Psicoterapeuta e Consultor Motivacional

 

Linhas tortas

          Quantas vezes não entendemos os acontecimentos de nossa vida. O ser humano aprende desde cedo a revoltar-se contra tudo e todos. Não condeno a revolta. Às vezes ela é necessária, principalmente quando sentimos que precisamos dar a nossa contribuição para a mudança na estrutura desigual de nosso país. Mas existem aqueles que não conseguem enxergar além do aqui e agora. Daí a revolta se transforma em desespero.

         Para que possa viver com menos estresse, o empresário ou líder moderno deve ser um visionário. Precisa entender o processo de sua empresa e de sua própria vida num plano holístico. Precisa aprender a prever, a antecipar. Só assim estará preparado para o mercado futuro. Esta habilidade é alcançada quando entendemos que tudo está relacionado a tudo.

         Eu não compreendo todos os mistérios da vida, nem tenho todas as respostas. Mas sei que vivo melhor quando aceito que faço parte de algo maior do que a mim mesmo. Quando algo dentro de mim diz que a resposta ainda não veio, mas que ela existe.        

         Há uma história sufi que me tranqüiliza todas as vezes em que sinto que a vida ou os acontecimentos parecem estar contra mim. Vou partilhá-la com você:

 

 

"Era uma vez, no Oriente, uma bonita jovem, filha de um próspero fiandeiro.

         Um dia, disse o pai:

         _ Filha, vem comigo pois partiremos para as ilhas do Mediterrâneo, onde farei negócios. De certo encontrarás por lá seu futuro marido, alguém rico e atraente que lhe assegure o futuro.

         Entretanto, durante aqueles dias da viagem, uma furiosa tempestade caiu por sobre o barco e o naufragou. A jovem moça, segurando nos destroços do naviu, conseguiu salvar-se sendo arrastada até uma praia perto de Alexandria.          Exausta, tomou consciência da morte do pai e de sua triste condição de desamparo naquelas terras desconhecidas.

         Arrastando-se pela areia, foi encontrada e acolhida por uma pobre família de tecelões. A jovem moça, desamparada, viu-se sem escolhas e iniciou uma nova vida. Com o passar do tempo, fora se habituando com a vida humilde e aprendeu também a arte de tecelar. Na verdade, após dois anos após o desastre, a moça voltava a sentir a esperança e a felicidade em seu coração.

         Mas, durante uma caminhada por aquela praia, a jovem fora assaltada e aprisionada por um bando de mercadores de escravos que por alí passavam. Presa e levada a um navio junto com outros cativos, ela se lamentava pela sua triste sina.  

         Desembarcando em Istambul, foi vendida como escrava para um homem que procurava escravos para trabalhar em sua serraria. Este homem fabricava mastros para grandes embarcações mas comprou a jovem no intuito de torná-la uma criada de sua esposa.  Ao retornar para casa, o homem soube que tinha perdido todo o seu dinheiro pois um grande carregamento de mastros em seu depósito fora roubado por piratas. Sem como custear as despesas dos empregados, a pesada tarefa de fabricar mastros passou a ser feita somente por ele, com sua mulher e a recém comprada escrava.

         A jovem mulher, sentindo-se grata pelo fato de seu patrão tê-la comprado e resgatado da mão dos mercadores de escravos, trabalhou tão arduamente e tão bem que ele decidiu lhe conceder a liberdade. Mas ela continuou trabalhando com eles, afinal, para onde iria? E estava relativamente feliz nesta nova fase de sua vida.

         De tão fiel que era em seus serviço, certa vez, a moça fora enviada para comercializar um carregamento de mastros em uma ilha distante. Quando o barco já estava distante um tufão o fez naufragar. E mais uma vez, como que por destino, a moça viu-se jogada na praia de um outro país desconhecido. E de novo chorou amargamente pois na sua vida nada ocorria como esperava.          Sempre que as coisas começava a dar certo, algo acontecia para destruir suas esperanças.

         _ Por que será que tenho passado por tantas desgraças - perguntou-se.

         Sem respostas, reuniu forças para levantar-se e afastar-se da praia, chegando até a uma cidade costeira.

         Naquele lugar da China, existia uma antiga lenda que anunciava a chegada, um dia, de uma certa mulher estrangeira, capaz de fazer uma tenda para o Imperador. Como naquela época não existia ninguém na China que soubesse fazer tendas, todos aguardavam com ansiedade o cumprimento desta profecia. Por isso, para ter certeza de que a estrangeira, ao chegar, não passaria sem ser notada, uma vez por ano os sucessivos imperadores mandavam mensageiros a todas as cidades e aldeias do país, pedindo que toda mulher estrangeira fosse levada à corte.

         Fora numa dessas ocasiões que encontraram a mulher que viera do naufrágio. E sendo levada até a presença do imperador, questionaram-na se ela sabia fabricar uma tenda.

         _ Creio que sim - respondeu a moça.

         Pediu cordas, mas não tinhas. Lembrando-se dos seus tempos de fiandeira, ela então colheu linho e fabricou-os.

         Depois pediu tecidos resistentes, mas os chineses também não tinham do tipo que ela precisava. Com suas experiências de tecelã em Alexandria com aquela família humilde, fabricou um tecido forte, próprio para tendas.

         Também precisava de estaca, mas não existiam no país. Lembrando-se do que lhe ensinara o fabricante de mastros em Istambul, a mulher fabricou algumas estacas firmes.

         Com todos os materiais necessários em mãos, a mulher lembrou-se de todas as tendas que tinha visto em suas viagens e idealizou uma linda tenda. E uma bela tenda foi construída.

         O imperador ficou maravilhado e se prontificou a satisfazer qualquer desejo que Fátima expressasse.  

         Ela quis morar na China, casou-se com um príncipe atraente e, rodeada por seus filhos, pode viver feliz até o fim de seus dias. Ela compreendera que tudo aquilo que lhe parecia ter sido uma experiência desagradável, acabou sendo parte essencial para a sua felicidade."

 

 
 

     Christiano de Almeida atende como psicoterapeuta no Instituto Darma de Campinas/SP e realiza cursos motivacionais para empresas através da Darma Consultoria e Treinamento

Para contatos ligue: (0..19) 3213-1824

Ou escreva para: netalmeida@aol.com

Visite nosso portal 

 

1