Cigarro...
 

            Quando é bem fumado
            Um Cigarro é algo mais
            Para nós simples Mortais
            Que fugimos do passado

            É a guerra ao tempo ocioso
            A educada fuga a ignobilidade
            Que acompanha a liberdade
            De proveitar o tempo vicioso

            É um mata-tempo que nos mata
            Mas que traduz a felecidade
            De ver a vida que nos maltrata

            E se vives morrendo és fumador
            És como todo o ser mundano
            Acende um Cigarro e combate a dor

                            Por: António Costa.
 
 

**************************************************************************************************************

    Amar-te?
 

            Mas quem foi Bocage?
            E Quental ou Camões?
            Quem vos disse tal ultrage
            Que eles tinham corações?

            Homens de engenho e arte
            Senhores das frases rimadas
            Deuses dos feitos a parte
            Farois nas tempestades iradas

            Mas como poderiam Amar-te?
            Se por ti não foram olhados
            Nem por tuas palavras louvados

            E assim te mostro meu Amor
            Que a minha Dor é deveras superior
            A todo o poeta sofredor

                            Por: António Costa.
 
 

**************************************************************************************************************

    Amigo!!
 

            Quando quero um Amigo
            Puxo de um copo vazio
            Dou-lhe de um alcool com brio
            E peço-lhe que fale comigo

            Ao que este aceita calado
            Olhando-me la do balcão
            E a minha frente sentado
            Mudo me diz com paixão

            Sei que estas Condenado
            A viver a vida calado
            Mas não foste Desonrado

            Por isso beija-me com Emoção
            Para que eu tenho passado
            Uma hora no teu Coração
 
                            Por: António Costa.
 
 

**************************************************************************************************************


    Sou um Espermatozoide!!
 

            Sou um Espermatozoide
            Projecto de puto birrento
            Mas vou ficar mongoloide
            Se não tiver Casamento

            Vejam bem o meu tormento
            Vivo a espera do futuro
            Que pode ser Ovulo ou muro
            Ou ate Medicamento

            Chega a hora de partir
            E corro para atingir
            O Destino que se esta a vir

            Aihh!!Deus que estranho Fado
            Que em aguas morro afogado
            Porque alguem foi precisado
 
                            Por: António Costa.
 
 

**************************************************************************************************************


    Ser, ou não Ser?
 

            Sendo justo sou um pobre
            Que vive de Compaixão
            Sendo injusto sou um Nobre
            Que Age sem Coração

            Sendo Sábio sou um Deus
            Que nega toda criação
            Sendo ignóbil sigo os meus
            Deuses de Corrupção

            Ouçam bem olhos atentos
            Mais vale assim ser ninguém
            Para conseguir seus intentos

            Mas ser ninguém é ser alguém...
            Que Confusão os meus Inventos!!
            Já não sou alguém como ninguém

                            Por: António Costa.
 
 

**************************************************************************************************************

    Já nada tenho para Dar...
 

            Já nada tenho para Dar
            Nem sei sequer como beijar
            A grande Ninfa do Mar
            Com quem gosto de sonhar

            Já nem sei se pode Existir
            Musa tão grande e sem fim
            Tenho medo de lhe pedir
            Uma gotinha Sua para mim

            E por pequena que fosse
            Seria sempre um Tesouro
            Com um sabor muito Doce

            Sem nada morro de sede
            Com Ela vivo afogado
            Como é triste este meu Fado

                            Por: António Costa.
 


**************************************************************************************************************

    Justiça...
 

            Caindo aos pés, da Ignorância
            Olho de baixo em Penitencia
            Relembro os tempos de Infância
            A era da alta Sapiência

            E se nada tem Importância
            Aos olhos da Santa Prudência
            Desejo a Vossa Veemência
            A vossa, oh Real Excelência

            Oh justiça mundana
            Onde esta vossa Vivência
            No lugar da vida Insana

            Ai essa mente Profana
            Escondida na Inocência
            De culpa deitada na cama

                         Por: António Costa.
 


**************************************************************************************************************

    Esperança...
 

            Deixo a Esperança morrer
            Rezo o seu ultimo Desejo
            E choro mesmo sem querer
            A razão do seu Ansejo

            Apenas quer um amante
            Que saiba lutar por Ela
            E que saiba levar Avante
            O seu corpo de Donzela

            Desculpa-me, as marcas da Dor
            Que te vão no Coração
            Oh meu verdadeiro Amor

            Mas deste-me uma Ilusão
            Foste culpada do teu Horror
            Alimentas-te minha Paixão

                         Por: António Costa.
 


**************************************************************************************************************


    Já fui tudo...
 

            Já fui tudo e não sou nada
            Mas ainda tenho Esperança
            De pousar na minha espada
            Rosas da nossa Aliança

            Não sou nada e já fui tudo
            Mas já tenho uma ilusão
            Agora apenas dou uso
            As vontades da imaginação

            Deixei de lutar, sem desistir
            De por em ti um coração
            Olhando para mim a sorrir

            Apenas de te espero a paixão
            Para todo o mundo ouvir
            A musica da nossa união

                         Por: António Costa.
 


**************************************************************************************************************

    Saudade...
 

            E hoje finalmente
            Tenho medo do amanha
            Só porque sei simplesmente
            Que vou acordar de manha

            E o meu olhar demente
            Será ferido pela Saudade
            Pelo teu viver ausente
            A luz da minha insanidade

            Sei que só sei sonhar
            E espero vivamente
            Um dia para não chorar

            E peco a Deus que invente
            Uma forma de te Esperar
            E te amar perdidamente

                         Por: António Costa.
 


**************************************************************************************************************

    Solto...
 

            Nunca sei o que farei
            Nem sequer o que serei
            Apenas sei que nada sei
            Porque sei o que não sei

            Assim triste vou viver
            Eternamente sem saber
            Se é que vou renascer
            Ou simplesmente morrer

            Meus olhos são sujos  rios
            Que correm por conhecer
            As paixões e seus pavios
            Que não ardem sem se ver

            Mas quem sou eu afinal
            Se não um simples mortal
            Que mais sou se não um mal
            Aos teus Olhos de Cristal

            E esse teu ente Divinal
            Que desejo ardentemente
            Faz de ti mesma fatal
            E mim escravo simplesmente

            Já não conheço a direcção
            Do Castelo da Razão
            Rendo-me assim a paixão
            Egoismo do coração

            E que mais posso eu fazer
            Se sei que estou a sofrer
            Se não esperar sem saber
            Se um dia te vou fer
 

                         Por: António Costa.
 


**************************************************************************************************************



            Diz-me porque que precisas de provas?
            Se nada disto pode ser linear!
            A Vida é um Ponto e a estupidez uma das suas Geometrias.
            Euclides mostra-te o mundo em Rectas
            Einstein mostra-te o Universo em Curvas
            Mas os Pontos serão sempre  os mesmos.
            A Vida não é Estupida... Isso é apenas uma questão de Ordens de Grandeza!!!

                         Por: António Costa.
 


**************************************************************************************************************


Voltar a pagina principal.



              Ultima actualização em 4 de Agosto de 2000 1