Agradeço de coração mesmo a você que torceu pela nossa equipe durante a competição.

Saiba que buscamos fazer o nosso melhor, independente de qualquer premiação, mas as vezes parecia que a sorte não estava ao nosso lado, bem... não vamos entrar nesse assunto um pouco superticioso, talvez a sorte seja nós mesmos que fazemos.

Acho que é isso, um abraço a todos!!!

UFPR - BRASIL, BAND PÉ NO RIO!!!


Quarta-feira, Junho 22, 2005

A MAIOR PONTUAÇÃO DA COMPETIÇÃO

É isso aí equipe Federal, o esforço, a garra, as poucas horas de sono nas noites que antecederam a realização da última etapa, tudo para fazermos o nosso melhor, e o resultado veio, vitória contra a Tuiuti e a maior pontuação da competição no Band Pé no Rio 2005.
.
.
360 Pontos!!! Por muito pouco não gabaritamos a décima etapa, mas valeu, valeu demais mesmo!!!
.
.
Em nome de toda a equipe da Federal, agradeço as pessoas que enviaram a mensagem de texto UFPR para o número 8003, conseguimos uma votação expressiva, 82% dos votos, finalmente ganhamos uma votação pelo celular.
.
.
Esta última etapa ficou show de bola, mostramos um pouco da realidade do rio Barigüi que sofre com o lançamento de esgoto e com o problema do assoreamento. O que precisamos fazer agora é nos unirmos para mudar está triste realidade, não só do rio Barigüi mas também de todos os outros rios do Paraná.
.
.
UFPR BRASIL, BAND PÉ NO RIO!!!


Quinta-feira, Junho 09, 2005

O Rio Barigüi é, e foi muito mais, condutor de poesia


“Mas se o Rio Barigüi é hoje em função da modernidade, um condutor de fatores de contaminação hídrica, ele o é – e ainda foi muito mais – de poesia.

Foi especialmente ao longo dessa bacia que os meus contemporâneos do fim dos anos 40 e início dos 50 vivemos as mais intensas aventuras ao longo dos seus numerosos acidentes que tinham denominações folclóricas: quem pegasse a ponte sobre o rio na estrada no Cerne, em direção à Santa Felicidade, teria à esquerda os pontos de banho denominados “Princesinha”, “Carniça”, e finalmente o mais procurado de todos a “Panela”, onde desaguava um braço do Rio Uvu que forma a represa da Cascatinha pouco acima; à direita tínhamos “O Toco” e logo depois da barragem que acionava o moinho do Weigert vinha a famosíssima “Volta Funda”.

Por que Princesinha? A designação poética deve ter vindo num estalo como o de Vieira: as condições de luz, solarização intensa – e talvez, quem sabe, até a floração dos vegetais – tinham a majestade não opulenta de uma rainha, mas a graça de uma princesa. E assim foi com a “Carniça”, onde certamente os banhistas, poetas que se confundiam com os gnomos da floresta, que hoje é o Parque do Barigüi, viram os urubus devorando restos de um animal ou ainda o cheiro forte da carcaça; o “Toco” era o alertamento de que ali havia um, capaz de acertar como uma lança o descuido de um nadador ou o improvisado trampolim para saltos pouco ornamentais; a “Panela” e a “Volta Funda” eram os pontos de maior profundidade.

E nesta uma lenda, balbuciada nos lábios dos piás, sugeria que havia até submerso um pinheiro e que os banhistas mais temerários chegavam a bater com os pés em sua copa. A alegria dos piás que embora pareça incrível, se banhavam, felizes, em suas águas e pescavam inenarráveis lambaris e acarás e apontavam mistérios como o boi Ta-tá que se deslocava em fogo entre os pinheiros, a Mãe d’água, e eram também um convite à reflexão do filósofo diante da corrente ou da água parada em torno do transitório e do permanente.”


Luís Geraldo Mazza – Jornalista
Trecho tirado do livro Memória da Curitiba Urbana.


O Rio Barigüi - Dados geográficos

Cinco grandes rios formam o esqueleto principal da Bacia Hidrográfica de Curitiba. São eles: Passaúna, Barigüi, Belém, Atuba e Iguaçu.

O Rio Barigüi tem uma extensão de 60 km no município de Curitiba, o nome Barigüi é palavra proveniente do tupi-guarani mbariwi’ý e significa “rio dos mosquitos-pólvora”.

Nasce no encontro com o Arroio Antônio Rosa, no município de Almirante Tamandaré, e corta 18 bairros de Curitiba até encontrar com o Rio Iguaçu no extremo sul da cidade, no bairro Caximba.

(fonte:Almanaque kur-yt-yba. Eduardo Fenianos).


Ajude a equipe da Federal na votação pelo celular

Neste sábado dia 11/06 na Band canal 2
a décima e última etapa da competição do
Band Pé no Rio 2005
UFPR x UTP
Prova disputada no Rio Bariguí

Não vai faltar emoção, força de vontade e muita garra.
Você vai ver um pouco da realidade
dos rios que cruzam nossa cidade
etapa disputada entre os
parques Tinguí e Bariguí

Você também pode participar do programa
enviando um torpedo do seu celular TIM
Para o número
8003
com a mensagem de texto
UFPR

A equipe que ao final do programa tiver o maior
número de votos, ganha 50 pontos
que podem definir a equipe vencedora

A votação pelo celular já esta valendo
desde segunda-feira e vai até o final do programa no sábado na Band


Vote agora mesmo!!!

8003 ---- UFPR


Quarta-feira, Junho 01, 2005

Reflexão sobre o Dia Mundial do Meio Ambiente e o programa Band Pé no Rio

Quando e como surgiu a expressão Meio Ambiente eu não sei, mas sei que é uma expressão redundante, ou seja, são duas palavras que significam a mesma coisa no senso comum e também geograficamente falando (meio: entendido como espaço que promove a vida; ambiente: entendido, também, como espaço que promove a vida). Se falarmos “no meio em que vivemos”, ou se falarmos “no ambiente em que vivemos”, o sentido é o mesmo.

Estamos próximos da data na qual comemoramos o Dia Mundial do Meio Ambiente: 5 de junho. Mas como essa data foi determinada para essa comemoração? A data surgiu a partir da Conferência sobre Meio Ambiente, realizada em Estocolmo, na Suécia, entre os dias 05 e 16 de junho de 1972. Foi nesse encontro que a Assembléia Geral das Nações Unidas estabeleceu o dia 5 de junho como o Dia Mundial do Meio Ambiente e criou, também, a United Nations Environment Programme, a UNEP (Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente).

Assim, desde 1972 é comemorado o Dia Mundial do Meio Ambiente no dia 5 de junho. De lá para cá, muito já foi feito para minimizar os prejuízos causados ao meio ambiente e para prevenir ações predatórias, porém, ainda é pouco diante da problemática ambiental global em seu amplo contexto.

Simples ações que promovem grandes mudanças, como, por exemplo, separar o lixo, ou não jogar lixo no chão, ou inda não despejar resíduos em rios e parques, ainda não são realizadas por grande parte da população.

Pergunto-me o por quê dessa resistência para ações tão simples?

E encontro respostas nas políticas públicas, que não valorizam a educação, principalmente a educação ambiental. Um povo educado torna-se um povo consciente. O principal objetivo da educação deveria ser o de educar para a vida, mas o que se percebe é uma educação baseada em modelos conteudistas, em transmissão de conhecimentos, ao invés de ser baseada na construção do conhecimento e no desenvolvimento do senso crítico, promovendo uma educação com significado.

É aí que entra a importância da Educação Ambiental, que tem como principal objetivo educar para a valorização da vida como um todo. Promovendo a Educação Ambiental nos espaços escolares, nas instituições, nas empresas, nas ONG’s, nas igrejas, nas comunidades, estaremos colaborando para o desenvolvimento de ações que promoverão grandes mudanças de atitudes.

O programa Band Pé no Rio da TV Bandeirantes tem como objetivo divulgar a educação ambiental e a conscientização do telespectador numa competição que envolve esportes de aventura e conhecimentos teóricos, de uma forma atrativa passando a mensagem de que preservar o que ainda temos é preciso. Não é atoa que o sucesso do programa é cada vez maior e as homenagens tem suas justificativas.

Espero que o Dia Mundial do Meio Ambiente possa promover o despertar de uma consciência ambiental e favorecer o alvorecer de uma nova cultura, a cultura ambiental, para que a vida sobreviva. E que o Meio Ambiente não seja lembrado somente no dia 5 de junho, mas em todos os dias de nossas vidas.
conscientização é o desafio
se conscientize ou vire bicho!!!


Domingo, Maio 29, 2005

Para pensar e refletir...

"Penetra o tempo a água em movimento desde os mananciais subterrâneos às nuvens inclinadas pelo vento. Nos longos céus, de esperas e de enganos, a água da memória vara o tempo.
Em minutos,
em meses,
em mil anos.
E permanece intemporal o rio lançando ao tempo o eterno desafio".


Sábado, Maio 28, 2005

FEDERAL Campeã da Gincana Ecológica

A criançada mandou muito bem na gincana ecológica que foi disputada em Paranaguá durante a gravação da nona etapa do Band Pé no Rio. Além de aprender mais sobre a importância de preservar o Meio Ambiente, as crianças e adolescentes que participaram serviram de exemplo para as outras pessoas, levando a mensagem que em todas as etapas nós da competição tentamos transmitir:
"A conscientização da importância de se preservar os rios e o Meio Ambiente como um todo,
esse é o desafio".
As crianças que representaram a equipe da Federal honraram o nome da Instituição, conseguiram o Primeiro Lugar na gincana. É isso aí Gurizada, valeu o esforço e a dedicação, vocês estão de parabéns!!!
E quem sabe daqui alguns anos essas mesmas crianças poderão estar representando a FEDERAL no Band Pé no Rio, vale lembrar que a UFPR no Litoral está agora mais próxima das comunidades de Matinhos, Paranaguá, Pontal do Paraná e demais municípios do litoral Paranaense.
E na próxima etapa a FEDERAL entra em campo novamente, ou melhor, METE O PÉ NO RIO, em busca de mais uma vitória. Essa Décima Etapa promete, esperem para ver só o que vai acontecer...
UFPR Brasil, Band Pé no Rio!!!


Para pensar e refletir...

"Os rios e córregos que permeiam nossas cidades são como as veias e artérias de nosso corpo, por onde circula a vida. Poluir e degradar os rios e córregos equivale à injetar drogas nas veias do corpo humano:
envenena e mata".


Quinta-feira, Maio 26, 2005

Aqüífero Guarani - Alerta: água não é infinita


O estado do Paraná tem 399 municípios, dos quais 275 já descobriram as vantagens das águas subterrâneas: mais saudáveis, mais puras e mais baratas. Cinco aqüíferos diferentes abastecem o estado. Historicamente, as águas minerais da região eram consumidas pelos índios guaranis há séculos. Depois, chegaram os desbravadores, com o desmatamento indiscriminado, pondo em risco as fontes naturais. Hoje, a grande preocupação é recuperar e preservar as matas para proteger não só os rios, mas principalmente a água que vem do fundo da terra.

Em áreas de muita vegetação, brotam as minas que alimentam a indústria. Pontos borbulhantes na areia muito clara indicam que não há apenas uma, mas várias fontes de água mineral. E elas contêm cálcio e magnésio, fundamentais para crianças e idosos.

A indústria do café também usa o aqüífero. Além de pura, a água já vem quente. Economia no consumo de energia. A indústria tira água a uma profundidade de quase mil metros. E tanto a utiliza na extração do café como nas caldeiras. Mas a quem pertence, afinal, a água do aqüífero?

Diante da escassez que ameaça o mundo, a Organização das Nações Unidas (ONU) propôs que o Aqüífero Guarani fosse transformado em Patrimônio da Humanidade e que suas águas fossem consideradas reserva estratégica, intocada, para que no futuro fosse usada por toda a população do planeta. Por enquanto, é apenas uma proposta.

Hoje, os quatro países do Mercosul que estão sobre o gigantesco reservatório formam uma grande potência.
“Esses países têm que se unir para defender esse patrimônio, porque o futuro está na água. Os países que têm abundância em água vão dominar o mercado porque vão produzir alimentos e poderão vender a água envasada. Isso depende da determinação do governo destes quatro países na defesa do Aqüífero Guarani”, comenta a bióloga Nádia Boscardin.

A bióloga e os pesquisadores José Roberto Borghetti e Ernani da Rosa filho são os autores do mais completo estudo já feito sobre o aqüífero, que concluiu: o Guarani é instrumento precioso para o crescimento do Brasil.
"O mais importante é saber quais os critérios vão ser utilizados para que possamos utilizar o aqüífero de forma racional, visando tanto o desenvolvimento que o país precisa como a preservação ambiental, para que as futuras gerações possam usufruir constantemente deste benefício”, diz José Roberto.

Água subterrânea é uma riqueza que pode gerar outras riquezas. Mas os cientistas alertam: este bem renovável, vital para o ser humano, não é infinito. Só o uso racional, cercado de cuidados ao meio ambiente, pode garantir vida longa às nossas reservas de água.



 
1