Poesias Etográficas - Soneto 4


Amor e amizade

 

Chorar por um imenso  amor? É loucura tão normal... Quanto sorrir!
Ninguém vai sentir como nós nem saber o tanto que dói à nossa dor.
Interrogação... Acreditamos em promessas somente para nos iludir.
Mistérios eternos! Desta maior quimera da vida, o verdadeiro amor.

Amizade é como misteriosos oceanos...Temos de navegar - a esmo.
Como um universo mais distante... E, mais perto - ao mesmo tempo.
Miragem! Mas existe em algum lugar...  E é dentro da gente mesmo.
Sólido como o material mais duro e... Tão frágil como à brisa, vento!

Acredita quem está apaixonado e ainda lembra uma grande paixão.
Desdenha quem nunca amou, ou amou tão pouco que, já esqueceu.
Pode ser amargo como jiló mais amargo. Ou tão doce -  como o mel.

Eterno como a vida a se reciclar eternamente ou apenas uma ilusão.
Árvore frondosa como o sonho: Vida... Ou plantinha que já feneceu.
 Quimera mais doce com sabor de céu ou ao contrário pesadelo - Fel.
 



 




 Soneto        5


Home Page 2

Home Page 1

Soneto         3

E-mail

  Gostou dest Soneto?
Envie aos seus amigos (as) ou para seu  Amor. 
Através do seu E-mail ou pelo MSN.  
http://geocities.yahoo.com.br/ed_poeta1/ref_son4.htm

Edvaldo Feitosa
( Direitos autorais reservados)
* Fundação Biblioteca Nacional - nº180859 *

Site n° 1

          A pomba levará você à  Página Inicial.

 


1