*** Histórico ***

Escola Estadual Gastão da Cunha - Contagem - MG

 

Histórico da Escola

            Criada pelo Decreto no. 7091 , de 07/08/63 , o Grupo Escolar Gastão da Cunha , (Hoje Escola Estadual Gastão da Cunha ) , funcionou a princípio com o nome de Escolas Reunidas no. 2 do Eldorado. Seu Primeiro endereço foi à Rua Epitácio Pessoa no. 239 e no. 241 , Bairro JK , Contagem . Nos primeiros registros escolares consta o primeiro dia de funcionamento : 19/02/63 .

            Posteriormente foi transferido para a Avenida Marechal Costa e Silva no. 310 (onde funciona hoje o Pronto Socorro do Bairro JK - Geraldo Pinto Vieira) ; as acomodações eram feitas em alvenaria e madeira . Funcionou neste local até o ano de 1969 , quando foi novamente transferido .

            Em 1970 foi construído pela CARPE o prédio atual, à Rua Marechal Hermes da Fonseca , 214 – Bairro JK , em novas instalações de concreto e alvenaria . Possui dois blocos com dois pavimentos cada um , interligados no centro por uma passarela .

            A autorização para funcionamento do Ensino Médio foi publicada no Minas Gerais (diário Oficial) em 09/02/2000 – Portaria no. 112 / 2000 e Decreto no. (40772 de 10/12/99)  , retroagindo seus efeitos ao ano de 1999.

            Hoje nossa escola funciona em três turnos distintos , ministrando o Ensino Fundamental (1a. à 8a. Séries) e Ensino Médio .

            Nossa Escola recebe alunos de todas as regiões de Contagem , sobremaneira dos Bairros JK , Eldorado,Inconfidentes, Nova Contagem, Icaivera, Darcy Ribeiro e Vilas das Proximidades e até dos municípios de Betim e BH (principalmente da região do Barreiro ) . A procura desta clientela de comunidades mais distantes é devido à facilidade de acesso à Escola e às proximidades do Metrô . Situada no entroncamento viário da cidade industrial a região é servida por praticamente todas as linhas de ônibus (linhas diretas e integração).

Histórico da nossa comunidade

            O bairro JK onde se situa nossa Escola surgiu em 1955 , e sua origem está intimamente ligada á história do Município .

            No início dos anos 40 ao início dos anos 50 , a grande atuação do mercado imobiliário provocou a expansão da Região Metropolitana de BH , tendo como grandes referências a Cidade Industrial e a Pampulha , que se converteram em focos e pontos de referência da especulação imobiliária . Daí , o parcelamento extensivo obrigou à reestruturação dos modos de transporte urbano. O automóvel e o ônibus começaram a ocupar o lugar do trem como estruturadores do transporte urbano .

            Em 1953 foi criado o Distrito da Cidade Industrial .

            Por volta de 1955 , foi superada a crise energética , com a criação da CEMIG , que conjugada com outros fatores favoráveis – pavimentação das rodovias ligando BH a São Paulo e Rio de Janeiro – propiciou a ocupação efetiva da cidade da cidade industrial , onde se instalaram grandes empresas , na sua maioria ligadas ao capital estrangeiro (multinacionais) .

            Em 1955 e 1960 durante o governo de Juscelino Kubisctchek, surgiu o primeiro conjunto habitacional de Contagem – o Bairro JK , para onde vieram famílias de todos os recantos de Minas Gerais e do Brasil . Eram famílias de origem humilde e do meio rural em busca de melhores condições de vida .

No início dos anos 60 , são lançados os bairros Amazonas e Riacho das Pedras . Loteados com alguma infraestrutura na década de 60, a “COMPAX” empresa imobiliária , lançou o loteamento do bairro Eldorado , Água Branca, Novo Eldorado  e Santa Cruz , nos terrenos da Família “ Camargos ” . Através destes bairros passava uma precária estrada de carro , ligando a Sede de Contagem à Cidade Industrial  (esta estrada é hoje a Avenida João César de Oliveira ) .

Ao lado do bairro Eldorado foram loteados os terrenos da família “ Mattos “ , compreendendo hoje os bairros Riacho, Inconfidentes , Amazonas, Flamengo, Bandeirantes e Novo Riacho .

Assim , a sociedade de Contagem, definida na sua base pelas tradicionais famílias herdeiras de terras, vai cedendo através da alta e desenfreada especulação imobiliária , suas terras para a classe trabalhadora , resultante do êxodo rural : Os “ Camargos” com as terras do eixo Eldorado – Água Branca – Novo Eldorado ; os “ Mattos” com as terras do eixo Riacho – Inconfidentes – Amazonas ; os “ Diniz” e “ Belém”  com as terras da Sede (Centro de Contagem) e os “ Rocha”  com as terras do Ressaca .

O caráter especulativo dos empreendimentos imobiliários manifestava-se pelo grande número de lotes , bem superior ao número de habitantes locais . O comprador preferencial era o investidor (havia empresas especializadas em vender lotes em todo o interior do estado de Minas Gerais) . A infraestrutura destes loteamentos era precária , sendo feita apenas a abertura de vias e, sem calçamento , iluminação , rede dágua ou esgotos; em conseqüência , na sua maioria , estes loteamentos permaneciam desocupados durante décadas ; no caso de Contagem , só na década de 70 é que seria dinamizada a sua ocupação .

Em torno da Cidade Industrial , formou-se um foco de expansão urbana em direção ao Município de Contagem , avançando sobre a região do Barreiro (Belo Horizonte) e sobre os municípios de Betim e Ibirité .

São loteamentos desta época , entre outros : o Bairro Cidade Jardim Eldorado, o Inconfidentes, o Industrial, o Jardim Industrial, o Bandeirantes. Outro grande pólo de processo de loteamento de Belo Horizonte , o complexo de lazer da Pampulha , afetou o município de Contagem através da abertura dos loteamentos do Bairro Nacional , Xangrilá , Estrela Dalva, São Mateus e Tijuca  na Região da Ressaca .

Esse processo se instalou também em torno dos núcleos populacionais já existentes : na Sede são desta época , por exemplo, os bairros Bela Vista , Parque Maracanã , Santa Helena , que romperam o padrão de urbanização Colonial da Região ; em torno do balneário da Ressaca surgiram os bairros : Novo Progresso, Bairro dos Turistas, Vila Pérola, Parque Recreio, Balneário ; e em torno do Imbiruçu em Betim , atingindo áreas de Contagem os Bairros Industrial São Luiz , São Caetano, Petrolândia .

A população operária ocupava residualmente pequenas áreas desses loteamentos , pois os preços dos lotes eram elevados e não havia condições mínimas para sua ocupação. Instalavam-se principalmente em vilas construídas em áreas pertencentes ás fábricas como Itaú, Magnesita, São Geraldo e em alguns núcleos pré existentes nas proximidades , surgidos ou dinamizados com a inauguração do ramal da Estrada de Ferro Central do Brasil (EFCB) – Barreiro e Jatobá em Belo Horizonte ; vila São Paulo em Contagem ou nas proximidades da Estrada de Ferro Oeste de Minas (EFOM) – Água Branca .

Mais tarde , como forma de assentamento de famílias faveladas em aglomerados habitacionais , foram doados lotes para cada família no Parque São João , Nova Contagem , Fazenda das Perobas e Ipê Amarelo ; sem infraestrutura , estes loteamentos não tinham saneamento básico adequado .

Mais recentemente , foram lançados pela administração municipal (em 1977/1998) os loteamentos populares “Darcy Ribeiro” (Próximo do Retiro e Nova Contagem) e Bairro Sapucaia (Na região Petrolândia) . A “doação“ destes lotes , no entanto atendia  a interesses clientelistas de prefeitos , vereadores e candidatos .

1