INSUFICIÊNCIA DIASTÓLICA FORMA OBSTRUTIVA

 

Cardiomiopatia

 

CARDIOMIOPATIA RESTRITIVA

Conceitos

O termo cardiomiopatia é utilizado para as doenças isoladas do miocárdio, de causa desconhecida. Como proposto pela Organização Mundial de Saúde.

Do ponto de vista anatomo-funcional, as cardiomiopatias são classificadas em restritivas, hipertróficas e dilatadas ou congestivas. Em algumas situações, as características anatômicas e/ou funcionais não permitem classificar em nenhum desses tipos; como exemplo, das formas denominadas disritmogênicas que aparentemente acometem de modo exclusivo o sistema excito-condutor.

As principais características clínicas e fisiopatológicas das cardiomiopatias restritivas são: disfunção diastólica, função sistólica preservada, pequena ou nenhuma dilatação cardíaca, espessura aumentada da parede nas doenças infiltrativas e obliteração de cavidades na endomiocardiofibrose.

A característica hemodinâmica das síndromes restritivas é uma profunda e rápida queda da pressão diastólica inicial do ventrículo, seguida de um rápido aumento e "plâto" na protodiástole (padrão da curva pressórica em raiz quadrada).

O quadro clínico e hemodinâmico das cardiomiopatias restritivas simulam o quadro de pericardite constritiva (síndrome restritiva externa)

CLASSIFICAÇÃO ETIOPATOGÊNICA DAS CARDIOMIOPATIAS RESTRITIVAS

1. Miocárdica

 

    a) não-infiltrativa

Idiopática

Esclerodermia

    b) Infiltrativa

Amiloidose

Sarcoidose

Doença de Gaucher

    c) Doença de depósito -

Hemocromatose

Doença de Fabry

2. Endomiocárdica

 

    a) Endomiocardiofibrose

 

    b) Síndrome hipereosinofílica

 

    c) Doença carcinóide

 

DIAGNÓSTICO

A diferenciação entre os diferentes tipos de cardiomiopatias restritivas é de grande importância terapêutica e prognóstico, sendo fundamental o estudo da função diastólica com Doppler e hemodinâmica, a caracterização da espessura das paredes e do tamanho das cavidades com o ecocardiograma, a tomografia de tórax, a ressonância nuclear magnética e a análise dos processos infiltrativos do miocárdio e endocárdio através da biópsia.

 

 

 

 

 

 

 

Referências:

Tyberg JV, Keon WJ Sonnenblick EH, Unschel CW - Mechanics of ventricular diastole. Cardiovasc Res, 1970;4:423-428.

Hansen AT, Eskildsen P, Gotzcher H - Pressure curves from the right auricle and the right ventricle in chrônic constrictive pericarditis. Circulation, 1951;3:881-8.

Lewis BS, Gostman MS - left ventricular function in systole and diástole in constrictive pericarditis. Am Heart J, 1973;86:23-41.

Azevedo AC - Insuficiência cardíaca diastólica (Editorial). Arq Bras Cardiol, 1986;47:157-159.

Danford DA, Huhta JC, Murphy DJ - Doppler echocardiographic approaches to ventricular diastolic function Echocardiography, 1986;3:33-40.

Weitzel LH, Patrocínio LLA, Moll Fo JN, Azevedo AC - Avaliação ecodopplercardiográfica da função diastólica do ventrículo esquerdo. Arq Bras Cardiol, 1990;54(2):147-156.