Hoje


 
                                                                                                                                                                                            

 
Adormecido em teus dias,
  em o calendário que cobre de anos
  a estatura do teu tempo
  encontro a semente da vida.

  No mês que enterrado na pele
  palpita longas línguas de céu
  e se acumula com lentidão de outono
  no favo de olhares que são teus olhos.

  És uma noite suspensa pela luz
  Trégua da viagem
  e do viajante sem ventura

  És um espaço preenchido de ilusões
  Uma favela de esperança
  que hoje nasce no meio de todos teus dias

    Cristian Alvarez     Voltar  -  Poetas Amigos      E-mail

1