APELO

CLERO DE CABINDA SOB MIRA DA "SINFO" NO ENCLAVE

A Diocese de Cabinda continua manifestar a sua apreensão e denunciar a conspiração, temendo pela sorte dos seus SACERDOTES. Depois da declaração de “OPERAÇÃO LIMPEZA”, declarado pelo Anibal Rocha, actual Governador do Enclave, as perseguições aos Filhos e Quadros do Povo de Cabinda  intensificaram cada vez mais.

Padre Dr.Jorge Casimiro Congo é um dos Padres na mira dos Serviços Secretos de Angola. Sendo este um dos tantos Padres corajosos e com frontalidades pela causa Cabindesa, a sua vida  está em risco e que existe um «programa de eliminação física do religioso». Segundo fonte segura dos próprios Serviços de SINFO, o padre Congo tem vindo a ser acusado pelo MPLA de ser «a coluna da resistência, do povo e da Frente de Libertação do Enclave de Cabinda (FLEC)» e de ser «o maior agitador, incentivando o povo a rejeitar a política do Governo e a autoridade de Aníbal Rocha, governador de Cabinda».

Todos os padres da Diocesse de Cabinda, neste momento estão sob escuta telefónicos e são seguidos em permanência, principalmente o Reverendo Casimiro Congo. A operação, da responsabilidade dos Serviços de Informações Angolanos (SINFO), está sob o comando de comandante Macondo, a pedido expresso do governador de Cabinda,ANIBAL ROCHA. O actual governador Provincial é aconselhado por um dos seus colaboradores, José Simão Helena, trabalhador da companhia Petrolífera-CHEVRON, filho de pais oriundos da provincia do Soyo,(MUSSOLONGO) natural de cabinda e membro do Comité Central do Mpla.

 «Calúnias infundadas»
O padre Congo é acusado de ser o fornecedor de ajuda alimentar da FLEC-FAC, e do seu Estado Maior Geral», o que é impossivel, segundo assegura ainda a fonte, explicando que «o objectivo destas calúnias é de encontrar argumentos suficientes para a consequente eliminação física do religioso.

Actualmente, de acordo com o mesmo responsável, qualquer elemento supostamente designado como FLEC, seja proveniente da RDC (Republica Democratica do Congo)ou Congo Brazzaville, quer seja capturado ou que se entregue voluntariamente às autoridades angolanas, é forçado um interrogatório, onde as questões sobre o padre Congo são constantes e difundidos na Radio difusão massiva local, em busca de argumentos.

Sendo Filhos do Povo de Cabinda o ex-governador Vicente Lembe e o director da Rádio, Carlos Cruz, foram isonerados dado que estes são amigos e próximos de Dr.Jorge Congo. Estas acusações são infundadas, furjadas nos círculos políticos das autoridades angolanas em Cabinda.

 

 
 
1