Antropologia e Psicologia

Antropologia e Psicologia

 

    As relações entre essas duas ciências são bastante estreitas, uma vez que ambas têm como foco de interesse o comportamento humano. A Antropologia ocupa-se do comportamento grupal e a Psicologia do comportamento individual.

    Os antropólogos buscam, nos dados levantados pelos psicólogos, explicações para a complexidade das culturas e do comportamento humano e para a interpretação dos sistemas culturais relacionados com os tipos de personalidade correspondentes. Indaga-se, assim, quais seriam os móveis da conduta social e qual o papel da cultura no processo de adaptação humana.

    Fatores biológicos, ambientais e culturais são as variáveis explicativas das diferenças individuais, que determinam os diversos tipos de personalidade básicos das culturas. Na tarefa de proceder a esse conhecimento, antropólogos e psicólogos auxiliam-se mutuamente, fornecendo dados que propiciam a compreensão de problemas comuns.

 

 

Cultura e Personalidade

 

Introdução
   
A temática referente às inter-relações de cultura e personalidade constitui um dos mais novos campos da antropologia. Alguns estudiosos, de tendências mais radicais, acreditam mesmo que se possa dispensar a contribuição da psicologia no desenvolver dos estudos antropológicos. Crêem ainda que os antropólogos com orientação psicológica tenham uma ótica diferente ao explicar ou reinterpretar valores, padrões e instituições, que os distingue dos objetivos puramente antropológicos.

    Esse posicionamento é contrariado pelas modernas tendências que consideram a dimensão psicológica como um componente essencial da existência humana. Buscar na psicologia o que se passa na mente do indivíduo, como ele pensa e sente, é básico na ordenação das relações entre os homens e entre as instituições culturais que configuram a cultura de que participa.

    Dessa forma, a antropologia deve interessar-se também pela individualidade e como esta se adapta e dinamiza o processo social. Para tanto, deve levar em conta os aspectos instintivos e os racionais que determinam a relação indivíduo-sociedade.

    Mesmo enfatizando as reações individuais, o campo da Antropologia psicológica continua sendo, em essência, o estudo da cultura. Esta, por sua vez, é decorrência da existência biopsíquica dos indivíduos, com seus componentes intrínsecos e peculiares, e da sociedade como soma de valores.

    Considerando a ampla dimensão do problema, que é o mesmo tempo individual, social e ambiental, a compreensão deve ser buscada não apenas através da psicologia individual, que pouco considera o contexto sociocultural, nem somente pela antropologia pura, que pouco considera o indivíduo, mas, sobretudo, por ambas.

    O homem, isolado de um sistema social, não gera cultura, mas a soma de suas potencialidades, estimuladas pela sociedade e pelo meio, é que determina a dinâmica da criação cultural. Portanto, três elementos se impõem na elaboração cultural: o indivíduo, a sociedade e o ambiente.

    A harmonia cultural torna-se discutível, em função de uma série de variáveis inerentes ao indivíduo, à sociedade e ao meio ambiente, o que, via de regra, provoca um equilíbrio instável, determinando necessidades individuais e culturais. Essas exigências devem ser culturalmente satisfeitas, levando a novas adaptações socioculturais.

    Daí a busca contínua das ciências que se preocupam com o homem, com a sociedade e com o meio. Somente a soma desses conhecimentos poderá permitir a melhor adaptação do indivíduo ao meio físico, social e cultural.

    A antropologia, hoje, com o auxílio das ciências correlatas, busca entender o homem em sua totalidade. Ao desenvolver estudos sobre grupos simples, tenta adquirir conhecimentos culturais básicos, onde as patologias psíquicas são pouco freqüentes e as modificações ecológicas relativas, podendo levar a inferências mais seguras.

 


Indivíduo, sociedade e cultura

    As sociedades são formadas de seres humanos que adotam uma forma de viver normativa, isto é, tornam-se portadores de culturas, em geral, adaptadas à ambiência local.

    Atitudes, condutas e comportamentos fazem parte intrínseca do complexo cultural e são ditados pelas normas e padrões adotados pelo grupo, como saudáveis ao desenvolvimento sociocultural. Toda cultura está sujeita a mudanças, mas os padrões de comportamento, tanto individual quanto grupal, conservam-se mais ou menos estáveis. A persistência desses padrões é mais acentuada nas sociedades simples, cujas mudanças, de uma geração para outra, são, às vezes, imperceptíveis.

    Hoebel e Frost ( 1981:57) afirmam que "a cultura com raízes no comportamento individual é superindividual" . Assim, quando se considera, no dizer dos autores, humanidade, cultura e sociedade, pode-se concluir que não existe sociedade humana sem cultura e vice-versa. São, portanto, três entidades indispensáveis: homem, sociedade e cultura desenvolvendo-se adaptativamente num meio geográfico próprio.

 


Indivíduo

    Considerando que o indivíduo só se torna humano a partir de sua interação com os demais seres humanos, torna-se impossível isolar o ser individual da sociedade. Essa interação é padronizada pela cultura.

    O indivíduo, como membro de uma sociedade, tem um comportamento modelado em função de suas potencialidades hereditárias e das normas e padrões de sua cultura. Participa, desde o nascimento, de um sistema social, sendo herdeiro de uma tradição cultural mantida pelos seus antepassados e transmitida de geração a geração.

    A partir do nascimento, a criança é submetida a um processo contínuo de aprendizagem que se prolonga por toda sua vida, com fases de maior ou menor apreensão. É o condicionamento consciente e inconsciente do indivíduo orientando-o e canalizando seus impulsos pessoais para as expectativas da sociocultura. Ao mesmo tempo, leva-o a evitar comportamentos anti-sociais, sujeitos a punições e sanções.

    Trata-se da endoculturação, processo através do qual o comportamento ~mano é modelado culturalmente e organizado socialmente. Resulta na produção de personalidades que caracterizam individualmente membros de um grupo.

    Os antropólogos preocupam-se com as formas que os indivíduos utilizam para assimilar sua cultura e adaptar-se convenientemente. Assim, para esses especialistas, a educação é um processo amplo, não apenas o desenvolvido pelas instituições oficiais, mas também todo tipo de socialização que tenha como resultado a aquisição de cultura e, portanto, de personalidade.

    A família, os amigos e a sociedade, com seus meios de comunicação, exercem papel preponderante na assimilação de normas de conduta e atitudes e na formação dos sistemas de valores.

    Nas sociedades simples, a educação se processa naturalmente por indivíduos e grupos (família, grupos etários etc.), oralmente, sendo relativamente orientada. A aprendizagem é feita mais por participação, ou seja, o menino, o jovem e o adulto aprendem toda a tradição cultural ao participar das atividades próprias de cada setor cultural, dos ritos e cerimoniais, onde mitos e lendas são narrados pelos mais velhos e memorizados pelos mais novos.

    Submetido à endoculturação, o indivíduo estará em condições de participar plenamente de sua sociedade, tendo seu comportamento adaptação a modos culturalmente aceitos.

    Nesses grupos, a aprendizagem mais formal ocorre sempre por ocasião da puberdade, tanto masculina como feminina. Nos rituais pubertários, o jovem não apenas é submetido a provas de resistência física e disciplinar, como também se inicia nos segredos do grupo, nos mitos, na religião e em todo sistema de valores que norteia e forja sua personalidade e os papéis que deverá desempenhar durante sua vida.

    Exemplo - Entre os Xavantes, grupo tribal brasileiro do Mato Grosso, a educação é feita, em grande parte, pelos grupos de idade mais avançada, que se responsabilizam por ensinar os integrantes de grupos etários mais novos. É um método de aprendizagem onde o menino e o jovem são iniciados, por um instrutor natural, na tradição xavante. Todos os setores culturais são atingidos e a personalidade molda-se dentro das exigências do ambiente social.

    "Quando as crianças em crescimento ajustarem seu comportamento aos padrões de sua cultura, quando seus valores pertinentes, crenças e modos de agir se tornarem parte normal de seu pensamento e comportamento, terão interiorizado sua cultura e se tornado totalmente enculturadas. Suas personalidades amadureceram" (Hoebel e Frost, 1981:59).

    Na verdade, o indivíduo é moldado por fatores culturais c sociais, mas conserva sua capacidade de pensar, sentir e agir com independência, resguardando sua individualidade. Não é possível encontrar duas pessoas exatamente iguais, apesar da influência decisiva da sociedade e da cultura.

 

Sociedade e cultura

    Para Ruth Benedict (s.d.: 276), "a sociedade e o indivíduo não são antagônicos, mas interdependentes".

    O comportamento grupal tem suas raízes no comportamento individual, não havendo antagonismo, mas inter-relação entre o grupo social e os membros que o compõem. A sociedade não pode ser separada dos indivíduos e, por sua vez, nenhum indivíduo alcançará suas potencialidades sem uma cultura em que participe.

    Padrões de cultura preestabelecidos, orientadores da conduta, acham-se intimamente relacionados com a psicologia dinâmica do indivíduo. Contudo, não se pode admitir, dada a diferença de temperamento das pessoas, uma aceitação compulsória do comportamento ditado pela sua sociedade. Entretanto, a maioria dos seus membros é moldada pela própria cultura, adotando espontaneamente o comportamento configurado pelo contexto em que vive.

    Os adultos, em uma sociedade, com sua conduta já definida, representam o modelo com o qual as crianças vão identificar-se e cujo comportamento vão imitar. Conformam-se ao que a sociedade define como o melhor para o preenchimento das necessidades pessoais e culturais e para sua melhor adaptação.

    Nem sempre é possível verificar essa uniformidade de atitudes e reações em função das diferenças de personalidade e da dinâmica cultural.

    A participação comum dos indivíduos em um sistema social leva a experiências semelhantes e ao aprendizado mais homogêneo, o que não implica a uniformidade psicológica dos participantes. As culturas caracterizam-se largamente pela variabilidade de indivíduos e grupos.

    As diferenças individuais têm por causa as variações na constituição genética, somadas à vivência pessoal e ao fato de que os indivíduos ajustam-se à cultura por diferentes e variados motivos, de acordo com seus próprios interesses. Entretanto, adotam comportamentos mais ou menos previsíveis e esperados, podendo-se reconhecer pelo menos alguma correspondência de identidade entre a cultura de um grupo e a personalidade de seu membros.

    O antropólogo americano Edward M. Bruner (1966:220), referindo-se à personalidade e cultura, afirma, oportunamente, que "não podemos inferir a personalidade apenas das instituições sociais ou dos comportamentos patentes, mas devemos investigar os aspectos comuns aos padrões emocionais e cognitivos, baseados no estudo pormenorizado dos indivíduos e de suas relações sociais mais significativas".

    Sem a cultura, tanto a sociedade quanto os seus membros não poderiam inter-relacionar-se funcionalmente. A cultura é a própria maneira de viver de uma sociedade. A configuração dos padrões culturais garante seu eficiente funcionamento e sua conservação como unidade cultural. Proporciona ao indivíduo meios para a interação social, para a adaptação ao meio natural e mesmo para proteger-se do sobrenatural.

 

Personalidade

    O termo personalidade implica tantos significados quantos são os autores que se preocuparam em defini-lo. A dificuldade aumenta em virtude de ser ela objeto de estudo de várias ciências, cada uma das quais enfatizando um determinado aspecto, o que inviabiliza uma conceituação global que satisfaça a todas as indagações científicas. São numerosas as teorias conflitantes sobre o comportamento humano.

    Para o cientista social, todo indivíduo socializado tem personalidade, entendida como "os modos mais ou menos organizados de comportamento, tanto manifestos quanto ocultos, que caracterizam um dado indivíduo" (Biesanz e Biesanz, 1972:216).

    Sob perspectiva mais ampla, pode ser conceituada como o produto da inter-relação das potencialidades genéticas (hereditárias, inatas) do indivíduo, dinamizadas em função dos estímulos da educação (meio social) e das excitações do ambiente (meio físico).

 

Componentes da personalidade

    Três são os componentes básicos da estrutura da personalidade, ou seja, do 'EU": o biológico, o sociocultural e o ambiental. Nesse tripé, integrado e em grande parte desconhecido, fixa-se e estrutura-se a personalidade humana.

BIOLÓGICO. O composto psicossomático (capacidade física e mental), com suas relações recíprocas e cibernéticas (auto-reguladoras), gera as variáveis úteis adaptabilidade humana.

    Não mais se admite a supremacia da psique no processo da adaptação. O corpo, através do eixo neuro-hormonal, tem importância substancial, por meio de mecanismos químicos, físicos e autônomos de controle das funções vitais, assim como da ambulação (mobilização), adaptações físicas etc. Não só possibilita, como também, a cada instante, favorece o processo adaptativo do "todo" e não só do psíquico, como supõem alguns. A homeostase, ou seja, o bem-estar psicossomático, depende do equilíbrio entre o corpo e a mente, gerando a conduta e, portanto, a personalidade.

    Os momentos psíquicos, isto é, os estados de consciência, são determinados pelos níveis cerebrais, atuantes no processo intelectual adaptativo solicitado pela sociedade e o meio.

    Regiões antigas do cérebro humano, herdadas genética e evolutivamente, formam o "arqueocórtex" (tálamo-ótico, hipocampo, sistema límbico, sistema reticular ascendente e descendente de Papes etc.), que funciona fazendo a filtragem das excitações do meio, sejam elas físicas ou intelectuais. Desenvolve as necessárias proteções para o conjunto nervoso central e ainda determina as reações instintivas.

    A região nova do cérebro, o "neocórtex", característica essencial da espécie humana, recebe as influências do meio físico, da educação e do arqueocórtex, e cria, em última análise, o "EU", isto é, a personalidade. Considerando que cada indivíduo traz um patrimônio genético e uma educação específica, pode-se inferir a alta individualidade que o caracteriza.
Assim, os componentes biopsíquicos não são estáticos, mas dinâmicos, na interação homem-meio, proporcionando a cada indivíduo sua qualidade personal, que consiste na soma das potencialidades genéticas (biologicamente criadas) e da educação (socialmente adquirida).

    Determinados fatores, como constituição física, inteligência, deformações corporais, doenças etc. exercem influência decisiva sobre a personalidade. Entretanto, a significação social de uma característica física é determinada culturalmente. Diferentes culturas atribuem diferentes significados aos atributos físicos. Algumas valorizam, outras depreciam certos caracteres como: estatura alta ou baixa; cor da pele, mais clara ou mais escura; peso, maior ou menor volume corporal; idade, o culto aos velhos ou sua eliminação precoce etc.

    Entre os índios Cambeba do Brasil, as crianças recém-nascidas eram submetidas à deformação craniana: o crânio era prensado entre duas tábuas, que provocavam o seu alongamento. A esteatopigia (nádegas volumosas) é esteticamente aceita pelos Bosquímanos e Hotentotes, do sul da África.

 


SOCIOCULTURAL. Enquanto a personalidade é o sistema integrado de comportamentos aprendidos e não aprendidos característicos do indivíduo, a cultura é o sistema integrado de padrões de comportamento aprendidos, próprios dos membros de uma sociedade.

    A personalidade se encontra, portanto, intimamente relacionada à cultura. I se estrutura no processo de endoculturação. O comportamento individual normal é estabelecido, em grande parte, pelos fatores culturais, que tendem a padronizar as personalidades. Posições extremadas de alguns teóricos vêem os indivíduos como simples reflexos de suas culturas, receptores passivos das chamadas "representações coletivas" . De acordo com essa interpretação, a realidade cultural é fixa, coagindo e pressionando o indivíduo, impedindo-o de selecionar, interpretar e decidir sobre os padrões de comportamento a serem observados.

    Não se pode admitir sociedades e indivíduos estáticos, uma vez que as culturas estão continuamente mudando, e os indivíduos, permanentemente sujeitos à interação social, representam um agente ativo da dinâmica cultural.

    Os padrões culturais não são incondicionalmente aceitos; muitas vezes, ao serem assimilados, estão sujeitos a reinterpretações, conforme a visão individual que a pessoa tem de si mesma e do mundo que o cerca.

    Os grupos sociais, com suas culturas, têm grande importância na formação da personalidade, em decorrência da estreita relação que mantêm com o organismo humano. São esses grupos, como a família, por exemplo, que permitem a endoculturação ou socialização do indivíduo. Lenta e continuamente, ele incorpora à sua personalidade os significados e valores de sua cultura.

    Outros fatores afetam a formação da personalidade, como a classe e a sub-cultura racial, regional, religiosa e étnica do indivíduo, assim como o status, a idade, a ascensão social etc.

    Concentrando-se no comportamento essencialmente humano, em comportamento de linguagem, George Herbert Mead, famoso psicólogo, autor de Mente, personalidade e sociedade, elabora uma teoria da interação humana e do desenvolvimento da personalidade. Sua teoria baseia-se em conceitos-chave, que permitem explicar a múltipla variedade do comportamento humano, fugindo às explicações deterministas (biológicas ou culturais).

    São dez os conceitos-chave inter-relacionados de Mead: cultura, sociedade, símbolo significante, personalidade, eu, mim, outro generalizado, papéis, conservação dos gestos e mente (Biesanz e Biesanz, 1972:229).

    Não cabe aqui uma análise mais acurada dessa teoria, ficando a sugestão para o estudioso que pretender um aprofundamento dessa temática.

    Vários fatores, portanto, contribuem para a formação da personalidade, com conteúdo específico para cada indivíduo. É o caráter individual, formado por um conjunto de traços próprios de uma pessoa.

    Quando se fala em reações psicológicas de um grupo social, considera-se a estrutura de caráter comum à maioria dos membros do grupo. Trata-se da personalidade coletiva, chamada por Erich Fromm (1983:219) de caráter social. Ele o vê como "uma seleção de traços, o núcleo essencial da estrutura do caráter da maior parte dos membros de um grupo, que se formou como resultado das experiências básicas e estilo de vida comuns àquele grupo".

    Fatores acidentais do nascimento e da experiência vital divergem de indivíduo para indivíduo e podem provocar variações neste núcleo, embora a estrutura de caráter seja própria da maioria do grupo.

 

Cultura e personalidade

    Antropólogos de orientação psicológica somente iniciaram seus estudos sistemáticos na década de vinte. As primeiras pesquisas antropológicas no campo da cultura e personalidade foram desenvolvidas por Malinowski e Margaret Mead. Estes antropólogos tiveram o grande mérito de inaugurar um novo campo de trabalho, mas não chegaram a formular, então, uma teoria explícita sobre o objeto de suas pesquisas.

    Posteriormente, multiplicariam-se as contribuições científicas neste campo, que passou a interessar antropólogos e psicólogos como Ruth Benedict, Kardiner, que também era psicanalista, Cora Du Bois, Ralph Linton; Murdock, John Whiting e outros.

    Ao desenvolver suas pesquisas junto aos nativos das ilhas Trobriand, do Pacífico, Malinowski testou a teoria freudiana sobre o complexo de Édipo e chegou à conclusão de que existe um princípio básico neste complexo que, entretanto, muda de objeto em função da cultura. Baseou-se na matrilinearidade desses grupos, onde a autoridade paterna é exercida pelo tio materno e não pelo pai biológico. Observou que todas as manifestações edipianas são canalizadas para o tio materno.

    Os trabalhos clássicos de Margaret Mead revelam sua constante preocupação em estudar fenômenos psicoculturais em sociedades não civilizadas.

    Estudando a tribo Manu da Nova Guiné, M. Mead descreve como esses grupos criam suas crianças e como os métodos de socialização estão relacionados à cultura e a personalidade desses nativos.

    Investigando outras três tribos da Nova Guiné, os Arapesh, os Mundugumor e os Tchambuli, desenvolve um estudo comparativo de personalidades nessas diferentes culturas. Entre os primeiros, verificou que homens e mulheres atuam de forma evidentemente feminina: ambos são maternais, passivos, carinhosos e gentis. Entre os Mundugumor, tanto os homens como as mulheres agem de forma predominantemente masculina: são violentos, agressivos, competitivos e hostis. Entre os Tchambuli, observou uma inversão de papéis masculinos e femininos, ou seja, as mulheres dirigem e dominam enquanto os homens são submissos, passivos e dependentes emocionalmente das mulheres.

    São diferenças fundamentais que contrastam com as personalidades masculina e feminina encontradas nas sociedades em geral, como acontece no mundo ocidental.

    As experiências antropológicas nessas três sociedades vêm demonstrar hipótese de que as diferenças de temperamento entre os sexos são universais.

    Os estudos desenvolvidos por Margaret Mead junto aos samoanos foram divulgados em seu livro Coming of age in Samoa (A chegada da adolescência em Samoa, 1928). Trata-se de uma das obras mais divulgadas em toda a história das Ciências Sociais e foi considerada como a demonstração definitiva de que os fatores culturais são mais determinantes que os fatores biológicos na vida do ser humano.

    Pesquisando os problemas dos adolescentes na sociedade samoana, onde permaneceu durante um ano, constatou a ausência de tensão e de repressão. A crise da adolescência, que afetava sua própria sociedade (americana) e que motivara suas investigações, inexistia em Samoa, onde havia completa liberdade sexual para os jovens, antes e depois do casamento. A ausência de conflitos tornava aquela sociedade feliz.

    Era uma prova de que a cultura pode moldar um fato biológico como a adolescência, sendo, segundo suas observações, o comportamento do jovem determinado culturalmente.

    Recentemente, nos Estados Unidos, o antropólogo australiano Derek Freeman publicou seu livro Margaret Mead e Samoa: a estruturação e desestruturação de um mito antropológico, onde desmistifica todo o arcabouço erigido por M. Mead em Samoa.

    Após conviver quarenta anos com esses grupos, mostra que praticamente todas as afirmações da antropóloga estavam equivocadas. Notou que a sociedade samoana é extremamente repressiva, notadamente no que se refere ao sexo. Crianças e adolescentes sofrem todo tipo de repressão e as relações sexuais pré-conjugais e o adultério são severamente punidos.

    A suposta harmonia cultural de Mead jamais existira e suas hipóteses e proposições foram refutadas, dado que ela pouco conviveu com o grupo, não dominava totalmente a língua nativa e, como mulher, estava impedida de participar das reuniões masculinas.

    Na verdade, nem o biologismo exclusivo, nem o culturalismo exclusivo podem dar as explicações esperadas para os fenômenos socioculturais. Para entender a sociedade humana deve-se buscar a fusão das explicações culturais e biológicas e, mesmo assim, as indagações e as dúvidas persistem.

    Um exemplo clássico de inter-relação entre cultura e personalidade é o trabalho de Ruth Benedict. Investigando três grupos tribais americanos, procurou demonstrar o aspecto configuracional ao tentar compreender o sentido de uma cultura, ou seja, uma cultura só pode ser entendida em sua totalidade.

    Parte do princípio de que os componentes ideológicos de uma cultura são assimilados pelos indivíduos, determinando um tipo de personalidade ideal. Segundo ela, em todas as sociedades, a personalidade da maioria é o reflexo da personalidade ideal convencionada pela cultura.

    Referindo-se às formas de expressão comportamental, Ruth Benedict, inspirada em Nietzsche, aplica às culturas determinados e diferentes padrões emocionais, que ela chamou de "configuração dionisíaca e apolínea" . A primeira caracteriza-se por reações emocionais violentas e torturantes, e a segunda por reações emocionais equilibradas, ante situações culturais específicas.

    No Brasil, os Bororo, grupo tribal do Mato Grosso, constituem-se um exemplo dessas manifestações, durante a realização de um funeral, face à moléstia ou morte. Nesses casos, torna-se possível reconhecer para o homem Bororo um padrão "apolíneo" de comportamento, ou seja, conduta emocionalmente equilibrada, justa e tradicional. A mulher Bororo, por sua vez, reage dentro de experiências opostas, de caráter violento, reação emocional "dionisíaca", onde as emoções são exploradas ao máximo: escarificações, verdadeiras autotorturas, são praticadas por elas. É a tensão emocional feminina ante a ameaça constante do sobrenatural.

    No final da última guerra, Ruth Benedict encarregou-se de delicada missão, solicitada pelo governo americano: estudar a cultura e o caráter dos japoneses, portadores de comportamentos extremamente diferenciados dos do mundo ocidental. Os resultados positivos contribuíram para a condução da política americana em relação ao Japão, notadamente no pós-guerra.

    As indagações sobre as inter-relações entre cultura e personalidade continuam despertando o interesse de muitos estudiosos que prosseguem dedicando-se à análise psicocultural dos grupos humanos em geral.

 

Texto extraído do livro "Antropologia Uma Introdução" de Marconi Presotto

1