Clube do Labrador

Acasalamento

Como regra geral, é sempre melhor, principalmente quando os "noivos" são novos e portanto ainda inexperientes em assuntos amorosos, que a fêmea seja levada para a casa do macho, uma vez que fora de seu território ela estaria menos agressiva e preocupada com a manutenção de seu próprio "espaço". No entanto, nos casos em que o macho more em apartamento e/ou tenha pouco espaço e a fêmea tenha mais condições, essa regra pode ser quebrada. O mais importante é que a fêmea encontre-se realmente no cio.

Como identificar o cio?

De maneira geral, as fêmeas alcançam a maturidade sexual em torno dos 6 meses de idade, mas há grandes variações entre raças e indivíduos. Normalmente as fêmeas de raças grandes demoram mais para ter o primeiro cio. Também é normal que em canis coletivos o cio demore mais a chegar.

Assim como o início do cio varia de fêmea para fêmea, o intervalo entre um cio e outro também é bastante variável, sendo mais comum o intervalo de 6 meses. Nas cadelas mais velhas é comum que o intervalo entre um cio e outro aumente, mas nunca atingem a 'menopausa'.

No início do cio, ocorre em geral uma modificação do temperamento da cadela, que se torna mais dócil, com micções mais freqüentes, emite ganidos sem causa aparente, demonstrando também maior atividade e movimentação.

A vulva congestiona-se, apresentando ligeiro aumento de volume e deixando em seguida escorrer corrimento seroso de início e em seguida sanguinolento. Esse corrimento sanguinolento ocorre portanto no início do cio das cadelas, diferentemente do que ocorre com a mulher, quando tal corrimento chamado de menstruação ocorre no final do ciclo sexual.

A partir desse corrimento sanguinolento nas cadelas, conte sete dias (primeira semana), período esse que em geral as cadelas não aceitam ainda o macho para acasalamento. Ao fim desses sete dias, as cadelas quando acariciadas com a mão em seu dorso, elevam ligeiramente a cauda e deixam-se também acariciar em seus órgãos sexuais externos, ou então, deitam-se de costas com as pernas para cima exibindo sua barriga para ser acariciada.

Se estes sinais estão presentes, considera-se que a cadela está pronta para o encontro do macho para o acasalamento, porém, não é indicado fazê-lo antes do terceiro cio, pois o organismo da fêmea ainda não está pronto para a maternidade.

O ciclo sexual das cadelas é divido em 4 fases:

A duração de todo o cio também é variável, mas de forma geral dura de 15 a 20 dias. Lembre-se de não cruzar sua cadela antes do terceiro cio. A gestação dura entre 58 e 63 dias. Caso passe deste período, procure imediatamente o veterinário.

Normalmente no primeiro cio as fêmeas aprendem a manter-se limpas, lambendo-se com freqüência e aos lugares onde porventura tenha pingado sangue. As calcinhas higiênicas são uma opção, mas deve-se lembrar que as cadelas precisam de um tempo para se acostumar ao uso delas.

Não existem nenhuma restrição quanto aos banhos neste período. A única atenção especial é quanto aos passeios da fêmea durante o período fértil: não descuide nem por um minuto.

Não é recomendável que se cruze a cadela em todo cio. Isso porque o processo de gestação, parto e amamentação é muito desgastante. O ideal é que se acasale a fêmea num cio e deixe-a descansar no próximo.

Normalmente, estando a cadela em seu período fértil, basta colocar os "noivos" juntos e o macho procurará cavalgá-la para proceder ao coito. Pode ocorrer às vezes, um período prévio de namoro, principalmente quando são ambos (ou apenas o macho) inexperientes sexualmente (afinal são irracionais mas também não são de ferro !!!). O ideal é cruzar três vezes, em dias alternados, para aumentar a chance de êxito.

Se a cadela permite o início do cruzamento mas o interrompe, pode ser por dores devido a ferimentos internos ou problemas anatômicos, requerendo o diagnóstico de um veterinário. Não aguentar o peso do macho também é motivo para causar a interrupção. Neste caso, ajude a sustentá-lo ou arrume outro namorado para a cadela.

Se este for seu caso, tenha paciência e ajude se necessário, segurando a cadela, para que a mesma seja cavalgada pelo macho e assim se efetue a cópula entre ambos.

Gestação

Nesta fase da vida geralmente a cadela se alimenta com 50% a mais de comida que seu normal. É recomendado dar leite a vontade (se a cadela ou a gata gostarem de leite) e fazer suplementação alimentar com cálcio, vitaminas e sais minerais (ou dar uma ração adequada a situação atual do animal). A grande maioria das fêmeas não apresenta problema nesta fase.

Sinais da gravidez

 Aqui estão algumas mudanças na sua cachorrinha que identificam sua gravidez:

 Cuidados com a futura mamãe

O antes e depois da gravidez:

shiffer_barriga_antes_2.jpg (11744 bytes) shiffer_barriga_depois_2.jpg (11869 bytes)
Antes Depois (com 50 dias de gestação)

Cuidados com a cadela na gestação:

- Saúde: Para que a cadela de à luz filhotes saudáveis, é importante cuidar de sua saúde antes e durante a gestação. Leve-a ao veterinário, para que sejam feitos exames, como o pré-natal e o de fezes; antes da cruza, dê a ela a dosagem certa de vermífugo e para colocar as vacinas em dia. Com isso, a cadela dará aos filhotes anticorpos contra as principais viroses. Além disso, devido à vermifugação da mãe, os filhos nascerão protegidos de vermes. Porém, as vacinas aplicadas na cadela durante a gestação não poderão ajudar os filhotes. A vermifugação na mãe 10 dias antes do parto é aconselhável.

- Exercícios: Seus esforços devem ser diminuídos a partir do 20º dia de gravidez, aproximadamente. Mesmo depois dessa idade, ainda podem ser feitos exercícios leves, mas é bom evitá-los. Exercícios pesados como grandes caminhadas? Nem pensar! 

- Alimentação: Deve ser mais balanceada e rica em proteínas e aminoácidos, e servida mais vezes ao dia após o primeiro mês, quando seu apetite aumenta. As rações de filhotes são as mais indicadas, pois são bastante ricas. Nunca dê alimentação rica em cálcio para a cadela na 1ª gestação, pois ele faz com que os filhotes crescam muito, dificultando sua saída na hora do parto.

Ultrasonografia: Já é possível acompanhar o desenvolvimento dos fetos pela ultrasonografia. Sua função é, além de matar a curiosidade dos donos mostrando quantos filhos serão (muitas vezes ele subestima o número de filhotes da ninhada), é verificar a vivacidade dos fetos pelo seu movimento e seus batimentos cardíacos (que chegam a mais de 200 bpm), e detectar más formações congênitas. Se for detectado algum feto morto, o parto é antecipado, fazendo-se uma cesariana na cadela, para que os outros filhotes se salvem. O exame é feito com 30 dias de gravidez, em média. Para a confirmação exata do número de filhotes, pode ser tirada uma radiografia uma semana antes do parto. A radiografia, como consegue abranger toda a região do útero, indica exatamente o número de filhotes, ao contrário do ultrasom, que vê por partes, podendo esquecer de contar um filhote. Entretanto, a radiografia não pode ver os batimentos cardíacos e movimentos dos fetos. O preço da ultrasonografia é em média R$ 50,00.

Apalpação: É feita com uns 45 dias de gravidez. Só em colocar a mão sobre a barriga da cadela já é possível sentir os movimentos e "chutes" dos filhotinhos, assim como nos seres humanos.

 

PARTO
Aproximadamente 12 horas antes do início do trabalho de parto, a cadela pode recusar sua alimentação. Pode também ter um corrimento vaginal esbranquiçado (que é o tampão uterino). Um corrimento vaginal marrom- esverdeado também é normal e corresponde a separação das placentas. De 8 a 12 horas antes, a temperatura do animal cai de 1 a 1 grau e meio.

NASCIMENTO

O animal tem o parto geralmente deitada, com o focinho próximo a vulva, com fortes contrações. O feto é expelido envolto em um ‘saco’ (saco amniótico), que normalmente a cadela rompe com os dentes. Junto com o feto e o saco pode também vir a placenta, ligada ao filhote pelo cordão umbilical. A cadela geralmente ingere a placenta (ela é rica em hormônios que ajudam o útero voltar ao normal e a descida do leite).

Se possível, só permita que a cadela ou gata ingira no máximo 3 placentas, para evitar uma diarréia pós parto excessiva. Após romper o saco, a cadela lambe os filhotes, para limpa - los, esquenta - los e incentiva - los a respirar. É necessário deixar os filhotes que nasceram mortos ao lado da mãe, até eles esfriarem , para ela saber que morreram e não achar que foram levados embora e os ficar procurando.

Se a mãe não romper o saco amniótico, é necessário que seu proprietário (a) o faça, com os dedos ou com uma tesoura sem ponta, limpa.

Se a mãe não lamber os filhotes, o proprietário (a) fará a limpeza dos mesmos com suavidade, usando para isto toalhas de papel macio ou de tecido, limpos.

Se a mãe não cortar o cordão umbilical com os dentes, novamente o dono (a) agirá, amarrando o cordão junto ao abdomem do filhote, com fio dental ou fio de algodão limpo, cortando na medida de um dedo acima (o fio fica junto ao coto umbilical).

Geralmente dois filhotes nascem em seguida, seguida de uma pausa de 1 a 2 horas antes de novos nascimentos. O trabalho de parto pode demorar até 36 horas.

ATENÇÃO:

PÓS - PARTO:

Deixar a cadela repousar após ter tido os filhotes. Há perda de pêlos neste período pós-parto, mas falhas; assim como é normal uma diarréia pela ingestão de placenta por 3 a 4 dias (mas sem o animal ficar abatido).

É necessário continuar com 50% a mais de alimentação enquanto a cadela( ou gata) estiver amamentando. Também é necessário continuar com a suplementação de vitaminas, etc ou com a ração especial.

Nesta fase, se a cadela ficar amuada, apática, com tremores e/ ou vômitos, leva-la imediatamente ao veterinário, seja que hora do dia ou da noite for.

1