Krishnamurti

na Web - em Português




Links sobre Krishnamurti

Inst. Cultural Krishnamurti

Livro Virtual ' A Busca '

Grupo de Discussão "ArquivoKrishnamurti"



Livros de Krishnamurti
Cultrix e ICK

A Busca (Poemas)
Cartas às Escolas
Comentários Sobre Viver
O Despertar da Sensibilidade
Diálogos Sobre a Vida
Diálogos Sobre a Visão Intuitiva
Diário de Krishnamurti
Vida e Morte de Krishnamurti
A Educação e o Significado da Vida
A Eliminação do Tempo Psicológico
Ensinar e Aprender
A Essência da Maturidade
Fora da Violência
O Futuro da Humanidade
O Futuro é Agora
Libertação dos Condicionamentos
Liberte-se do Passado
O Mistério da Compreensão
O Mundo Somos Nós
Novo Acesso à Vida
Novo Ente Humano
Novos Roteiros em Educação
Onde Está a Bem-Aventurança
O Passo Decisivo
Palestras com Estudantes Americanos
A Primeira e Última Liberdade
A Questão do Impossível
A Rede do Pensamento
Reflexões Sobre a Vida
Sobre o Amor e a Solidão
Sobre o Aprendizado e o Conhecimento
Sobre o Conflito
Sobre Deus
Sobre Liberdade
Sobre o Medo
Sobre a Mente e o Pensamento
Sobre a Natureza e o Meio Ambiente
Sobre Relacionamentos
Sobre a Verdade
Sobre a Vida e a Morte
Sobre o Viver Correto
Uma Nova Maneira de Agir
O Verdadeiro Objetivo da Vida
O Vôo da Águia
Acampamento em Omnen,Holanda 1937/38


Importante :
Os caracteres da maioria dos textos nas diversas págs são maiores que o normal, para assim valorizar a leitura na tela, em detrimento de uma maior quantidade de papel na impressão.
Como sugestão, adicione o site em "Favoritos" em seu Navegador, para posterior leitura off-line.


Textos aqui encontrados

Pág. Básica

O Indivíduo e a Sociedade

A Essência do Ensinamento


Pág. 2

O Ser

A Maturidade

O Medo

Como Viver Nesse Mundo



Pág. 3

Religião

Desespero e Esperança

O Conhecimento



Pág. 4

Morte

Lucidez, Compaixão

Movimento da Continuidade



Pág. 5

Textos Selecionados de Livros e Conferências


Pág. 6

Crença

A Mente Religiosa-Científica

Esforço, Poder e Fugas


Pág. 7

Conflitos

Carreira - o que fazer ?

Eliminação do Pensamento

Observar sem o Observador



Pág. 8

Diário de Krishnamurti




mail-me


Assumir nossas responsabilidades


O indivíduo, que no conjunto forma a sociedade, constroe uma interação com ela em que a base resume-se no Medo, que também chama-se insegurança.
As consequencias desse medo, são as fugas da realidade, com as respectivas criações mentais, que são buscas por satisfação pessoal ou felicidade, tais como crenças, religiões, autoridades, conhecimetos, poder, aquisição de coisas, sejam elas intelectuais ou materiais - o desejo de segurança e o fortalecimento do ' Eu '.
Desse modo, a mente do indivíduo produz a dualidade de acordo com sua busca pela felicidade : o bom e o mau, o meu e o seu , o que gosto do que não gosto.
Psicologicamente o indivíduo amarra-se nessa dualidade que sua mente criou como fuga do que é em realidade - são os apegos. Esses apegos, que são ' momentos ' de felicidade, pois produziram certo bem-estar no cérebro, geram a competição entre indivíduos em qualquer nível. A ilusão forma-se, pois a felicidade não se encontra nos apegos; ao contrário : eles geram a infelicidade.
Através da educação, que baseia-se no que a sociedade proclama, mais e mais indivíduos são criados e condicionados a viverem desse modo.
Toda essa ciranda gera a violência entre indivíduos, que de pessoal, íntima ( pois vive conflitando entre sua busca pela segurança, pela felicidade nas coisas e o que acontece, o que é a realidade ) conduz aos conflitos entre indivíduos, na sociedade, e a nível mundial, às guerras. A segurança é ilusória, pois a vida é um transformar-se ininterrupto.
Não há outro modo de resolver a violência, as disputas, os conflitos psicológicos que não seja o indivíduo compreender suas questões mais íntimas : o auto-conhecimento.
Cada indivíduo deve reformar-se para, assim, produzir uma sociedade mais sadia, que é seu próprio reflexo.

Para Krishnamurti, através do pensamento nunca haveria solução dos conflitos, ou de como reformar-se intimamente, pois a mente do indivíduo esta condicionada por todos os sistemas que a mesma mente inventou para desvenciliar-se da infelicidade.
Ele nunca apresentou soluções a quem quer que o procurasse, pois se o fizesse, estaria impondo certa 'autoridade' à outros, que significa alimentação da insegurança.

Somente o próprio indivíduo pode resolver seus conflitos.
Essa solução não se encontra no pensamento, no desejo , na busca, pois tudo isso são fugas, além de requererem tempo.
A solução é instantanea, esta fora do tempo , fora do pensamento ( que é memória, ou passado ).
Surge através da compreensão ou do percebimento individual, do que " é " , que se apresenta quando o pensamento não mais opera.






Counter

Por que ler Krishnamurti ?

- O Auto-Hipnotismo Provocado pelos Condicionamentos Individual e Coletivo - A Manipulação do Indivíduo - A Criação de Utopias -
- O Futuro da Humanidade -
- A Libertação dos Condicionamentos -
- Autoconhecimento -

Textos:
O Indivíduo e a Sociedade





Resumo da vida de Krishnamurti


Nascido em Madanapalle, Madrasta, Índia , em 11 de maio de 1895 ( pelo ajuste ocidental - 12h:30min do dia 12 de maio), Jiddu Krishnamurti e seus três irmãos que sobreviveram de um total de dez, acompanharam seu pai Jiddu Narianiah a Aidar em 23 de janeiro de 1909 , pois esse conquistara um emprego de secretário-assistente da Sociedade Teosófica, entidade que estuda todas as religiões. Reza a tradição brâmane da qual a família professava , que o oitavo filho nascido leva como batismo o nome Krishna, em homenagem ao deus Sri Krishna que sua mãe, Sanjeevamma, era devota, juntamente com o nome de família Jiddu.

Em Aidar, Krishnamurti, então com treze anos, foi 'descoberto' por Charles W. Leadbeater, famoso membro da Sociedade Teosófica ( S.T.), em abril de 1909, que, após diversos encontros com o menino, viu que ele estava talhado para se tornar o ' Instrutor do Mundo ', acontecimento que vinha sendo aguardado pelos teosofistas. Após dois anos, em 1911 foi fundada a Ordem Internacional da Estrela do Oriente, com Krishnamurti como chefe, que tinha como objetivo reunir aqueles que acreditavam nesse acontecimento e preparar a opinião publica para seu aparecimento, com a doação de diversas propriedades e somas em dinheiro.

Krishnamurti assim foi sendo preparado pela S.T., mas algo, porém, iniciou sua separação de seus tutores: a morte de seu irmão Nitya em 13 de novembro de 1925, que lhe trouxe uma experiência que permitiu-lhe uma profunda compreensão :

(1)" Um velho sonho está morto e um novo está nascendo, como uma flor que irrompe da terra sólida...Uma nova força nascida do sofrimento pulsa nas veias e uma nova compaixão e compreensão está nascendo do sofrimento passado. Um grande desejo de ver os outros sofrerem menos e, se devem sofrer, de ver que o suportam nobremente e saem dele sem muitas cicatrizes. Eu chorei, mas não desejo que os demais chorem, mas se o fizerem, agora sei o que isso significa... Como Krishnamurti agora tenho mais zelo, mais fé, mais simpatia e mais amor, pois há em mim também o corpo, o Ser de Nityananda... Agora eu sei, com uma certeza maior do que nunca, que há realmente beleza na vida, real felicidade que não pode ser destruída por nenhum acontecimento físico, uma força maior que não pode ser enfraquecida por nenhum acontecimento passageiro e um amor maior que é permanente, imperecível e invencível. "

Na Holanda, em 1926, Krishnamurti começou a dar mostras dessa rebeldia para com seus tutores, ao proferir em uma palestra a seguinte mensagem :

(2)" É preciso que se libertem, não por minha causa, mas apesar de mim. Toda esta vida e, especialmente nos ultimos meses, tenho lutado para ser livre - livre de meus amigos, meus livros, minhas associações. Vocês devem lutar pela mesma liberdade. Deve haver uma constante inquietação interior. Segurem um espelho constantemente a sua frente. Se houver algo indigno do ideal que criaram para si mesmos, mudem-no. Não façam de mim uma autoridade. Se eu me tornar uma necessidade para vocês, o que farão quando eu partir ? Alguns de vocês acreditam que eu possa dar-lhes uma bebida que os tornará livres, que posso dar-lhes uma fórmula que os libertará - más não é assim. Eu posso ser a porta, mas vocês devem passar por ela e encontrar a libertação que está além dela... A verdade chega como um ladrão - quando menos se espera por ela. Gostaria de poder inventar uma nova língua; como não posso, gostaria de destruir a velha fraseologia e antigos conceitos. Ninguém pode dar-lhes a libertação, terão de encontrá-la dentro de si, mas porque eu a encontrei, eu lhes mostrarei o caminho...Aquele que atingiu a libertação tornou-se um instrutor. Cada um de vocês tem o poder de entrar na chama, de tornar-se a chama..Porque eu estou aqui, se me tiverem em seus corações , eu lhes darei a força para alcançá-la. A libertação não se destina aos poucos, aos escolhidos, aos eleitos. "

Em 3 de agosto de 1929, com mais de 3000 membros em Ommen, e com centenas de holandeses ouvindo pelo rádio, Krishnamurti deu um fim em parte de sua própria história, com o seguinte pronunciamento :

(3)" Sustento que a Verdade é uma terra sem caminhos, e voces não podem aproximar-se dela por nenhum caminho, por nenhuma religião, por nenhuma seita. Este é meu ponto de vista e eu o sigo absoluta e incondicionalmente...Se compreenderem isso em primeiro lugar, verão que é impossivel organizar uma crença. A crença é uma questão puramente individual, e não podemos nem devemos organizá-la. Se assim o fizermos, ela morrerá, ficará cristalizada; tornar-se-á um credo, uma seita, uma religião para ser imposta aos outros. É isso o que todos no mundo inteiro, estão tentando fazer. A Verdade é confinada e transformada em um brinquedo para os fracos, para os que estão momentaneamente insatisfeitos. A Verdade não pode ser trazida para baixo; é o indivíduo que deve fazer o esforço de ascender até ela. Não podemos trazer o topo da montanha para o vale... Apesar disso, vocês provavelmente formarão outras Ordens, continuarão a pertencer a outras organizações à procura da Verdade. Caso se crie uma organização com este propósito, ela irá tornar-se uma muleta, uma fraqueza, uma servidão e incapacitará o indivíduo, impedindo-o de crescer, de estabelecer sua unicidade, que jaz na descoberta por sí mesmo daquela absoluta, incondicionada Verdade. Não se trata de nenhum feito magnífico, porque não quero seguidores, e é esse o meu propósito. A partir do momento em que seguirmos alguém, cessaremos de seguir a Verdade. Não me preocupo se estão prestando atenção no que estou dizendo ou não.

Quero fazer certa coisa no mundo e vou fazê-la com resoluta concentração. Estou preocupado com uma coisa essencial : libertar o homem. Desejo libertá-lo de todas as prisões, de todos os temores, e não fundar novas religiões, novas seitas nem estabelecer novas teorias e novas filosofias. Diante disso, naturalmente me perguntarão por que percorro o mundo todo, falando continuamente. Vou dizer-lhes por que faço; não porque desejo seguidores, nem porque desejo um grupo especial de discípulos especiais. Não tenho discípulos, nem apóstolos, seja na Terra, seja no reino da espiritualidade. Tampouco é o fascínio do dinheiro, nem o desejo de viver uma vida confortável que me atrai. Se eu quisesse viver confortavelmente , não viria para um acampamento ou viveria num país úmido ! Estou falando francamente porque quero deixar isso bem claro de uma vez por todas.

Um jornalista que me entrevistou considerou um ato magnífico a dissolução de uma organização com milhares de seguidores. Ele disse que não terá mais seguidores, não mais o ouvirão. Se houver apenas cinco pessoas dispostas a ouvir, a viver, com os rostos voltados para a eternidade, será suficiente. Que adianta ter milhares que não compreendem, que estão completamente embalsamados em preconceitos, que não querem o novo, que só fazem traduzir o novo para adequar-se a seus próprios eus estéreis e estagnados!

Há dezoito anos vocês vêm preparando-se para este acontecimento, para o advento do instrutor do mundo. Por dezoito anos vocês organizaram, procuraram alguém capaz de dar um novo deleite a seus corações e mentes, de transformar suas vidas, de dar-lhes uma nova compreensão; alguém que os elevaria a um novo plano de vida, que lhes daria um novo encorajamento, que os libertaria - e agora, vejam o que esta acontecendo !

Considerem, pensem consigo mesmos e descubram de que maneira essa crença tornou-os diferentes - não superficialmente diferentes pelo fato de portarem uma insígnia, que é trivial, absurda. De que maneira essa crença afastou para longe todas as coisas não-essenciais da vida ? Essa é a única maneira de julgar : de que maneira vocês estão mais livres, maiores, mais desafiadores para a sociedade que se baseia no falso e no não-essencial ? De que maneira os membros desta organização tornaram-se melhores ?

Voces dependem para sua espiritualidade de outra pessoa, para sua felicidade, de outra pessoa, para sua iluminação, de outra pessoa...quando digo olhem para dentro de sí mesmos para buscar a iluminação, a glória, a purificação e a incorruptibilidade do eu, nenhum de voces se dispõe a fazê-lo. Devem existir alguns, mas são muito, muito poucos. Voces se acostumaram a que lhes digam até que ponto avançaram, qual é seu status espiritual. Que infantilidade ! Quem mais a não ser vocês próprios poderão dizer se são ou não incorruptíveis ?

...Mas aqueles que realmente desejam compreender, que estão buscando o eterno, sem início nem fim, caminharão juntos com maior intensidade, serão uma ameaça para tudo que não é essencial, para as irrealidades, as sombras...

...Minha única preocupação é tornar os homens livres, incondicionalmente livres. "

Depois da dissolução da Ordem, todas as terras e terrenos foram devolvidos aos seus doadores. Krishnamurti rompeu com a S.T. e continuou a percorrer o mundo proferindo palestras sobre muitos temas, mas sempre focado no auto-conhecimento e na libertação dos entraves psicológicos de cada indivíduo, isto é, à mente humana, causadora de muitos conflitos que de individuais tornam-se mundiais. Sua vida tornou-se essa constante peregrinação, que se encontra em formas de livros, fitas cassete e videos editados no mundo inteiro.
Krishnamurti morreu aos noventa anos de idade, logo após a meia-noite do dia 17 de fevereiro de 1986, vitimado por câncer.

(1,2,3) - do livro ' Vida e Morte de Krishnamurti ' - Mary Lutyens



Pág. Básica

Pág. 2 >

1