Legião Urbana


Discografia:
  • Legião Urbana (1985)
  • Legião Urbana Dois (1986)
  • Que País é este (1987)
  • As Quatro Estações (1989)
  • Legião Urbana Cinco (1991)
  • Música Para Acampamentos (1992)
  • O Descobrimento do Brasil (1993)
  • A Tempestade (1996)
  • Uma Outra Estação (1997)
  • Mais do Mesmo (1998)
  • Acústico MTV (1999)
  • Come é que se diz eu te amo (2001)

    Links:
    http://br.oocities.com/l_urbana
    www.legiaonaveia.com.br
    www.lu.com.br
  • Dado Villa- Lobos -> guitarra
    Renato Russo -> Vocal e baixo
    Marcelo Bonfá -> bateria

    Em 1978, Renato Russo convidou Fê e Pretorius para formar uma banda com ele no baixo. Fê na bateria e Pretorius na guitarra. Assim nasceu a primeira banda de Renato: Aborto Elétrico.
    O fim do Aborto Elétrico aconteceu em Março de 1982.
    Nesse mesmo ano ele chamou o baterista Marcelo Bonfá, que já tocava na UnB e em outros palcos improvisados com Os Metralhas de André Muller. “A gente fazia um punk bem visceral, mas as letras tinham cunho social, parecia coisa de sociólogo”, conta Henrique Hermeto, vocalista e guitarrista dos Metralhas (que também era conhecida como SLU, Serviço de Limpeza Urbana). Bonfá saiu então para montar uma banda com apenas dois integrantes fixo - os outros músicos, entre eles guitarristas e tecladistas, se revezariam em participações especiais. Seriam muitos os convidados, dezenas deles, uma verdadeira legião de jovens amigos. Um dos maiores e mais duradouros fenômenos do pop nacional, a Legião Urbana foi a banda de maior sucesso a fazer parte do chamado "rock de Brasília". Com suas influências de The Smiths e R.E.M. e pós-punk inglês, liderado pelo carismático e controverso Renato Russo, o grupo permaneceu como objeto de culto anos depois de seu fim. A Legião Urbana surgiu das cinzas do grupo punk brasiliense Aborto Elétrico, que contava com Renato Russo como vocalista. Após o fim da banda, em 1982, Renato fez algumas apresentações como músico solo, até montar a Legião Urbana, com o baterista Marcelo Bonfá, o guitarrista Eduardo Paraná e o tecladista Paulo Paulista. Com a saída dos dois últimos, entra Ico Ouro-Preto na guitarra. Um ano depois, Dado Villa-Lobos, que liderava a banda Reino Animal, assume a guitarra. O trio passa a se apresentar no circuito alternativo de São Paulo e Rio de Janeiro. Com a entrada de Renato Rocha no baixo, em 1984, Russo passa a se concentrar nos vocais e eventuais teclados.
    No primeiro dia de janeiro de 1985 lançam pela EMI - gravadora que a acolheria durante toda a carreira-, a estréia homônima. Com sucessos como "Geração Coca-Cola", "Será", "Soldados" e "Ainda é Cedo" - boa parte compostos na época do Aborto Elétrico -, a Legião mostra um repertório mais maduro que o dos colegas de geração Blitz e Paralamas do Sucesso, e capacidade de se tornar um fenômeno duradouro, como se veria depois.
    As letras cada vez mais autorais de Renato Russo o colocam como um dos principais poetas do pop nacional ao lado de Cazuza. Os shows, cada vez maiores e mais raros, são retomados em 1990, com uma banda de apoio e maior cuidado com a segurança, já que Russo temia sofrer outro ataque como o de Brasília.
    Enquanto o vocalista dava inicio a sua carreira-solo paralela, Dado cuidava do recém criado selo Rock It.
    O Fim do Grupo ocorreu no dia 11 de outubro de 1996 com a morte de Renato por decorrencias da Aids, o fim do grupo, mas não da Legião Urbana. Nesse dia morreu um dos maiores poetas da música brasileira, mas suas músicas coninuam tão atuais como no início, aumentando cada vez mais o número de fãs e comprovando que a Legião Urbana a tudo vence, inclusive o tempo, continuando a ser a melhor (na minha e na opinião de milhares de pessoas) a melhor banda de rock do Brasil.
    1