IGREJA MESSIÂNICA

IGREJA MESSIÂNICA

 

MOKITI OKADA - O PROFETA DA IGREJA MESSIÂNICA

 

Mokiti Okada, o fundador da seita denominada Igreja Messiânica Mundial, nasceu em 23 de dezembro de1892, em Tóquio, no Japão. Até os 45 anos de idade teve uma vida normal, quando então passou a anunciar que recebeu uma revelação de Deus de que estava iniciando no mundo uma nova era de luz. Ele mesmo dizia ter recebido de Deus a divina luz para discernir a verdade em todos os aspectos. Afirmou que depois desta era de trevas em que a humanidade está mergulhada, viria uma nova era de luz depois de uma purificação do mundo.

 

Embora Okada tenha começado a sua pregação a partir de 1926, por problemas com o sistema governamental do Japão, só pôde oficializa-la em 1947, com o nome de Nipon Kannon Kyodan, estabelecendo sua sede na cidade de Atami

 

Os adeptos de Okada o chamam de Meishu-Sama que quer dizer "O Senhor da Luz". Com a sua morte a sua família tem sustentado a seita. Atualmente sua terceira filha, conhecida e adorada por seus adeptos como Kyoshunsama ( Mestre que ensina luz), é a líder do movimento, tendo recebido a liderança de sua mãe, Yashi Okada, quando de sua morte em 24 de janeiro de 1962. O verdadeiro nome de Kioshu-Sama é ltsuki Okada. Com o seu esposo, também líder do movimento, a quem chamam de Reverendíssimo Fujieda, já visitou o Brasil algumas vezes.

 

O nome brasileiro ( Igreja Messiânica Mundial do Brasil) é bastante enganoso. De messiânica, a igreja só tem o nome. Não é evangélica, não crê em Jesus Cristo, e seus ensinamentos nada têm a ver com o do verdadeiro Messias revelado na Bíblia. É uma seita nascida na mente de um falso profeta que reuniu ingredientes do budismo, do hinduísmo e do panteísmo para formular a sua receita doutrinária.

 

Segundo as revelações de Meishu-Sama, a Igreja Messiânica é a responsável pela construção do paraíso terrestre e pela difusão da nova era de luz que a humanidade viverá. No Brasil, a seita chegou através do ministro Nobu Hiko Shoda e, segundo suas estatísticas, em 1975 a Igreja já possuía cerca de 40.000 adeptos no Brasil. Afirmam que hoje, no Japão, contam com mais de 700.000 adeptos e no Brasil já tenha triplicado o número de adeptos desde 1975.

 

Meishu-Sama escreveu muitos livros e panfletos, e a doutrina da seita é baseada totalmente nos seus ensinos. A difusão do movimento parte da Igreja Regional que é seguida de Casas de Difusão. O nome dessas casas já indica a sua característica: difundir a seita a todo o custo. Existem ainda aquilo que chama de Casas de Reunião e as reuniões das casas dos fiéis.

 

 

DOUTRINAS

 

Johrei

 

É o ponto forte da Igreja Messiânica. Trata-se de uma cerimônia especial onde os líderes espirituais estendem a palma da mão sobre as outras pessoas. Dizem que é a canalização da Luz Divina, através de Meishu-Sama para ajudar à humanidade sofredora. Dizem ainda que o Johrei liberta o homem da miséria e o prepara para viver num mundo ideal de verdade, bondade e beleza.

 

Ohikari

 

É o sagrado ponto focal, através do qual é canalizada a luz de Deus e Meishu-Sama. Antigamente era um saquinho de pano, hoje é uma medalha dourada que a pessoa leva junto ao peito pendurada por um cordão.

 

Deus

 

É sempre associado ao nome de Meishu-Sama. Praticam uma forma de confucionismo no que se refere à adoração dos ancestrais. Todos os dias 23 de dezembro, promovem um culto especial aos antepassados e comemoram o nascimento do seu fundador. Deus para os messiânicos é a luz que apaga as manchas do corpo espiritual e ilumina o homem preparando-o para viver um mundo ideal.

 

Jesus Cristo

 

A Igreja Messiânica não tem nada de messiânica. Nega as verdades cristãs conforme sua conveniência e crê que a salvação é a libertação da doença e da miséria. Luta para tornar o homem bom e integro e exalta muito mais a seu fundador do que ao próprio Deus. Praticamente não fala em Jesus Cristo. Seus líderes elevam-se a si mesmos à posição de profetas, messias ou do próprio Cristo.

 

Ética

 

Não se preocupam, como as demais seitas orientais, com o comportamento ético dos seus seguidores. A tese central do comportamento dos adeptos é aquela que diz que é proibido proibir. Tudo é lícito; tudo é válido e o homem deve fazer tudo o que acha que o realize. Não é exigida renúncia à religião que o adepto esteja seguindo. Dizem que aceitam pessoas de todas as religiões. Não falam contra os vícios, a sensualidade ou a prostituição. Tudo é válido.

 

A Igreja Messiânica prega uma religião bem de acordo com as expectativas de muitas pessoas: não há necessidade de renúncias, de compromissos ou de responsabilidades. O adepto, segundo ensinam, poderá receber tudo aquilo que necessita através da canalização da luz. A única coisa que deve dar são as ofertas voluntárias. Ninguém se preocupa com a sua vida particular ou social, pecado é palavra que não consta no seu vocabulário e não acreditam no inferno, em condenação ou nenhuma pena vindoura.

 

Seus ensinamentos convergem para um mundo perfeito de paz, felicidade e alegria. Para um mundo sem problemas, de amor e constante progresso. Não importa os meios usados para chegar a isso. Afirmam que qualquer meio é válido (todo caminho leva a Deus), desde que haja esperança no coração do homem. Certamente tiram proveito disso para angariar os recursos financeiros necessários para o crescimento da seita.

 

Tais organizações costumam ser multimilionárias e seus profetas vivem como verdadeiros reis.

 

No caso da Igreja Messiânica, Mokiti Okada é chamado de Meishu-Sama e é colocado em pé de igualdade com a divindade. Não fazem uma prece sem que invoquem o nome do fundador. A mesma reverência se dá com a atual líder do movimento.

 

 

IGREJA MESSIÂNICA E MESSIANISMO

 

É interessante saber que a Igreja Messiânica além de nada ter a ver com Jesus Cristo, o Messias de Deus, também nada tem a ver com o movimento chamado "messianismo". Dentre os judeus, o messianismo é uma tendência histórica de apressar a vinda do Messias e ver cumpridos os ideais de redenção nacional e universal, expressa nos livros proféticos. A tendência messiânica judaica anuncia a instauração do Reino de Deus e apresenta o autor da salvação sob os traços do Servo de lahweh e do Filho do Homem, que a igreja identifica com Jesus Cristo. Não há nada parecido com isso nos ensinamentos da Igreja Messiânica.

 

Por outro lado, os messiânicos também não pregam o messianismo entendido como um movimento de espera de um Messias Libertador. Tal tipo de movimento, quase extinto, era encontrado nas comunidades primitivas entre tribos africanas, melanésias ou índios americanos. A Igreja Messiânica é uma seita como a maioria das outras estudadas neste livro, que nasceu por simples desejo do seu fundador, o qual se constituiu no seu profeta. Não se enquadra na história, nem possui elementos históricos dignos de serem apreciados.

 

É Igreja particular, que tem dono, que pertence a uma família e cuja presidência é hereditária. Apresenta uma maneira particular de compreender as coisas de Deus e, como as demais, escancara as suas portas com a finalidade de atrair o maior número possível de adeptos. Como praticamente todas as seitas orientais, a Igreja

 

Messiânica é panteísta. A palavra "panteísmo" vem do grego pan (tudo, todas as coisas) e Theos (Deus), e quer dizer "Deus em tudo, ou em todas as coisas". Tal doutrina não admite Deus como um ser pessoal, transcendente e distinto do mundo. Seus adeptos entendem que Deus é tudo em todos. O fato de ligarem a ação de Deus à luz já é suficiente para caracterizar o panteísmo messiânico.

 

A Bíblia, a Palavra de Deus, ao contrário de todas as crenças dos messiânicos, dentre outras coisas nos apresenta Deus como um ser pessoal, transcendente e distinto do mundo. Jesus Cristo O apresentou nos seus ensinamentos como o nosso Pai, mas não apenas no sentido de sermos geração dEle .Pai quer dizer também aquele que cuida com amor e que supre nossas necessidades conscientemente e racionalmente. O Deus dos messiânicos se confunde com a natureza, dissolve-se nela se realiza como uma só realidade, o que traduzem como a Luz. Verdadeiramente esse não é o Deus daqueles que crêem no verdadeiro Messias, Jesus Cristo, o Filho de Deus.

 

1