RELEVO, CLIMA E VEGETAÇÃO NO MUNDO - ALMANAQUE RECREIO

RELEVO, CLIMA E VEGETAÇÃO NO MUNDO

CLIMA NO MUNDO

A localização de cada país no planeta é importante para definir seu clima. Na faixa da Terra que acompanha a linha do Equador, por exemplo, a intensidade dos raios solares é maior durante o ano inteiro. Portanto, quanto mais próximo um país está da linha do Equador, mais quente é seu clima.Além desse, muitos outros fatores influenciam o clima de uma região, como a quantidade de chuvas, o relevo, as massas de ar, a umidade do ar, os ventos, a proximidade com o mar e a vegetação. A ação do homem, como o desmatamento ou a poluição, também pode mudar o clima.

Para entender melhor
Índice pluviométrico anual – É a quantidade de chuva que cai em uma região durante um ano. Para fazer essa medição, os especialistas usam um aparelho chamado pluviômetro, que mede a água em milímetros (mm).

Massas de ar – São porções de ar com características parecidas de umidade, pressão e temperatura. A proximidade com o Equador, com os trópicos ou com as regiões polares é responsável por essas características. Por exemplo: quando uma massa de ar está sobre uma região tropical do oceano, que tem correntes marítimas quentes e muita evaporação de água, ela costuma ser quente e úmida. Já nos pólos, que são as regiões mais distantes do equador, muito frias e com muito gelo, 
as massas de ar são frias e secas.

Umidade relativa do ar – É a quantidade de vapor de água que existe no ar. Ele nunca é totalmente seco.Pressão atmosférica – O ar que envolve a Terra é uma mistura de gases e vapor d’água chamada atmosfera. Pressão atmosférica é a 
pressão que a atmosfera faz sobre o nosso planeta, isto é, o quanto essa mistura de gases e vapor d’água pesa em cada região. Esse peso é de mais ou menos 1 quilo por centímetro quadrado.

Tipos de clima
Continental – Clima temperado, nem muito quente, nem muito frio. A média de temperatura no inverno é de 5 graus centígrados e no verão, de 24 graus centígrados. As chuvas são regulares, ficam entre 500 e 1.000 mm durante o ano. É o clima do interior da América do Norte, da Europa e da Ásia.

Continental Árido – Clima seco e com temperaturas baixas: 20 graus centígrados abaixo de zero no inverno e 17 graus centígrados no verão. Chove pouco, menos de 250 mm ao ano. É o clima de alguns países do centro da Ásia, da Patagônia e das montanhas Rochosas, nos Estados Unidos.

Continental Frio – Clima frio, com temperaturas que chegam a 15 graus centígrados abaixo de zero no inverno e 10 graus centígrados no verão. Chove pouco, menos de 300 mm por ano. É o clima do norte do Canadá e da Sibéria, na Federação Russa.

Equatorial – Clima quente com média de temperatura de 25 graus centígrados. Chove muito durante o ano, mais de 2.000 mm. É o clima das regiões próximas ao Equador.

Montanhoso – Quanto mais alto, mais frio o clima. A temperatura diminui 6 graus centígrados a cada 1.000 metros de altitude. Sempre existe neve acima de 2.000 metros. É o clima das cadeias de montanhas.

Tropical – Clima quente, com temperatura um pouco acima de 20 graus centígrados. Chove bastante durante o ano, entre 1.000 e 2.000 mm. É comum em países que estão entre o trópico de Capricórnio e o Equador, ou entre o trópico de Câncer e a linha do Equador.

Tropical Árido – Clima seco, quente durante o dia e frio à noite. A diferença de temperatura pode ser de mais de 20 graus centígrados em um mesmo dia. Chove pouco, menos de 250 mm ao ano. É o clima do deserto do Saara, de regiões do Oriente Médio, do centro da Austrália e do norte do México.

Subtropical – Clima temperado, nem muito quente, nem muito frio. A temperatura máxima no verão é de 30 graus centígrados e a temperatura mínima no inverno é próxima a 0 grau. As chuvas são regulares, entre 500 a 1.000 mm. É o clima do Uruguai e das regiões européias perto do Mediterrâneo.

Oceânico – Clima temperado. A temperatura no inverno é de 3 graus centígrados abaixo de zero e, no verão, de 15 graus centígrados. Chove muito. É o clima do noroeste da Europa, noroeste da América do Norte e do litoral sudoeste do Chile.

Polar – Sempre faz muito frio. No inverno a temperatura fica em torno de 30 graus centígrados abaixo de zero. No verão, a média é de 4 graus centígrados. Neva 100 mm por ano. É o clima do Alasca, da Antártica e de uma parte da Escandinávia, no norte da Europa.

VEGETAÇÃO NO MUNDO

O conjunto de plantas de uma região forma a sua vegetação. As plantas se desenvolvem de acordo com o clima do lugar. Características como umidade, temperatura, quantidade de luz e nutrientes do solo são fundamentais para determinar quais vegetais vivem melhor em cada região do planeta.A variedade de espécies vegetais é maior nas proximidades da linha do Equador, onde a luz é intensa, faz muito calor e chove bastante. Nessas regiões são encontradas as maiores e mais densas florestas do mundo, chamadas tropicais e equatoriais. Quanto maior a quantidade e menor a distância entre as árvores, dizemos que a floresta é mais densa.Já perto dos pólos, onde há pouca luz e as temperaturas são baixas, existe menor variedade de espécies vegetais. 
Nessas regiões há também menor quantidade de espécies animais. Isso acontece porque os animais dependem dos vegetais para sobreviver.

Tipos de vegetação 
Floresta tropical – Tem plantas com folhas largas e uma grande variedade de espécies em uma mesma região. O solo tem poucos nutrientes e as plantas se alimentam de húmus, uma massa formada pela decomposição de galhos, troncos e folhas.
Savana – Nas regiões secas, tem plantas com muitos espinhos. Nas regiões úmidas, é formada por árvores baixas e plantas rasteiras.
Vegetação mediterrânea – Vegetação típica da região próxima ao mar Mediterrâneo, formada por moitas, arbustos e árvores pequenas, como oliveiras e sobreiros.

Floresta de coníferas – Ocupa áreas onde o inverno é longo e rigoroso e o verão é curto. Entre as poucas espécies que se adaptam a essas condições está o pinheiro.

Tundra – Formada por arbustos e ervas, além de musgos e liquens. Esse tipo de vegetação aparece nas regiões frias bem ao norte do planeta nos meses de degelo.

Vegetação de montanha – Nas montanhas muito altas, como a cordilheira dos Andes, na América do Sul, quase não há vegetação. Em geral, apenas ervas e pequenos arbustos sobrevivem em grandes altitudes.

Floresta temperada – Possui espécies que perdem suas folhas durante o inverno, porque assim suportam melhor as temperaturas baixas e a seca. As espécies mais comuns são o carvalho, o bordo e a faia. O solo é coberto por gramíneas.

Estepe – Vegetação de áreas de clima temperado continental, formada principalmente por gramíneas. No Brasil é chamada de campo.

Desertos – Apenas nas áreas menos secas há vegetação. Em geral gramíneas e plantas com espinhos.

 

RELEVO NO MUNDO

As várias diferenças de altitude na superfície da Terra formam seu relevo. Os principais tipos de relevo são as planícies, os planaltos, as depressões e as montanhas. Essas diferenças existem por causa de forças que atuam em dois sentidos sobre a crosta da Terra: de dentro para fora e de fora para dentro. Podemos chamá-las de forças internas e externas.
Forças internas – São movimentos que acontecem embaixo da superfície da Terra. Às vezes, elas tornam o relevo mais baixo e, outras vezes, fazem com que ele suba. A erupção de um vulcão, por exemplo, é uma força interna. Ela acontece porque a movimentação das placas que formam a superfície da Terra abrem fendas que permitem a passagem de rocha líquida e fumegante vinda das profundezas da Terra, onde as temperaturas são muito altas.Quando a rocha líquida se resfria na superfície, ela fica sólida de novo. Isso vai acontecendo várias vezes durante milhares de anos, e o relevo, como conseqüência, vai se modificando. Muitas ilhas, por exemplo, são formadas por erupções vulcânicas. Forças externas – São a temperatura, os ventos, a chuva e os mares. De certa forma, até o homem é uma força externa, já que pode alterar o relevo quando constrói estradas ou hidrelétricas, por exemplo.

Tipos de relevo
Planícies – São terrenos planos formados por depósitos de material dos mares, lagos e rios. Podem ser encontradas em altitudes baixas ou altas. Ocupam mais de um terço da superfície terrestre e costumam acompanhar as margens de grandes rios, lagos e oceanos. 

Planaltos – São elevações produzidas pela decomposição das rochas. Geralmente estão em altitudes entre 300 e 1.000 metros. Mas também podem ser encontrados acima de 3.000 metros, com cadeias de montanhas em volta.

Montanhas – São as formações mais altas da superfície terrestre. Quando várias montanhas estão próximas umas das outras, dizemos que elas formam uma cadeia montanhosa, como a cordilheira dos Andes e a do Himalaia. As montanhas que aparecem isoladas costumam ter origem vulcânica.

Depressões – São áreas rebaixadas como resultado da erosão durante de milhares de anos. O que provoca esse desgaste são as águas das chuvas, dos rios e dos mares, e até a ação dos ventos.

OCEANOS 

Dois terços da Terra são cobertos por mares e oceanos. Uma grande quantidade de alimentos e minerais são retirados de águas salgadas. O sal de cozinha e o petróleo são exemplos da riqueza dos oceanos. A ciência que estuda os oceanos e mares é a Oceanografia. Ela investiga, entre outras coisas, as formas de vida animal e vegetal, o relevo submarino, a penetração dos raios solares e a composição das águas.Os mares são porções menores de águas salgadas e se localizam entre os continentes. Têm menor profundidade que os oceanos e maior variação de salinidade, temperatura e transparência das águas. 


Oceanos do mundo
Oceano Pacífico – Banha a parte oeste da América, a Ásia e a Oceania. É o maior em extensão e profundidade. É onde fica a fossa das Marianas, o ponto mais profundo do planeta, com cerca de 11 mil metros abaixo do nível do mar.

Oceano Atlântico – Banha o oeste da Europa e da África e o leste das Américas. É utilizado para navegação comercial entre Europa, África e Américas.

Oceano Índico – Banha o sul da Ásia, o leste da África e o oeste da Oceania. Por muito tempo foi chamado de mar das índias. É o menor dos oceanos e o que tem as águas mais quentes. 

Como ele é formado
Plataforma continental – É a parte mais próxima do continente, até mil e quinhentos quilômetros em direção ao alto mar. Abriga grande número de animais marinhos. Nessa região todos os anos são pescados cerca de 2 bilhões de toneladas de peixes. A profundidade máxima fica em torno de 500 metros.

Talude continental – É uma grande ladeira que faz a ligação entre a plataforma continental e o fundo oceânico.
Fundo oceânico – Passando o talude continental, fica o fundo oceânico. Nessa profundidade, os raios solares não conseguem chegar.

Fonte: Almanaque Abril

Imprimir página

1