Departamento de Evangelização Infanto Juvenil do CEIX (Centro Espírita Irmão X)

Ciclo Pré-Juventude

Tema Central: Lei de Destruição

               Tema de aula: Flagelos destruidores (L.E. perg. 737 a 741). Também lembrarmos dos flagelos morais, ou seja, o orgulho, a vaidade, o egoísmo, a cobiça, a vaidade humana etc.

 Incentivação inicial (sugestão): dispor de qualquer objeto que ainda pode ser usado (uma caneta, um rolo de papel higiênico, um caderno, lápis, em fim objetos de pequenos valor) e destruí-los, todos ficarão impressionados, e a partir daí explicar que na própria natureza isso acontece de forma freqüente, mas que a destruição só é aceitável quando acontece de forma natural ou quando necessária (implodir um prédio velho para construir um novo).

 Objetivos:

 -        Informativo: informar que a destruição faz parte das leis naturais para concorrer com a transformação física e até mesmo espiritual do Planeta de uma forma mais rápida.

-   Formativo: formar uma consciência de como realmente devemos encarar as destruições que assolam a Terra, ou seja, com           naturalidade, desde que elas ocorram de forma natural sem acharmos que as destruições provocadas pelas guerras também são da Vontade Divina. 

737 - Com que objetivo Deus atinge a Humanidade por meio de flagelos destruidores? 

- Para fazê-la avançar mais depressa. Não vos dissemos que a destruição é necessária para a regeneração moral dos Espíritos, que adquirem, a cada nova existência, um novo grau de perfeição? É preciso ver o fim para lhe apreciar os resultados. Não os julgais senão sob o vosso ponto de vista pessoal e os chamais de flagelos por causa do prejuízo que vos ocasionam. Mas esses transtornos são, freqüentemente, necessários para fazer alcançar, mais prontamente, uma ordem melhor de coisas, e em alguns anos, o que exigiria séculos. (744) 

738 - Deus não poderia empregar, para o aprimoramento da Humanidade, outros meios senão os flagelos destruidores? 

-        Sim, e o emprega todos os dias, visto que deu a cada um os meios de progredir pelo conhecimento do bem e do mal.

>>> podemos progredir pelo caminho do bem ou do mal, cabe a nós escolhermos, evoluímos pelo caminho do bem se aceitamos aquilo que nos compete realizar (trabalhar, estudar, cumprir com nossas obrigações no lar com a família, a sociedade etc.) ou podemos ficar acomodados, mas com certeza, seremos visitados por situações que nos fazem balançar em nosso estado improdutivo. 

-         É que o homem não aproveita; é preciso alerta-lo de seu orgulho e fazê-lo sentir sua fraqueza.

>>> através do nosso orgulho colocamos muita coisa a perder e dificultamos uma situação que tinha tudo para dar certo e resolver por si só, mas ainda agimos de tal maneira que plantamos para nós aquilo que nos custará mais caro futuramente. 

-Mas nesses flagelos, o homem de bem sucumbe como o perverso; isso é justo?

 -        Durante a vida, o homem relaciona tudo com o seu corpo, mas, depois da morte, ele pensa de outra forma e, como já dissemos: a vida do corpo é pouca coisa. Um século do vosso mundo é um relâmpago na eternidade.

>>> É verdade, quando perdemos alguma coisa ou vemos alguma coisa ser destruída o que de imediato levamos em conta é a perda material, financeira e física, mas nunca valorizamos em primeira mão aquilo que toca o espírito, ou seja, as coisas de ordem social, educacional, moral, espiritual, isto prova ainda o quanto somos apegados as coisas da Terra e o quanto nos afastamos das coisas do Espírito. 

-        Portanto, os sofrimentos do que chamais alguns meses ou alguns dias, não são nada, apenas um ensinamento para vós, e que vos servirá no futuro. Os Espíritos, eis o mundo real, preexistentes e sobreviventes a tudo (85), são os filhos de Deus e o objeto de toda a sua solicitude; os corpos não são senão os trajes com os quais eles aparecem no mundo. Nas grandes calamidades que dizimam os homens, é como um exército que, durante a guerra, vê seus trajes usados, rasgados ou perdidos. O general tem mais cuidado com seus soldados do que com suas vestes.(L.E)

>>> o que devemos levar em conta nas destruições, sejam de que ordem e intensidade forem é o que traz de benefícios gerais no sentido de impulsionar o progresso do espírito quer seja de uma cidade, país ou até mesmo continente e não muito do próprio Planeta como um todo, visto que hoje em dia muitas coisas acontecem em algum lugar da Terra e todos somos afetados ou no mínimo ficamos comovidos. 

- Mas as vítimas desses flagelos não são menos vítimas?(L.E)

-        Se se considerasse a vida por aquilo que ela é, e o pouco que é com relação ao infinito, se atribuiria menos importância a isso. Essas vítimas encontrarão, em uma outra existência, uma larga compensação aos seus sofrimentos, se elas sabem suportá-los sem murmurar.

>>> quando somos muito apegados as coisas materiais e aliado a isso não carreamos com a fé no futuro, qualquer coisa que perdemos ou simplesmente vemos outrem perder nos trás grandes perturbações, como se fosse a criança que não para de chorar ao perder seu brinquedo pensando ser o último que existe e que nunca mais ganhará outro. 

Quer chegue a morte por um flagelo ou por uma causa ordinária, não se pode escapar a ela quando soa a hora de partida: a única diferença é que com isso, no primeiro caso, parte um maior número de uma vez.

Se pudéssemos nos elevar, pelo pensamento, de maneira a dominara Humanidade e abrangê-la inteiramente, esses flagelos tão terríveis não nos pareceriam mais que tempestades passageiras no destino do mundo.

>>> os flagelos ou qualquer outro tipo de destruição que existem, se existem, são para trazer alguma melhora, pois que no atual estágio de evolução em que nos encontramos eles ainda são muito necessários e úteis para nos fazer progredir de forma mais rápida, visto que, por nós próprios mediante nosso comodismo pouco conseguiríamos em termos de evolução e muito tempo mais se levaria.  

739-Os flagelos destruidores têm uma utilidade, sob o ponto de vista físico, malgrado os males que ocasionam? 

-        Sim, eles mudam, algumas vezes, o estado de uma região; mas o bem que disso resulta não é, freqüentemente, percebido senão pelas gerações futuras.

>>> é o que não levamos em conta, só temos vista ao presente porque somos imediatista, mas isso nada altera nos desígnios de Deus. 

740-Os flagelos não seriam igualmente para o homem provas morais que o submetem às mais duras necessidades? 

- Os flagelos são provas que fornecem ao homem a ocasião de exercitar sua inteligência, de mostrar sua paciência e sua resignação à vontade de Deus, e o orientam para demonstrar seus sentimentos de abnegação, de desinteresse e de amor ao próximo, se ele não esta mais dominado pelo egoísmo. 

741 - É dado ao homem conjurar os flagelos que o afligem? 

-        Sim, de uma parte, mas não como se pensa, geralmente. Muitos flagelos são o resultado de sua imprevidência; à medida que ele adquire conhecimentos e experiência, pode conjurá-los, quer dizer, preveni-los, se sabe procurar-lhes as causas.

>>> os flagelos também servem como alertar para que fiquemos como que “espertos” conhecendo os meios de evitar futuros flagelos mediante a experiência que flagelos anteriores já nos fez adquirir, não quer dizer que temos de aceitar a todos porque é a vontade de Deus, isso seria uma insensatez, temos que aceitar sim aqueles que são inevitáveis. 

-        Mas entre os males que afligem a Humanidade, há os gerais que estão nos desígnios da Providência, e dos quais cada indivíduo recebe mais ou menos, a repercussão. A estes o homem não pode opor senão a resignação à vontade de Deus e, ainda, esses males são agravados, freqüentemente, pela sua negligência.

>>> os flagelos por si só já são uma grande fonte de desespero, dor e sofrimento, mas de acordo com a atitude que nos apresentemos diante deles, torna-se ele ainda pior o que de nada ajudaria em uma momento que já é de crise. 

Entre os flagelos destruidores, naturais e independentes do homem, é preciso incluir na primeira linha a peste, a fome, as inundações, as intempéries fatais à produção da terra. Mas o homem não encontrou na ciência, nos trabalhos de arte, no aperfeiçoamento da agricultura, nos afolhamentos e na irrigação, no estudo das condições higiênicas, os meios de neutralizar, ou pelo menos atenuar, os desastres? Certas regiões, outrora assoladas por terríveis flagelos, não estão preservadas hoje? Que não fará, portanto, o homem por seu bem-estar material quando souber aproveitar todos os recursos de sua inteligência e quando ao cuidado de sua conservação pessoal, souber aliar o sentimento de uma verdadeira caridade por seus semelhantes? (707)

>>> aqui está o lado bom dos flagelos, desde que os aproveitemos de maneira inteligente e produtiva, pois foram através dos grandes flagelos da humanidade que evoluímos em poucos anos o que com certeza levaríamos muito mais, portanto diante de flagelos não temos do que reclamar, mas sim, aproveitar-lhe a experiência e seguirmos em frente de cabeça erguida por mais doloroso que ele seja. Como exemplos podemos citar a erradicação de várias doenças (varíola, paralisia infantil entre outras), bem como, adquirimos meios de previsão do tempo evitando assim que uma catástrofe tenha conseqüências de maiores proporções (ex.: previsão de tornados, enchentes, tufões a onde as pessoas podem tomar as devidas providências de se protegerem e protegerem suas casas a fim de se evitar que se perca tudo ou o mínimo possível dentro do conhecimento do que se vai passar). 

Aula elaborada pelos evangelizadores do CEIX (Centro Espírita Irmão X – Humberto de Campos) out/2000.

Voltar

                            Próxima

Home