Loja Maçônica Deus e Amor

Or.·. de Santo Antonio de Jesus - Bahia

 

HISTÓRIA DA CIDADE "SANTO ANTÔNIO DE JESUS"

 

A cidade de Santo Antônio de Jesus, também denominada de Cidade das Palmeiras, devido as suas palmeiras seculares, é uma das mais importantes cidades do recôncavo baiano. Foi emancipada politicamente no dia 29 de maio de 1880. Possui 77.368 (setenta e sete mil, trezentos e sessenta e oito) habitantes, com extensão territorial de 252 km2, está situada à margem da BR 101, distância de Salvador 187 km (por via terrestre) e o seu surgimento foi da seguinte maneira: No princípio, apenas descendentes dos índios de Pedra Branca, vivendo de caça, pesca e pequeno roçados. Atraídos pela excelência das matas e fertilidade das terras, foram chegando os primeiros colonos. Há esse tempo já havia sido recomendada, à relação da Bahia, proteção aos indígenas e, por carta régia datada de 1663, determinada reserva de uma légua quadrada de terras para aldeamento e "sustento dos silvícolas". Dentre os que obtiveram patrimônio territoriais, constam os índios da Aldeia de Santo Antonio de Jesus.  O Padre Matheus Vieira de Azevedo foi proprietário de um imóvel na rua direita da quitanda, em Nazaré e realizava missas e batizados pela região. Algum tempo depois, o Padre Matheus adquiriu um imóvel rural nas proximidades do rio Sururu, onde fixou residência e lá ergueu um oratório sob invocação a Santo Antonio. O Padre Matheus cultivava mandioca e produzia, com algumas dezenas de escravos, subprodutos em quantidade considerável.

Em pouco tempo, em razão das qualidades pessoais reveladas por Padre Matheus e pela excelente localização do seu sítio, o oratório se tornou ponto de convergência de uma região cada vez mais ampliada. Então, o Padre doou um quarto de meia légua em quadra de suas terras para construção de uma capela, por escritura pública lavrada em 27 de setembro de 1776. Reuniram‑se os moradores mais próximos, os mais assíduos e dedicados freqüentadores de seu oratório, constituindo, assim, uma irmandade, que discutiu o projeto, do qual, em 23 de setembro de 1777, o arcebispo metropolitano da Bahia subscreveu provisão de ereção e' fundação da capela, filiada a freguesia de Nossa Senhora de Nazaré, em cujas roças estava situada.

Dois anos depois, em 1779, a capela do Padre Matheus estava concluída e, daí por diante, novos moradores foram surgindo e erguendo suas casas ao redor da mesma, formando, assim, um núcleo urbano. A população foi crescendo e atraindo prestadores de serviços, negociantes, mascates, armazéns de secos e molhados, etc...Doze anos após a construção e funcionamento da capela, faleceu o Padre Matheus, em 12 de março de 1791.

         Os anos passaram, o povoado foi se organizando e, por volta de 1832, foram criados e instalados o Juizado de Paz, a Guarda Nacional, escolas públicas e particulares, e a capela-templo transformou-se em capela-arraial ao lado de seu comércio crescente.

Em 1852, logrou-se a criação da freguesia e a capela do Padre Matheus transformou-se em Igreja Matriz.

Em 29 de maio de 1880, a freguesia é elevada à categoria de Vila, ficando, assim, desmembrada de Nazaré, pela lei n° 1952. Nesse mesmo ano, a 7 de setembro, foi inaugurada a estrada de ferro, da qual Santo Antonio de Jesus seria fim-de-linha durante dez anos. Com isso o comércio local tomou grande impulso e engrandeceu a população.

Viajantes de toda parte descarregavam e recebiam mercadorias, e a capela do Padre Matheus, agora Vila, logo se excedeu a todos os lugarejos mais velhos, com a construção de novos prédios comerciais, mansões, palacetes e com a fixação de operários. A freqüência de jornais da capital, de Nazaré e Maragojipe dava à população dinamismo novo. Sua instalação ocorreu a 14 de março de 1883. Em 30 de Junho de 1891, o governo do estado resolve elevar Santo Antônio de Jesus à categoria de cidade.

Surgem novas obras: calçamentos de ruas, fontes públicas, Casa da Prisão, etc... Santo Antônio de Jesus viveu a Abolição da Escravatura, a Proclamação da Republica e, apesar das crises econômicas daquela época, a cidade não perdeu o vigor do seu desenvolvimento.

No século XX, Santo Antônio de Jesus é marcada pelo desenvolvimento da cidade em todos os sentidos: na parte administrativa, cultural, industrial e, finalmente, comercial, o qual viria, anos mais tarde, a se notabilizar. São fundadas as filarmônicas Amantes da Lira e Carlos Gomes, e a Santa Casa de Misericórdia. Surge a iluminação elétrica com motor movido a lenha. Inauguram se prédios escolares. Entra em circulação durante 52 anos consecutivos o grande jornal "O Paládio", o qual circulava em cinco estados do Brasil. Nessa época também existiam outros pequenos jornais e semanários. Foi feito também um projeto urbanístico com a plantação das palmeiras imperiais paralelas à linha do trem, nas imediações da antiga estação. Em 1931 o topônimo Santo Antônio de Jesus foi simplificado para Santo Antônio, sete anos depois voltou a vigorar a primeira denominação. Ainda na década de 30, um ilustre santantoniense, Dr. Landulfo Alves de Almeida, foi nomeado o Interventor Federal no Estado, o qual realizou grandes obras na Bahia e construiu o novo prédio da Prefeitura Municipal de Santo Antônio de Jesus. Nessa época, são notáveis a cultura do fumo e café, e a extração do manganês. Tempo depois vai surgindo a valorização da cultura da laranja. Temos também, com a criação do trio elétrico, a realização de grandes micaretas, inaugurações de clubes, sociedades, etc...

Em 1947 foi criada a comarca de Santo Antônio de Jesus. Com a chegada da BR101 e da luz elétrica definitiva, o município ganha outro grande impulso, tanto que hoje é considerada a cidade do interior mais importante do Recôncavo Baiano.

Delimita-se pelos municípios de Varzedo, Conceição do Almeida, Aratuípe, Laje, Muniz Ferreira, Dom Macedo Costa, Elízio Medrado e São Miguel.

 

 

<<

 

Construção:  Ir.∙.  Renato Burity Oliveira  M .∙.  M .∙.

Copyright  ©  2004  - Loja Maçônica Deus e Amor nº 21

Filiada à Grande Loja Maçônica do Estado da Bahia

1