Como Se Constrói a Culpa

Como se Constrói a
Culpa

Amado Bhagwan,
Por que os pais são tão cruéis com seus filhos? Faz algum sentido responsabilizá-los? E como se pode evitar cometer o mesmo erro?

      Os pais são cruéis com seus filhos porque têm um certo investimento neles. Os pais têm certas ambições que gostariam de satisfazer através de seus filhos - por isso são cruéis. Eles querem usar os filhos. No momento em que você quer usar alguém, fatalmente você será cruel. A própria idéia de usar alguém como um meio, está permeada de crueldade, de violência.

      Jamais trate outra pessoa como um meio! - porque cada pessoa é um fim em si mesma.

      Os pais são cruéis porque estão cheios de idéias: querem que os filhos sejam isso e aquilo. Eles gostariam que os filhos fossem ricos, famosos, respeitados; gostariam que seus filhos satisfizessem os seus egos insatisfeitos. Os filhos se tomam sua viagem.

      0 pai queria ser rico mas não teve sucesso; e agora a morte está se aproximando; mais cedo ou mais tarde será eliminado da vida. Ele sente-se frustado: ainda não alcançou o objetivo. Ele ainda estava tentando, buscando... e agora vem a morte - isso parece tão injusto! Ele gostaria que o filho prosseguisse com o trabalho, porque o filho o representa. Ele é seu sangue, é sua projeção, é uma parte dele - é sua imortalidade. Quem conhece a alma? Ninguém a conhece com certeza. As pessoas acreditam, mas a crença nasce do medo, no fundo a dúvida permanece.

      Cada crença carrega a dúvida dentro de si. Sem a dúvida não pode existir qualquer crença. Para reprimir a dúvida, nós criamos a crença mas a dúvida permanece corroendo o coração como uma lagarta corrói a maçã; ela o vai comendo por dentro, ela o vai apodrecendo por dentro. Quem conhece Deus e quem conhece a alma? Eles podem não existir.

      A única imortalidade conhecida pelo homem é através dos filhos isso é um fato. O pai sabe: "Eu estarei vivendo em meu filho. Eu estarei morto, em breve estarei sob a terra, mas meu filho estará aqui. E meus desejos permaneceram insatisfeitos". Ele impõe esses desejos, implanta esses desejos no inconsciente do filho: "Você tem que satisfazê-los. Se você os satisfizer, eu ficarei feliz. Se você os satisfizer, você estará pagando suas dívidas para com o seu pai. Se você não os satisfizer, você estará me traindo".

      É por aí que a crueldade entra. Agora. o pai começa a moldar a criança de acordo com seu desejo. Ele esquece que a criança tem sua própria alma, que a criança tem sua própria individualidade, que a criança tem seu próprio desenvolvimento interior que deve desabrochar. O pai impõe suas idéias. Ele começa a destruir a criança.

      E ele pensa que a ama: ele ama somente a própria ambição. Ele ama o filho porque este vai se tomar um instrumento; o filho vai ser um meio. Isso é crueldade.

      Você me pergunta: "Por que os pais são tão cruéis com seus filhos.?" Eles não podem mudar isso, porque têm idéias, ambições e desejos insatisfeitos. Eles querem satisfazê-los, querem continuar a viver através dos filhos. Naturalmente eles podam, eles cortam, eles moldam, eles dão um padrão para a criança. E as crianças são destruídas.

      Essa destruição fatalmente acontece - a menos que um novo ser humano, que ame por amar, surja sobre a terra; a menos que uma nova paternidade, em que você ama a criança pela simples alegria de amar, em que você ama a criança como uma dádiva de Deus, seja concebida. Você ama a criança porque Deus foi tão ... uma tamanha bênção para você. Você ama a criança porque a criança é vida, um convidado que veio do desconhecido e que se aninhou em seu lar, em seu ser, que o escolheu como seu ninho. Você está grato e você ama a criança.

      Se você realmente ama a criança, não dará as suas idéias para a criança. O amor jamais dá qualquer idéia, jamais dá qualquer ideologia. O amor dá liberdade. Você não o moldará. Se o filho quiser se tornar um músico, você não tentará dissuadi-lo. E você sabe perfeitamente bem que ser músico não é o tipo de emprego mais indicado, que ele será pobre, que ele jamais se tornará muito rico, que ele jamais se tomará um Henry Ford. Ou a criança quer se tornar um poeta e você sabe que ele será apenas um mendigo. Você sabe disso! Mas você aceita isso porque respeita a criança.

      O amor é sempre respeitoso. O amor é reverente. Você respeita! Porque se esse é o desejo de Deus a ser cumprido através da criança. então permita que assim seja. Você não interfere, você não se intromete no caminho. Você não diz: "Isso não está certo. Eu conheço melhor a vida, eu vivi a vida - você é apenas um ignorante, não conhece a vida e suas experiências. Eu sei o que significa ter dinheiro. A poesia não vai lhe dar dinheiro. E melhor que se tome um político, ou pelo menos se tome um engenheiro ou um médico". E a criança quer se tornar um cortador de lenha, ou a criança quer se tornar um sapateiro, ou a criança simplesmente quer se tomar um vagabundo, e quer desfrutar a vida... descansar sob as árvores, nas praias do mar, vagar pelo mundo...

      Se você ama, você não interfere; você diz: "0.k., vá com minhas bênçãos. Procure, busque a sua verdade. Seja tudo aquilo que deseja ser. Eu não vou ficar no seu caminho. E não vou incomodá-lo com minhas experiências - porque minhas experiências são minhas experiências. Você não é eu. Você pode ter vindo através de mim, mas você não é eu - você não é minha cópia. Você não deve ser uma cópia de mim. Você não deve me imitar. Eu vivi a minha vida - você viva a sua. Não vou sobrecarregá-lo com minhas experiências não vividas. Eu não vou sobrecarregá-lo com meus desejos não satisfeitos. Eu farei com que permaneça leve. E eu o auxiliarei - seja tudo aquilo que quiser ser, com todas as minhas bênçãos e com toda a minha ajuda".

      Os filhos vêm através de vocês, mas eles pertencem a Deus, pertencem à totalidade. Não os possua. Não comece a pensar que eles lhe pertencem. Como podem lhe pertencer?

      Uma vez que essa visão aflore em você, então - então não haverá mais crueldade.

      Você pergunta: "Por- que os pais são tão cruéis com os filhos? Faz algum sentido responsabilizá-los?"

      Não, eu não estou dizendo que faz qualquer sentido colocar a responsabilidade sobre os pais - porque eles sofreram por causa dos pais deles, e assim por diante... É necessário entender. Encontrar bodes expiatórios não é de qualquer ajuda. Você pode simplesmente dizer: "Eu estou destruído porque meus pais me destruíram - o que eu posso fazer?" Eu sei, os pais são destrutivos, mas se você se toma alerta e consciente, você pode sair do padrão que eles criaram e teceram à sua volta.

      Você sempre é capaz de sair de qualquer armadilha que tenha sido armada à sua volta. A sua liberdade pode ter sido enjaulada, mas a liberdade é tal, é tão intrínseca, que não pode ser completamente destruída. Ela sempre permanece, e você pode encontrá-la novamente. Talvez seja difícil, árduo, duro, uma tarefa penosa, mas não é impossível.

      Não faz sentido simplesmente jogar a responsabilidade sobre outros, porque isso o torna irresponsável. É justamente isso que os psicanalistas freudianos têm feito às pessoas - esse é o seu mal. Você vai a um psicanalista e ele o faz sentir-se perfeitamente bem quando diz: "O que você pode fazer? Seus pais eram tais - sua mãe era isso, seu pai era aquilo, toda sua criação foi errada. É por isso que você está sofrendo de todos esses problemas". Você se sente bem - agora você não é mais responsável.

      Durante dois mil anos o cristianismo tem feito você sentir-se responsável, sentir-se culpado, sentir-se um pecador. Agora a psicanálise vai para o outro extremo: simplesmente diz que você não é o pecador, que não precisa se sentir culpado - você está perfeitamente o.k. Esqueça tudo a respeito de culpa e esqueça tudo a respeito de pecado. Os outros são os responsáveis!

      O cristianismo causou muitos danos ao criar a idéia de culpa - agora a psicanálise está causando danos no outro extremo ao criar a idéia de irresponsabilidade.

      Você deve se lembrar: os pais fizeram certas coisas porque foram ensinados a fazer essas coisas - os pais deles os haviam ensinado. Eles também foram educados por pais: eles não vieram diretamente do céu. Assim, qual é o sentido de jogar a responsabilidade para trás? Isso não ajuda; não ajudará a solucionar qualquer problema. Simplesmente o ajudará a se aliviar da culpa. Isso é bom, o lado bom; o lado benéfico da psicanálise é que ela o alivia da culpa. E o lado prejudicial é que ela o deixa ali, não o fazendo sentir-se responsável.

      Sentir-se culpado é uma coisa; sentir-se responsável é outra coisa. Eu lhe ensino responsabilidade. O que quero dizer com responsabilidade? Você não é responsável por seus pais, você não é responsável para com Deus algum e você não é responsável para com qualquer sacerdote - você tem responsabilidade para com seu ser interior. Responsabilidade é liberdade! Responsabilidade é a idéia de que "Eu tenho que tomar as rédeas de minha vida em minhas próprias mãos. Já chega! Meus pais têm me prejudicado - tudo que eram capazes de fazer, fizeram: o bem e o mal, fizeram ambos. Agora me tornei uma pessoa madura. Eu deveria tomar tudo em minhas próprias mãos e começar a viver conforme as coisas forem surgindo dentro de mim. Eu deveria devotar toda a minha energia para minha vida agora". E imediatamente você se sentirá tomado por uma grande força.

      A culpa o faz sentir-se fraco; a responsabilidade o faz sentir-se forte. A responsabilidade lhe devolve o coração, a segurança, a confiança.

      E lembre-se, se você for independente, somente então, um dia, você será capaz de andar sem pés e de voar sem asas. Do contrário, não.

      E você pergunta: "E como se pode evitar cometer o mesmo erro?"

      Apenas tente entender esses erros. Se você puder entender a questão, o porquê eles são cometidos, você não os cometerá mais. Ver uma verdade é transformar-se. A verdade libera. Simplesmente veja o ponto! - por que seus pais destruíram você? Suas intenções eram boas, mas suas consciências não eram; eles não eram pessoas conscientes. Certamente queriam que você fosse feliz, desejavam que tivesse toda a felicidade, E por isso queriam que você se tornasse um homem rico, um homem respeitado; por isso eles refrearam os seus desejos, cortaram os seus desejos, moldaram você, padronizaram você, estruturaram você, deram-lhe um caráter, reprimiram muitas coisas, forçaram multas coisas. Eles fizeram tudo que podiam. Sua intenção era correta: queriam que você fosse feliz, embora não estivessem conscientes do que estavam fazendo, embora eles próprios nunca tenham conhecido o que é a felicidade. Eles eram pessoas infelizes e inconscientes.

      Sua intenção era boa - não fique com raiva. Fizeram tudo que eles podiam. Tenha pena deles, mas jamais sinta raiva deles. Não sinta qualquer rancor! Eles eram impotentes! Foram pegos em uma certa armadilha. Eles não conheceram a felicidade, mas tinham determinadas idéias de que a pessoa feliz é aquela que tem muito dinheiro. Trabalharam para isso toda a vida; desperdiçaram toda a vida ganhando dinheiro, mas conservaram essa idéia estúpida de que dinheiro traz felicidade. Assim, tentaram envenenar o seu ser também. Eles não estavam pensando em envenenar você - pensaram estar derramando um elixir em você. Seus sonhos eram bons. suas intenções eram boas, mas eram pessoas infelizes e inconscientes - e por isso fizeram mal a você.

      Agora seja consciente. Busque a felicidade. Descubra como ser feliz. Medite, ore, ame. Viva apaixonada e intensamente! Se você tiver conhecido a felicidade, você não será cruel com ninguém - não poderá ser. Se você tiver saboreado algo da vida, jamais será destrutivo com ninguém. Como pode ser destrutivo com seus próprios filhos? Você não pode ser destrutivo com pessoa alguma.

      Se você tiver conhecido a consciência, isso é suficiente. Você não precisa perguntar: "E como podemos evitar fazer os mesmos erros?" Se você não for feliz e consciente, não poderá evitar fazer os mesmos erros - você fará os mesmos erros! Você necessariamente os fará, você está fadado a cometer os mesmos erros.

      Assim, não posso lhe dar a chave de como evitar - eu posso apenas lhe dar um "insight". O "insight" é: seus pais foram infelizes - por favor, você, seja feliz. Seus pais foram inconscientes - você, seja consciente. E essas duas coisas - consciência e felicidade - não são realmente duas coisas, mas dois lados da mesma moeda.

      Comece por ser consciente e você será feliz! E uma pessoa feliz é uma pessoa não-violenta.

E lembre-se sempre: crianças não são adultos; você não deveria esperar coisas adultas das crianças. Elas são crianças! Elas têm uma visão totalmente diferente, uma perspectiva diferente. Você não deveria começar a forçar suas atitudes adultas sobre elas. Permita que permaneçam crianças, porque elas nunca o serão novamente; e uma vez perdida, todo mundo sente saudades da infância, todo mundo sente que aqueles dias eram os dias do paraíso. Não os perturbe.

      Algumas vezes lhe é difícil aceitar a visão das crianças, porque você mesmo a perdeu! Uma criança está tentando subir numa árvore; o que você fará? Você imediatamente ficará com medo - ela pode cair, pode quebrar uma perna ou alguma coisa pode sair errada. E devido ao seu medo você corre e detém a criança. Se você tivesse conhecido o prazer de subir em uma árvore, você ajudaria para que a criança pudesse aprender a subir em árvores! Você a teria levado a uma escola onde se ensina a subir em árvores. Você não a teria detido. Seu receio é bom - ele demonstra amor, pois a criança pode cair; mas impedir a criança de subir na árvore é impedi-Ia de crescer.

      Existe qualquer coisa de essencial em subir em árvores. Se uma criança nunca fez isso, ela permanecerá algo pobre, deixará de ter uma certa riqueza - por toda sua vida. Você privou a criança de algo lindo, e não existe qualquer outra maneira de conhecer isso! Mais tarde, subir em árvores se tomará mais difícil para ela. parecerá estúpido, ou tolo, ou ridículo.

      Deixe-a subir na árvore. E se você estiver com medo, ajude-a, ensine-a. Suba com ela! Ajude-a a aprender. para que ela não caia. E de vez em quando, cair de unia árvore não é tão mau assim. Melhor do que ser privado para sempre...

      A criança quer sair na chuva e quer correr pelas ruas, e você tem medo que ela apanhe um resfriado ou tenha uma pneumonia ou alguma coisa assim - e seu medo tem fundamento! Então, faça alguma coisa para que ela fique mais resistente aos resfriados. Leve-a ao médico; pergunte ao médico que vitaminas lhe deveriam ser dadas para que ela possa correr, divertir-se e dançar na chuva e não exista o medo de que ela apanhe um resfriado ou tenha uma pneumonia. Mas não a detenha. Dançar nas ruas quando está chovendo é um prazer tão grande! Deixar de tê-lo é deixar de experimentar algo muito valioso.

      Se você conhece a felicidade e se é consciente, você será capaz de sentir a criança, de perceber como ela se sente.

      A criança está pulando e dançando e gritando e morrendo de rir, e você está lendo o seu jornal, seu estúpido jornal. E você sabe o que ele contém - é sempre a mesma coisa. Mas você se sente incomodado. Não há nada em seu jornal, mas você se sente incomodado. Você interrompe a criança: "Não grite! Não incomode o papai! O papai está fazendo uma coisa muito importante - lendo o jomal". E você interromppe essa energia borbulhante, esse fluir - você interrompe esse fulgor, você interrompe a vida. Você está sendo violento.

      E eu não estou dizendo que a criança deve sempre ter permissão para perturbá-lo. Mas de cada cem vezes, noventa vezes você se incomoda desnecessariamente. E se você deixar a criança em paz nessas noventa vezes, ela entenderá. Quando você entende a criança, a criança entende você - as crianças são muito, muito sensíveis. Quando a criança percebe que nunca é detida, então quando você disser: "Eu estou fazendo algo, por favor..." a criança imediatamente reconhecerá que o pedido não está vindo de um pai que procura constantemente um motivo para gritar com ela; está vindo de um pai que permite tudo.

      As crianças têm uma visão diferente.

      "Agora eu quero todos quietos", disse a professora, "tão quietos que se possa ouvir um alfinete caindo no chão".

      Um profundo silêncio desceu sobre a sala de aula. Depois de uns dois minutos uma voz angustiada vinda do fundo da sala gritou: "Pelo amor de Deus, deixe que caia!"

      Era o primeiro dia de aula para o pequeno garoto, e tão logo sua mãe o deixou, ele desatou a chorar. Apesar de todos os esforços de sua professora e da diretora, ele continuou chorando e chorando até que finalmente, pouco antes do almoço, a professora disse, já de saco cheio: "Pelo amor de Deus, cale a boca, menino! Já é hora do almoço e daqui a duas horas você estará indo para casa e verá sua mamãezinha novamente".

      No mesmo instante o menino parou de chorar: "Irei mesmo?", disse ele. "Eu pensei que eu tinha que ficar aqui até completar dezesseis anos"

      As crianças têm sua visão, sua compreensão, sua maneira própria. Tente compreendê-las. Urna mente compreensiva sempre encontrara uma profunda harmonia surgindo entre ela e a criança. São as pessoas estúpidas, inconscientes, não compreensivas que permanecem fechadas em suas idéias e jamais olham para a visão dos outros... As crianças trazem frescor para o mundo. As crianças são novas edições de consciência. As crianças são entradas mais recentes da divindade na vida. Seja respeitoso, seja compreensivo.

      E se estiver feliz e alerta, não há necessidade de se preocupar em como não cometer o mesmo erro - você não cometerá. Mas você deve ser totalmente diferente de seus pais. A consciência trará essa diferença.

"Walk without Fect, Fly without Wings & Think without Mind"
- Sessão 2
2 de janeiro de 1978

Do original: "The New Child"    -  Editora Boschini
Edição em português: "A Nova Criança"  -  Editora Gente.

Os direitos autorais são de propriedade de: Osho International Foundation

O livro "A Nova Criança" pode ser adquirido nas melhores livrarias do gênero, pelo url  www.mandic.com.br/gentedit ,  e-mail:    gentedit@mandic.com.br ou através do Instituto Osho Brasil - e-mail: champak@tba.com.br