Kid Abelha


Discografia:
  • Seu espião (1984)
  • Educação Sentimental (1985)
  • Ao Vivo (1986)
  • Tomate (1987)
  • Kid (1989)
  • Tudo é permitido (1991)
  • Iê, Iê, Iê (1993)
  • Meio Desligado (1995)
  • Meu mundo gira em torno de você (1996)
  • Kid Abelha em Espanhol (1997)
  • Remix (1997)
  • Autolove (1998)
  • Coleção (2000)
  • Surf (2001)

    Links:
    http://www.kidabelha.com.br
  • Paula Toller -> vocais
    George Israel -> saxofone
    Bruno Fortunato -> Guitarra

    Início dos anos 80: uma revolução no estilo musical brasileiro começara com o surgimento de bandas como Blitz, Barão Vermelho, Paralamas do Sucesso, Kid Abelha, entre tantos outros.
    Percebendo que algo diferente acontecia no cenário musical, a "maldita" Rádio Fluminense FM, começou a pedir fitas de bandas novas para tocar. Foi então que um grupo, ainda sem nome definido, teve seu dia decisivo: levaram à rádio uma demo com "Distração" e "Vida de cão é chato pra cachorro". Nascia então "Kid Abelha & Os Abóboras Selvagens". O nome estranho era o primeiro de uma lista que a banda mostrou a Luis Antônio Mello, que resolveu tocar a música na mesma hora.
    As coisas começaram, então, a mudar na vida de Paula Toller, George Israel, Pedro Farah (guitarra), Leoni (baixo) e Beni (bateria), formação inicial. Os ensaios despretensiosos que, há quase um ano, rolavam no terraço do apartamento de Leoni, começavam a tomar forma mais profissional. "Distração" teve sucesso imediato, e seus versos "blim blom, miau, tic-tac, cuco" logo chamaram a atenção e grudaram nos ouvidos dos fãs da emissora. Dali a pisar no palco do Circo Voador foi um pulo. O Circo era um espaço alternativo que projetava conjuntos do circuito musical carioca. Lá o Kid foi assistido pelo produtor Gregório Nogueira, da Warner, e selecionado para o "Rock Voador", um disco de coletânea com novos e experientes roqueiros, como Celso Blues Boy e Sangue da Cidade.
    Pedro Farah vai estudar "business" no exterior. Depois de muita procura e algumas tentativas decepcionantes, um novo guitarrista entra para a banda: Bruno Fortunato.
    Beni também sai do grupo e o Kid passa a contar com bateristas contratados. O sucesso na Fluminense e nos shows do Circo convenceu a gravadora a investir na produção de um compacto simples. Foi o passo inicial de uma promissora sucessão de hits. Produzido por Lulu Santos, este primeiro disco continha o até hoje mega-sucesso "Pintura Íntima" e o lado B "Por que não eu?", e alcançou a vendagem de 100 mil cópias, o cobiçado disco de ouro, feito inédito para uma banda iniciante e com um estilo musical tão diferente dos consagrados "medalhões" da MPB.
    Na seqüência veio o segundo compacto, contendo a balada "Como eu Quero" e o lado B "Homem com uma missão". A primeira música lenta do Kid foi mais um enorme sucesso e está presente nas rádios de todo o país até hoje.
    O primeiro LP, "Seu Espião", foi produzido por Liminha, um talentoso produtor que havia trabalhado com Gilberto Gil, As frenéticas e Lulu Santos. Sete músicas deste primeiro álbum fizeram uma geração inteira cantarolar e saber de que se tratava "Kid Abelha e os Abóboras Selvagens".
    Em 86 o baixista Leoni sai para montar outra banda. Meses mais tarde, entra, de forma definitiva, o baterista Claudinho Infante. Uma turnê bem sucedida (mais de 150 shows em um ano) faz com que o grupo lance um registro ao vivo gravado no Anhembi (SP), sem overdubs de estúdio. O disco vem com grandes sucessos e "Nada por mim" parceria do então casal Paula Toller e Herbert Vianna (Paralamas), anteriormente gravada pela cantora Marina Lima.
    Meses mais tarde, mostrando que as crises não abalaram sua determinação, o quarteto prepara as malas e viaja para Londres para mixar seu novo disco, "Tomate", que também teve um dos mais bem sucedidos giros do grupo, fazendo-os percorrer todo país em seis meses.
    Paula Toller agora está à condição de "sex-symbol". Adeus aos antigos e comportados cabelos castanhos: a band-leader agora banca um visual curtíssimo e platinado.
    1