Principal | Ficha Técnica | Agenda | Fotos | Enredo | Samba | História | Outros Carnavais | Links | Mensagens |

OUTROS CARNAVAIS

TODOS OS CARNAVAIS DA VIRADOURO

Ano Grupo Colocação Enredo Carnavalesco
1947 Niterói Não havia enredo  
1948 Niterói Não havia enredo  
1949 Niterói Ararigbóia  
1950 Niterói Tiradentes - Mártir da Independência  
1951 Niterói - Não houve desfile oficial  
1952 Niterói Vultos nacionais  
1953 Niterói Cândido Rondon  
1954 Niterói Anulado Homenagem ao Estado do Rio  
1955 Niterói Batalha Naval do Riachuelo  
1956 Niterói Independência do Brasil  
1957 Niterói Quatro grandes feitos da história  
1958 Niterói Primeiro Reinado  
1959 Niterói Carlos Gomes  
1960 Niterói Catulo da Paixão Cearense  
1961 Niterói Não
concorreu
Festa junina em pleno carnaval  
1962 Niterói Chegada da família real  
1963 Niterói Último baile imperial  
1964 3 (Rio)   Maria Quitéria (Desfilou no Rio)  
1965 3 (Rio) 26º Rio Quarto Centenário (Desfilou no Rio)  
1966 Niterói Menção
Honrosa
Homenagem a Niterói  
1967 Niterói Chico Rei  
1968 Niterói Rugendas - viagem pitoresca através do Brasil  
1969 Niterói Festa do Divino  
1970 Niterói Quilombo dos Palmares  
1971 Niterói São Francisco - rio da integração nacional  
1972 Niterói Três festas tradicionais brasileiras  
1973 Niterói Niterói - sua origem e evolução  
1974 Niterói Pleito de vassalagem de Olorum  
1975 Niterói Rei Midas de Catas Atlas  
1976 Niterói Só mesmo na Bahia  
1977 Niterói No mundo encantado da fantasia  
1978 Niterói Ídolos de Ébano  
1979 Niterói Ainda um país tropical  
1980 Niterói Os três encantos do rei  
1981 Niterói Amor em Tom maior  
1982 Niterói Mutou Muido Kitoko  
1983 Niterói Acredite se quiser  
1984 Niterói O sonho de Ilê Ifé  
1985 Niterói Na terra de Antônio Maris, só não viu quem não quis  
1986 2B Hors-
concurs
Novos ventos, novos tempos - história de uma integração  
1987 4 Na boca e na ponta da língua... É carnaval Rodney Lucas/Alexandre Louzada
1988 4 Contribuição do negro ao folclore brasileiro  
1989 3 Mercadores e Mascates  
1990 1 Só vale o escrito Max Lopes/Mauro Quintaes
1991 Especial Bravíssimo! Dercy Gonçalves o retrato de um povo Max Lopes/Mauro Quintaes
1992 Especial E a magia da sorte chegou... Max Lopes/Mauro Quintaes
1993 Especial Amor, sublime amor Max Lopes/Mauro Quintaes
1994 Especial Tereza de Benguela - Uma rainha negra no Pantanal Joãosinho Trinta
1995 Especial O rei e os três espantos de Debret Joãosinho Trinta
1996 Especial 13º Aquarela do Brasil ano 2000 Joãosinho Trinta
1997 Especial Trevas! Luz! A explosão do universo Joãosinho Trinta
1998 Especial Orfeu - O negro do carnaval Joãosinho Trinta
1999 Especial Anita Garibaldi - Heroína das sete magias Joãosinho Trinta
2000 Especial Brasil: visões de paraísos e infernos Joãosinho Trinta
2001 Especial Os sete pecados capitais Comissão de Carnaval
2002 Especial Viradouro, Vira-Mundo, Rei do Mundo Chico Spinoza
2003 Especial A Viradouro canta e conta Bibi, uma homenagem ao teatro brasileiro Mauro Quintaes
2004 Especial Pediu pra Pará, parou! Com a Viradouro eu vou... pro Círio de Nazaré Mauro Quintaes
2005 Especial   A Viradouro é só Sorriso! Mauro Quintaes


Hierarquia, equivalência, e mudanças nos nomes dos Grupos das Escolas de Samba do Carnaval carioca ao longo dos anos
Nível 1932 a 1951 1952 a 1959 1960 a 1978 1979 a 1986 1987 a 1988 1989 1990 a 1994 1995 1996 até hoje
1 (um só grupo) Grupo 1 Grupo 1 Grupo 1A Grupo 1 Grupo 1 Grupo Especial Grupo Especial Grupo Especial
2 *Obs. abaixo Grupo 2 Grupo 2 Grupo 1B Grupo 2 Grupo 2 Grupo 1 Grupo de Acesso A Grupo de Acesso A
3     Grupo 3 Grupo 2A Grupo 3 Grupo 3 Grupo 2 Grupo de Acesso B Grupo de Acesso B
4       Grupo 2B Grupo 4 Grupo 4 Grupo 3 Grupo 1 Grupo de Acesso C
5           Grupo de Acesso Grupo de Acesso Grupo 2 Grupo de Acesso D
6                 Grupo de Acesso E
*Observações para o período de 1932 a 1952:
- De 1932 a 1934 os desfiles foram extra-oficiais. A partir de 1935 o concurso foi oficializado, com o apoio da Prefeitura;
- Em 1949, houve um racha e as Escolas de Samba se dividiram em duas federações. Cada uma promoveu seu próprio concurso e proclamou sua campeã;
- Em 1950 persistiu a divisão, surgindo ainda uma terceira federação. Novamente cada uma organizou seus desfiles e escolheu suas campeãs;
- Em 1951, uma das federações se extingüiu, voltando a situação de 1949, com duas federações;
- Para o Carnaval de 1952, mais uma federação foi criada, mas as três entidades concordaram na unificação do concurso. Como era grande o número de Escolas filiadas, a solução foi dividi-las em dois grupos. As Escolas com maior número de desfilantes foram para o Grupo 1, e as menores foram para o Grupo 2. Também decidiram que as últimas colocadas do Grupo 1 iriam desfilar no Grupo 2 no ano seguinte, e as primeiras do Grupo 2 seriam promovidas ao desfile principal. Estavam criados o acesso e o rebaixamento.
1