A SITUAÇÃO DO SER HUMANO NA MORTE

Pr. Natan Fernandes

O que é a morte?

Esta é uma indagação que todos fazem, mas que nem sempre todos sabem responder satisfatoriamente.

O Novo Dicionário Aurélio registra o seguinte, no tópico "morte": "1. Ato de morrer; o fim da vida animal ou vegetal. 2. Termo, fim. 3. Destruição, ruína." (1ª edição, pág. 947).

Na maioria das religiões, MORRER é o ato da alma (ou o espírito) deixar o corpo e ir para algum lugar. Assim acreditavam os egípcios, os persas, os fenícios, os babilônios e outros povos antigos. Assim crêem muitas religiões e filosofias religiosas – pagãs ou que se intitulam cristãs.

Por exemplo, o CATOLICISMO ROMANO crê que quando uma pessoa morre, sua parte imaterial vai para o céu (se for digna), para o inferno (se for má) ou para o purgatório (se estiver na média). Os PROTESTANTES, de um modo geral (com raríssimas exceções), crêem que o homem vai para o céu ou para o inferno – se aceitou ou não a salvação oferecida por Cristo. Os ESPÍRITAS crêem como a maioria das religiões orientais: quando o ser morre, seu espírito sai, para se encarnar em outro corpo, que vai nascer. (O folheto Campanha de Divulgação da Doutrina Espírita, pág. 5, traz este ensino).

Mas, perguntará você: O que é que a Bíblia ensina sobre a morte?

Para o cristão, as ESCRITURAS SAGRADAS são a maior autoridade em matéria de religião. E isso é afirmado, mantido e sustentado por JESUS CRISTO e Seus seguidores, em várias partes. (Veja-se João 5:39; Lucas 16:17; Mateus 22:29; Romanos 1:16; 1 Tessalonicenses 2:13). Logo, para esclarecer as dúvidas com respeito à MORTE, ninguém melhor do que o próprio Criador para falar!...

JESUS, quando Lázaro morreu, disse que ele estava DORMINDO ( João 11:11-13). E este mesmo conceito foi ensinado por PAULO, o apóstolo dos gentios, na sua Primeira Epístola aos Tessalonicenses, capítulo 4, verso 13, onde diz: "Não queremos, porém, irmãos, que sejais ignorantes com respeito aos que DORMEM, para não vos entristecerdes como os demais, que não têm esperança."

Em sono profundo está-se inteiramente inconsciente; o tempo passa sem se sentir; e as funções mentais, que estão ativas quando se tem consciência, ficam suspensas.

Outra idéia que a Bíblia transmite, é que quando a pessoa morre, ela deixa de ter qualquer emoção, sentimento, ação ou coisa parecida. Eclesiastes 9:5 e 6 afirma o seguinte: "Porque os VIVOS SABEM que hão de morrer, mas os MORTOS NÃO SABEM coisas nenhuma, nem tão pouco terão eles recompensa, porque a sua memória jaz no esquecimento. Amor, ódio e inveja para eles já pereceram; para sempre não têm eles parte em coisa alguma do que se faz debaixo do sol."

Logo, UM MORTO É ALGUÉM INCONSCIENTE, em estado total de inação, imobilidade.

Mas, quando alguém morre, e foi salvo, não estará no céu, louvando ao SENHOR? – essa pode ser a sua pergunta.

A Bíblia afirma que não. A profeta Isaías, capítulo 38, versos 18 e 19 esclarece este assunto da seguinte forma: "A sepultura [e o seu ocupante] NÃO TE PODE LOUVAR; nem a morte glorificar-Te; não esperam, em Tua fidelidade os que descem `a cova. Os vivos, SOMENTE OS VIVOS, esses Te louvam como hoje eu o faço."

O salmista também sustenta esse mesmo ensinamento, quando escreve: "Os mortos NÃO LOUVAM O SENHOR; nem os que descem à região do silêncio"(Salmo 115:17).

Alguém deseja saber o que significam os vocábulos "ESPÍRITO" e "ALMA"...

A palavra "espírito" (em hebraico é RUACH, e em grego é PNEUMA) significa, na Bíblia, "fôlego", "respiração"; "vida"; "faculdades morais"; "caráter", "pensamento", "sentimento"; "ânimo", "energia"; "hálito vital", etc.

Por sua vez, "alma" (do hebraico NEPHESH, e do grego PSYCHE) é traduzida na Bíblia por: pessoa, corpo, vida, coração, ser.

Mas, você pergunta: QUANDO surgiu então a idéia de que existe uma parte imortal e abstrata no homem, que sai dele quando morre? De onde vem o conceito de corpo e alma separados um do outro por ocasião da morte?

Conforme o texto de Gênesis 3:4, o originador deste ensino foi o próprio Satanás, disfarçado na serpente, que levou o primeiro casal humano ao pecado.

Deus havia dito que, se Adão e Eva desobedecessem, eles certamente MORRERIAM. E o MORRER aí não era apenas uma parte, como já foi visto acima.

Mas, o diabo, que a Bíblia chama de o ENGANADOR DE TODO MUNDO, lançou a primeira grande mentira para a mulher: "É certo que NÃO MORREREIS" – disse-lhe. Em palavras mais claras, o que o diabo garantiu para a mulher é que mesmo que ELA MORRESSE, CONTINUARIA VIVENDO!... ao contrário do que disse DEUS: "MORREREIS".

Apesar de CATÓLICOS e PROTESTANTES acreditarem que a alma não morre, há, no meio deles, opiniões divergentes quanto a este assunto.

Por exemplo, o Professor OTONIEL MOTA, eminente pastor presbiteriano, depois de ter examinado a questão da crença de que a alma não morre, e o que a Bíblia ensina, assim se expressou: "A doutrina da imperecibilidade da alma não é bíblica, mas pagã. Nasceu na Grécia e propagou-se na Igreja, através de Platão, do século V em diante, graças à influência de Agostinho. A Doutrina não se mantém diante das concepções modernas e da teoria mais racional acerca da propagação o ser humano, corpo e alma."(Meu Credo Escatológico, pág. 3).

O Dr. George Dana BOARDMAN, pastor batista, responsável pela Fundação Boardman de Ética Cristã da Universidade de Pensilvânia, EUA, afirmou o seguinte: "Do Gênesis ao Apocalipse, nem uma só passagem – quanto eu saiba – ensina a doutrina da imortalidade natural do homem. Por outro lado, o Livro Santo declara, com ênfase, que somente Deus tem a imortalidade (1 Tim. 6:16) quer dizer: Deus exclusivamente possui a imortalidade inerente, em Sua própria essência e natureza imortal." (Studies in the Creative Week – Estudos Sobre a Semana da Criação, págs. 215 e 216).

O Novo Catecismo: A Fé Para Adultos, da Igreja Católica Romana, e que tem a autoridade do Cardeal Agnelo Rossi, também diverge dos ensinos da Igreja. Diz ele, falando que JESUS raramente usa a palavra "ALMA": "O termo ‘alma’ não significa, em Sua boca [de Jesus], espírito isolado do homem. Como alhures na Bíblia, quer antes dizer: a vida, o núcleo vivo do homem todo, corpo e espírito." – pág. 544 E complementa: "A própria Bíblia jamais concebe a alma totalmente separada de qualquer corporeidade. ... o que alguém é, relaciona-se tão intimamente com o seu corpo, que não podemos conceber um ‘eu’ isolado, sem nenhum laço com esse mesmo corpo. ... O corpo e a alma são inseparáveis." – pág. 441.

Diante de tudo isso que foi dito, pergunta ainda alguém: Existe o INFERNO?

Talvez o maior interessado de que a doutrina de um inferno que arde constantemente, de modo contínuo, sejam os que querem que o homem deseje a salvação pelo fato, não de amar a JESUS, mas tão pura e simplesmente para fugir do horror do inferno...

O Frei LEONARDO BOFF, que foi um dos sistematizadores da teologia da libertação, nos seus escritos apresentou o seguinte: "Se eu pudesse anunciaria essa novidade: o inferno é UMA INVENÇÃO DOS PADRES para manter o povo sujeito a eles. É um instrumento de terror excogitado pelas religiões e suas situações de força. ... Mas não posso. ... De tudo o que vimos da Escritura uma coisa resulta segura: o inferno é uma existência absurda que se petrificou no absurdo." (A Vida Para Além da Morte, págs. 88 e 91).

É claro que DEUS tem um dia em que vai eliminar, destruir, fulminar e pulverizar todo o mal – pecado e pecadores. Mas, aqueles que entregaram a sua vida nas mãos do SALVADOR, e que O aceitaram, vão estar a salvo.

Mas, só levantarão à vida, quando o SENHOR os chamar na RESSURREIÇÃO. Este é o único meio como alguém poderá viver depois da morte (João 5:28 e 29; Daniel 12:2; João 11:25; 1 Tessalonicenses 4:16; etc.).

Portanto, se queremos aceitar o que a BÍBLIA SAGRADA, como a mais abalizada autoridade em matéria religiosa diz, aceitaremos que o homem é MORTAL, e que a morte é a total e completa cessação de vida, apenas revividos na ressurreição!