Elias, atravessando o deserto

Elias

atravessando o deserto



“O profeta Elias era um homem como nós. Ele orou com fervor, e durante três anos não choveu sobre a terra. Depois orou outra vez, e então choveu, e a terra deu a sua colheita.” (Tiago 5:17-18)

1 Re 18:38-40
O Deus Eterno tinha feito algo incrível, um milagre que chamou a atenção do povo para traze-lo de volta para Ele. Elias viu fogo descendo do céu e queimando o sacrifício, o altar e secando toda a água em volta. Foi devorador! Poderoso é Deus e grandioso é Seu amor pelo povo de Israel!

1 Re 18:41-46 O Fim da Seca
A seca serviu para fazer o povo voltar para Deus. Ele não tem prazer em ver nosso sofrimento. Uma vez que nosso coração se volta para Ele, podemos confiar que a seca está por acabar. Elias teve que orar com fervor por sete vezes para que uma pequenina nuvem aparecesse.

Quantas vezes nossos coração não sentem vontade de se rebelar em uma seca? Quantas vezes deixamos de enxergar o amor de Deus por causa de uma seca?

* Deus quer nos tirar da seca dos nossos corações;
* Deus quer salvar as pessoas.

Tudo o que Ele fez por meio de Elias até esse momento foi para trazer o povo de Israel de volta, para perto dEle. Porém, Elias teve que orar com fervor por sete vezes. Às vezes Deus demora a responder as orações. É por isso que Jesus nos ensina a perseverarmos em oração (Mt 7:7-11). Elias poderia ter parado na primeira ou na segunda tentativa e pensado: “Acho que Deus não vai me ajudar dessa vez...” Ou então: “Daquela vez, no sacrifício, eu orei uma vez e Ele me respondeu, por que está demorando agora...?”

v.45 “Em pouco tempo o céu se cobriu de nuvens escuras, o vento começou a soprar, e uma chuva pesada começou a cair.”

Deus faz que uma pequena nuvem cubra o céu. Ele gosta de mostrar Seu poder nos fracos, na minoria, no que o mundo despreza e acha sem valor (1 Co 1:18-31). O que precisamos entender é que Deus é quem fará as coisas!

1 Re 19:1-18
Quando Jezabel soube o que Elias havia feito com os profetas de Baal, o ameaçou de morte. Elias fica com medo e foge para salvar sua vida (v.3).

O medo naturalmente nos faz fugir. O medo é algo natural do homem, um mecanismo de defesa, de proteção, de segurança. Porém quando seguimos nossos medos, seguimos a nossa maneira de obter segurança, proteção e defesa, e não a maneira de Deus.

* Mas para onde fugir? (Jo 6:68)

Em muitos momentos nos encontramos na situação de Elias: servindo a Deus e sofrendo por isso. Parece que nada dá certo, ninguém nos apoia, o mundo está contra nós e parece que Deus não faz nada.

Esquecemos tão fácil dos milagres do passado, como o povo que pareceu no deserto. Deixamos de confiar que Deus nos tirará da seca e passamos a achar que Ele é o culpado.

Não poderia esquecer aquela noite... Um dos meus irmão veio me dizer que queria desistir de Deus, abandonar sua fé. Ele não tinha nenhuma dúvida sobre a igreja, sobre doutrina ou sobre a missão, nada. Ele só não agüentava mais a maneira como Deus o estava tratando, a maneira como Deus trata seus servos. Foi um momento muito desafiante para mim. Eu estava gripado naquele dia e ia apresentar um seminário na faculdade duas horas depois que começamos aquela conversa. Eu nunca o tinha visto daquele jeito antes. Frio, duro, decidido a cair, sem querer ouvir nada, nem pensar em ninguém. Só queria “salvar sua vida”. Eu não sabia mais o que fazer. Fui para a faculdade e sai correndo ao final da apresentação para estar com ele. Peguei um outro irmão e os chamei para andarmos um pouco. Não tinha a menor idéia do que fazer ou dizer. Já tinha usados todos os meus argumentos. Deus precisava fazer um milagre, tirar o coração desse meu irmão da seca espiritual em que estava. Pagamos uma auto-estrada por volta das 21 horas, e fomos andando pelo acostamento. Não conhecíamos a estrada e andávamos sem direção, na escuridão total, iluminados apenas por alguns carros que passavam por lá de vez em quando. Comecei a falar do que não gostava em Deus, na igreja, nas pessoas, em mim, no mundo, e em tudo expressando minhas amarguras, ódio, dor, enfim, meus sentimentos mais profundos. Os outros dois começaram a falar também e quanto mais falávamos, mais profundo nossas feridas foram se abrindo, mais a podridão dos nosso coração foi sendo revelada. Andamos e falamos por um bom tempo. Estávamos sem relógio e achamos que o sol já estava para aparecer. Não agüentávamos mais falar, reclamar e xingar tudo. Estávamos cansados disso também. Paramos em um pedágio e lemos Eclesiastes, depois Salmo 73. O silêncio era quebrado por nossas respirações cansadas e pelo vento que soprava as plantações de cana ao nosso redor. A noite estava incrível, o céu estrelado, o que apontava para um ensolarado dia seguinte. “É hora de voltarmos prá casa, irmãos” – Eu disse. Enquanto estávamos voltando, percebemos que a cidade, que antes estava atrás de nós, iluminava nosso caminho agora. Comecei a orar a Deus, pedindo perdão por não compreender o seu amor e me rebelar tantas vezes. Um a um abrimos nossos corações e oramos gratos a Deus, louvando e cantando canções de gratidão. Enquanto orava, vi uma estrela cadente (a quarta em minha vida!). Nesse momento tudo era simbólico e ao mesmo tempo tão real para nós. A cidade prometida brilhando, as estrelas relembrando as promessas de uma grande descendência, o longo caminho a seguirmos de volta para casa... Voltei para casa pensando no quanto somos tão tolos, como crianças que querem fugir da casa dos pais mas não têm para onde ir, nem o que fazer. Deus queria tirar a seca, da seca dos nosso corações.

* A seca revela nosso corações. Quando isso acontece precisamos voltar para Deus.

Elias foge para o deserto e se entrega a falta de fé. Pensa no fracasso dos seus antepassados, ao invés de lembrar das glórias que esses mesmos viram.

* É muito mais fácil questionar nossa fé do que nossas dúvidas. Mas a Deus do que nossos corações.

Deus sempre coloca a nossa disposição o que vai nos alimentar, o que vai matar nossa sede espiritual. Mas Ele diz: “Levante-se e coma”, “Venha e me siga”, “Pegue sua cama e ande” , já percebeu? Parte de Deus, mas exige uma resposta nossa, um levantar quando Ele nos desperta.

v.7 Um anjo dá perspectiva para Elias: uma viagem. Será que Elias sabia da viagem? Precisamos terminar nossa viagem. Muitas vezes desanimamos por não pensarmos no que estamos fazendo, para onde estamos indo. Somos como crianças andando no escuro do cristianismo sem visão, sem uma fé profunda, sem esperança. Fazendo “coisas”, vivendo e empurrando cada dia, como se andássemos em círculo no deserto.

* São esses os momentos que vemos claramente o amor de Deus, Seu desejo de nos trazer de volta e nossa estupidez em confiar nos nossos medos ao invés de confiarmos nEle.

Elias revive a história do povo de Israel, atravessando o deserto em 40 dias, chegando ao monte Sinai, onde Deus se revela a Ele:

* Elias precisou voltar para os fundamentos.

Elias começa a falar como Deus, expressar seu descontentamento por todos os outros profetas estarem mortos, os altares destruídos e por estar sendo perseguido de morte. Elias estava certo? Como Deus recebeu suas críticas?

Por muito tempo eu enxerguei nessa passagem um Deus indiferente a dor de seu servo, simplesmente querendo obediência, obediência e obediência. Um Deus que não queria ouvir, só mandar as pessoas voltarem ao trabalho. E realmente, Ele é Deus, poderia ser assim e não teríamos do que reclamar. Só poder servi-lo já seria grande coisa. Mas o amor de Deus é muito maior do que podemos imaginar:
* Ele alimenta Elias (v.4)
* Ele fala e se dá provas do Seu poder a Elias (v.9, 11-13)
* Ele ouve atentamente as reclamações de Elias (10-14)
* Ele dá direções a Elias do que fazer (v.15-17)
* Ele encoraja Elias (v.18)
* Elias foi fortalecido na volta de seu auto-exílio por ter a companhia de Eliseu (v.19-21)

Um grande erro que podemos cometer é enxergar Deus como alguém que não nos ama, que nos acusa, não se importa conosco nem com nossos sentimentos ou pensamentos. Assim na verdade é o seu inimigo, e nosso por conseqüência, Satanás, o adversário.

Deus quer o nosso coração. Ele sabe que não é fácil para nós confiarmos nEle, que não é algo natural. Justamente por isso, ele nos oferece comida para terminarmos essa viagem. Esse alimento e nosso relacionamento com Ele, através de Jesus (Jo 4:14, 32-34).

Deus quer ouvir nossa voz, nossas dúvidas e reclamações. Não é que vamos ser que nem o povo reclamão no deserto. Ele quer que sejamos sinceros com Ele. É ótimo quando não temos nenhuma reclamação, mas quando temos e não expressamos isso a Deus, Ele se entristece pois conhece muito bem nossos pensamentos secretos. Ficamos em um deserto e parece que seria melhor não servir a Ele.

* Deus sempre quer nos trazer para Ele.

Deus quer sinceridade e ação. O que mais glorifica o nome de Deus não é termos corações perfeitos, mas sim, termos fé e confiança nEle para vencermos nossos desejos de fazer o que Lhe agada, se arrepender e fazer o que Ele quer. Por FÉ e por AMOR a Ele (Mt 21:28-32).

Elias voltou para a sua missão, treinou seu sucessor, foi grandemente usado por Deus e levado por Ele em uma carruagem de fogo. Esse homem viu a glória de Deus.

Assim como eu e você, Elias passou por momentos difíceis e por secas. E assim como com Elias, Deus quer sempre nos trazer para perto dEle, e nos levar, com glória, de volta para casa.


Voltar
1