A SOCIOLOGIA NO BRASIL

A SOCIOLOGIA NO BRASIL

(O Ensino e as Pesquisas Sociológicas no Brasil)

Por FERNANDO DE AZEVEDO

 

 

 

O estudo que aqui apresentamos, a titulo de Introdução, é uma preciosa síntese histórica e critica da Sociologia rio Brasil, extraído, com a gentil aquiescência do Autor, de seu livro Princípios de Sociologia (Edições Melhoramentos, São Paulo 8.0 ed., 1958), omitidas as notas bibliográficas. Como professor na Universidade de São Paulo e Presidente da Sociedade Brasileira de Sociologia, mas principalmente através de sua obra, vasta e erudita, Fernando de Azevedo exerce profunda influência na vida intelectual de nosso país e se tornou uma das figuras mais insignes da história da cultura brasileira. Impunha-se , assim, que a sua colaboração figurasse em destaque neste Dicionário.

 

Na história da Sociologia no Brasil podemos distinguir três fases, das quais a primeira se estende da 2.a metade do século XIX, até 1928, anterior ao ensino e à pesquisa; a segunda, a da introdução do ensino dessa matéria em escolas do país (1928-1935), e a terceira, em que entramos desde 1936, a da associação do ensino e da pesquisa, nas atividades universitárias. No primeiro período o mais dilatado de todos, surgem, a longos intervalos, estudos e trabalhos em que aparecem, na interpretação da história geral ou literária idéias e tendências sociológicas, orientadas em direções diversas. São obras antes literárias e históricas do que sociológicas, em que já se acusa uma penetração maior ou menor, geralmente superficial, do espírito e das idéias correntes da ciência social, ainda em formação, dominantes nos meados do século XIX. As influências que parecem preponderar nesses trabalhos, de valor e orientações diferentes, são o positivismo (Comte e Littré), sob cuja inspiração escreveu F. A. Brandão Júnior A Escravatura no Brasil (1865); o evolucionismo (Spencer, De Greef, Gumplovicz, etc.), segundo o qual se nortearam Sílvio Romero, a princípio, e Alberto Sales, e, finalmente, a escola antropológica italiana (Sighele, Rossi, Ferri) e as teorias antropogeográficas. De modo geral, e salvo raras exceções, como as de Sílvio Romero sobre o folclore, o conjunto dessas obras e atividades converge todo ele a caracterizar a Sociologia como insulada em teorias, acolhidas como definitivas, ou uma ciência feita e acabada, quando a verdade é que a Sociologia, em todo esse período, da 2.a metade do século passado, estava ainda constituindo-se e lutava por se impor, como ciência autônoma, com seu objeto e métodos próprios. Ë o que também se constatou, em graus variáveis conforme tivemos ocasião de observar, em diversos países hispano-americanos, como a Argentina, o Chile e o México.

Dentro dessas correntes de pensamento, então predominantes na Europa, e das várias direções para onde se encaminhavam escreveram, entre outros, Sílvio Romero que procura interpretar a História do Brasil, a Literatura e o Direito segundo o evolucionismo spenceriano, e manifesta, na última fase de sua obra, em Ensaios de Sociologia e Literatura (1900) conhecimentos das idéias e dos métodos de Fr. Le Play, que cuida de aplicar em estudos que não chegou a publicar, O Brasil Social (l908); Alberto Sales, que em Ciência Política apresenta pontos de vista sociológicos de inspiração Spenceriana; Fausto Barreto, com seus ensaios de tendências haeckelianas; Lívio de Castro, em seu livro de estudos bio-sociais, A mulher e a Sociologia e por último, Paulo Egídio, com quem, no Brasil, e antes de 1900, surge a primeira análise de idéias durkheimianas, e que, em Estudos de Sociologia Criminal e em Introdução Filosófica a Sociologia (folheto), aplicou à Sociologia Jurídica os pontos de La Division du Travail Social, de Émile Durkheim. A Silvio Romero deve-se ainda, além de seus trabalhos, o inicio, por largo tempo sem seguidores, da pesquisa organizada e cientificamente elaborada de folclore, sobre que nos deixou dois estudos fundamentais. A primeira grande obra, por certo, mais literária do que sociológica, mas escrita sob a inspiração bio-sociológica e antropogeográfica e apoiada sobre larga base de conhecimentos e observações científicas é, porém, o livro Os Sertões, de Euclides da Cunha, que analisa o choque de culturas nos sertões da Bahia. Nos ensaios políticos de Alberto Tôrres já se encontram também pontos de vista nitidamente sociológicos. É, no entanto, com Oliveira Viana, em Populações Meridionais do Brasil e Evolução do Povo Brasileiro, e, mais tarde, com Gilberto Freyre, com Casa Grande e Senzala (1933) e Sobrados e Mocambos, que tiveram início realmente, e de forma brilhante e fecunda, os modernos estudos de Sociologia em nosso país. O primeiro sofreu a influência das teorias raciais e, sobretudo, da Antropogeografia e da Escola da Ciência Social, como se verifica nesses trabalhos e, especialmente, em seus Estudos da Psicologia Social; o segundo escreveu suas duas obras fundamentais sobre a formação e a decadência da família patriarcal brasileira, com orientação baseada principal. mente na Ecologia Humana e na Antropologia Cultural anglo-americana. É que Gilberto Freyre fez seus estudos na América do Norte com Franz Boas e outros, tendo sido o primeiro brasileiro que, em cursos universitários, se especializou no campo da Antropologia Cultural. Dando-se o balanço a todas as publicações, algumas notáveis, anteriores ao estabelecimento do ensino da Sociologia no Brasil, verifica-se que os Únicos trabalhos teóricos sobre Ciências sociais são os de Paulo Egídio, em São Paulo, e, no Rio, os de Fontes de Miranda que, com Sílvio Romero, podem ser considerados os precursores da Sociologia no Brasil.

Esta foi a primeira fase em que o pensamento sociológico e político, recolhido em fontes diversas, a principio ténue e difuso, e mais tarde já fortemente acentuado, precedeu no país, como aliás por toda parte, o ensino da Sociologia, informando obras de análise e interpretação social, mais ou menos de acordo com idéias dominantes na época, sobretudo na Europa. A maior parte senão a quase totalidade dos escritores que se utilizaram de pontos de vista sociológicos, eram autodidatas, eruditos ou diletantes que cediam a influências variáveis e sucessivas de obras que lhes caíam nas mãos e passavam a ser as fontes inspiradoras de seus trabalhos. Mas, pelo interesse manifesto por pensadores e sociólogos estrangeiros, cujas ideias foram os primeiros a tornar conhecidas entre nós, ou pelo valor verdadeiramente notável de seus trabalhos, como no caso de Oliveira Viana e Gilberto Freyre, entre outros, contribuíram para desenvolver, nos meios culturais do país, o interesse pelos estudos e pesquisas sociológicas. São, como já se disse, os precursores ou pioneiros da nova ciência no Brasil. A esse período sucedeu, com grande atraso em relação a quase todos os países da América Latina, o da introdução do ensino da Sociologia que remonta a 1925-1928 quando foram criadas no Colégio Pedro II, a primeira cadeira de Sociologia, que esteve a cargo de C. Delgado de Carvalho, e, em 1928, mais duas, uma, na Escola Normal do Distrito Federal, por iniciativa de Fernando de Azevedo, e outra, na Escola Normal de Recife, por inspiração de Gilberto Freyre e proposta de Carneiro Leão. Em 1933 é fundado, em São Paulo, o Instituto de Educação e neste, a cadeira de Sociologia Geral e Educacional, introduzida, em 1931, no Curso de Aperfeiçoamento, instituído por M. B. Lourenço Filho, e regida, desde o começo, por Fernando de Azevedo, por cuja iniciativa foram criadas, no Código de Educação (1933), cadeiras de Sociologia, especialmente de educação, nos cursos de formação profissional de professores, em todas as Escolas Normais do Estado de São Paulo. Ainda, no mesmo ano de 1933, inauguraram-se novos cursos de Sociologia, na Escola Livre de Sociologia e Política instituição particular fundada em São Paulo, por essa época, e onde sempre teve grande destaque o ensino dessa matéria.

Ao contrário do que se deu nos países hispano-americanos em que o ensino da Sociologia começou, em geral, nas Faculdades de Direito (de Ciências Jurídicas e Sociais ou Jurídicas e Políticas), foi pelo Colégio Pedro II e pelas Escolas Normais, do Distrito Federal, de Recife e de São Paulo, que se iniciou no Brasil, penetrando somente em 1933, no ensino superior, pela Escola Livre de Sociologia e Política, e em 1934 e daí por diante, no ensino universitário, com a incorporação do Instituto de Educação à Universidade de São Paulo, e a criação da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras a primeira que se instalou, no país, com a fundação dessa Universidade. É certo que nas Escolas Normais de São Paulo e em outras de diversos Estados, em que se criaram cadeiras dessa disciplina, o ensino da Sociologia, entregue, no começo, a professores em geral improvisados e autodidatas, e, portanto, a divagações mais ou menos literárias sobre doutrinas duvidosas ou já ultrapassadas e a disputações escolásticas, se ressentiu profundamente por largo tempo da falta de especialistas devidamente preparados para esse magistério. Não fossem, de um lado, a fundação da Escola de Sociologia e Política e a criação das Faculdades de Filosofia, Ciências e Letras a de São Paulo, em 1934, e a do Distrito Federal, em 1935, e, de outro, o concurso das missões de professores estrangeiros, em São Paulo e no Rio, e o ensino de Sociologia se teria arriscado a comprometer-se gravemente quanto à sua solidez, eficiência e orientação. Fato porventura o mais característico de todos, na história do ensino da Sociologia, no Brasil, é o impulso recebido da colaboração inestimável de professores estrangeiros, entre os quais se destacaram mestres como, em São Paulo, Horace Davis, Samuel Lowrie e Donald Pierson, norte-americanos, na Escola de Sociologia e Política; P. Arbousse Bastide, C. Lévi-Strauss, Roger Bastide, G. Gurvitch e Charles Morazé, franceses, na Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras, da Universidade de São Paulo, e, no Rio de Janeiro, Jacques Lambert, além de professores visitantes, corno Radcliff Brown que professaram cursos especiais de Sociologia e Antropologia Cultural. Foi essa colaboração um dos fatores que mais concorreram para que o ensino de Sociologia tomasse logo o caráter científico e se elevasse a um alto nível, abrindo perspectivas em direções diversas, com a predominância, na Escola de Sociologia e Política, da influência norte-americana que se enriqueceu com a experiência de Radcliff-Brown, antropólogo inglês, entre outros, e, na Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras, sob o influxo principal da Escola Durkheimiana, já existente entre nós, embora retificada em certos pontos e largamente completada em outros pelas contribuições de correntes modernas de pensamento, da Alemanha, Inglaterra e Estados Unidos.

Inaugurou-se, então, com a participação de professores franceses e americanos, um período de efervescência e atividade intelectual, realmente fecundo para os estudos sociológicos no país. Em 1935 fundaram-se, em São Paulo, a Sociedade de Sociologia de São Paulo, hoje Sociedade Brasileira de Sociologia e a Sociedade de Etnologia e Folclore, e, logo em seguida, no Rio de Janeiro, o Clube de Sociologia da Universidade do Distrito Federal e a Sociedade de Etnologia e Antropologia. Surge, por iniciativa de Emilio Willems, professor de Antropologia, a revista Sociologia, ainda a Única que sobre a matéria circula no país. Em nível universitário, criaram-se, sucessivamente, outras cadeiras de Sociologia, na Universidade do Rio de Janeiro, que absorveu a do Distrito Federal, em vários Institutos de Educação e Escolas Normais do país, nas Faculdades de Filosofia, mais recentes, da Bahia, de Minas e do Rio Grande, não só oficiais como particulares e, entre estas, nas Escolas das duas Universidades Católicas, do Rio e de São Paulo. Instituíram-se bolsas de estudos; e muitos estudantes já puderam fazer cursos de aperfeiçoamento e de especialização no estrangeiro, e, particularmente, na França, Inglaterra e nos Estados Unidos. Em 1936, Gilberto Freyre, que se encarregara dos cursos na Universidade do Distrito Federal, criada por Anísio Teixeira, publica Sobrados e Mucambos e logo após o Nordeste, continuando suas análises sobre a formação e evolução da sociedade patriarcal brasileira, iniciadas com extraordinário sucesso em 1933, com Casa Grande e Senzala o livro de maior repercussão no país, depois de Os Sertões, de Euclides da Cunha. Em 1935, publica Fernando de Azevedo, da Universidade de São Paulo, os seus Princípios de Sociologia, e, em 1940, a Sociologia Educacional, logo depois, em 1942, traduzida para o espanhol, em que, embora sejam consideradas todas as correntes do pensamento sociológico, se sente, mais forte, a inspiração durkheimiana. Pioneiro desses estudos e o primeiro professor de Sociologia que teve o país C. Delgado de Carvalho acrescenta a seus trabalhos anteriores (1931-1933) a Sociologia Educacional, a Sociologia e a Educação e a Sociologia Experimental (1934). Ainda no Rio de Janeiro, Carneiro Leão publica, em 1940, Fundamentos de Sociologia e Sociologia Rural, sob a influência de correntes norte-americanas. Os problemas teóricos de Sociologia são examinados também, de pontos de vista e segundo orientações diversas, nos trabalhos de Alceu Amoroso Lima (Tristão de Ataíde), como a Preparação à Sociologia (1931) e o Problema da Burguesia (1932), nos estudos de A. Costa Pinto, da Universidade do Brasil e nos ensaios de Pinto Ferreira autor da obra Sociologia, em dois tornos, e Mário Lins, ambos de Pernambuco os quais se dedicam à análise dos fenômenos compreendidos por Leopold von Wiese sob a denominação de espaço social.

Fruto daquela colaboração e dessas atividades que se desenvolveram em vários pontos do país (Rio de Janeiro, Recife) e fizeram de São Paulo o principal centro de estudos e investigações sociológicas, é a tendência cada vez mais acentuada à associação da teoria e da pesquisa, do ensino e da investigação. Ë essa tendência que assinala mais fortemente a terceira fase da história dos estudos sociológicos no Brasil. Embora o ensino dessa disciplina tenha sido introduzido nos cursos universitários do país, somente depois de sua aceitação em quase todos os países da América Espanhola, foi no Brasil, em Recife e no Rio de Janeiro, com Gilberto Freyre, A. Costa Pinto e A. Guerreiro Ramos, e especialmente em São Paulo, onde já existe um grupo excelente de pesquisadores, que tomaram maior impulso os trabalhos de investigação científica no campo da Sociologia e da Antropologia Cultural. É certo que a associação do ensino e da pesquisa não se fez senão lentamente, quer por falta de especialistas com sólida formação científica e adestrados nas técnicas de investigação, quer por falta de estímulos aos professores e de dotações orçamentárias para a pesquisa, quer ainda pelas prevenções contra essa ciência embora já, em grande parte, quebradas devidas à incompreensão e à incultura geral que permitiam confundir Sociologia e Filosofia Social, Sociologia e socialismo. Mas, a colaboração de missões culturais estrangeiras, sobretudo da França e da América do Norte; os cursos metódicos e intensivos de Ciências Sociais, na Escola de Sociologia e Política e na Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras, da Universidade de São Paulo; as atividades científicas de professores já formados naquela Escola e nesta Faculdade ; a extensão do regime de tempo integral às cadeiras de Sociologia, na Faculdade de Filosofia, de São Paulo, e a criação, nessa mesma Faculdade, do primeiro Departamento de Sociologia e Antropologia, tem contribuído cada vez mais para uma íntima e fecunda associação do ensino e da pesquisa e para o alargamento do campo de investigações científicas, em todos os setores desse domínio de estudos. Com maior equipamento teórico, de princípios sólidos e coerentes, e sob o influxo fertilizante da pesquisa, o ensino da Sociologia tomou pé e tende a atingir a plenitude de sua maturidade, no trabalho de criação, acima das disputas acadêmicas de escolas.

É a Sociologia dos povos primitivos, iniciada no Brasil por von den Steinen (1888), Wilhelm Schmidt e Theodor Koch-Grünberg, e retomada, já no século XX, por Colbacchini e particularmente por Kurt Nimuendaju, sobre os Canela orientais, que parece ainda despertar maior interesse dos pesquisadores. Essas investigações tomam novamente caráter científico com os trabalhos de etnólogos do valor de Herbert Baldus sobre os Caingangue, os Tapirapé e os Tereno; de Cl. Lévi-Strauss, sobre a organização social dos Bororo; e com os estudos de Egon Schaden, sobre a mitologia heróica de algumas tribos aborígines do Brasil; de Kalervo Oberg sobre a estrutura econômica dos grupos tribais aborígines de Mato Grosso, e com as obras realmente notáveis de Florestan Fernandes sobre a organização social dos Tupinambá e a função social da guerra nessa sociedade primitiva. Além desses pesquisadores de São Paulo, surge, no Paraná, Loureiro Fernandes, diretor do Museu Paranaense, que explora o mesmo campo de investigação, em que continuam a trabalhar Roquette Pinto e Heloísa Torres, que lhe sucedeu na direção do Museu Nacional. Na Universidade do Brasil, Artur Ramos, retomando as pesquisas de Nina Rodrigues, prossegue em seus estudos sobre os negros no Brasil, sua distribuição, seus costumes e suas culturas primitivas. Essas obras e os trabalhos fundamentais de Emilio Willems sobre a aculturação dos alemães e seus descendentes; as investigações de Horace Davis sobre o padrão de vida das famílias operárias de São Paulo (1938); os estudos de Roger Bastide sobre a cultura afro-brasileira, principalmente sob o aspecto religioso; as pesquisas de Samuel Lowrie sobre a emigração e movimento da população, em S. Paulo; as de Donald Pierson sobre a habitação e níveis de vida em S. Paulo

e sobre os negros na Bahia, e as atividades de professores da nova geração, entre os quais se destacam Egon Schaden, Florestan Fernandes, Antônio Cândido e Lourival Gumes Machado, marcam tão notáveis progressos no domínio da investigação sociológica e antropológica que já se pode considerar a pesquisa definitivamente incorporada, como elemento essencial, ao ensino e às atividades universitárias. Mas, neste último decênio que se caracteriza pelo desenvolvimento da pesquisa científica como pela difusão dos estudos sociológicos, realizados com mais segurança e maiores resultados, não se retardou, antes acelerou-se o ritmo de produção quer do domínio teórico, quer no de obras de análise e interpretação social com que se tem procurado projetar uma luz mais viva sobre aspectos de nosso passado e alguns de nossos problemas fundamentais. Entre outros, Gilberto Freyre, com os lngleses no Brasil; Caio Prado Júnior, com seus estudos sobre história econômica; Sérgio Buarque de Holanda que nos faz descer, com suas análises, às raízes do Brasil; Nelson Werneck Sodré que examina no Oeste, a formação da sociedade pastoril; Fernando de Azevedo, com A Cultura Brasileira, Canaviais e Engenhos e outras obras, e Costa Pinta, com as Lutas de Família no Brasil Colonial, trazem novas contribuições aos estudos sociológicos e à inteligência da história do país.

Toda essa atividade, intensa e fecunda, que se vem desenvolvendo, no domínio dos estudos e das pesquisas de Sociologia e de Antropologia Social, tinha de provocar, como provocou, um movimento de associação dos que trabalham no campo dessas ciências. A diversidade natural das orientações e tendências, e dispersão de esforços e a necessidade de sua convergência e coordenação, concorreram, com o desenvolvimento dos núcleos de estudos e da produção científica para favorecer as tentativas de uma organização que promovesse o conhecimento recíproco e contatos mais freqüentes de especialistas, professores e pesquisadores. Uma sociedade científica, com suas reuniões periódicas e sua revista, seria a base para melhor compreensão dos problemas comuns, relativos ao ensino e à pesquisa, e o estudo das condições e dos meios para o aproveitamento dos conhecimentos científicos no campo dos problemas sociais. Daí, o impulso que adquiriu a Sociedade Brasileira de Sociologia em que, em 1950, se transformou a antiga Sociedade de Sociologia de S. Paulo, fundada em 1935. Essa Sociedade, de âmbito nacional, com sede em S. Paulo e finalidades estritamente científicas, ramificou-se pelo país, onde conta com mais de cento e cinqüenta associados e cinco seções já em plena atividade as do Distrito Federal, de Pernambuco, Paraná, Minas Gerais e Santa Catarina, e outras por organizar. Filiada à Associação Latino-Americana de Sociologia e à International Sociological Association, aquela com sede em Buenos Aires, esta, em Oslo, na Noruega, promoveu a Sociedade Brasileira de Sociologia, em julho de 1954, o 1 Congresso Brasileiro de Sociologia, com que inaugurou a série de Congressos que, de acordo com os seus Estatutos, devem realizar-se de três em três anos. Do seu plano de trabalhos constam ainda as "reuniões anuais", circunscritas a cada uma das regiões, em que já se organizou, e a publicação dos Anais, cujo primeiro volume, correspondente ao Congresso que se reuniu em São Paulo, foi publicado em 1955. São todos esses, como se vê, sintomas ou sinais que, evoluindo em conjunto, indicam não só o alto nível como a força de expansão que já alcançaram essas atividades científicas, em pouco mais de um quarto de século.

1