História do Shiatsu

A Medicina Chinesa (Kampo), que incluía a Fitoterapia, Acupuntura, Moxabustão, Anma (atualmente chamado Tui-ná) e Anpuku (massagem abdominal com grande poder de cura), foi introduzida no Japão no século VI, no período Aska. E, desde então, permaneceu como o medicina oficial no Japão até o fim do período Edo (1603 – 1867). Durante esse tempo, o Japão não recebeu influências estrangeiras e suas tradições e costumes tiveram um desenvolvimento pleno.

 

Em 1827, Shiusai Ota escreveu o Livro de Anpuku, no qual destacava a importância do trabalho no abdomen no Shiatsu. Este livro é um dos considerados como fundamentos do Shiatsu. Naquele período, o Anma ramificou-se em dois: o Anma atual que era feito por cegos e era uma massagem relaxante, e o Anpuku, feito por pessoas qualificadas especializadas em curar doenças.

        

         Depois da revolução Meiji, em 1867, o Japão começou a receber influências estrangeiras no nível político, social e econômico. A medicina ocidental veio a dominar a nação durante esse período (1862 – 1912), principalmente por seus métodos cirúrgicos e por sua eficácia no combate de epidemias. Conseqüentemente, a medicina oficial passou a um segundo plano. Anularam-se os títulos dos antigos médicos de Kampo, que foram obrigados a estudar a formação de medicina ocidental na Universidade de Tókio, sendo ministrada em alemão. Como resultado, 39000 médicos de Kampo deixaram de existir. Os estudantes dessa nova medicina eram basicamente antigos médicos de Kampo ou seus filhos. Porém, criaram-se umas escolas oficiais de Anma exclusivamente para cegos, com o argumento de que mesmo sendo essa técnica menos eficaz do que a medicina ocidental, não prejudicava ninguém.

 

         Por volta de 1890 entraram no Japão as técnicas de quiromassagem. O Anma adaptou algumas das teorias e práticas, deixando de lado a importante base da medicina oriental (tsubo, meridiano, etc) e deixou-se de praticar o Anpuku, porque ele foi considerado perigoso. Assim, o Anma perdeu uma parte importante da sua herança oriental, diminuindo consideravelmente sua eficácia.

 

Por volta do ano 1901 o Parlamento Japonês decretou uma nova legislação que regulamentava estas atividades, podendo trabalhar somente as pessoas que tivessem o titulo oficial. Foi assim que o Anpuku começou a ser praticado clandestinamente entre aqueles que não tinham o titulo oficial. Naquela época foram introduzidas no Japão técnicas da Europa e dos Estados Unidos como a Quiropraxia, Osteopatía, etc.

 

Mas, já no nosso século, as limitações das técnicas ocidentais se tornaram evidentes.  Mesmo com o controle do governo, em 1930 existia uma variedade enorme de terapias que surgiram clandestinamente. A essência de todas elas era regular o nível energético do organismo. No todo, foram criadas 300 técnicas, o que levou ao governo a aceitar a legalização de elas. O Shiatsu era uma delas e naquela época começaram a surgir livros e publicações sobre essa terapia, que foi adquirindo importância cada vez maior, destacando-se sobre as outras técnicas.

 

Depois de um longo processo de reavaliação das antigas terapias, o Shiatsu teve reconhecimento legal como método original de tratamento em 1964.

 

Atualmente, tanto técnicas ocidentais como orientais são consideradas e utilizadas.