Tabela ilustrativa da caminhada do movimento de Mulheres no Bra

Classificação Bibliográfica

Índice

Cidadania e Direitos Civis

ALAMBERT, Zuleika. Mulher, Direitos, Democracia. Encontros com a Civilização Brasileira. RJ, n. 26, 1980.
AVELAR, Lúcia Mercês de. O voto feminino no Brasil, tese de doutorado, São Paulo/ PUC, 1984.
AVELAR, Lúcia Mercês de. O voto feminino: eleições de 1982. VI Encontro Anual da ANPOCS, Nova Friburgo, 1985.
BARSTED, Leila de Andrade Linhares. O direito Intarenacional eo movimento de mulheres. Estudos Feministas. Ano 3, n.1, pp.191-197, 1o sem., 1995.
BARROSO, Carmem Lúcia de Melo; Mulher, Sociedade e Estado no Brasil. São Paulo: Brasiliense/ Unicef, 1982.
BLAY, Eva Alterman. A participação das mulheres na redemocratização, São Paulo: Conselho Estadual da Condição Feminina, 1984.
BLAY, Eva Alterman. Do Espaço Privado ao Público: A Conquista da Cidadania pela Mulher no Brasil. Espaço & Debates. São Paulo, n. 9, p. 80-89, maio/ago. 1983.
CAMURÇA, Silvia; GOUVEIA. Taciana. Cidade Cidadania; um olhar a partir das mulheres, Pernambuco: SOS - Corpo, 1995.
CENTRO Feminista de Estudos e Assessoria. Guia dos direitos da mulher. 2. ed., Rio de J: Rosa dos Tempos, 1996.
CENTRO Feminista de Estudos e Assessoria. Pensando nossa cidadania - propostas para uma legislação não discriminatória. Brasília: Centro feminista de estudos e Assessoria. 1993.
COSTA, Albertina de Oliveira. O acesso das mulheres a cidadania: questões em aberto. Cadernos de Pesquisa. São Paulo, n.77, p. 47-52, maio, 1991.
GOHN, Maria da Graça M. A força da periferia: a luta das mulheres por creche em São Paulo. Petrópolis: Vozes, 1985.
HEILBORN, Maria Luiza. Cidadania para as Mulheres. Ciência Hoje: RJ, v. 5-suplem., jan./fev. 1987. p. 13-15 .
JELIN, Elizabeth. Mulheres e Direitos Humanos. Estudos Feministas. RJ, v. 2, n. 3, p. 117-149, 1o sem. 1994.
LIGOCKI, Malô Simões; LIBARDONI, Marlene (org.). Discriminação Positiva - Ações Afirmativas: em busca da igualdade. São Paulo: CFEMEA/ELAS, 1996.
OLIVEIRA, E. M. (org.). Mulheres: da domesticidade à cidadania: ensaios sobre movimentos sociais e democratização. ANPOCS/CNDM, 1987.
OLIVEIRA, Rosiska Darci de. Igualdade, desenvolvimento e paz. Estudos Feministas. Rio de Janeiro. Ano 3, n. 1, p. 203-211, 1o sem. 1995.
PRÁ, Jussara Reis. Cidadania e Gênero no processo de construção da democracia brasileira.. In BAQUERO, Marcello (org.) Condicionantes da consolidação democrática: ética, mídia e cultura política. Porto Alegre; Editora da UFRGS, 1995.
RODRIGUES, João Batista Cascudo. A mulher brasileira: direitos políticos e civis. Fortaleza: Imprensa Universitária do Ceara, 1962. (Coleção Mossoroense. Serie C, livros ; 11)
SUPLICY, Marta. Novos Paradigmas nas esferas de poder. Estudos Feministas, Rio de Janeiro, ano 4, n. 1, p. 126-137, 1o sem. 1996.
VERUCCI, Floriza. A Eficácia do Direito Igualitário nas Relações de Gênero. Revista Brasileira de Estudos Políticos. Belo Horizonte, n. 72, p. 149-155, jan. 1991.

Mulher e política

ALMEIDA, Mônica, Maria de Souza. A mulher e a política nos bairros periféricos de Campinas, São Paulo, Tese de doutorado, 1979 (mimeo).
AVELAR, Lúcia Mercês de. A Participação Política da Mulher e a Ideologia do Conservadorismo Político Feminino. Águas de São Pedro: XI Encontro Anual da ANPOCS, 1987.
ÁVILA NETO, Maria Inácia. O Autoritarismo e a Mulher: o jogo da dominação macho-fêmea no Brasil. Rio de Janeiro: Achiamé, 1980.
BARROSO, Carmem Lúcia de Melo; Mulher, Sociedade e Estado no Brasil. SP: Brasiliense/ Unicef, 1982.
BARSTED, Leila de Andrade Linhares. Em busca do tempo perdido: mulher e políticas públicas no Brasil 1983-1993. Estudos Feministas, Rio de Janeiro, ano 2, n. especial, p. 38-54, 2o sem, 1994.
BLAY, Eva Alterman, As prefeitas: a participação política da mulher no Brasil. RJ: Avenir Ed., 1984.
CASTRO, Mary Garcia. Gênero e Poder no Espaço Sindical. Estudos Feministas. RJ, v. 3, n. 1, 1995. p. 29-51.
COLLING, Ana Maria. A resistência da mulher na ditadura militar no Brasil. RJ: Rosa dos Tempos, 1997.
CONSELHO Nacional dos Direitos da mulher. Mulher e Constituinte. Brasília: Conselho Nacional dos Direitos da Mulher, 1985.
COSTA, Albertina Oliveira. A política governamental e a mulher, São Paulo: Nobel/ Conselho Estadual da Condição Feminina, 1985.
FERREIRA, Elizabeth F. Xavier. Mulheres, Militância e Memória. RJ: Fundação Getúlio Vargas, 1996.
GOLDENBERG, Mirian. Mulheres e militantes. Estudos Feministas, RJ, ano 5, n. 2, p. 349-364., 2o sem. 1997.
HAHNER, June E. A mulher brasileira e suas lutas sociais e políticas. São Paulo: Brasiliense, 1981.
HUMPHREY, John. Sindicato, um Mundo Masculino. Novos Estudos Cebrap. SP, v.2, n. 1, p. 47-52, abr. 1983.
JORDÃO, F. A bancada feminina na Constituinte: maior e melhor do que parece. Mulherio, ano 7, n. 27, dez./fev. 1987.
LOBO, Elizabeth Souza. O Gênero da representação: movimento de mulheres e representação política no Brasil (1980-1990). Revista Brasileira de Pesquisa em Ciências Sociais, SP, ano 6, n.17, p.8-13, out. de 1991.
MURARO, Rose Marie. A mulher brasileira e suas lutas sociais e políticas. São Paulo: Brasiliense, 1981.
PATARRA, Judith Lieblich. Iara, Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 1992.
PINTO, Céli Regina Jardim. Mulher e política no Brasil. Estudos Feministas, Rio de Janeiro, ano 2, número especial, p. 256-270, 2o sem. 1994.
PRÁ, Jussara reis; BAQUERO, Marcello. História, socialização e participação política da mulher gaúcha: uma análise longitudinal. Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 10, n. 2, maio/agosto 1985.
ROCHA, Maria Isabel Baltar da. A questão do aborto no Brasil: o debate no congresso. Estudos Feministas, Rio de Janeiro, ano 4, n. 2, p. 318, 2o sem, 1996.
SCHUMAHER, Maria Aparecida; VARGAS, Elisabeth. Lugar no Governo: Álibi ou Conquista? Estudos Feministas. Rio de Janeiro, v. 1, n. 2 , p. 348-365, 1993.
SILVA, Benedita da. Raça e Política (Entrevista de Benedita da Silva a Miriam Dolhnikoff, Fernanda Peixoto e Omar Ribeiro Thomaz). Novos Estudos Cebrap. São Paulo, v. 43, p. 8-25. nov., 1995.
SILVANA, Garcia. Teatro da militância: a intenção popular no engajamento político. São Paulo: Perspectiva/ EDUSP, 1990.
SUPLICY, Marta. O sindicato das mulheres. Folha de São Paulo. Caderno 1, 26/05/94, p. 3. col. 1-3.
TABACK, Fanny O Papel da Mulher na Definição das Políticas Públicas no Brasil. Revista Brasileira de Estudos Políticos. Belo Horizonte, n. 54, p. 107-132, jan. 1982.
TABAK, Fanny. Autoritarismo e participação política da mulher. RJ: Graal, 1983. (Coleção tendências ; 6)
TABAK, Fanny; TOSCANO, Moema. Mulher e política. RJ: Paz e Terra, 1982. (Coleção o mundo hoje ; 43)

ONU/Beijing

ABRAMOVAY, Miriam. Uma conferência entre colchetes. Estudos feministas. Rio de Janeiro. Ano 3, n. 1, p. 212-218, 1o sem. 1995.
ALVAREZ, S. E. Feministas na América Latina: De Bogotá a San Bernardo Estudos Feministas. Rio de Janeiro, v. 2, n. 2, p. 255-296, 2o sem. 1994.
BARROSO, Carmem Lúcia de Melo. As Mulheres e as Nações Unidas: As Linhagens do Plano Mundial de População. Tempo Social. São Paulo, v. 1, n. 1, p. 183-197, 1. sem. 1989.
BARSTED, Leila de Andrade Linhares. O direito Internacional e o movimento de mulheres. Estudos feministas. Rio de Janeiro. Ano 3, n. 1, p. 191-197, 1o sem. 1995.
CONSELHO Nacional dos Direitos da Mulher. IV Conferencia Mundial sobre a Mulher. Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 1996.
CORREA, Sônia. As aventuras do Movimento feminista: no caminho para o Cairo. Estudos Feministas, Rio de Janeiro, ano 2, n. 1, p. 150-1161, 1o sem. 1994.
HEYZER, Noeleen. O que Beijing significa para as mulheres do mundo. Estudos Feministas. Rio de Janeiro. Ano 3, n. 1, p. 219-223, 1o sem. 1995.
MACHADO, Lia Zanota. Beijing em Balaço: confrontos políticos e desafios intelectuais.Estudos Feministas. Rio de Janeiro. Ano 3, n. 1, p. 414-426, 1o sem. 1995.
SAFFIOTI, Heleieth. Enfim, sós: Brasil rumo a Pequim. Estudos Feministas. Rio de Janeiro. Ano 3, n.1, p.198-202, 1o sem. 1995.
SCHUMAHER, maria Aparecida. América Latina mais integrada. Estudos Feministas. Rio de Janeiro. Ano 3, n. 1, p. 427, 1o sem. 1995.
SOARES, Vera. O contraditório e ambíguo caminho para Beijing. Estudos Feministas. Rio de Janeiro. Ano 3, n. 1, p. 180-189, 1o sem. 1995.
SUPLICY, Marta. Mulheres parlamentares rumo a Beijing. Folha de São Paulo. Caderno 1, 25/07/95, p.3.

Direitos Reprodutivos

AFFONSO, Raquel. Dor e perigo no aborto clandestino. Jornal do Brasil. Caderno A, 02/02/97, p. 20.
ALENCAR, José Almino de; ANDRADE, Edgar C. De. O Uso de Contraceptivos no Brasil: Uma Análise da Prevalencia da Esterilização Feminina. Dados. Rio de Janeiro, v. 36, n. 3, p. 419-439, 1993.
ÁVILA, Maria Betânia. Modernidade e cidadania reprodutiva. Estudos Feministas, Rio de Janeiro, ano 1, n. 2, p. 382-393, 2o sem. 1993.
BALDISSARELLI, Adriana. Aborto, uma discussão indesejada. Diário Catarinense, 21/01/96, p. 34-38.
BARSTED, leila de Andrade Linhares. O movimento feminista e a descriminalização do aboto. Festudos Feministas., Rio de Janeiro, v. 2, n. 2, pp. 397-402, 2 sem. 1997.
BARROSO, Carmem Lúcia de Melo. O aborto Legal, Folha de São Paulo, 24/03/89.
BARROSO, Carmem Lúcia de Melo; CUNHA, Maria José carneiro. O que é o aborto? Frente de Mulheres Feministas, São Paulo: Cortez, 1980.
BARROSO, Carmen Lucia de Melo. Direitos reprodutivos: a realidade social e o debate político. Cadernos de Pesquisa. São Paulo, n. 62, p.52-59, ago. 1987.
BARROSO, Carmem. A saúde da mulher. São Paulo: Nobel/ Conselho Nacional da Condição Feminina, 1985.
BARROSO, Carmem. Esterilização feminina: liberdade e opressão. Revista de saúde pública, n.18, p.170-80, 1984.
BARSTED, Leila de Andrade Linhares Legalização e Descriminalização do Aborto no Brasil - 10 Anos de Luta Feminista. Estudos Feministas. Rio de Janeiro, p. 104-130, 2o sem. 1992.
BARSTED, Leila de Andrade Linhares. O movimento feminista e a descriminalização do aborto. Estudos Feministas. Rio de Janeiro, v. 2, n. 2, p.
397-402, 2o sem. 1997.
BENFAM. Pesquisa Nacional sobre saúde materno infantil e planejamento familiar, ABEP, 1986
BLAY, Eva Alterman. É o aborto um programa de governo? Folha de São Paulo. Caderno 1, 25/03/94, p. 3, col.1-3.
BLAY, Eva Alterman. Maternidade, Igreja e Estado. Folha de São Paulo. Caderno 1, 05/07/94, p. 3, col.1-3.
BLAY, Eva. Maternidade, Igreja e Estado. Folha de São Paulo. Caderno 1, 05/07/94, p. 3, col.1-3.
BOEHS, Astrid E. Aborto Provocado - Estudo Epidemiológico Descritivo numa Maternidade de Florianópolis, Santa Catarina. Ciência e Cultura. São Paulo, v. 35, n. 4, p. 501-506, abr. 1983.
CASTRO, Mary Garcia. Controle da Natalidade, Legalização do Aborto e Feminismo. Encontros com a Civilização Brasileira. Rio de Janeiro, n. 26, p. 223-231, 1980.
CENTRO Brasileiro de Estudos da Saúde. Aborto: Uma Questão em Debate. Encontros com a Civilização Brasileira. Rio de Janeiro, n. 26, p. 232-234, 1980.
CHAUÍ, Marilena. Mãe, mulher ou pessoa: discutindo o aborto. Lua Nova. São Paulo, v. 1, n. 1, p. 35-40, mai./jun. 1984.
CONSELHO Nacional dos Direitos da Mulher. Quando o paciente é mulher. Brasília: CNDM, 1989.
COST, Rosely G. A decisão de abortar: processo e sentimento envolvidos. Cadernos de Saúde Publica, Rio de Janeiro, v. 11, n. 1, p. 97-105, jan./mar. 1995.
GEBARA, Ivone. O aborto á luz do caleidoscópio social. O Estado de São P. Caderno A, 12/11/93, p. 2, col.3-6.
GLOBO Repórter, Aborto. Rio de Janeiro: Central Globo de Jornalismo, 1995. vídeo-cassete (45min),
MELO, Hildete Pereira de. Seqüelas do aborto, custos e implicações sociais. Rio de Janeiro: Fundação Carlos Chagas/INAMPS, 1982.
MULHERIO. Congresso discutirá o aborto, Mulherio, São Paulo, maio/junho 1983.
MULHERIO, Cresce a Campanha pela legalização do Aborto, Mulherio, São Paulo, julho/agosto, 1982
MURARO, Rose Marie. Uma historia das idéias sobre o aborto. Folha de S. P. Caderno 1, 23/11/93, p.3, col.1-3.
NOVAES, Simone; SALEM, Tania. Recontextualizando o Embrião. Estudos Feministas. Rio de Janeiro, v. 3, n. 1, p. 65-89, 1o sem. 1995.
OLIVEIRA, Fátima. Entre o pecado e o crime. Folha de S. Paulo. Caderno 1, 11/12/95, p. 3, col.1-3.
PARREIRA, Palova Armires. Aborto: uma visão ético-jurídica. Cadernos de Bioética, Belo Horizonte, n. 2, dez. 1993.
PIMENTEL, Silvia. Lacuna da lei ou do direito? Folha de S. Paulo. Caderno 1, 22/06/94, p. 3, col.1-3.
PRADO, Danda. O que é aborto. 4. ed., São Paulo: Brasiliense, 1991. (Primeiros passos ; 126)
REIS, Dagma Paulino dos. Aborto: A polêmica interrupção voluntária ou necessária da gravidez: uma questão criminal ou saque de saúde pública? Revista dos Tribunais, São Paulo v. 83, n. 709, p. 7-284, nov. 1994.
RIBEIRO, Lúcia. A experiência do aborto entre as mulheres católicas. Cadernos do CEAS. Salvador, n. 153, p. 70-76, Set./out. 1994.
ROCHA, Maria Isabel Baltar da. A questão do Aborto no Brasil: o debate no congresso. Estudos Feministas, Rio de Janeiro, ano 4, n.2, p. 318, 2o sem, 1996.
ROSADO, Maria Jose. Ex-religiosa defende direito ao aborto entrevista concedida a Roldão Arruda. O Estado de S. Paulo. Caderno A, 29/08/94, p.13
SCAVONE, Lucila (org. ) Tecnologias reprodutivas: gênero e ciência . São Paulo: Ed. da UNESP, 1996.
SILVA, Rebeca de S. Cegonhas Indesejadas: Aborto Provocado. Estudos Feministas. Rio de Janeiro, v. 1, n. 1, p. 123-134, 1o sem. 1993.
SOS - CORPO. Viagem ao mundo da contracepção: um guia sobre os métodos anticoncepcionais. Rio de Janeiro: Rosa dos Ventos, 1991. (Arte de ser mulher)
VERARDO, Maria Tereza. Aborto: um direito ou um crime? São Paulo: Moderna, 1995. (Polêmica: 12)

Sexualidade

BARROSO, Carmem Lucia de Melo. Diferenças Sexuais. Cadernos de Pesquisa. São Paulo, n.21, jun.1977.
HEIMAN, Júlia; LOPICCOLO; Leslie; LOPICCOLO. Joseph. Descobrindo o prazer: uma proposta de crescimento sexual para a mulher. 3. ed., São Paulo: Summus, 1981. (Novas buscas em sexualidade; v.2)
KOLLONTAI, Alexandra. A nova mulher e a moral sexual. 3. ed. SP: Global, 1978. (Coleção bases, Teoria ; 6)
LOURO, Guacira Lopes. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista.. Petrópolis: Vozes, 1997.
MURARO, Rose Marie. Libertação sexual da mulher. Petrópolis: Vozes, 1971.
MURARO, Rose Marie. Por uma erótica cristã: primeiras indagações. Petrópolis: Vozes, 1985.
MURARO, Rose Marie. Sexualidade da mulher brasileira: corpo e classe social no Brasil. Petrópolis: Vozes, 1983.
QUINTAS, Fátima. Sexo e marginalidade: um estudo sobre a sexualidade feminina em camadas de baixa renda. Petrópolis: Vozes, 1986.
STUDART, Heloneida. Mulher, a quem pertence teu corpo? Uma reflexão sobre a sexualidade feminina. Petropolis: Vozes, 1990.
STUDART, Heloneida. Mulher, objeto de cama e mesa. Petrópolis: Vozes, 1995.
SUPLICY, Marta. A condição da mulher: amor-paixão-sexualidade: artigos. São Paulo: Brasiliense, 1984.
SUPLICY, Marta. Conversando sobre sexo. São Paulo: Vozes, 1983.

Família

ALMEIDA, Maria Isabel Mendes. Maternidade: um destino Inevtável? Rio de Janeiro: Zahar, 1975.
ALMEIDA, Maria Suely Kofes de. Colcha de retalhos: estudos sobre a família no Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1982.
ARANTES, Antonio Augusto. Colcha de Retalhos: estudos sobre a família no Brasil. 2. ed., Campinas: UNICAMP, 1993. (Coleção momento).
ARDAILLON, Danielle. Mulher: Indivíduo de Família. Novos Estudos Cebrap. São Paulo, v.2, n.4, abr. p.2-10.
ARDAILLON, Danielle. O salário da Liberdade: profissão e maternidade, negociações para uma igualdade na diferença. São Paulo: Annablume, 1997.
BADINTER, Elisabeth. Um é o outro: relações entre homens e mulheres. Rio de Janeiro: Nova Fronteira,1980
BLAY, Eva Alterman. Mulher, escola e profissão. São Paulo: Faculdade de Filosofia Ciência e Letras/USP, 1969, (tese de mestrado)
BRAGA, Onilza. Rainha do lar? Uma ova!. Rio de Janeiro: Rosa dos tempos, 1991
BREHMER, Eleonice Kopsch. Contribuição do serviço social à humanização das relações familiares e de gênero: experiência da Delegacia de Proteção à Mulher e ao Menor, Blumenau - SC 1995.(monografia).
BRUSCHINI, Cristina. Mulher e trabalho: políticas de recursos humanos em empresas de ponta. Cadernos de pesquisa. São Paulo, n. 95, p. 13-24, 1995.
CORREA, Mariza. Morte em família: representações jurídicas de papéis sexuais. Rio de Janeiro: Graal, 1983.(Biblioteca de filosofia e historia das ciências; v.12).
CORREA, Mariza. Morte em família: representações jurídicas de papéis sexuais. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1983.(Biblioteca de filosofia e historia das ciências; v.12).
GOLDENBERG, Paulete. MULHER, família e reprodução em uma amostra de baixa renda do município de São Paulo, 1978-1979. Cadernos de Pesquisa. São Paulo, n. 44, p. 18-30, fev., 1983.
HEILBORN, Maria Luiza. Compromisso de modernidade: casal, vanguarda e individualismo. Rio de janeiro: PPGAS/Museu Nacional/UFRJ, 1980. (mimeo.)
HEILBORN, Maria Luiza. Notas para um estudo sobre casais: a fidelidade em questão. Rio de Janeiro: PPGAS/Museu Nacional/UFRJ, 1981. (mimeo.)
HIRATA, Helena. Trabalho, família e relações homem/mulher: reflexões a partir do caso japonês. Revista Brasileira de Ciências Sociais. São Paulo, v. 1, n. 2, p. 5-12, out. 1986.
LACERDA, Rosita Martins de. Direitos da mulher casada: interpretados pelos tribunais. RJ: Ed. Rio, 1977.
MACHADO NETO, Zahide. Mulher, Vida e Trabalho - Um Estudo de Caso com Mulheres Faveladas. Ciência e Cultura. São Paulo, v. 31, n. 3, p. 280-289, mar. 1979
MORAES, Maria Lygia Quartim de. Família e feminismo. Cadernos de Pesquisa. SP, n.37, p.44-51, maio 1981.
MORAES, Maria Lygia Quartim de. Família e feminismo: o encontro homem/mulher como perspectiva. Perspectivas. São Paulo, v. 8, p.143-52, 1985.
MORAES, Maria Lygia Quartium de. Família e feminismo: o encontro homem/mulher como perspectiva. Perspectivas. São Paulo, v. 8, p. 143-52, 1985.
MORAES, Maria. A questão feminina. Estudos do Cebrap, n.16, 1976.
OLIVEIRA, Lucia Elena G. de. Repensando o Lugar da Mulher Negra. Estudos Afro-Asiáticos. Rio de Janeiro, n. 13, p. 87-99, 1987.
PIMENTEL, Silvia; GIORGI, Beatriz Di; PIOVESAN, Flavia A figura/personagem mulher em processos de família. Porto Alegre: S. A. Fabris, 1993. (Perspectivas jurídicas da mulher)
QUINTANEIRO, Tania. Retratos de mulher: o cotidiano feminino no Brasil sob o olhar de viageiros do século XIX. Petrópolis: Vozes,1996.
BRUSCHINI, Cristina; RIDENTI, Sandra. Família, casa e trabalho. Cadernos de Pesquisa. São Paulo, n. 88, p. 30 36, 1994.
SALEM, Tânia. Família em Camadas Médias: uma Perspectiva Antropológica. Boletim Informativo e Bibliográfico de Ciências Sociais, n.21, 1986.
SALEM, Tânia. Mulheres faveladas: com a venda nos olhos. Perspectivas Antropológicas da Mulher, 1, Rio de janeiro: Zahar, 1981.
SALEM, Tânia. O casal igualitário: princípios e impasses. Revista Brasileira de Ciências Sociais, n.9, v.3, p. 24 - 37, fev. de 1989.
SALEM, Tânia. O velho e o Novo: um Estudo de papéis e Conflitos familiares. Petrópolis: Vozes, 1980.
SCOTT, R. Parry. O homem na matrifocalidade: Gênero, percepção e experiências do domínio doméstico. Cadernos de Pesquisa. São Paulo, n. 73 p. 38, maio 1990.
SPITZKOVSKY, Jaime. Conferencia da mulher começa a discutir termos do documento final. Folha de São Paulo. Caderno 2, 08/09/95, p.6, col.1-6
VAISMAN, Jeni. Casal sim, mas cada um na sua casa. Jornal do Brasil, Caderno Especial. Rio Janeiro, 14/7/85.
VAISMAN, Jeni. Flexíveis e Plurais: identidade, casamento e família em circunstâncias pós-modernas. Rio de Janeiro: Rocco, 1994.
VAITSMAN, Jeni. Indivíduo, casamento e família em circunstancias pós-modernas. Dados, Rio de Janeiro, v. 38, n. 2, 1995.
WOORTMANN, Klaas. A Comida, a Família e a Construção do Gênero Feminino Dados. Rio de Janeiro, v. 29, n. 1 1986.

Violência contra a Mulher

AFONSO, Maria Lúcia; MOREIRA, Maria Ignez C. Queixas de Mulher: denúncias e silêncio, Belo Horizonte, 1987 (mimeo.)
ALBANO, Celina; MONTERO, Paula. Anatomia da violência. In: Madel Therezinha (org.), Lugar da Mulher. Rio de Janeiro: Graal, 1982.
ALMEIDA, Dalva Rodrigues Bezerra de. A mulher e a violência. Justitia. São Paulo v. 56, n. 168, p. 9-13, out./dez. 1994 .
AZEVEDO, Maria Amélia. Mulheres espancadas: a violência denunciada. São Paulo: Cortez, 1985.
BARSTED, Leila Linhares; OLIVEIRA, Rosiska Darcy de. A violência doméstica. Rio de Janeiro: Instituto de Ação Cultural: Marco Zero, 1984.
CAMARGO, Brigido Vizeu; DAGOSTIN, Carla Giovana; COUTINHO, Marisa. Violência denunciada contra a mulher: a visibilidade via delegacia da mulher em Florianópolis, Cadernos de Pesquisa. São Paulo, n. 78, p. 51-57, 1991.
CARDOSO, Nara Maria Batista. Mulher e maus tratos. In: Marlene Neves Strey (org.). Mulher: Estudos de Gênero. São Leopoldo: Ed. Unisinos, p .127 -137, 1997.
CARDOSO, Nara Maria Batista. Mulheres agredidas: reconstruindo histórias. Dissertação de mestrado em Psicologia Social e da Personalidade. Porto Alegre: PUC, 1996.
CASTRO, Mary Garcia. Violência contra a mulher: até quando? Cadernos do CEAS. Salvador, n. 150, p. 24-37, mar./abr. 1994.
CEPIA. Violência contra a mulher e cidadania. Cadernos do Cepia, Rio de Janeiro.
CHAUÍ, Marilena, Participando do debate sobre mulher e violência. In: Perspectivas antropológicas da mulher, 4. Rio de Janeiro: Zahar, 1985, p. 23-62
CONSELHO Nacional dos Direitos da Mulher. Violência contra mulheres e menores: em conflitos de terras. Brasilia: MIRAD: CNDM, 1987.
COSTA, Jurandir. Violência e psicanálise. Rio de Janeiro: Graal, 1984.
DUARTE, Nikao. CPI da mulher traça o mapa da opressão. Zero Hora, 25/11/92, p.48, col.1-5.
FEIGUIN, Dora; BORDINI, Eliana T. B. Reflexões sobre a violência contra a mulher. Revista da Fundação SEADE, v. 1. n. 1, São Paulo, 1987.
FEIGUIN, Dora; BORDINI, Eliana T. B., MEDRADO, Maria Aparecida; PATERNOSTRO, Maria Eduarda. Um retrato da violência contra a mulher - 2038 Boletins de Ocorrência, São Paulo: SEADE/CECF, 1987.
FERNANDES, Antônio Scarance. Estupro: Enfoque vitimológico Revista dos Tribunais, São Paulo v. 79, n. 653, p. 5-276, mar. 1990.
GLOBO Repórter. A violência contra as mulheres. Rio de Janeiro: Central Globo de Jornalismo, 1992. vídeo-cassete (25min): color, SP.
GREGORI, Maria Filomena. As desventuras do vitimismo. Estudos Feministas. Rio de Janeiro, v. 1, n. 1, p.143-149, 1o sem. 1993.
GREGORI, Maria Filomena. Cenas e queixas: um estudo sobre mulheres, relações violentas e a pratica feminista. Rio de Janeiro: Paz e Terra; São Paulo: ANPOCS, 1993.
GREGORI, Maria Filomena. Violência contra a mulher: a prática do SOS- Mulher (SP), Cenas e queixas. São Paulo: Dissertação de. Mestrado em Ciência Política/USP, mimeo., 1988..
GROSSI, Miriam Pillar. Novas e velhas violências contra a mulher no Brasil, Estudos Feministas, Rio de Janeiro, ano 2, no especial, p. 473-483, 2o sem. 1994.
INSTITUTIO BRASILEIRO de GEOGRAFIA e ESTATÍSTICA. Injustiça e vitimização. Relatório do Ministério da Economia, fazenda e Planejamento. Rio de janeiro, v.12, n.5, 1988.
ITTNER, Carmen Cristina. O cotidiano das mulheres violentadas e sua percepção sobre o corpo e sexualidade: uma experiência de serviço social junto a Delegacia de Mulheres de Blumenau, Blumenau, 1992.
ITTNER, Carmen Cristina. O cotidiano das mulheres violentadas e sua percepção sobre o corpo e sexualidade: uma experiência de serviço social junto a Delegacia de Mulheres de Blumenau. Blumenau, 1992. (monografia).
JORGE, Thereza. Mulher: na mira da violência. Isto É. São Paulo, v. 9, n. 450, p. 48-55, ago. 1985.
KRAYCHETE, Elsa Sousa. Discriminação e violência contra a mulher. Cadernos do CEAS. Salvador, n. 83, p. 71-77, jan./fev. 1983.
LANGDON, E. Jean. O dito e o não dito: reflexão sobre narrativas que famílias de classe média não contam. Estudos Feministas. Rio de Janeiro, v. 1, n. 1, p. 155-161, 2o sem. 1993.
LIBERATO JUNIOR, Guarim. Violência contra mulher cresce 25 por cento. Jornal de Santa Catarina. Caderno B, 07-08/12/97, p. 4, col.1-6.
MADEIRA, Felicia Reicher (org.). Quem mandou nascer mulher?: estudos sobre crianças e adolescentes pobres no Brasil. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos: UNICEF, 1997.
MOREIRA, Maria Ignez C. A violência contra a mulher na esfera conjugal produção e enfrentamento. Belo Horizonte, 1989, (mimeo).
OLIVEIRA, Eleonora Menicucci de Oliveira; VIANNA, Lucila Amaral Carneiro. Violência conjugal na gravidez. Estudos Feministas. Rio de Janeiro, n. 1, p. 162, 1o semestre de 1993.
OLIVEIRA, Rosiska Darcy de; BARSTED, Leila Linhares; PAIVA, Miguel Paiva. A violência doméstica. Rio de Janeiro: Instituto de Ação Cultural: Marco Zero, 1984.(Os direitos da mulher; 1)
PERSPECTIVAS Antropológicas da Mulher. Mulher e violência. Rio de Janeiro: Zahar, 1985. (4)
PIMENTEL, Sílvia; PIERRO. Maria Inês Valente. Proposta de lei contra a vilência familiar. Estudos Feministas. Rio de Janeiro, n. 1, 1o semestre de 1993. P.169-177.
PONTES, Heloísa. Do palco aso bastidores: O SOS- Mulher e as práticas feministas contemporâneas. Campinas, 1986. (Diss. Mestrado, IFCH/UNICAMP).
PRADO, Adélia. Solte os cachorros. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1978.
RUBINGER, Maria da Conceição. Violência contra mulher - Caso de policia? Ciência e Cultura. São Paulo, v. 38, n. 9, p. 30-4, set. 1986.
RUDNIK, Marli. Violência contra a mulher em Blumenau. A Noticia, 24/05/93, p. 8, col.1-5.
SAFFIOTI,Heleieth, Iara Bongiovani. Violência de Gênero no Brasil Atual. Estudos Feministas. Rio de Janeiro, número especial, p.443-461, 1994.
SAFFIOTI, Heleieth, Iara Bongiovani; CANÇADO, M. E. R., ALMEIDA, S. S. A rotinização da violência contra a mulher: o lugar da práxis na construção da subjetividade (mimeo). São Paulo, 1992.
SOS Mulher São Paulo. Histórico do SOS-Mulher. São Paulo. Mimeo.
STARLING, S. Violência contra Mulheres no Brasil. Comissão Parlamentar de Inquérito¸ Relatório, 1992.
ULHOA, Maria Inês. Por que são as mulheres as vítimas? Jornal da Universidade de Brasília, 15/10/95, p. 5-9.
UNICEF critica desrespeito a mulher. Diário Catarinense, 16/06/96, p. 34, col.1-6.
VAZ, Lúcio. Metade dos estupros são praticados pelos pais das vítimas, diz relatório. Folha de São Paulo. Cotidiano, 18/11/92, p. 4, col.4-6.

Mulher e trabalho

AGUIAR, Neuma (org.). Mulheres na força de trabalho na América Latina. Petrópolis: Vozes, 1984.
AGUIAR, Neuma. O Impacto da Industrialização no Trabalho da Mulher no Nordeste do Brasil. Revista de Ciências Sociais. Fortaleza, v. 7, n. 1, p. 49-73, 1976.
ARDAILLON, Danielle. O salário da liberdade: profissão e maternidade, negociações para uma igualdade na diferença. São Paulo: Annablume, 1997.
BLAY, Eva Alterman. Trabalho domesticado: a mulher na indústria paulista. São P.: Ática, 1978. (Ensaios ; 35)
BRUSCHINI, Cristina. Crescimento e Crise: Trabalhadoras Brasileiras, Paulistas e Nordestinas, de 1970 a 1985. Ciência e Cultura. São Paulo, v. 42, n. 3 4, mar./abr. p. 226-247, 1990.
BRUSCHINI, Cristina. Mulher e trabalho: políticas de recursos humanos em empresas de ponta. Cadernos de Pesquisa. São Paulo, n. 95, p. 13-24, 1995.
BRUSCHINI, Cristina. Trabalho da mulher: igualdade ou proteção? Cadernos de Pesquisa. São Paulo, n. 61, p. 58-67, maio 1987.
BRUSCHINI, Cristina. Trabalho Feminino: Trajetória de um Tema, Perspectivas para o Futuro. Estudos Feministas. Rio de Janeiro, v. 2, n. 3, p. 17-32, 1° sem. 1994.
BRUSCHINI, Cristina; ROSEMBERG, Fulvia (org.). Trabalhadoras do Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1982.
CÂMARA dos deputados. A mulher no mundo do trabalho: em busca da igualdade. Comissão de Trabalho, de Administração e Serviço Público. Brasília: Câmara dos Deputados, 1996.
CARDOSO, Irede A. Mulher e trabalho: discriminações e barreiras no mercado de trabalho. São P.: Cortez, 1980.
CASTRO, Mary Garcia. A Questão da Mulher na Reprodução da Força de Trabalho. Encontros com a Civilização Brasileira. Rio de Janeiro, n. 26, p. 157-171, 1980.
CASTRO, Mary Garcia. Mulher e crise no Brasil: a mulher no mercado de trabalho urbano dos anos 80. Cadernos do CEAS. Salvador, n. 129, p. 64-79, set./out. 1990.
DURAO, Vera Saavedra. Mulher ainda sofre discriminação no mercado formal de trabalho. Gazeta Mercantil, 19/05/94, p.9, col.3-6.
FONSECA, Claudia. A Dupla Carreira da Mulher Prostituta. Estudos Feministas. Rio de Janeiro, v. 4, n. 1, 1. sem., p. 7-33, 1996.
FONSECA, Claudia. Trabalhadoras sem Terra: um Estudo de Caso do Trabalho Feminino no Campo. Revista do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da UFRGS. Porto Alegre, n. 7/8, 1979/80.
FONTES, Angela. A Mulher e a CLT. Encontros com a Civilização Brasileira. Rio de J., n. 26, p. 143-155, 1980.
GITAHY, L; HIRATA, Helena; LOBO, Elizabeth Souza; MOYSES, R. Operárias: sindicalização e reivindicações (1970-1980). Revista Cultura e Política, São Paulo: Cortez, 1982.
GONÇALVES. Nair L. A Mulher no Direito do Trabalho. Ciência e Cultura. SP, v. 33, n. 1, jan., p. 21-33, 1981.
HAHNER, June. Educação e Ideologia: Profissionais Liberais na América Latina do Século XIX. Estudos Feministas. Rio de Janeiro, v. 2, n. 3, p. 2-64 ,1° sem. 1994.
HECKERT, Sônia Maria Rocha. Identidade e mulher no serviço social. Serviço social & sociedade. São Paulo, v. 12, n.36, ago. 1991.
HIRATA, Helena e KERGOAT, Daniele. A Classe Operaria Tem Dois Sexos. Estudos Feministas. Rio de Janeiro, v. 2, n. 3, p. 93-100, 1° sem. 1994.
HIRATA, Helena. Trabalho, família e relações homem/mulher: reflexões a partir do caso japonês. Revista Brasileira de Ciências Sociais. São Paulo, v.1, n. 2, p. 5-12, out. 1986.
LAVINAS, Lena. (org.). Mulher Rural: identidades na pesquisas e na luta política. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro, 1987.
LAVINAS, Lena. Emprego feminino: o que há de novo e o que se repete. Dados, RJaneiro, v. 40, n. 1, 1997.
LOBO, Elisabeth Souza. A classe operária tem dois sexos: trabalho, dominação e resistência. São Paulo: Brasiliense, 1991.
LOBO, Elisabeth Souza. O Trabalho como Linguagem: O Gênero no Trabalho. BIB. Rio de Janeiro, n. 31, p. 7-16, 1o sem. 1991.
LOVELL, P. Estrutura de emprego e trabalho feminino no Brasil. Cadernos Cebrap, São Paulo: Cebrap/ Brasiliense, n.13, 1992.
MACHADO NETO, Zahidé. Mulher, Vida e Trabalho Um Estudo de Caso com Mulheres Faveladas. Ciência e Cultura. São Paulo, v. 31, n. 3, p. 280-289, mar.1979.
MEDEIROS, Maria Celeste Miranda. A mulher comerciaria: um estudo sobre a forca de trabalho feminina no comércio de Belém. Cadernos do CEAS. Salvador, n. 125, p. 51 61, jan/fev. 1990.
MINISTÉRIO do Trabalho. Formação profissional da mulher. Secretaria de Mão de Obra. Brasília: Ministério do Trabalho, 1979. (Coleção I. Formação de mão de obra)
MIRANDA, Glaura Vasques de. A educação da mulher brasileira e sua participação nas atividades econômicas, em 1970. Cadernos de Pesquisa. São Paulo, 15:21-36, dez. 1975.
MOTTA, Alda. MACHADO NETO, Zahidé. Tempo de trabalho: tempo de mulher. Cadernos do CEAS. Salvador, n. 92, p. 35-43, jul./ago. 1984.
QUADROS, Márcia. A dura jornada de trabalho da mulher. Diário Catarinense, 12/11/89, p.6-7.
RICCI, Teresinha D'Aquino. A rosa não é a rosa: reflexões sobre a globalidade e multiplicidade da vivência da mulher e a inadequação dos conceitos bipolares. Cadernos de Pesquisa. São Paulo, n. 54, p.73-84, ago. 1985.
SAFFIOTI, Heleieth. A mulher na sociedade de classes: Mito e Realidade. São Paulo: Editora Quatro Artes, 1969.
SAFFIOTI, Heleieth Iara Bongiovani. Emprego doméstico e capitalismo. Petrópolis: Vozes, 1978. (Sociologia brasileira ; v.9).
SAFFIOTI, Heleieth Iara Bongiovani. Mulher brasileira: opressão e exploração. Rio de Janeiro: Achiame, 1984.
SAFFIOTI, Heleieth Iara Bongiovani. Força de trabalho feminina no Brasil: no interior das cifras. Perspectivas. São Paulo, v. 8, p. 95-141, 1985.
SARTI, Cynthia. Trabalho feminino: de olho na literatura.. Literatura Econômica. v. 7, n. 1, p. 93-116,1985.
SILVA, Denise F. da. Raça, Gênero e Mercado de Trabalho. Estudos Afro-Asiaticos. Rio de Janeiro, n. 23, p. 97-111, dez.1992.
TREMEA, Rosane. Os riscos do trabalho feito nas sombras. Zero Hora, 07/05/92, p. 55, col.1-5.
TRINDADE, Washington Luiz da. O trabalho como discriminação da mulher. Synthesis: Direito do trabalho material e concessual. São Paulo n. 6, n. 6, p. 118-120, jan./jun. 1988.
TUDOS, Talitha do Carmo. Trabalho da mulher. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional. São Paulo, v. 13, n. 50, p. 63-7, abr./jun. 1985.

Mulher e Educação/magistério

ARRAZOLA, Laura Suzana Duque. Linguagem e educação não sexista. In: Educação na ótica de gênero. Revista Contexto & Educação. Ijuí:UNIJUÍ, n.30, abril/junho. 1993.
MIRANDA, Glaura Vasques de. A educação da mulher brasileira e sua participação nas atividades econômicas, em 1970. Cadernos de Pesquisa. São Paulo, 15:21-36, dez. 1975.
SARTI, Cynthia. Trabalho feminino: de olho na literatura.. Literatura Econômica. v. 7, n. 1, p. 93-116,1985.
BELISÁRIO, Mônica de Almeirda. Estar no feminino... Mal estar? Revista educação e Realidade. Porto Alegre: IE/UFRGS, vol.15, n. 2, julho/dez., 1990.
BARROSO, Carmem Lucia de Melo. O acesso das mulheres ao ensino superior brasileiro. Cadernos de Pesquisa. São Paulo, n.15, dez.1975.
BELOTTI, Elena. Educar para a submissão: o descondiconamento da mulher. Petrópolis: Vozes, 1975.
BLAY, Eva Alterman. A mulher nos primeiros tempos da Universidade de São Paulo. Ciência e Cultura. São Paulo, v. 36, n. 12, p. 35-43, dez. 1984.
BLAY, Eva Alterman. Carreiras universitárias e Gênero. São Paulo: Núcleo de Estudos da Mulher e Relações de Gênero: USP, 1990.
BLAY, Eva Alterman; CONCEIÇÃO, Rosana R. da. A mulher como tema nas disciplinas da USP. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 76, p. 50-56, fevereiro 1991.
BLAY, Eva Alterman; UEHARA, M. Teses de mestrado, doutorado e livre-doscência sobre a mulher, defendidas na USP entre 1958 e 1989. São Paulo: Núcleo de Estudos da Mulher e Relações de Gênero/USP, 1990.
BRUSCHINI, Cristina; AMADO, Tina. Estudos sobre mulher e educação: algumas questões sobre o magistério. Cadernos de Pesquisa: Revista de Estudos e Pesquisas em Educação. São Paulo, n. 64, p. 4-13, 1988.
ROSENBERG, Fulvia; PINTO, Regina P.; NEGRÃO, Esmeralda V.. A educação da mulher no Brasil. Negrão; São Paulo: Global, 1982.

Estudos da mulher

ALAMBERT, Zuleika. A situação e organização da mulher. São Paulo: Global Ed : Centro da Mulher rasileira, 1980. (Cadernos / Centro da Mulher Brasileira ; 1)
ANAIS. Fazendo Gênero. Seminário de Estudos sobre a Mulher Universidade Federal de Santa Catarina. Ponta Grossa: Centro de Publicações da Universidade Estadual de Ponta Grossa, 1996.
ANYON, Jean. Intersecções de gênero e classe: acomodação e resistência de mulheres e meninas às ideologias de papéis sexuais. Cadernos de Pesquisa. São Paulo, n. 73, p. 13-25; maio 1990.
ARDAILLON, Danielle; RIDENTIA, Sandra. A criação de um Tesauro p/ estudos de Gênero. n. 97, p.73-78, maio 1996.
AZEVEDO, S. A mulher cientista no Brasil: dados atuais sobre sua presença e contribuição. Ciência e Cultura, São Paulo, SBPC, v. 41, n. 3, p. 275-83, março 1989.
BARROSO, Carmem Lucia de Melo. O acesso das mulheres ao ensino superior brasileiro. Cadernos de Pesquisa. São Paulo, n.15, dez.1975.
BELOTTI, Elena. Educar para a submissão: o descondiconamento da mulher. Petrópolis: Vozes, 1975.
BLAY, Eva Alterman. A mulher nos primeiros tempos da Universidade de São Paulo. Ciência e Cultura. São Paulo, v. 36, n. 12, p. 35-43, dez. 1984.
BLAY, Eva Alterman. Carreiras universitárias e Gênero. São Paulo: Núcleo de Estudos da Mulher e Relações de Gênero: USP, 1990.
BLAY, Eva Alterman; CONCEIÇÃO, Rosana R. da. A mulher como tema nas disciplinas da USP. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 76, p. 50-56, fevereiro 1991.
BLAY, Eva Alterman; UEHARA, M. Teses de mestrado, doutorado e livre-doscência sobre a mulher, defendidas na USP entre 1958 e 1989. São Paulo: Núcleo de Estudos da Mulher e Relações de Gênero/USP, 1990.
BRUSCHINI, Cristina; AMADO, Tina. Estudos sobre mulher e educação: algumas questões sobre o magistério. Cadernos de Pesquisa: Revista de Estudos e Pesquisas em Educação. São Paulo, n. 64, p. 4-13, 1988.
BURKE, Maria Lucia G. Ousadia Feminina e Ordem Burguesa. Estudos Feministas. Rio de Janeiro, v. 1, n. 2, p. 247-276. 1993.
CAMPOS, M. M. A mulher objeto... de estudo. Almanaque, n. 10, p. 57-60, 1979.
COSTA, Albertina de Oliveira. Os estudos da mulher no Brasil; ou a estratégia da corda bamba. Estudos Feministas. Rio de Janeiro, ano 2, número especial, p. 401-407, 2o sem, 1994.
COSTA, Albertina de Oliveira; BARROSO, Carmen; SARTI, Cynthia. Pesquisa sobre mulher no Brasil do limbo ao gueto? Cadernos de Pesquisa. São Paulo, n. 54, p. 5-15, ago. 1985.
COSTA, Albertina de Oliveira; BRUSCHINI, Cristina. Uma contribuição ímpar: os cadernos de pesquisa e a consolidação dos estudos de gênero. Cadernos de Pesquisa. São Paulo, n. 80, p. 91-99, 1992.
COSTA, Albertina Oliveira; BLAY, Eva (org.). Gênero e universidade. (1 Encontro nacional de Núcleos universitários de estudos sobre relações sociais de g6enero). São Paulo: NEMGE/USP,
COSTA, Ana Alice Alcântara; SARDENBERG, Cecília Maria Bacellar. Teoria e práxis feministas na academia: os núcleos de estudos sobre a mulher nas universidades brasileiras. Estudos Feministas Rio de Janeiro, ano 2, número especial, p. 387-400, 2o sem, 1994.
FRANCHETTO, Bruna. Antropologia e feminismo, Rio de Janeiro: Zahar, 1980 (Coleção: Perspectivas Antropológicas da Mulher; 1)
FUNDAÇÃO Carlos Chagas, Mulher Brasileira: Bibliografia Anotada, v. 2, São Paulo: Brasiliense, 1918.
HAHNER, June. Educação e Ideologia: Profissionais Liberais na América Latina do Século XIX. Estudos Feministas. Rio de Janeiro, v. 2, n. 3, p. 52-64, 1° sem. 1994.
HOLLANDA, Heloísa Buarque de. O território ambíguo da historiografia. Estudos Feministas. Rio de Janeiro, número especial, p. 123-129, 2o sem. 1995.
LEITE, Miriam L. M. Fontes Históricas e Estilo Acadêmico. Estudos Feministas. Rio de Janeiro, v. 1, n. 1, p. 83-95, 1o sem. 1993.
LUZ, Madel T. O lugar da mulher: estudos sobre a condição feminina na sociedade atual. (org.). Rio de Janeiro: Graal, 1982. (Coleção tendências ; 1)
MARTINS, Sérgio Pinto. Práticas discriminatórias contra a mulher e outros estudos. São Paulo, 1996.
MURARO, Rose Marie. A automação e o futuro do homem. Petrópolis: Vozes, 1966.
MURARO, Rose Marie. Os seis meses em que fui homem. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 1991.
PRIORI, Mary del. A mulher na história do Brasil. São Paulo: Contexto, 1988. (Repensando a historia)
QUINTANEIRO, Tânia. Retratos de mulher: o cotidiano feminino no Brasil sob o olhar de viageiros do século XIX. Petrópolis: Vozes, 1996.
ROSALDO, Michelle Zimbalist; LAMPHERE, Louise (coord.). A Mulher, a Cultura, a Sociedade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979.
ROSENBERG, Fulvia; PINTO, Regina P.; NEGRÃO, Esmeralda V. A educação da mulher no Brasil. Negrão; São Paulo: Global, 1982.
RUBIM, Lindinalva Silva Oliveira Imprensa de mulheres no Brasil (1852-1982). Comunicação e Política. Rio de Janeiro, v. 2, n. 2, p. 189-205, mar./jun. 1984.
SANTOS. Adelina Pinheiro; TOSI. Lucía. Resgatando métis. O que foi feito desse saber? Estudos Feministas, Rio de Janeiro, ano 4, n.2, p. 355-380, 2o sem, 1996.
SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação e Realidade. Porto Alegre, v.16, n. 2, p.5-22, jul./dez. 1990.
SOIHET, Raquel. Violência Simbólica: saberes masculinos e representações femininas. Estudos Feministas, Rio de Janeiro, ano 5, n. 1, p. 7-29, 1o sem, 1997.
STREY, Marlene Neves. Mulher, estudo de gênero. (org.). São Leopoldo: Ed. da UNISINOS, 1997. SUPLICY, Marta. De Mariazinha a Maria. Petrópolis: Vozes,1985.

Feminismo e Mulheres Negras

BAIRROS, L. Mulher negra: reforço da subordinação. In: Desigualdade racial no Brasil contemporâneo. Belo Horizonte: UFMG/Cedeplar, 1991.
CARNEIRO, S.; SANTOS, Tânia. Mulher negra. São Paulo: Nobel/ Conselho Estadual da Condição Feminina, 1985.
ESTUDOS Feministas. Lelia Fala de Lelia. Estudos Feministas. Rio de Janeiro, v. 2, n. 2, p. 379-387, 2. sem. 1994.
GIACOMINI, Sonia Maria. Ser Escrava no Brasil. Estudos Afro-Asiáticos. Rio de Janeiro, n. 15, p. 145-170, jun. 1988.
OLIVEIRA, Lúcia Elena G. de; ARAUJO, Thereza Cristina Nascimento; PORCARO, Rosa Maria. Repensando o Lugar da Mulher Negra. Estudos Afro-Asiáticos. Rio de Janeiro, n. 13, p. 87-99, mar. 1987.
PIZA, Edith. Da Cor do Pecado. Estudos Feministas. Rio de Janeiro, v. 3, n. 1, p. 52-64, 1o sem. 1995.
RIBEIRO, M. A rebeldia Necessária. Boletim do SOF. São Paulo: Sempre Viva Organização Feminista, 1991.
SILVA, Benedita da. Raça e Política (Entrevista de Benedita da Silva a Miriam Dolhnikoff, Fernanda Peixoto e Omar Ribeiro Thomaz). Novos Estudos Cebrap. São Paulo, v. 43, p. 8-25. nov. 1995.
SILVA, Denise F. da; LIMA, Márcia. Raça, Gênero e Mercado de Trabalho. Estudos Afro-Asiáticos. Rio de Janeiro, n. 23, p. 97-111, dez. 1992.
VIEIRA, Celma Rosa. Negra: Mulher e Doméstica - Considerações sobre as Relações Sociais no Emprego Doméstico. Estudos Afro-Asiáticos. Rio de Janeiro, n. 14, p. 141-158 , 1987.

Biografias e Literatura

CIVITA, Laura Taves (org.). O melhor de Carmem da Silva. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 1994.
COSTA, Albertina de Oliveira; MORAES, Maria Tereza; MAZOLA, Norma; LIMA. Valentina da Rocha. Memórias das mulheres do exílio. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1980.
LEITE, Miriam Moreira. A Longa Espera. Estudos Feministas. Rio de Janeiro, v. 3, n. 1, p. 90-95, 1. sem. 1995.
MOTT, Maria Lucia de B. Madame Durocher, Modista e Parteira. Estudos Feministas. Rio de Janeiro, v. 2, n. 3, p. 101-116, 1. sem. 1994.
MOURA, Maria Lacerda de; LEITE, Mirian Moreira. A outra face do feminismo. São Paulo: Ática, 1984.
PIZA, Edith. Da Cor do Pecado. Estudos Feministas. Rio de Janeiro, v. 3, n. 1, p. 52-64, 1. Sem. 1995.
SILVA, Maria A. Moraes. O nascimento de uma obra. Estudos Feministas, RJ, ano 3, n. 1, p. 159, 1o sem, 1995.
SILVANA, Garcia. Teatro da militância: a intenção popular no engajamento político. São Paulo: Perspectiva/ EDUSP, 1990.
SORJ, Bila. Dois olhares sobre Heleieth Saffioti. Estudos Feministas, RJ, ano 3, n. 1, p.156-158, 1o sem, 1995.
SOUTO-MAIOR, Valéria Andrade. A intuição feminista do Agirpop no teatro brasileiro em fins do século XIX. Estudos Feministas. Rio de Janeiro, v. 5, n. 2, p. 275-289, 2o sem. 1997.
TRAVESSIA: Revista de Literatura, n. 29/30, Gêneros ex/cêntricos. Florianópolis: Editora da UFSC, 1994.

Gênero

ARDILLON, Danielle; RIDENTIA, Sandra. A criação de um Tesauro p/ estudos de Gênero. n. 97, p.73-78, maio 1996.
BENHABIB, Seyla e CORNELL
BERNARDES, Nara Maria Guazzelli. Autonomia: submissão do sujeito e identidade de gênero. Cadernos de Pesquisa. São Paulo, n. 85, maio 1993.
BINGEMER, Maria Clara L.; BRANDÃO, Margarida Luiza Ribeiro (org.). Mulher e relações de Gênero. Coleção Seminários Especiais - Centro João XXIII (8), São Paulo: Loyola, 1994.
BRANDÃO, Margarida Luiza Ribeiro e BINGEMER, Maria Clara L. (org.) Mulher e relações de Gênero. Coleção Seminários Especiais - Centro João XXIII (8), São Paulo: Loyola, 1994.
BRUSCHINI, Cristina; SORJ, Bila (org.). Novos olhares: mulheres e relações de gênero no Brasil. São Paulo: Marco Zero: Fundação Carlos Chagas, 1994.
CASTRO, Mary; LAVINAS, Lena. Do feminismo ao gênero: a construção de um objeto. Rio de Janeiro: Rosa dos ventos: Fundação Carlos Chagas
FONSECA, Cláudia; BRITO, Maria Noemi(org.) Horizontes Antropológicos: Gênero. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, ano 1, n. 1, 1995.
GARCIA, Sandra Mara. Desfazendo os Vínculos Naturais entre Gênero e Meio Ambiente.Estudos Feministas. Rio de Janeiro, p. 163-167. 2o sem. 92.
GROSSI, Miriam Pillar; PEDRO, Joana Maria. (org.). Masculino, feminino, plural: Gênero na interdisciplinaridade. Florianópolis: Ed. Mulheres, 1998.
HEILBORN, Maria Luiza. Gênero e Hierarquia - A Costela de Adão Revisitada. Estudos Feministas. Rio de Janeiro, v. 1, n. 1, p. 50-82, 1o sem. 1993.
LOBO, Elisabeth Souza. Experiências de mulheres. Destinos de gênero. Tempo Social. São Paulo, v. 1, n. 1, 1o sem. 1989.
LOURO, Guacira Lopes. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista.. Petrópolis: Vozes, 1997.PAOLI, Maria Célia. As Ciências Sociais, os Movimentos Sociais e a Questão do Gênero. Novos Estudos Cebrap. São Paulo, n. 31, p. 107-120, out. 1991.
MUZART, Zahidé Lupinacci (org.). Fazendo Gênero: Seminário de estudos sobre a mulher. Ponta Grossa: Centro de Publicações da Universidade Estadual de Ponta Grossa, 1996.
SILVA, Denise F. da. Raça, Gênero e Mercado de Trabalho. Estudos Afro-Asiáticos. Rio de Janeiro, n. 23, p. 97-111, dez. 1992.

Teoria feminista

ALAMBERT, Zuleika. Feminismo; o ponto de vista marxista, Rio de Janeiro: Nobel, 1986.
ALAMBERT, Zuleika. Os marxistas e a elaboração teórica sobre a mulher. Encontros com a Civilização Brasileria. Rio de Janeiro, n.26, pp.105-125, 1980.
ALVES, Branca Moreira. Ideologia e Feminismo. Petrópolis: Vozes, 1980.
ALVES, Branca Moreira; PITANGUY, Jaqueline. O que é feminismo. São Paulo: Abril Cultural: Brasiliense, 1985. (Coleção Primeiros Passos; 20)
ARRIOLA, Elvia R. Desigualdades de Gênero: Lesbicas, Gays e Teoria Legal Feminista. Estudos Feministas. Rio de Janeiro, v. 2, n. 2, p. 388-427, 2o sem. 1994.
ARRUDA, Angela. A diferença não é mais aquela. Estudos Feministas, RJ, ano 5, n.2, p.255-274, 2o sem, 1997.
AUGUSTA, Nísia Floresta Brasileira. Direito das mulheres, injustiça dos homens. São Paulo: Ed. Cortez, (Coleção Biblioteca da Educação, série 3, v.3)
AUGUSTA, Nísia Floresta Brasileira. Opúsculo Humanitário. São Paulo: Ed. Cortez, 4a ed., 1989. (Coleção Biblioteca da Educação, série 3, mulher e tempo, v.1)
AZAMBUJA, Sônia Curvo. Feminismo e feminilidade: fonte de conflito. Almanaque, São Paulo, n.10, 1979.
BAIRROS, Luiza. Nossos feminismos revisitados. Estudos Feministas, RJ, ano 3, n.2, p. 458-463, 2o sem, 1995.
BARROSO, Carmem Lucia de Melo. Diferenças sexuais. Cadernos de Pesquisa. São Paulo, n. 21, jun.1977.
BEAUVOIR, Simone de. O segundo Sexo. 3a ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1980.
BENHABIB, Seyla; CORNELL, Drucilla. (org.) Feminismo como crítica da modernidade. Rio de Janeiro : Rosa dos Tempos, 1991.
BORBA, a. Movimento feminista, autonomia e Organizações não-governamentais. Fempress, n.141, jun. 1993.
BRUSCHINI, Cristina. Em defesa de nossas conquistas. O Estado de São Paulo. São Paulo, Caderno A, 12/11/96, p. 2, col.3-6.
BURKE, Peter. (org.) A escrita da História: novas perspectivas. São Paulo: UNESP, 1992. (Biblioteca Básica).
BUSSOLA, Carlo. O feminismo: historia de uma ideologia moderna UFES: Revista de Cultura. Vitoria, v. 10, n. 34, 47-63, 1985.
CANNEY, Mary Mc. O pensamento feminista e a estrutura do conhecimento. Rosa dos Tempos.
CARDOSO, Irede. Unanimidade feminista. Folha de São Paulo, p. 54, 20/12/81.
CARDOSO, Ruth Correia Leite. Feminismo no Brasil é original. O Estado de São Paulo: São Paulo. Caderno A, 10/09/95, p. 23. (entrevista).
CARDOSO, Ruth Correia Leite. Ruth Cardoso prevê mudança no feminismo. Folha de São Paulo. São Paulo, Caderno 1, 03/09/95, p. 24, col.1-6. (entrevista)
CASTRO, Mary; LAVINAS, Lena. Do feminismo ao gênero: a construção de um objeto. Rio de Janeiro: Rosa dos ventos: Fundação Carlos Chagas
CENTRO Feminista de Estudos e Assessoria. Guia dos direitos da mulher. 2. ed., RJ: Rosa dos Tempos, 1996.
COSTA, Albertina de Oliveira. É viável o feminismo nos trópicos? Resíduos de insatisfação. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n.66, p.63-69, agosto 1988.
COSTA, Albertina de Oliveira; BARROSO, Carmem; SARTI, Cynthia. Pesquisa sobre mulher no Brasil: do limbo ao gueto. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n.54, p.5-15, agosto 1985.
D'EUBONNE, Françoise. As mulheres antes do patriarcado. Lisboa: Editora Vega, 1977.
DELPHI, Christine. Feminismo e recomposição da esquerda. Estudos Feministas. Rio de Janeiro, ano 2, n.1, p.187-199, 1o sem.. 1994.
FRAISE, Geneviéve. Entre igualdade e liberdade. Estudos Feministas, RJ, ano 3, n. 1, p. 164-171, 1o sem, 1995.
FRANCHETO, Bruna. Antropologia e feminismo. RJ: Zahar, 1981. (Perspectivas antropológicas da mulher; 1)
FRIEDAN, Betty. A Segunda Etapa. Rio de janeiro: F. Alves, 1983.
FUNCK, Susana Bornéo. Feminismo e utopia. Estudos Feministas, RJ, ano 1, n. 1, p. 33-45, 1o sem, 1993.
FUNK, Susana. Mulher assume as diferenças. O Estado. São Paulo, Magazine, 07/06/92, p. 2, col.1-6.
GARCIA, Sandra Mara. Desfazendo os vínculos naturais entre Gênero e meio ambiente. Estudos Feministas, Rio de Janeiro, ano 0, n. 0, p. 163-168, 2o sem, 1992.
GENOVESE, Elizabeth Fox. Para além da irmandade. Estudos Feministas, Rio de Janeiro, ano 0, n. 0, p. 31-35, 2o sem, 1992.
GOLDENBERG, Anette. Feminismo em regime autoritário: A experiência do movimento de mulheres no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 1982, mimeo. (12o Congresso Internacional da IPSA).
GOLDENBERG, Anette. Feminismo no Brasil Contemporâneo: o percurso de um ideário político. Revista Brasileira de Informação Bibliográfica em ciências Sociais. Rio de Janeiro, n. 28, p. 42-70, 2o sem. 1989.
GOLDENBERG, Anette. Gênero, mulher, identidade de esquerda: O feminismo das brasileiras no Exílio. XI Encontro Anual da ANPOCS, Águas de São Pedro, 1987.
GOLDENBERG, Anette. Tudo começou antes de 1975: idéias inspiradas pelo estudo da gestaçào de um feminismo "bom para o brasil". Seminário relações de sexo X relações de Gênero, FFLCH/USP. Cadernos da USP, 1988.
GROSSI, Miriam Pillar e MIGUEL, Sonia Malheiros. Mapeamento dos grupos e organizações de mulheres, gênero, feministas dos anos 90 no Brasil. - Florianópolis: Ed. da UFSC, 1991.
HAHNER, June E. A mulher brasileira e suas lutas sociais e políticas. São Paulo: Brasiliense, 1981.
HAHNER, June E. A mulher no Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978.
HARDING, Sandra. A instabilidade das categorias analíticas na teoria feminista. Estudos Feministas, Rio de Janeiro, ano 1, n. 1, p. 7-29, 1o sem, 1993.
HOLANDA, Heloísa Buarque de (org.). Tendências e impasses: o feminismo como crítica da cultura. Rio de Janeiro: Rocco, 1994.
KOLLONTAI, Alexandra. Marxismo e Revolução sexual. São Paulo: Global Editora, 1975.
LEGAULT, Gisele. Intervenção feminista e serviço social. Serviço social & sociedade. São Paulo, v. 12, n. 37, p. 7-128, dez. 1991.
LEMOS, Dinah; MALUF, Sônia. Construindo o movimento Feminista. Em Tempo, n. 13 28 abr-13 maio 1981.
LIMA, Nadia Regina Loureiro de Barros. Movimentos de mulheres: um delineamento das tendências ideológicas. Cadernos do CEAS. Salvador, n. 121, p. 19-30, maio/jun. 1989.
LOBO, Elizabeth Souza. Mulheres, feminismo e novas práticas sociais. Revista de Ciências Sociais, 1, vol.1, Porto Alegre; Universidade federal do Rio Grande do sul, 1987.
LOURO, Guacira Lopes. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista.. Petrópolis: Vozes, 1997.
LOVIBOND, Sabina. Feminismo e pós-modernismo. Novos estudos Cebrap, SP, n.27, p.111-119, jul. 1990.
MINDLIN, Betty. Em busca do feminismo. Cadernos de Opinião. Rio de Janeiro, n. 1, p. 22-30, 1980.
MIGUEL, Sonia Malheiros. Um olhar para dentro: o movimento Feminista no Rio de Janeiro. Florianópolis, 1988.
MONTENEGRO, Ana. Ser ou não ser feminista. Cadernos Gaurarapes, n. 3, Recife: Editora Guararapes, 1981.
MONTORO, Tania Siqueira. Movimento social das mulheres. Serviço Social e Sociedade. São Paulo, v. 8, n. 24, ago. 1987.
MORENO, Rachel. De feminismos, de feministas, de mulheres. A condição feminina. São Paulo: Vértice: Revista dos tribunais, 1988.
MURARO, Rose Marie. A mulher na construção do mundo futuro. Petrópolis: Vozes, 1969.
MURARO, Rose Marie. A mulher no Terceiro Milênio. Uma história da mulher através dos tempos e suas perspectivas para o futuro. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 1992.
NASCENTES, Maria José. Uma proposta para o movimento feminista: subverter os conceitos e as idéias vigentes. Encontros da civilização Brasileira. Mulher Hoje, Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1980.
NUNES, Maria José F. R. De Mulheres e de Deuses. Estudos Feministas. RJ, ano 0, n. 0, p. 5-30, 2o sem. 1992.
NYE, Andrea. Teoria feminista e as filosofias do Homem. Rio de Janeiro: Rosa dos tempos, 1995.
OLIVEIRA, Fátima. Por uma Bioetica Nao-Sexista, Anti-Racista e Libertária. Estudos Feministas. Rio de Janeiro, v. 3, n. 2, p. 331-348, 2o sem, 1995.
OLIVEIRA, Rosiska Darcy de. As Pedras no Bolso do Feminismo. Novos Estudos Cebrap. São Paulo, v. 2, n. 3, p. 35-38, nov. 1983.
OLIVEIRA, Rosiska Darcy de. Encontro indica inicio de ruptura, diz Rosiska: em entrevista concedida a Paulo Sotero. O Estado de S. Paulo. Caderno A, 17/09/95, p. 27, col.1-6.
OLIVEIRA, Rosiska Darcy de. Memórias do Planeta Fêmea. Estudos Feministas. RJ, p. 131-142, 2o sem. 92.
OLIVEIRA, Rosiska Darcy de. O Elogio da diferença: o feminino emergente. São Paulo: Brasiliense, 1991.
PRÁ, Jussara Reis. O feminismo como teoria e como prática política. In: Mulher Estudos de Gênero. Marlene Neves Strey (org.), São Leopoldo: Ed. Unisinos, 1997.
PROJETO - MULHER do Instituto de Ação Cultural. As mulheres em movimento. Rio de Janeiro: IDAC: Marco Zero, 1984. (Coleção Nossos dias).
ROHDEN, Fabíola. Feminismo do sagrado: uma reencenação romântica da diferença. Estudos Feministas, Rio de Janeiro, ano 4, n. 1, p. 96-118, 1o sem, 1996.
ROWBOTHAM. S. Além dos fragmentos: o feminismo e a construção do socialismo. SP: Brasiliense, 1981.
SAFFIOTI, Heleieth I.B. Reminiscencias, Releituras, Reconceituações. Estudos Feministas. Rio de Janeiro, p. 97-103, 2o sem. 92.
SAFFIOTI, Heleieth. Feminismo e seus frutos no Brasil. In: Movimentos Sociais na Transição Democrática. Emir Sader (org.) São Paulo: Ed. Cortez,1987.
SAFFIOTI, Heleieth. Movimentos sociais: face feminina. A condição feminina. São Paulo: Vértice: Revista dos tribunais, 1988.
SARDENBERG, Cecília M. B.; COSTA, Ana Alice. Feminismos, feministas e movimentos sociais. In: Mulher e relações de Gênero. São Paulo: Loyola, 1994.
SARTI, Cynthia. Feminismo no Brasil: uma trajetória particular. Cadernos de pesquisa: Revista de Estudos e Pesquisa em Educação no 64, p.38-47. Fev.88.
SINGER, Paul. O feminino e o feminismo. In: Singer, P. e Brand, V. C. (org.). O Povo em movimento, Petrópolis: Vozes, 1980.
SOARES, Vera. Movimento feminista: paradigmas e desafios. Estudos Feministas, Rio de Janeiro, ano 2, número especial, p. 11-24, 2o sem, 1994.
SORJ, Bila. O feminino como metáfora da natureza. Estudos Feministas, Rio de Janeiro, ano 0, n. 0, p. 143-150, 2o sem, 1992.
SORJ, Bila; ALMEIDA, M.H.T.(org.). Sociedade e Política no Brasil pós-64, São Paulo: Brasiliense, 1983.
SUPLICY, Marta. Condição da mulher. São Paulo: Brasiliense. 1984.
TELES, Maria Amelia de Almeida. Breve historia do feminismo no Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1993. (Tudo é historia; 145)
TOMITA, Luiza Etsuko A teologia feminista. Estado de S. Paulo, São Paulo. Caderno A, 11/02/94, p.2, l.3-6
TOSCANO, Moema; GOLDENBERG, Mirian A revolução das mulheres: um balanço do feminismo no Brasil.: Rio de Janeiro: Ed. Revan,1992.
YANNOULAS, Silvia Cristina. Iguais mas não idênticos. Estudos Feministas. Rio de Janeiro, ano2, n.1, p.7-16, 1o sem. 1994.
http://www.proderj.rj.gov.br/cedim/conquist.htm

 
 
 
 
 
 
1