página inicial   

  ir para A até C   

... fortuna crítica ............

... Q até Z .................

.......................................................................................................... 283 entradas .........

QUIJANO, Graciela R. de Metodologia de análise do conto: "Missa do Galo" de Machado de Assis. Dissertação (Mestrado em Letras) – Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, 1981.

RAIMUNDO, Maria Antonieta. A adolescência feminina nos romances de Machado de Assis. Tese (Doutorado em Letras) Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 1963.

RAMOS, Ana Flávia Cernic. História e crônica: "Balas de Estalo" e as questões políticas e sociais de seu tempo (1883-1887). Monografia premiada no X Concurso de Monografias. Campinas: IFCH/UNICAMP, 2003. 94pp.

RAMOS, Julio. Anticonfesiones: deseo y autoridad en Memórias póstumas de Brás Cubas y Dom Casmurro de Machado de Assis. Bulletin of Hispanic Studies, Edinburgh, v. 63, n. 1, p. 79-91, jan. 1986.

RAMOS, Maria Celeste Tommasello. A representação em Memórias póstumas de Brás Cubase A consciência de Zeno”. Tese (Doutorado em Letras). Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, R. Preto, 2001.

RAMOS, Péricles Eugênio da Silva. A renovação parnasiana na poesia. In: COUTINHO, Afrânio (Dir.). A literatura no Brasil. v. 2. Rio de Janeiro: Livraria São José, 1955.

RAMOS, Perrices Eugênio da Silva. Machado de Assis: poesia. Rio de Janeiro: Agir, 1964. 101 p. (Nossos Clássicos; 69)

RAMOS, Tânia Regina Oliveira. Nós lemos da vida um capítulo: ele leu um livro inteiro. Travessia, Florianópolis, v. 2, n. 19, p. 144-150, 1989.

RAVAZZOLI, Flavia. Un carteggio di equivoci ovvero il "ponto de vista" di Machado de Assis. Letterature d’America, Rome, v. 4, n. 18, p. 5-13, 1983.

REALE, Miguel. A filosofia na obra de Machado de Assis: antologia filosófica de Machado de Assis. São Paulo: Pioneira, 1982.

REALI, Erilde Melillo. Missa do galo e variazioni sul tema: sei riscritture di un racconto machadiano. Annali Instituto Universitário Orientale, Napoli, v. 25, n. 1, p. 69-124, jan. 1983.

RECTOR, Monica. The iconic sign: from narrative prose to performance: Machado de Assis – The psychiatrist. In: RAUCH, Irmengard; CARR, Gerald F. (Ed.). Semiotics around the world: synthesis in diversity. 2 v. Berlin: Mouton de Gryter, 1997. p. 659-662

REGO, Enylton José de Sá. O calundú e a panacéia: Machado de Assis, a sátira menipéia e a tradição luciânica. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1989. {Machado de Assis e a sátira menipéia: um diálogo com os textos de Luciano. Letterature d’America, Rome, v. 4, n. 18, p. 15-38, 1983.}

REGO, Enylton José de Sá. The epic, the comic and the tragic: tradition and innovation in three late novels of Machado de Assis. Latin American Literary Review, Pittsburgh, v. 14, n. 27, p. 19-34, 1986.

REGO, José Lins do. Conferências no Prata. Rio de Janeiro: [s. ed.], 1946.

REIS, Carlos. Um clássico a recuperar. Jornal de Letras, Artes e Idéias, Lisboa, v. 9, n. 390, 26 dez 1989-1 jan. 1990. p. 11

REIS, Márcia de Oliveira. Machado de Assis: nos caminhos da memória. Dissertação (Mestrado em Letras). Universidade Federal Fluminense, 1995.

REIS, Roberto. O relojoeiro e a diferença: ao redor de Machado. Espelho. Revista Machadiana, Porto Alegre; West Lafayette, n. 1, p. 83-104, 1995.

RENSHAW, Parke. O humor em Iaiá Garcia e Brás Cubas. Luso-Brazilian Review, Madison, WI, v. 9, n. 1, p. 13-20, 1972.

RESENDE, Aima da Cunha. Transgressão e ruptura: uma leitura da desrazão em Shakespeare e Machado. Minas Gerais, Suplemento Literário, Belo Horizonte, n. 1139, p. 6-7, 23 fev. 1990.

REZENDE, Francisco Barbosa da. E por falar em Machado. Minas Gerais, Suplemento Literário, Belo Horizonte, p.2, 20 jun. 1981.

REZENDE, Francisco Barbosa de. Memórias de um defunto autor. Minas Gerais, Suplemento Literário, Belo Horizonte, p. 6, 3 out. 1981.

RIBEIRO, Cleone A. C. L. Abreu. O mundo anômico do Alienista. Revista de Letras, [s.l.], n. 25, p. 35-47, 1985.

RIBEIRO, João. Crítica: clássicos e românticos brasileiros. Rio de Janeiro: Academia Brasileira de Letras, 1952.

RIBEIRO, Maria Augusta H. W. O teatro oculto na ficção narrativa de Machado de Assis: o caso da adulteração de um adultério. Dissertação (Mestrado em Artes) – Universidade de São Paulo, 1981.

RIBEIRO, Maria Augusta Hermengarda. Machado de Assis: um teatro de figuras controversas. Tese (Doutorado em Artes). Universidade de São Paulo, 1989.

RIBEIRO, Tatiana Correia. Do centro à periferia: a solidão do homem urbano. Revista Tempo Brasileiro, Rio de Janeiro, n. 133/134, p. 83-94, 1998.

RICARDO, Cassiano. A poesia na técnica do romance. In: CURSO de romance. Rio de Janeiro: Academia Brasileira de Letras, 1952.

RIEDEL, Dirce Côrtes. Machado e o kitch. Minas Gerais, Suplemento Literário, Belo Horizonte, p. 8-9, 4 maio 1974.

RIEDEL, Dirce Côrtes. Metáfora: o espelho de Machado de Assis. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1974.

RIEDEL, Dirce Côrtes. O tempo no romance machadiano. Rio de Janeiro: Livraria São José, 1959.

RIEDEL, Dirce Côrtes. Quincas Borba: Machado de Assis. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1975. 169 p

RIOS Júnior, Sebastião. Além do realismo. Revista Tempo Brasileiro, Rio de Janeiro, n. 133/134, p. 95-112, 1998.

RIOS Júnior, Sebastião. Intertextualität als Überwindung des französischen Realismus im Brasilien des 19. Jahrhunderts: Der spielerische Umgang mit der abendländischen literarischen Tradition im Werk des Machado de Assis. TRANS. Internet-Zeitschrift für Kulturwissenschaften, 1997. http://www.adis.at/arlt/institut/trans

RISKI, Cristina Lutke. Macedo precursor de Machado: análise comparativa do humor e da ironia em Memórias do sobrinho de meu tio e Memórias póstumas de Brás Cubas. Dissertação (Mestrado em Letras). Universidade de Brasília, 1999.

RIVERO, M. Pilar. Machado de Assis: leitor dos clássicos. Gazeta do Povo, [S.l.], 1996. Caderno G.

ROBERTO, Márcia Lígia Dias Di. Armário de vidro: um estudo sobre a velhice de Machado de Assis. Tese (Doutorado em Letras). Universidade de São Paulo, 1997.

ROCHA, João Cezar de Castro. Machado de Assis, leitro (autor) da REvista do IHGB.  In: JOBIM, José Carlos (Org.). A biblioteca de Machado de Assis. Rio de Janeiro: Academia Brasileira de Letras; Topbooks, 2001. p. 315-334

ROCHA, Maria do Socorro. Os espaços representativos do Dom Casmurro de Machado de Assis: uma leitura poético-ideológica da casa. Dissertação (Mestrado em Letras) - Universidade Federal de Alagoas, 1992.

RODRIGUES Feo, Jose. Machado de Assis. Casa de las Américas, La Habana, v. 4, n. 27, p. 12-20, 1964.

RODRÍGUEZ Monegal, Emir. Carnaval/antropofagia/parodia. Revista Iberoamericana, [s.l.], n. 45, p. 401-412, 1979.

RODRÍGUEZ Monegal, Emir. Revisiting Catete. Review, New York, n. 16, p. 43-45, 1975.

RODRÍGUEZ Pasques, Petrona Dominguez de. El efecto de lo real en Don Casmurro. Letras de Hoje, Porto Alegre, n. 105, p. 7-18, set. 1996.

ROMERO, Sílvio Machado de Assis: estudo comparativo de literatura brasileira. São Paulo: Ed. da UNICAMP, 1992. 320 p. (Coleção Repertórios)

ROMERO, Sílvio. A poesia nas Falenas. Crença, Recife, 30 maio 1870.

ROMERO, Sílvio. Estudos de literatura contemporânea. Rio de Janeiro: Laemmert, 1885.

ROMERO, Sílvio. Machado de Assis. Rio de Janeiro: José Olympio, [antes de 1938].

ROMERO, Sílvio. Machado de Assis: estudo comparativo de Literatura Brasileira. São Paulo: UNICAMP, 1992. {1. ed. Rio de Janeiro: Laemmert, 1897.}

ROMERO, Sílvio. O naturalismo em literatura. São Paulo: [s. ed.], 1882.

ROMERO, Sílvio. Outros estudos de literatura contemporânea. Lisboa: A Editora, 1905.

RONAI, Paulo. Machado de Assis na Bretanha. O Estado de São Paulo, Suplemento Literário, p. 1, 30 ago. 1969.

RONCARI, Luiz Dagoberto de Aguirra. Machado manifesto: o nacional e a utopia em Machado de Assis. Dissertação (Mestrado em [?]) – Universidade de São Paulo, 1980.

RONCARI, Luiz Dagoberto de Aguirra. Memorial de Aires: a alma em compasso. Travessia, Florianópolis, v. 2, n. 19, p. 64-82, 1989.

RONDON, Simone von. Machado de Assis e Jorge Luís Borges: arquite(x)tos de cidades e aporias. Dissertação (Mestrado em Letras) Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, 2000.

ROSA, Alberto Machado da. Eça: discípulo de Machado? In: FORMAÇÃO de Eça de Queiroz: 1875-1880. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura, 1962.

ROSA, Mauro Marcio de Paula. O eu e o outro como lugares ontológicos do trágico em Memórias póstumas de Brás Cubas, Quincas Borba e Dom Casmurro de Machado de Assis. Dissertação (Mestrado em Letras). Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, 1995.

ROUANET, Sérgio Paulo. Contribuição, salvo engano, para uma dialética da volubilidade. In: ______. Mal-estar na modernidade. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

ROUANET, Sérgio Paulo. Machado de Assis e a estética da fragmentação. Revista Brasileira, Rio de Janeiro, v. 1, n. 3, p. 59-82, abr./jun. 1995.

RUCHTI, Elizabeth. Machado de Assis narratore: quando lo sitle diventa personaggio. Letterature d’America, Rome, v. 4, n. 18, p. 117-133, 1983.

SÁ, Maria da Piedade Moreira de. A ficção machadiana. Espelho. Revista Machadiana, West Lafayette, n. 4, p. 41-55, 1998.

SÁ, Maria da Piedade Moreira de. Aires entre Flora e Fidélia. Colóquio. Letras, Lisboa, n. 121-122, p. 74-85, jul./dez. 1991.

SÁ, Maria da Piedade Moreira de. O implícito no discurso do Conselheiro Aires. Estudos Portugueses, Recife, n. 2, p. 67-76, 1990/1991.

SACHET, Celestino. Morrer a morte no viver da vida. Travessia, Florianópolis, v. 2, n. 19, p. 112-118, 1989.

SALOMÃO, Sônia N. A ironia como interdiscursividade em Machado de Assis: as Memórias póstumas de Brás Cubas. Confronto Letterario, Bergamo, PV, v. 12, n. 24, p. 473-503, nov. 1995.

SAMPAIO, Renato. Estilo de Machado de Assis. Ocidente, Lisboa, v. 67, n. 319, p. 226-235, 1964.

SANDMANN, Marcelo. "Com mão noturna e diurna": Luís de Camões e outros escritores portugueses nos romances de Machado de Assis da segunda fase. Letras, Curitiba, n. 48, p. 57-75, 1997.

SANSEVERINO, Antônio Marcos Vieira Realismo e alegoria em Machado de Assis. Dissertação (Mestrado em Letras) – Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, 1999.

SANSEVERINO, Antônio Marcos Vieira. O herói romanesco em O guarani e Memórias póstumas de Brás Cubas. In: MITOS e heróis: construção de imaginários. Porto Alegre: EDUFRGS, 1998. p. 89-108

SANSEVERINO, Antônio. A poesia alegórica. Letras de Hoje. Estudos e Debates de Lingüística, Literatura, e Língua Portuguesa, [s.l.], v. 37, n. 2, s. 124, p. 65-73, jun. 2001.

SANT’ANNA, Affonso Romano de et al. Machado de Assis: estudos de Literatura Brasileira. Rio de Janeiro: UFRJ, 1994.

SANT’ANNA, Affonso Romano de. Análise estrutural de romances brasileiros. Petrópolis: Vozes, 1974 {5. ed. Petrópolis: Vozes, 1979}

SANT’ANNA, Sérgio. Os melhores contos do pai do conto brasileiro: e alguns pecadilhos do gênio. Minas Gerais, Suplemento Literário, Belo Horizonte, n. 1073, p. 10, 22 maio 1987.

SANTIAGO, Silviano. A retórica da verossimilhança. In: ______. Uma literatura nos trópicos. São Paulo: Perspectiva, 1978. p. 29-48

SANTIAGO, Silviano. Machado de Assis 1872. O Estado de São Paulo, Suplemento Literário, p. 1, 31 maio 1969.

SANTIAGO, Silviano. Ode, conto e romance: Machado, 1872. O Estado de São Paulo, Suplemento Literário, p. 1, 5 jan. 1969; p. 5, 18 jan. 1968; p. 3, 25 jan. 1968.

SANTIAGO, Silviano. Toda a memória do mundo. Revista Tempo Brasileiro, Rio de Janeiro, n. 133/134, p. 113-126, 1998.

SANTOS, Francisco de Araújo. Duelo de ironias. Zero Hora, Cultura, Porto Alegre, p. 3, 15 ago. 1988.

SANTOS, Hemérito dos. Machado de Assis. Gazeta de Notícias, Rio de Janeiro, 29 nov. 1908. {Almanaque Brasileiro Garnier, Rio de Janeiro, 1910}.

SANTOS, João Camilo dos. Algumas reflexões sobre O alienista de Machado de Assis. Colóquio. Letras, Lisboa, n. 121-122, p. 41-46, jul./dez. 1991.

SANTOS, João Camilo dos. Machado de Assis, crítico de Eça de Queirós: um malentendido sintomático. Disponível em: <http://www.ciberkiosk.pt/arquivo/ciberkiosk3/ensaios/machado.htm>. Acesso em: 2 jul. 2003.

SANTOS, Lívia Ferreira. Drummond: um caso de "seqüestro" do texto machadiano. Minas Gerais. Suplemento Literário, Belo Horizonte, p. 6-7, 9 jun. 1979; p. 6-7, 16 jun. 1979.

SANTOS, Maria I. Duke dos. El celoso paranóico en ciertas histórias de Machado de Assis. Revista Iberoamercana, Pittsburg, PA, n. 37, 437-445, 1971.

SANTOS, Maria I. Duke dos. The false friend as seen in the stories of a brazilian author. South Central Bulletin, Houston, Tx., n. 35, p. 121-122, 1975.

SANTOS, Maria Nazaré Gomes. Machado de Assis como precursor da modernidade literária: estratégias metaficcionais em Memórias póstumas de Brás Cubas e Quincas Borba. Revista da Faculdade de Letras, Lisboa, n. 21-22, 1995/1996. p. 289-299.

SANTOS, Miguel. Machado de Assis: estilista primoroso. Rio de Janeiro: Ponguetti, 1974, 75 p.

SANTOS, Pedro Brum A metáfora do nada em Memórias póstumas de Brás Cubas. Veritas, Porto Alegre, v. 36, n. 142, p. 301-307, 1991.

SANTOS, Wellington de Almeida. Dom Casmurro e os farrapos de textos. In: SECCHIN, Antônio Carlos; ALMEIDA, José Maurício Gomes de; SOUZA, Ronaldes de Melo e (Org.). Machado de Assis: uma revisão. Rio de Janeiro: In-Fólio, 1998. p. 115-126

SARAIVA, Juracy Ignez Assmann. Diálogo inconcluso: análise de Quincas Borba. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, [s. d.].

SARAIVA, Juracy Ignez Assmann. Memorial de Aires: autoreferencialidade e história literária. In: ENCONTRO de Professores Universitários Brasileiros de Literatura Portuguesa. Atas. Porto Alegre: EDPUCRS, 1994. p. 343-351

SARAIVA, Juracy Ignez Assmann. O circuito das memórias: narrativas autobiográficas romanescas de Machado de Assis. Tese (Doutorado em Letras) – Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, 1990. {O circuito das memórias em Machado de Assis. São Leopoldo: UNISINOS, 1993.}

SAYERS, Raymond S. A caminho de Bayreuth: a música na obra de Machado de Assis. Revista Hispánica Moderna, Columbia University Hispanic Studies, New York, NY, v. 34, n. 2, p. 776-790, 1968.

SAYERS, Raymond S. A música na obra de Machado de Assis. In: ______. Onze estudos de literatura brasileira. Tradução de Roberto Raposo. Rio de Janeiro; Brasília: Civilização Brasileira; INL, 1983. p. 143-148 [149-176] {Minas Gerais, Suplemento Literário, p. 4-15, jul. 1989.}

SAYERS, Raymond S. Machado de Assis in nineteenth-century Portugal. In: MULVIHILL, E. R. Studies in honor of Lloyd A. Kasten. Madison, WI: Hispanic Seminary of Medieval Studies, 1975. p. 235-247

SCARPARI [Schmidt], Zília Mara Pastorello; SEABRA, Célia Martins. Notas sobre a forma-sonada no Memorial. Fragmenta, Curitiba, n. 4, p. 165-180, 1987.

SCARPELLI, Marli Fantini. Fronteiras da modernidade. Scripta, Belo Horizonte, v. 3, n. 6, p. 156-166, jan./jul. 2000.

SCHIL, Mary Huseby. Pais e filhos nos romances de Machado de Assis. Luso Brasilian Review, Madison, Wisconsin, n. 2, p. 75-88, 1988.

SCHMITT, Jack. An explication of Machado de Assis "Missa do galo". In: KRAFT, Walter C. Proceedings: Pacific Northwest Conference on Foreign Languages. Covallis: Ore. State, 1974. p. 52-55

SCHMITT, Jack. Introdução. In: MACHADO DE ASSIS, Joaquim Maria. The devil’s church and other stories. Austin: U. of Texas P., 1977. 152 p.

SCHMITT, Jack. Trends in the brazilian short story from Machado de Assis to Guimarães Rosa. Proceedings of the Pacific Northwest Conference on Foreign Languages, Pulmann, Wa, v. 30, n. 1-2, p. 115-118. 1979.

SCHMITT, John Hyde. Machado de Assis and the modern brazilian short story. Dissertation Abstracts, Ann Arbor, MI, 1974.

SCHÜLLER, Donaldo. A prosa fraturada. Porto Alegre: EDUFRGS, 1983.

SCHÜLLER, Donaldo. Plenitude perdida: uma análise das seqüências narrativas de Dom Casmurro. Porto Alegre: Movimento, 1978.

SCHWARZ, Roberto. ¿Quién me dice que este personaje no sea el Brasil?: prólogo a Machado de Assis, Quincas Borba. Tradução: Juan Garcia Gayo. Caracas: Biblioteca Ayacucho, 1979.

SCHWARZ, Roberto. A lata de lixo da historia: farsa. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977. 86 p. (Teatro; 2)

SCHWARZ, Roberto. A novidade das Memórias póstumas de Brás Cubas. In: SECCHIN, Antônio Carlos; ALMEIDA, José Maurício Gomes de; SOUZA, Ronaldes de Melo e (Org.). Machado de Assis: uma revisão. Rio de Janeiro: In-Fólio, 1998. p. 47-64

SCHWARZ, Roberto. Ao vencedor as batatas: forma literária e processo social nos inícios do romance brasileiro. 5. ed. São Paulo: Duas Cidades; Ed. 34, 2000. {1. ed.: 1977.}

SCHWARZ, Roberto. Brás Cubas e o cunhado Cotrim. Remate de Males, Campinas, n. 7, p. 19-25, 1987.

SCHWARZ, Roberto. Contribuição de John Gledson. In: ______. Seqüências brasileiras: ensaios. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

SCHWARZ, Roberto. Criando o romance brasileiro. Cadernos de Opinião, [s.l.], n. 1, p. 41-53, 1975. {Argumento. Revista Mensal de Cultura, Rio de Janeiro, n. 4, p. 19-47, 1974.}

SCHWARZ, Roberto. Duas meninas. São Paulo: Cia. das Letras, 1997.

SCHWARZ, Roberto. Misplaced ideas: literature and society in late ninetheenth-century Brazil. Cmparative Civilizations Review, n. 5, p. 33-51, out./dez. 1980. {As idéias fora do lugar. In: Ao vencedor as batatas: forma literária e processo social nos inícios do romance brasileiro. 5. ed. São Paulo: Duas Cidades; Ed. 34, 2000. p. 9-31}

SCHWARZ, Roberto. Que horas são? São Paulo: Cia. das Letras, 1987.

SCHWARZ, Roberto. Só as asas do favor me protegem. Almanaque. Cadernos de Literatura e Ensaio, São Paulo, n. 1, p. 13-24, 1976.

SCHWARZ, Roberto. The form of the novel of the periphery of capitalism. Social Science Information. Information sur les Sciences Sociales, Londres, n. 22, p. 51-60, 1983. {Complexo, moderno, nacional e negativo. Novos Estudos CEBRAP, 1981.}

SCHWARZ, Roberto. The historical meaning of cruelty in Machado de Assis. Modern Language Quarterly, Durham, NC, v. 57, n. 2, p. 165-179, jun. 1996.

SCHWARZ, Roberto. Um mestre na periferia do capitalismo: Machado de Assis. . 4. ed. São Paulo: Duas Cidades; Ed. 34, 2000. {1. ed.: 1990.} {A master on the periphery of capitalism: Machado de Assis. Tradução: John Gledson. Durham: Duke UP, 2001.}

SCHWARZ, Roberto. Uma prosa e suas implicações. Língua e Literatura, São Paulo, v. 11, n. 14, 1985.

SEARA, Ana Maria Camargo. Embedding as a vehicle of metafictionality in Machado de Assis’s later novels. Romance Language Annual, West Lafayette, n. 2, p. 362-364, 1990.

SECCHIN, Antônio Carlos. Em torno da traição. In: SECCHIN, Antônio Carlos; ALMEIDA, José Maurício Gomes de; SOUZA, Ronaldes de Melo e (Org.). Machado de Assis: uma revisão. Rio de Janeiro: In-Fólio, 1998. p. 127-134

SECCHIN, Antônio Carlos; ALMEIDA, José Maurício Gomes de; SOUZA, Ronaldes de Melo e (Org.). Machado de Assis: uma revisão. Rio de Janeiro: In-Fólio, 1998.

SECCO, Carmen Lucia Tindo Ribeiro. As rugas do tempo nas dobras do literário. Tese (Doutorado em Letras). Universidade Federal do Rio de Janeiro, 1991.

SENA, Jorge de. Algumas palavras sobre o Realismo, em especial o português e o brasileiro. Colóquio. Letras, Lisboa, n. 31, maio 1976. p. 5-13.

SENA, Jorge de. Estudos de cultura e literatura brasileira. Lisboa: Edições 70, 1988. p. 325-335

SENA, Jorge de. Machado de Assis and his Carioca quartet. Latin American Literary Review, Pittsburg, PA, v. 14, n. 27, p. 9-18, jan./jun. 1986. { Machado de Assis and his Carioca quintet.}

SENNA, Marta de. Dos benefícios de um piparote. Revista Tempo Brasileiro, Rio de Janeiro, n. 133/134, p.127-134, 1998.

SENNA, Marta de. Estratégias do embuste: relações intertextuais em Dom Casmurro. Scripta, Belo Horizonte, v. 3, n. 6, p. 167-174, jan./jun. 2000.

SENNA, Marta de. O olhar oblíquo do Bruxo: ensaios em torno de Machado de Assis. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1998.

SENNA, Marta de. Shakespeare, Sterne e Machado: "a little more thjan kin and less than kind". Terceira Margem, Rio de Janeiro, v. 2, n. 2, p. 157-163, 1994.

SEPÚLVEDA, Carlos. O espelho da madrasta. Revista Tempo Brasileiro, Rio de Janeiro, n. 133/134, p. 135-142, 1998.

SEPÚLVEDA, Carlos. Voltas e temas em Machado de Assis. In: SECCHIN, Antônio Carlos; ALMEIDA, José Maurício Gomes de; SOUZA, Ronaldes de Melo e (Org.). Machado de Assis: uma revisão. Rio de Janeiro: In-Fólio, 1998. p. 81-91

SERIS, Christiane. Recherches et études comparatistes Ibero francophes de la Sorbonne. Nouvelle, Paris, n. 2, p. 72-81, 1980.

SHEPHERD, David. O rendimento da análise da expressão em Memórias póstumas de Brás Cubas. Revista de Letras, Curitiba, n. 32, p. 191-206, 1983.

SHIMURA, Masao. Faulkner, de Assis, Barh: resemblances and differences. William Faulner Materials, Studies and Criticism, Shinjuku, Tokyo, v. 2, n. 2, p. 67-79, 1979. {In: OHASHI, Kenzaburo (Comp.). Faulkner studies in Japan. Athens: U. of Georgia P. 1985. 214 p.}

SILVA, Amós Coelho da. A sátira clássica antiga e, dentre outros, Machado de Assis. In: UERJ: Instituto de Letras: Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Lingüísticos Disponível em: <http://www.filologia.org.br/anais/anais%20iv/civ09_14.htm>. Acesso em 17 abr. 2004.

SILVA, Cecília Portugal Pio da. Machado de Assis e o teatro das convenções. Rio de Janeiro: PUC, 1995. 112 p. {Rio de Janeiro: UAPE [Vapê?], 1997.}

SILVA, H. Pereira da. Sobre os romances de Machado de Assis. Rio de Janeiro: Sedegra, s. d.

SILVA, Hélcio Pereira da. A megalomania literária de Machado de Assis. Rio de Janeiro: Aurora, 1949. 127 p. {Machado de Assis: a megalomania. 2. ed. rev. Rio de Janeiro: Brand, 1957.}

SILVA, Helena Maria Fernandes da. Verossimilhança: duas realizações. Littera, Rio de Janeiro, v. 3, n. 8, 1973.

SILVA, Miguel Rettenmaier da. Josué Guimarães e as inevitáveis noites da historia. Letras de Hoje. Estudos e Debates de Lingüística, Literatura, e Língua Portuguesa, [s.l.], v. 36, n. 1, s. 123, p. 107-115, mar. 2001.

SILVA, Terezinha V. Zimbrão da. Uma machadiana paródia ao naturalismo. Nova Renascença, Oporto, v. 15, n. 56, p. 49-52, jan./mar. 1995.

SILVA, Vera Maria Tietzmann. Missa do galo: um processo de iniciação. Espelho. Revista Machadiana, Porto Alegre; West Lafayette, n. 1, p. 105-122, 1995.

SILVEIRA, Marcelo. Recursos estilísticos para a expressão da ironia em “Memórias póstumas de Brás Cubas”. Dissertação (Mestrado em Letras). Universidade Estadual de Londrina, 1997.

SILVERMAN, Malcolm. Moderna sátira brasileira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1987.

SIMÕES, João Gaspar. Caderno de um romancista. Lisboa: [s. ed.], [s. d.].

SIMÕES, João Gaspar. Liberdade do espírito. Porto: [s. ed.], [s. d.].

SKEPTIC from Brazil: "Epitaph of a small winner". Time, New York, 21 jul. 1952. {In: FRAGOSO, Augusto. Arquivo machadiano. Revista do Livro, Rio de Janeiro, v. 3, n. 11, p. 219-224, set. 1958.}

SOARES, Maria Nazaré Lins. Machado de Assis e a análise da expressão. Rio de Janeiro: Instituto Estadual do Livro, 1968. 104 p. (Coleção de Cultura Brasileira)

SOARES, Orris. O theatro de Machado de Assis. Revista do Brasil, Rio de Janeiro, p. 55-62, jun. 1939.

SOARES, Teixeira. Machado de Assis: ensaio de interpretação. Rio de Janeiro: Guido & Cia., 1936.

SOCIEDADE dos amigos de Machado de Assis [Nota sobre a fundação]. Revista do Livro, Rio de Janeiro, v. 3, n. 11, p. 261-262, set. 1958.

SODRÉ, Nelson Werneck. História da imprensa no Brasil. 4. ed. ampl. Rio de Janeiro: Mauad, 1999.

SODRÉ, Nelson Werneck. Posição de Machado de Assis. Revista do Livro, Rio de Janeiro, v. 3, n. 11, p. 95-99, set. 1958.

SOLER, Isabel.  La inmortalidad de papel. In: KOHLER, Florent;  CASTRO, Sílvio. Machado de Assis en Europe Latine. Tours: Presses Universitaires François Rabelais, 2004 (Littérature et Nation; 29) p. 123-140

SOLER, Isabel. La lógica del instinto y el azar. Cuadernos Hispanoamericanos, Madrid, n. 598, p. 67-72, abr. 2000.

SONTAG, Susan. Afterlives: the case of Machado de Assis. The New Yorker, New York, 7 may 1990. p. 102-107 {Posteridad: el caso de Machado de Assis. La Nación, Suplemento Literario, Buenos Aires, 1 nov. 1990. p. 6}

SONTAG, Susan. Susan Sontag se encanta pela literatura de Machado de Assis e o elogia nos EUA. [S.n.], [s.l.], 9. jun. 1990.

SOUSA, José Galante de. Bibliografia de Machado de Assis. Rio de Janeiro: INL, 1955.

SOUSA, José Galante de. Cronologia de Machado de Assis. Revista do Livro, Rio de Janeiro, v. 3, n. 11, p. 141-181, set. 1958.

SOUSA, José Galante de. Em torno do anedotário machadiano. Revista do Livro, Rio de Janeiro, v. 2, n. 7, p. 203-206, set. 1957.

SOUSA, José Galante de. Fontes para o estudo de Machado de Assis. Rio de Janeiro: Instituto Nacional do Livro, 1958. (Coleção B I Bibliografia; 11)

SOUSA, José Galante de. Machado de Assis e outros estudos. Brasília: MEC; INL, 1978.

SOUSA, José Galante de. O teatro no Brasil. Rio de Janeiro: INL, 1960.

SOUZA, José Galante de. Machado de Assis, censor dramático. Revista do Livro, Rio de Janeiro, n. 3-4, [s.p.], [s.d.]. [Rio de Janeiro: INL, 1956]

SOUZA, Maria das Graças dos Santos O humanismo em Machado de Assis. Dissertação (Mestrado em Filosofia) – Pontifícia Universidade do Rio Grande do Sul, e Filosofia e Ciências Humanas, 1985. 75 p.

SOUZA, Ronaldes de Melo e. Bibliografia machadiana comentada. In: SECCHIN, Antônio Carlos; ALMEIDA, José Maurício Gomes de; SOUZA, Ronaldes de Melo e (Org.). Machado de Assis: uma revisão. Rio de Janeiro: In-Fólio, 1998. p. 227-240

SOUZA, Ronaldes de Melo e. O estilo narrativo de Machado de Assis. In: SECCHIN, Antônio Carlos; ALMEIDA, José Maurício Gomes de; SOUZA, Ronaldes de Melo e (Org.). Machado de Assis: uma revisão. Rio de Janeiro: In-Fólio, 1998. p. 65-79

SOUZA, Ronaldes de Melo e. O princípio da reversibilidade em Machado de Assis. Revista Humanidades, [s.l.], n. 29, p. 335-345, 1992.

SPECK, Paula K. Narrative time and the Defunto autor in Memórias póstumas de Brás Cubas. Latin American Literary Review, Pittsburgh, PA, v. 9, n. 18, p. 7-15, 1981.

STAUT, Lea Mara Valesi. A recepção da obra machadiana na França. In: MARIANO, Ana Salles; OLIVEIRA, Maria Rosa Duarte de (Org.). Recortes Machadianos. São Paulo: EdUC; FAPESP, 2003.

STAUT, Lea Mara Valesi. Machado e Brás Cubas na França. Revista de Letras, São Paulo, n. 29, p. 71-77, 1989. {Travessia, Florianópolis, n. 16-18, p. 279-290, 1988-1989}

STAUT, Lea Mara Valezi. O estilo machadiano e o tradutor. Alfa São Paulo, n. 36, p. 11-117, 1992.

STAUT, Lea Maria Valezi. Traduções francesas da obra machadiana. Trabalhos em Lingüística Aplicada, Campinas, n. 24, p. 35-43, jul./dez. 1994.

STEILEIN, Sandra Maria. Análise semiótica do conto fantástico de Machado de Assis: O capitão Mendonça. Dissertação (Mestrado em Letras). Universidade Federal de Santa Catarina, 1992.

STEILEIN, Sandra Maria. O capitão Mendonça: um conto fantástico de Machado de Assis. Travessia, Florianópolis, n. 25, p. 32-39, 1992.

STEIN, Ingrid As figuras femininas nos romances de Machado de Assis. Tese (Doutorado em Filosofia) - Rheinischen Friedrich-Wilhelms Universität, Philosophischen Fakultät, 1984. 146 p. {São Paulo: Paz e Terra, 1984. 146 p.}

SUÁREZ, José I.; GARAY, René P. Characterization in Machado de Assis’ A mão e a luva. Journal of Evolutionary Psychology, Pittsburgh, v. 13, n. 3-4, p. 322-327, ago. 1992.

SUÁREZ, José L. O casamento, a família e o amor: a esquematização triangular em Iaiá Garcia. O Espelho. Revista Machadiana. Porto Alegre; West Lafayette, Letras/UFRGS; Pardue University, n. 2, p. 29-35, 1996.

SUÁREZ, Ramón. Tres etapas en el desarrollo de la novela brasileña. Revista Chilena de Literatura, Santiago, Chile, n. 44, p. 15-31, abr. 1994.

SULIVAN, Walter. Updike, Spark and others. Sewanee Review, Sewanee, TN, n. 74, p. 709-716, 1966.

SULLIVAN, Patrícia. O segredo da estrutura em Uns braços. Minas Gerais, Suplemento Literário, p. 1, 31 maio 1969.

SUSSEKIND, F. Brás Cubas e a literatura como errata. Tempo Brasileiro, Rio de Janeiro, n. 81, p. 13-21, abr./jun. 1985.

SUSSEKIND, Flora. Papéis colados. Rio de Janeiro: EDUFRJ, 1993.

TÁTI, Miécio. O mundo de Machado de Assis: o Rio de Janeiro na obra de Machado de Assis. Rio de Janeiro: Secretaria Municipal de Cultura, Turismo e Esportes, 1991. {1. ed. 1961.}

TAVARES, Maria Helena Silva. Ambiência e personagens de Machado de Assis: narrativa, processos de organização. Littera, Rio de Janeiro, n. 13, p. 31-43, 1975.

TAYLOR, David A. Perspicaz modernista del pasado brasileño [Wry Modernist of Brazil's Past]. Americas, [s.l.], v. 54, n. 6, p. 44-51, nov./dez. 2002.

TEIXEIRA, Ivan. Apresentação de Machado de Assis. São Paulo: Martins Fontes, 1987. {2. ed. 1988.}

TEIXEIRA, Jerônimo. Machado de Assis para mentes adultas: duas editoras gaúchas lançam obras do gênio. Zero Hora, Revista, Porto Alegre, p. 11, 18 jun. 1995.

TEIXEIRA, Lucilinda Ribeiro. Do Memorial às Memórias: do fim ao começo. Dissertação (Mestrado em Letras). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 1995.

TEIXEIRA, Lucilinda Ribeiro. Ecos da memória: Machado de Assis em Haroldo Maranhão. São Paulo: Annablume, 2004.

TEIXEIRA, Lucilinda Ribeiro. O jogo das transposições: Machado de Assis na obra de Haroldo Maranhão. Tese (Doutorado em Letras). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 1999.

TEIXEIRA, Maria de Lourdes. As mulheres machadianas. Revista Brasiliense, São Paulo, n. 4, p. 65-75, 1956.

TEIXEIRA, Maria José. Mário Matos: um biógrafo de Machado. Minas Gerais, Suplemento Literário, Belo Horizonte, n. 1170-1171, p. 7 [25?], 26 out. 1991.

TELES, Adriana da Costa. A fortuna e o infortúnio crítico do “Memorial de Aires”: um percurso de leitura. Dissertação (Mestrado em Letras). Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita, R. Preto, 2001.

TELES, Expedito. La obra de Machado de Assis: reflejo de su vida. Revista Javeriana, Bogotá, v. 45, n. 23, 1956, p. 135-141.

TELES, Gilberto de Mendonça A escrituração da escrita: teoria e prática do texto literário. Petrópolis, Vozes, 1996. 434 p. 801

TELES, Gilberto de Mendonça. A teoria do romance em Machado de Assis. Travessia, Florianópolis, n. 20, p. 19-36, 1990.

TELES, Gilberto de Mendonça. Machado e Camões. In: MACHADO DE ASSIS, Joaquim Maria. Tu só, tu, puro amor. Ed. facsimile. Rio de Janeiro: Biblioteca Nacional, 1980. p. 7-20

TELLES, Lygia Fagundes. Apresentação. In: SECCHIN, Antônio Carlos; ALMEIDA, José Maurício Gomes de; SOUZA, Ronaldes de Melo e (Org.). Machado de Assis: uma revisão. Rio de Janeiro: In-Fólio, 1998. p. 9-10

TOLEDO, Cezar de A. Arnaut de. Romance: pedagogia e história: a produção da arte na sociedade burguesa. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Metodista de Piracicaba, 1987.

TOMLINS, Jack E. Machado’s Cock and Bull Story: Tristram Shandy and Braz Cubas. In: MARTINS, Heitor. The brazilian novel. Bloomington: Indiana UP, 1976, 76 p.

TONDELLA, Gabriel. Máscara de Machado de Assis. Revista Brasiliense, São Paulo, n. 35, p. 144-157, 1961.

TORNQUIST, Helena Heloísa Fava. As comédias sérias de Machado de Assis e o contexto oitocentista. In: Trans/versões comparatistas: anais/I Colóquio Sul de Literatura Comparada e Encontro do GT de Literatura Comparada da ANPOLL. Org.: Gilda Neves da Silva Bittencourt. Porto Alegre: UFRGS, Instituto de Letras, PPG/Letras, 2002. p. 295-302

TORNQUIST, Helena Heloísa Fava. O espanto e a máscara: uma análise do papel do narrador no romance Dom Casmurro. Dissertação (Mestrado em Letras) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 1984. 183 p

TORNQUIST, Helena Heloísa Fava. O teatro de Machado de Assis e a comédia francesa. São Leopoldo: Unisinos, 2002.

TORRES, Marie Helene C. Indices de statut de roman traduit: Paratexte. Meta. Journal des Traducteurs/Translators’ Journal, [s.l.], v. 47, n. 1, p. 5-15, mar. 2002.

TURNER, Doris J. A classification of some "strange" chapters in Machado’s Dom Casmurro. Luso-Brazilian Review, Madison, n. 13, p. 55-66, 1976.

VAL, Ana Cristina Pimenta da Costa. Machado de Assis e o fantástico Espelho. Scripta, Belo Horizonte, v. 3, n. 6, p. 20-29, jan./jun. 2000.

VAL, Waldir Ribeiro do. Geografia de Machado de Assis. Rio de Janeiro: São José, 1977. 94 p.

VALE, Luís Ribeiro do. A psicologia mórbida na obra de Machado de Assis. Rio de Janeiro: Tipografia do Jornal do Comércio, 1917.

VALENTE, Luiz Fernando. Machado's wounded males. Hispania. A Journal Devoted to the Teaching of Spanish and Portuguese, [s.l.], v. 84, n. 1, p. 11-19, mar. 2001.

VALÉRIO, Américo. Machado de Assis e a psicanálise. Rio de Janeiro: Aurora, 1930.

VARA, Teresa Pires A mascarada sublime: estudo de Quincas Borba. São Paulo, Duas Cidades, 1976. 99 p.

VARA, Teresa Pires. Dom Casmurro e a ópera. Revista de Letras, [s.l.], n. 6, p. 129-142, 1965.

VARA, Teresa Pires. Humanitas: um signo em busca de significado. São Paulo: Duas Cidades, 197[4].

VASCONCELLOS, Celia Martha. A retórica subjetiva de Dom Casmurro e Hamlet. Revista Tempo Brasileiro, Rio de Janeiro, n. 133/134, p. 143-154, 1998. {A retórica subjetiva de Bentinho e Hamlet. Dissertação (Mestrado em Letras) Universidade Federal do Rio de Janeiro, 1997.}

VASCONCELOS, Célia Martha. A retórica subjetiva de Bentinho e Hamlet. Dissertação (Mestrado em Letras). Universidade Federal do Rio de Janeiro, 1997.

VAZ, Nelson. Casmurro. Ocidente, Lisboa, v. 33, n. 80, p. 390-396, 1971.

VELLINHO, Moisés. Letras da Província. Porto Alegre: Globo, 1944.

VELLINHO, Moisés. Machado de Assis: histórias mal contadas [e outros assuntos]. Rio de Janeiro: São José, 1965. 106 p. {1. ed. 1960.}

VELLINHO, Moysés Machado de Assis: aspectos de sua vida e de sua obra. Porto Alegre: Globo, 1939. 36 p.

VELLOSO, Elisa Cristina Serpa. Apresentação: por onde anda Machado? Palimpsesto, Rio de Janeiro, n. 2, p. 11-12 , jan./dez. 2002.

VELLOSO, Elisa Cristina Serpa. O narrador cético na versão B de Quincas Borba. Palimpsesto, Rio de Janeiro, n. 2, p. 11-12 , jan./dez. 2002.

VENTURA, Roberto. O caso Machado de Assis. Revista USP, São Paulo, v. 8, n. 1, p. 159-168. dez./fev. 1990.

VERÍSSIMO, José. [Artigo sobre Machado de Assis] Jornal do Comércio, Rio de Janeiro, 10 jun.1899.

VERÍSSIMO, José. [Artigo sobre o romance Dom Casmurro, de Machado de Assis]. Jornal do Comércio, Rio de Janeiro, 19 mar. 1900.

VERÍSSIMO, José. [Artigo sobre os romances de Machado de Assis]. Revista Brasileira, Rio de Janeiro, n. 16, [s. p.], [s. d.].

VERÍSSIMO, José. Estudos brasileiros. v. 2. Rio de Janeiro: Laemmert, 1894.

VERÍSSIMO, José. Estudos da literatura brasileira. 4. ed. Brasília; Ed. UNB, 1981. {1. ed. Rio de Janeiro: Garnier, 1901} {3. ed. 1903.} {4. ed. 1904.} {6. ed. 1907.}

VERÍSSIMO, José. História da literatura brasileira: de Bento Teixeira (1601) a Machado de Assis (1908). 7. ed. Rio de Janeiro: Topbooks, 1998. {1. ed. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1916.} {1. ed.: 1916.} {2. ed. 1954} {4. ed. 1963.}

VERÍSSIMO, José. Letras e literatos. Rio de Janeiro: José Olympio, 1936. {1. ed., 1912?}

VERÍSSIMO, José. Machado de Assis. Revista do Livro, Rio de Janeiro, v. 5, [195-].

VERÍSSIMO, José. O sr. Machado de Assis. In: ______. Estudos brasileiros: segunda série (1889-1893). Rio de Janeiro: Laemmert, 1894.

VERÍSSIMO, José. Vida literária. Kosmos, [s.l.], dez. 1904.

VESCHENFELDER, Eládio Vilmar. A paródia em Machado de Assis: estudo aplicado a dez contos: narrativa. Tese (Doutorado em Letras) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 19[–].

VESSELS, Gary M. A melancolia e a associação infeliz de idéias em Memórias póstumas de Brás Cubas. Romance Languages Annual, West Lafayette, n. 5, p. 533-538, 1993.

VESSELS, Gary M. As idéias otimistas em Memórias póstumas de Brás Cubas. Tinta, Santa Bárbara, CA, v. 1, n. 3, p. 39-45, dez. 1983.

VESSELS, Gary M. I am at your disposal: the marginalization of female discourse in Dom Casmurro. Latin American Literary Review, Pittsburgh, v. 21, n. 42, p. 70-81, jul./dez. 1993.

VESSELS, Gary M. O cinismo e a prosa cínica nas Memórias póstumas de Brás Cubas. O Espelho. Revista Machadiana. Porto Alegre; West Lafayette, Letras/UFRGS; Pardue University, n. 2, p. 49-64, 1996.

VIANA Filho, Luiz. A vida de Machado de Assis. São Paulo: Martins, 1965. {Revista da Sociedade dos Amigos de Machado de Assis, Rio de Janeiro, n. 8, 1968.}

VIANA, Glória. Revendo a biblioteca de Machado de Assis. In: JOBIM, José Carlos (Org.). A biblioteca de Machado de Assis. Rio de Janeiro: Academia Brasileira de Letras; Topbooks, 2001. p. 99-274

VIANNA, Antônio Fernando. Imagens da França revolucionária em O alienista de Machado de Assis. Quadrant, Montpellier, Fr, n. 7, p. 113-117, 1990.

VIANNA, Maria Lúcia Saponara. Esaú e Jacó: o jogo da eterna contradição. Minas Gerais, Suplemento Literário, Belo Horizonte, p. 6, 19 mar. 1983.

VIANNA, Tania Maria Centeno Braun M. Estatuto do narratário nos romances de Machado de Assis. Dissertação (Mestrado em Letras). Universidade de Brasília, 1990.

VIDAL, Luís Fernando. Algunas reflecciones sobre la cuentística de Machado de Assis. Revista Iberoamericana, México, v. 48, n. 118-119, p. 129-133, 1982. {Revista de Critica Literaria Latinoamericana, Berkeley, CA, v. 8, n. 16, p. 129-133, 1982.}

VIEIRA, Anco Márcio Tenório. A crítica teatral de Machado de Assis. Luso-Brazilian Review, Madison, v. 35, n. 2, p. 37-51, 1998.

VIEIRA, Luiz Gonzaga. O humor em Memorial de Aires. Minas Gerais, Suplemento Literário, p. 2, 9 dez. 1967.

VIEIRA, Maria Augusta da Costa. Escritura cervantina e mito quixotesco no romance brasileiro. Hispania. A Journal Devoted to the Teaching of Spanish and Portuguese, [s.l.], v. 85, n. 3, p. 455-65, set. 2002.

VIEIRA, Maria Augusta da Costa. Las relaciones de poder entre narrador y lector: estúdio acerca de Don Quijote, Viagens da minha terra y Memórias póstumas de Brás Cubas. Cuadernos Hispanoamericanos, Madrid, n. 570, p. 59-71, dez. 1997.

VIEIRA, Maria Augusta da Costa. Literatura y sociedad: dos parámetros para el estudio de la presencia Del Quijote en la novela brasileña. Actas Del Simposio Internacional 1997 Nanjing. In: CHEN, Kaixian (Ed.). Cervantes en el mundo. Nanjing: Centro Cervantes; Universidad de Nanjing, 1997.

VIEIRA, Maria José. Sentimento da História e consciência de Nação em Machado de Assis. Dissertação (Mestrado em Letras). Universidade Federal Fluminense, 1998.

VIEIRA, Sara Maira Wenzel de Paula. O teologismo machadiano. Dissertação (Mestrado em Letras). Universidade Federal de Goiás, 1989.

VIERA, David, J. Time in Machado de Assis’s Dom Casmurro: the influence of Laurence Sterne’s Tristram Shandy and Henri Bergson’s Duree. In: BAZAN, Eduardo Zayas; HUNGATE, Christa I. (Ed.). Selected proceedings of the thirty fourth Annual Mountain Interstate Foreign Language Conference. City: East Tennessee S. U., 1986.

VIRGILLO, Carmelo. Love and the Causa secreta in the tales of Machado de Assis. Hispania, Los Angeles, CA, n. 49, p. 778-786, 1966.

VIRGILLO, Carmelo. Some themes in Machado de Assis’ short stories. Dissertation Abstracts, Ann Arbor, MI, 1964.

VÍTOR, Nestor. A crítica de ontem. Rio de Janeiro: Leite Ribeiro & Maurílio, 1919.

VOGEL, William C. A matriz de ditados e citações em Esaú e Jacó de Machado de Assis. Romance Linguistics and Literature Review, Los Angeles, CA, n. 4, p. 65-73, 1991.

VOLCATO, José Carlos Marques. History as play: a comparative study of King Lear and Quincas Borba. Tese (Doutorado em Letras) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 1992. 185 p

WALDECK, Sérgio. Machado: ainda absenteísmo. Vozes, Petrópolis, n. 2., v. 65, p. 157-159, 1971.

WEBER, João Hernesto. A teoria da literatura brasileira e o Instinto de nacionalidade: o paraíso está no fim? Tese (Doutorado em Letras) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 1994.

WEINER, Lauren. Rediscovering the "espírito" of Machado. New Criterion, New York, v. 16, n. 2, p. 18-25, out. 1997.

WEINHARDT, Marilene. O uso do diálogo no Memorial de Aires. Revista Letras, Curitiba, n. 24, p. 229-241, dez. 1975.

WERNECK, Maria Helena. Mestra entre agulhas e amores: a leitora do século XIX na literatura de Machado e Alencar. Dissertação (Mestrado em Letras) – Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. 1985. 

WERNECK, Maria Helena. O homem encadernado: Machado de Assis na escrita das biografias. Rio de Janeiro: Editora UERJ [EDUFRJ], 1996.

WERNECK, Maria Helena. Veja como ando grego, meu amigo: o corpo e a arte na correspondência de Machado de Assis. Scripta, Belo Horizonte, v. 3, n. 6, p. 137-146, jan./jun. 2000.

WESCHENFELDER, Eládio Vilmar. A paródia nos contos de Machado de Assis. Pelotas: UFP, 2000. (Dissertações; 6)

WILLEMSEN, August. Portfolio: het Rio de Janeiro van Machado de Assis in foto’s van Sérgio Zalis. Maatstaf, Amsterdam, v. 36, n. 7, p. 31-40, jul. 1988.

WILLIAMS, Lorna V. Perspective in the Memorias Phostumas de Braz Cubas by Machado de Assis. College Language Association Journal, Atlanta, GA, n. 18, p. 501-506, 1975.

WINNER takes all. Times, Literary Suplement, London, p. 122, 17 fev. 1966.

WÖLL, Dieter. Machado de Assis oder Moreira de Azevedo?: zur Frage ihrer Autorschaft in der Marmota fluminenese: A Marmota und O Espelho. Romanische Forschungen, Frankfurt, n. 79, p. 28-61, 1967.

WOLL, Dieter. Machado de Assis: die Entwicklung seines erzählerischen Werkes. Bonn: Georg Westermnann, 1972.

WOOD, Michael. Master among the ruins. New York Review of Books, [s.l.], v. 49, n. 12, p. 47-49, 2002.

WOODBRIDGE Jr., Benjamin Mather. Machado de Assis: o encontro do artista com o homem. Província de São Pedro, Porto Alegre, n. 18, p. 18-25, s. d.

XAVIER, Elódia. Machado de Assis: mestre do desmascaramento. In: SECCHIN, Antônio Carlos; ALMEIDA, José Maurício Gomes de; SOUZA, Ronaldes de Melo e (Org.). Machado de Assis: uma revisão. Rio de Janeiro: In-Fólio, 1998. p. 105-113

XAVIER, Elódia. Memórias póstumas de Brás CubasMemórias sentimentais de João Miramar: o narrador em questão. In: CONGRESSO ABRALIC. Anais. v. 3. Belo Horizonte: ABRALIC, 1991. p. 328-333

XAVIER, Lindolfo. Machado de Assis no tempo e no espaço. Rio de Janeiro: Coeditora Brasília Cooperativa, 1940.

XAVIER, Therezinha Mucci A personagem feminina no romance de Machado de Assis. Rio de Janeiro: Presença, 1986. 78 p. (Coleção Atualidade Crítica; 9)

XAVIER, Therezinha Mucci. Verso e reverso do favor nos romances de Machado de Assis. Tese (Doutorado em Letras). Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, 1989.

ZAND, Nicole. Les charmes vénéreux de Machado de Assis. Le Monde, Paris, 29 jun. 1990.

ZECEVIC, Patricia D. The beloved as male projection: a comparative study of Die Wahlverwandschaften and Dom Casmurro. German Life and Letters, Oxford, v. 47, n. 4, p. 467-476, out. 1994.

ZILBERMAN, Regina. Memórias póstumas de Brás Cubas: diálogos com a tradição literária. Revista Tempo Brasileiro, Rio de Janeiro, n. 133/134, p. 1998.

ZILBERMAN, Regina. Um caso para o leitor pensar. Revista de Letras, São Paulo, n. 29, p. 19-24, 1989.

ZIOMEK, Henryk. Parallel ingredients in Dom Quixote and Don Casmurro. Revista de Estudios Hispánicos, Poughkeepsie, NY, n. 2, p. 229-240, 1968. {Revista de Estudios Hispánicos, Alabama, n. 2, v. 2, 1968.?}

ZOLIN, Lúcia Osana. A mulher machadiana na mira da crítica: da periferia a imanência do texto. Revista Unimar, [s.l.], v. 17, n. 1, p. 1-16, abr. 1995.

   página inicial      ir para A até C   

 

 

1 1