Este é o meu corpo... .

De P. Frank Pavone
Diretor nacional de Sacerdotes para a Vida

 

Perceberam que as mesmas quatro palavras que usou Nosso Senhor Jesus Cristo para salvar o mundo são usadas por alguns para promover o aborto? "Este é o meu corpo". As mesmas simples palavras, pronunciadas em extremos opostos do universo, com significados diametralmente opostos entre si.

Quando o Senhor Jesus tomou o pão, o abençoou, o partiu e o deu a seus discípulos, dizendo: "Este è o meu corpo, que será entregue por vós, estava pensando em que aconteceria no dia seguinte, quando entregaria aquele mesmo corpo na cruz. Ele sacrifica a si mesmo para que nos vivamos. Ele entrega o seu corpo para destruir o poder do pecado e da morte. E como resultado, nos admite em sua vida e no seu Reino. Ele nos transforma em parte do seu corpo!

Por outro lado, os que promovem o aborto dizem: "Este è o meu corpo, não interfiram com ele! É meu, e posso fazer com ele o que quero, até o ponto de matar a nova vida que está dentro dele. Tudo está subordinado ao meu domínio sobre o meu corpo." De fato um professor a favor do aborto escreveu: "Eu falo que o Deus (dos pró-vidas) não vale nada em comparação do meu corpo" (Michelle Goldberg, Rant for Choice", periódico dos estudantes da Universidade de Búfalo, 1995)

"Este é o meu corpo". Palavras parecidas, resultados opostos. Cristo entrega o seu corpo para que outros vivam; os que promovem o aborto reivindicam seu corpo para que outros morram. Entregando o seu corpo, Cristo nos mostra o sentido do amor: me sacrifico para o bem do outro. O aborto representa o oposto do amor: sacrificar o outro para o meu beneficio!

Nós não encontramos a felicidade e a realização eliminando outros do caminho, mas cedendo a outros o caminho. O Papa João Paulo II afirma:

Ele, que não veio para ser servido, mas para dar a sua vida em resgate por muitos"(Mc 10, 45), alcança na cruz a plenitude do amor. "Ninguém tem maior amor de quem dá a vida para os seus amigos" (João 15,13). E Ele morreu por nós, mesmo sendo pecadores (cfr. 5,8).

Deste modo proclama que a vida encontra o seu centro, o seu sentido e a sua plenitude, quando se entrega...

Também nós estamos chamados a dar a nossa vida para os irmãos, realizando deste modo em plenitude de verdade o sentido e o destino da nossa existência.

"Este é o meu corpo". Não è por acaso que as mesmas palavras se usem para propósitos tão diferentes. Aqui se trata de um conflito espiritual. Nós ganharemos na nossa vida e no mundo, vivendo estas palavras na entrega da nossa própria vida por amor.


Voltar

1