Ciclo inevitável

 

 

 

A mulher linda... Era toda cobiçada.
Sonho desejado - a mais rara beleza.
Agora é corpo inerte – apenas, nada.
Jaz pálida imóvel desfigurada.Tesa!

 Ilusões... Barco - horizonte e Porto.
Ela quando Sorria, o Sol Iluminava.
Agora Jaz no caixão o corpo Morto.
O Pó! Somente Pó... Ao Pó Voltava.

Oh! Essa fatalidade chamada Morte.
Fatal Ciclo Macabro... Eternamente.
Cruel verdade é o destino teu e meu.

Pensar - todos temos, a mesma sorte!
O tempo mostra, sermos Pó somente.
  Até o homem que ressuscitou morreu. 

 Gostou deste Soneto?
 Envie para quem Você Ama. 

Envie o endereço aos seus amigos (as) ou para seu Amor. Pelo MSN  -  ou através do seu E-mail.
http://br.oocities.com/ed_poeta1/ref_son47.htm

 


 

  Soneto       48

Home Page 2

Home  Page 1

Soneto       46

E-mail

Site n° 1

   A pomba levará você à  Página Inicial.
 


 

1