Você semeou, e agora?

Clique para ampliar Depois de alguns meses dependendo da espécie
semeada você terá um frasco com essa aparência.
Aqui vemos sementes do híbrido Laelia crispa x Laelia lobata alba com um mês após a semeadura.

Finalmente depois de tanta espera é chegada
a hora da parte mais difícil. Digo isso pois dentro
dos frascos as mudinhas estavam protegidas.
Fora deles elas ficarão expostas a doenças,
baixa umidade, água ruim, substrato ruim etc.
Vamos ao processo.

Quanto maiores estiverem as plantinhas, maior será a taxa de sobrevivência na retirada dos frascos.
Um ano é o tempo médio que uma mudinha leva para chegar a um tamanho bom para essa operação.

Mas nem sempre podemos esperar. Podem ocorrer problemas como por exemplo a decadência do meio de cultura, o que faz as mudinhas ficarem marrons. Contaminação, que faz com que elas fiquem pretas ou apareçam sinais de fungos sobre elas.
Ou pode ocorrer a vitrificação, que é causada pelo "encharcamento" dos tecidos das plantinhas fazendo com que elas fiquem meio transparentes.
Se você possuir uma capela, pode tentar fazer o repique para um novo frasco. Se não, pode tentar utilizar a técnica descrita a seguir para salvar algumas mudinhas. É a mesma técnica utilizada para retirar as mudinhas já prontas. Vale lembrar que se as mudinhas ainda não tiverem nenhuma RAIS o processo terá muitas chances de insucesso.


clique para ampliar

O material necessário será:

-1 peneira de cozinha;
-papel toalha;
-potes plásticos transparentes e com tampa*;
-Musgo sphagno;

*Devemos fazer alguns furos no fundo para permitir o escoamento da água como vemos na imagem.

A primeira coisa a fazer é retirar as tampas dos frascos dois dias antes do repique. Isso é necessário para induzir as plantinhas a produzirem tecidos resistentes a perda de água.
Ferve-se o sphagno para desinfetar. Deixamos esfriar.
Entornamos uma parte das mudinhas dentro da peneira e levamos a torneira para lavar os restos de meio de cultura e separar as maiores. As menores, sem raízes ou estragadas devem ser descartadas. Colocamos em seguida sobre o papél toalha.
Com as mãos, esprememos o sphagno de forma a deixa-lo apenas úmido, não encharcado. Colocamos então uma pequena porção de cerca de 2cm no potinho plástico.

clique para ampliar

A próxima etapa é organizar as mudinhas no sphagno. Devemos ter muita delicadeza e cuidado nesta fase para não danificar as frágeis raízes. As mudinhas devem ficar com as raizes dentro do substrato e as folhas fora. Colocamos então a tampa que deve lacrar completamente o potinho. Ao lado podemos ver um potinho pronto.

clique para ampliar

Assim plantadas as mudinhas devem ser lavadas para a "incubadora" onde receberão 16 horas de luz por dia e terão sua temperatura controlada para minimizar os picos. O ideal é que fique entre 23 e 27 graus centigrado. Ao lado podemos ver uma incubadora feita com uma geladeira velha.

clique para ampliar Neste sistema, uma lâmpada econômica de 20W se encarrega de fornecer o calor e a luminosidade necessárias. Ela é ligada e desligada por um timer como o da foto ao lado.
Em um mês ou quando percebermos que o substrato está muito seco, podemos retirar a tampa e pulverizar água com adubo bastante diluído. O importante é não as deixar encharcadas. Quando elas estiverem com cerca de 2 cm podem ser levadas para um local sombreado do orquidário. Em um ano devemos analisar a necessidade de se fazer o replantio para substrato novo ou vasos coletivos com xaxim.