A ciência psiquiátrica nos discursos da contemporaneidade

 

Antonio Quinet

 

 

Para abordar a questão da ciência e da ética no que concerne a psiquiatria, gostaria de introduzir a teoria do discurso, proposta por Jacques Lacan no final dos anos sessenta, que formaliza os laços sociais entre os humanos na medida em que são seres de linguagem e de libido.

 

Discursos: laços sociais

Em o Mal-estar na civilização, Freud aponta o relacionamento com os outros homens como a causa de maior sofrimento do homem.  O mal-estar na civilização é portanto o mal-estar dos laços sociais.  Estes se expressam nos atos de governar e ser governado, educar e ser educado e também, como mostrou Freud, tanto no vínculo entre analista e analisante, que ele inaugurou, quanto no ato de fazer desejar, como as histéricas o ensinaram.  Essas quatro formas de as pessoas se relacionarem entre si - governar, educar, psicanalisar e fazer desejar - Lacan chamou de discursos pois os laços sociais são tecidos e estruturados pela linguagem. Governar corresponde ao discurso do mestre/senhor em que é o poder que domina; Educar constitui o discurso universitário dominado pelo saber; Analisar corresponde ao laço social inventado no início deste século por Freud em que o analista se apaga como sujeito por ser apenas causa libidinal do processo analítico.  E o discurso da histeria é aquele que é dominado pelo sujeito da interrogação (no caso da neurose histérica, trata-se da interrogação sobre o desejo) que faz o mestre não só querer saber mas produzir um saber.

A relação médico-paciente pode entrar nessas quatro modalidades de laço social.  Tomemos exemplos simples e um pouco caricaturais. Quando o médico manda e o paciente obedece (até na prescrição de um remédio) estamos no Discurso do Mestre; quando o médico ensina ou convence o que psiquiatria tem a dizer sobre seu caso é ele se encontra no Discurso da Universidade; quando o médico cala e ocupando o lugar de objeto causa de desejo em transferência faz o paciente segredar aquilo que ele mesmo nem sabia que sabia vemos a emergência ao Discurso do Analista.  E quando o médico se vê impulsionando a se deter, a estudar e a escrever para produzir um saber provocado pelo caso do paciente estamos no Discurso Histérico.

Dentre esses quatro discursos, o discurso da ciência se assemelha mais, por sua estrutura de produção de saber, ao discurso histérico.  Histeria, aqui, não se refere à neurose do mesmo nome, mas uma forma de relacionamento humano em que um provoca no outro o desejo e a criação de um saber (tal como as histerias fizeram com Freud).

O que se espera da ciência é efetivamente a produção de saber sobre o real.  Mas isso não quer dizer que ela não entre nos outros discursos - ela também entra tanto no discurso universitário quanto no discurso do mestre. Nossa civilização atual é dominada pela ciência.  É uma civilização científica cujo mal-estar se expressa nas doenças dos discursos. O mal-estar da civilização científica se apresenta hoje como doenças predominantemente oriundas do Discurso Capitalista que é nova modalidade do Discurso do Mestre.  São essas doenças do discurso que o psiquiatra é chamado a tratar.

O discurso como laço social é um modo de aparelhar o gozo com a linguagem na medida em que o processo civilizatório, para permitir o estabelecimento das relações entre as pessoas, implica a renúncia da tendência pulsional em tratar o outro como um objeto a ser consumido: sexualmente e fatalmente.  Pois a inclinação do homem é ser o lobo do outro homem, ou seja, abusar dele sexualmente, explorá-lo, torturá-lo, matá-lo saciando no outro sua pulsão de morte erotizada.  A civilização exige do sujeito uma renuncia pulsional.

Todo laço social implica um enquadramento da pulsão resultando em uma perda real de gozo.  Todo discurso é portanto um aparelho: aparelho de gozo.

A ciência também pode entrar na categoria de discurso como enquadramento de gozo na medida em que tem por finalidade a conquista do real, ou seja, a colonização do real pelos aparelhos simbólicos que as fórmulas matemáticas representam.

 

A ciência no discurso universitário

A ciência pode se desenvolver segundo o discurso universitário

                                  ®

onde o saber é quem manda, é ele o agente do discurso pois se encontra no lugar do comando, ocupado inicialmente pelo mestre antigo (S2 ). O discurso do mestre moderno é o discurso universitário: o mestre foi substituído pelo saber universal científico.  Conseqüência: tirania do saber, que exige, a qualquer custo, a obediência ao mandamento do saber, a ordem que se apresenta como a verdade da ciência.  Essa ordem pode ser assim formulada: “Tudo pelo o saber!” ou “Saiba tudo sobre tudo, sem nada deixar escapar”.  Podemos continuar a formulação do imperativo epistemológico: “Não importa o que aconteça, continue avançando; continue trabalhando para o saber”.  “Não importa os meios nem os fins - não deixe de produzir saber”.  Eis a representação-meta que ordena a fala implícita na conquista da ciência; ele é o significante-mestre que ocupa todo o lugar da verdade no discurso universitário e por isso mesmo ele a rejeita (S1 ). A verdade no discurso universitário - a verdade do sujeito - é rejeitada em prol do mandamento de tudo saber.  O mestre da ciência universitária é o saber e nada pode detê-la como o tentam os comitês de ética criados para nela colocar uma barreira, um freio, uma regulação.  Mas em contraposição a uma ciência universitalizante só é possível uma ética do particular como propõe a psicanálise, que inclua o sujeito cuja essência, segundo Espinoza, é o desejo.

No discurso universitário da ciência tudo que é tratado pelo saber é considerado um objeto ( a ), mesmo quando são homens e mulheres tratados epistemicamente.  Trata-se de objetivar, objetalizar para aplicar o saber.  Isto não é segredo nem novidade no âmbito médico.

Qual é o sujeito que corresponde ao discurso da ciência universitária?  Surpreendentemente é o sujeito da crença, o crente.  Ao universal da ciência responde não o sujeito da ciência, mas o sujeito da Igreja Universal.  Pois é lá que ele encontra prêt-à-porter o máximo da totalidade do saber: aquele que tudo sabe, o Onisciente.  Eis a divinização do saber promulgada pela idealização do discurso universitário da ciência.  Deus é o cúmulo do saber.  Paradoxalmente, eis o ápice do discurso da ciência.  O desenvolvimento da ciência não tem produzido mais materialistas agnósticos do que antigamente.  Pelo contrário, há uma multiplicação das práticas mágico-religiosas como tem acontecido aqui no Brasil, onde, por exemplo, não cabe mais fieis nos templos e por isso o Bispo Macedo está construindo uma série de maracanãs para eles.  E não só no Brasil, também na França há um crescimento do número de crentes onde, por exemplo, exorcistas e feiticeiras estão se multiplicando para atender a demanda de exorcismo e de práticas de demologia.  Isso que também tem ocorrido em outros países, mostra a produção em massa do sujeito da crença ( $ ), por definição dividido entre o “no creo en la bujas” e o “pero que las hay, las hay”.  O sujeito dividido como produto da ciência, resto do saber científico é também aquele que é excluído por ela.  E é por isso que ele acredita desacreditando na ciência.

Mas a ciência também produz as suas crenças, digamos assim, endogâmicas.  Será este o caso das neurociências?

Será que não há uma tendência da psiquiatria, influenciada pelas neurociências de criar uma nova mitologia cerebral? Elizabeth Roudinesco, como disse recentemente, avançou a hipótese de que estaria ocorrendo neste fim de século o que ocorreu no final do século XIX em que com a evolução industrial que acompanhou os grandes avanços da ciência, concomitante ao desenvolvimento da psiquiatria, foi constituída uma mitologia cerebral que localizava na anatomia do cérebro os males da alma.  Será que hoje não se está constituindo com as neurociências uma nova mitologia do elo perdido entre o substrato neuro-hormonal e os fenômenos clínicos?  Afinal, clinicar não é assim tão preciso, como lembrou Gilda Paoliello em sua abertura.  E os psiquiatras não devem ser os crentes do “Neurônio Universal”.  Fazer a ciência se manter fiel a seus postulados é também uma questão de ética.  Uma ética própria à ciência para que ela mantenha seus limites - se mantenha nos limites de suas descobertas.

 

A ciência no Discurso Capitalista

Assim como Freud em o Mal-estar na civilização, Lacan em Televisão em 1974 preocupa-se com o mal-estar na modernidade, diagnosticando-o como o produto do discurso capitalista.

 

                                           

Este sim, corrige-se Lacan, é o laço social dominante em nossa sociedade (e não o discurso da universidade como discurso do mestre moderno, como afirmara no seminário o Avesso da Psicanálise em 1969/1970).

Isso hoje, em 1999, é ainda mais verdadeiro com o desmantelamento dos regimes das sociedades não-capitalistas.  O capital invadiu tudo : é o que se chama de globalização.  Como afirma Jean Baudrillard em Sociedade de Consumo, vivemos hoje em uma espécie de evidência do consumo e da abundância, criada pela multiplicação de objetos, na qual os homens da opulência não se cercam mais de outros homens e sim de objetos (tvs, carros, computadores, fax, telefones).  Suas relações sociais não estão centradas nos laços com outros homens, diz Baudrillard e sim na recepção e manipulação de bens e mensagens.  O discurso capitalista efetivamente não promove o laço social entre os seres humanos: ele propõe ao sujeito a relação com um gadget, um objeto de consumo curto e rápido [$ ¬ a].  Esse discurso promove um autismo induzido e um empuxo-ao-onanismo fazendo a economia do desejo do Outro e estimulando a ilusão de completude não mais com a constituição de um par, e sim com um parceiro conectável e desconectável ao alcance da mão.  Isso pode efetivamente levar à decepção, tristeza, tédio e nostalgia do Um em vão prometido ou a diversos tipos de toxicomanias entre as várias doenças do discurso capitalista.

A sociedade regida pelo discurso capitalista se nutre pela fabricação da falta de gozo, produz sujeitos insaciáveis em sua demanda de consumo.  Consumo de gadgets que essa mesma sociedade oferece como objetos do desejo.  Promove assim uma nova economia libidinal.  Por outro lado, ao colocar a mais - valia no lugar da causa do desejo, essa sociedade transforma cada um num explorador em potencial de seu semelhante para dele obter um lucro de um sobretrabalho não contabilizado - o que produz a dita “lei do Gérson”, querer obter vantagem em tudo.  Se o Gérson levou a culpa, isso só faz escamotear que essa é a lei do discurso capitalista.  Obter vantagem para quê?  Para consumir mais, mais objetos produzidos pelo capitalismo científico-tecnológico.  Nesse ciclo, o lugar da mais-valia coincide com o dos objetos de gozo - gozo prometido e não alcançável por estrutura.  “A mais-valia”, diz Lacan, é a causa de desejo da qual uma economia faz seu princípio”.  A ciência no discurso capitalista é a produtora dos objetos de consumo, que operam como causa de desejo.  O saber científico nesse discurso é capitalizado para fabricar os objetos que possam representar os objetos pulsionais [S2 ® a].

O Discurso do Capitalista fabrica um sujeito animado pelo desejo capitalista - desejo que o leva a produzir, ou seja, materializar o significante-mestre desse discurso: o dinheiro que em seu caráter virtual se chama capital
[$
® S1].

Esse sujeito como falta-a-ser é o sujeito como falta-a-ser-rico; e a falta-de-gozo se inscreve como a falta-a-ter-dinheiro, é o sujeito descapitalizado.  Assim o Discurso do Capitalista  produz o sujeito inadimplente, o sujeito da dívida que se eterniza.  O Discurso do Capitalista cria a dívida que só aumenta: começa-se a se pagar os juros, os juros dos juros e os juros dos juros dos juros.  A moratória é, pela lógica do Discurso do Capitalista, ex-dívida.  A moratória constitui uma figura da castração na medida em que coloca uma barreira à insaciabilidade do capital que se manifesta na perenização da dívida.

O Discurso do Capitalista difere do Discurso do Mestre/senhor que estabelece uma laço social entre aquele que manda e aquele que trabalha, como aparece em Hegel na constituição da consciência de si na dialética do senhor e do escravo.  Neste há uma articulação entre o desejo de um com o desejo do outro, entre a vida e a morte, entre o trabalho e a casa, entre o objeto e o gozo.  Nessa dialética, o saber transformador que é o trabalho está do lado escravo.  No Discurso do Capitalista não há mais vínculo entre o senhor moderno, o capitalista, e o proletário.  A figura do capitalista de hoje tende a desaparecer e no lugar dominante temos a figura impessoal do capital globalizado.  O Senhor Absoluto moderno, que vem no lugar hegeliano da Morte, é o Capital em relação ao qual, vaticina Lacan, somos todos proletários.

O discurso capitalista ao ser dominante visa a sobrepor o mercado à sociedade.  Para ele, não existiria mais sociedade, só mercado, cujas leis, já dizia Adam Smith são invisíveis.  A mão invisível que regula o mercado (ainda que se tente personificar o capital na figura do empresário capitalista) não tem regulação nenhuma possível pois não há lei, só imperativo.  Trata-se de um discurso sem lei, que foraclui a castração como indica Lacan.  Ele é impossível de ser regulado, confessa o próprio George Soros, ele mesmo assustado com as ondas de altas e quedas das bolsas provocadas por suas próprias intervenções.

O Discurso Capitalista não é um laço social que regulariza como o é o Discurso do Mestre.  Sua política é a liberal, do neo-liberalismo, do cada um por si e um contra todos, já que o sol não brilha para todos.  O Discurso do Capitalista não é regulador, ele é segregador.  A única via de tratar as diferenças em nossa sociedade científica capitalista é a segregação determinada pelo mercado: os que tem ou não acesso aos produtos da ciência.  Trata-se, portanto, de um Discurso que não forma propriamente laço social mas segrega: daí a proliferação dos sem: terra, teto, emprego, comida, etc.  Os que estão with o discurso capitalista são out: os without.  Quem é com está sem, sua lógica obriga.

Em contraposição, a psicanálise propõe a ética da diferença e não a ética da segregação.

Como pensar a ciência no Discurso do Capitalista?

O discurso capitalista, como dissemos, produz objetos que visam a saturação do sujeito tamponando sua falta com gadgets que propõe como objetos de gozo anulando toda questão sobre o desejo.  Esse modo de laço social faz crer que é possível o sujeito encontrar em um objeto sua satisfação. O significante-mestre capital é quem comanda o saber científico: é ele quem financia as pesquisas, patrocina os pesquisadores, induz a elaboração do saber, obrigando este a dobrar-se à “política dos resultados”.  Pois o saber científico, praticamente subsumido pela tecnologia, tem que produzir objetos S2 ® a.  É o que vem apontando, entre outros, Marilena Chauí no que tange a universidade que está pressionada a uma política de resultados e direcionada para o mercado.

Na psiquiatria, os objetos produzidos pelo saber da neurociência são os medicamentos que podem facilmente virar objetos de consumo quando a psiquiatria entra no discurso do capitalista.

É preciso uma ética que possa vir barrar o imperativo de gozo imposto pelo discurso capitalista científico neo-liberal: império do ter, império do individualismo, da competitividade.  Esse discurso cria uma comunidade monstruosa de pares, como aponta Roberto Romano.  É uma comunidade, melhor dizendo de pseudo-pares - que se querem ímpares (pois cada um é ímpar) - em que são menos pares e colegas juntos por uma mesma causa ou uma mesma orientação, do que inimigos mordidos pela agressividade e pela competitividade em obter financiamento para suas pesquisas. Basta um sinal verde para que se soltem os cães ferozes da reserva de mercado atacando-se colegas, na véspera “amigos”, em nome de uma defesa territorial.  É o que se vê na política universitária, denunciada por Romano, é que se viu recentemente entre psicanalistas.  Degradação dos laços sociais, império do discurso capitalista na área do saber.

Contra o imperativo do ter, a psicanálise propõe a ética da falta-a-ter, que se chama desejo, e a gestão, não do capital financeiro, mas do capital da libido, por definição, sempre no negativo.  Contra o imperativo da competividade neo-liberal, a ética da diferença.

Gostaria de lançar aqui a seguinte questão: até que ponto o desenvolvimento das neurociências e da psicofarmacologia se presta ao Discurso Capitalista?  O dinheiro investido em suas pesquisas não poderiam estar invertendo a ordem das coisas?  Em vez de termos drogas cada vez mais eficazes para combater novos males decorrentes da transformação da sociedade, será que não são os “males” que agora são criados e categorizados em novas síndromes para serem então tratados pelas novas drogas?

 

O diagnóstico a serviço do Discurso Capitalista

Temos aqui duas hipóteses: a evolução da ciência na psiquiatria produz novos remédios para novos males; ou ela produz os “males”, pseudos novos males, para que sejam tratados por medicamentos que ela fabrica.  Neste caso, vemos as neurociências a serviço do discurso capitalista não só produzindo novas drogas (novos gadgets) mas produzindo também novas categorias diagnósticas que justificariam assim “médica-mente” a utilização das psicofarmacos.  Senão, vejamos.

O que orienta hoje o psiquiatra em sua função diagnóstica?

Para que o diagnóstico não seja uma etiqueta ou um simples procedimento classificatório digno de um "jardim das espécies" apropriado para a botânica ou para o zoológico, é necessário que ele cumpra a função de remeter à estrutura que o condiciona.  Como não temos na psiquiatria a autópsia que venha confirmar a doença da qual o sintoma seria o sinal, é na construção do caso clínico - a partir de um saber sobre a  subjetividade particular de cada paciente que a psicanálise permite elaborar ‑ que um diagnóstico aparecerá como conclusão do processo de investigação.

O que vemos hoje nos manuais psiquiátricos de diagnóstico? Os tipos clínicos clássicos da neurose não mais se encontram no DSM IV ou no CID 10. A neurose obsessiva foi substituída por TOC (Transtornos Obsessivos Compulsivos) e a histeria por Transtornos Dissociativos e Somatoformes.

Ao substituir as doenças próprias da psiquiatria clássica por transtornos opta-se mais pela descrição e pela comunicação desses fenômenos entre colegas que por uma clinica em que cada caso seja efetivamente um caso e onde os fenômenos sejam considerados sintomas, ou seja, formações de compromisso entra as diversas instâncias do aparelho psíquico. Os manuais de diagnóstico atuais parecem tomados pela preocupação de se constituir uma língua comum entre psiquiatras de todo o mundo, como um esperanto que pudesse terminar com o malentendido próprio à comunicação. Baseados no ideal da visibilidade e na dualidade saúde versus transtorno, os manuais dão a impressão de se pretenderem um instrumento que associa o máximo da descrição (um paciente pode receber vários números correspondentes a múltiplos diagnósticos) dentro de um margem mínima de erro com o ideal de transmitir um modelo médico para a psiquiatria. Se o próprio médico fosse fazer, a titulo de exercício, seu próprio diagnóstico com franqueza e sem pudor, ele certamente encontraria muitos números que Ihe cabem. E assim, como, Simão Bacamarte, generalizaria a tal ponto os diagnósticos que eles perderiam totalmente seu valor clinico.  Os manuais de diagnóstico são deliberadamente a-teóricos, voltando se para uma descrição que seja partilhada pela maioria dos psiquiatras do mundo. Assim toda e qualquer hipótese etiopatogênica é excluída, como também desaparece o próprio conceito de doença, uma vez que esta não deixa de estar vinculada a um processo do qual se espera conhecer, um dia, seus elementos e sua dinâmica. Fundar uma prática de diagnóstico baseada no consenso estatístico de termos relativos a transtornos, que por conseguinte devem ser eliminados com medicamentos, é abandonar a clinica feita propriamente de sinais e sintomas que remetem a uma estrutura clínica, que no caso, é a estrutura do próprio sujeito.  É estar a serviço de uma psiquiatria ativa de resultados já estabelecidos previamente pela lógica do mercado de psicofarmacos.

Situando o problema no âmbito da ética, podemos nos perguntar se não estaria havendo uma inversão do procedimento psiquiátrico: os medicamentos determinam os diagnósticos. O desaparecimento da neurose da classificação psiquiátrica não teria alguma relação com o lançamento de medicamentos propondo o tratamento de transtornos neuróticos? Podermos dar como exemplo a propaganda de Zoloft para tratar de TOC.

Restituir a função diagnóstica no tratamento psiquiátrico a partir de uma clínica do sujeito é um dever ético que a psicanálise propõe a psiquiatria.  Assim como ir contra a dissolução da clínica substituída pelo binômio
norma X transtorno, para privilegiar o sintoma como uma manifestação do sujeito.  Isto é uma forma de sair do discurso do capitalista que condiciona desde o diagnóstico até o tratamento para restituir à medicação seu justo valor paliativo e não resolutivo do sofrimento mental.  Pois a psicanálise não se opõe à psiquiatria, mas sim a todo Discurso que suprime a função do sujeito.  Pois clinicar é preciso e não existe clínica dessubjetivada.  Eis a ética da diferença que a psicanálise contrapõe à prática normativa da psiquiatria enquanto serva do capital.

Não devendo assujeitar-se nem ao discurso universitário nem ao discurso capitalista, a ciência - eis a tarefa que cabe aos cientistas - deve corresponder à estrutura de discurso que mais dela se aproxima: o discurso da histérica.

                                    ®

No caso da psiquiatria, isto significa que o avanço na ciência aqui deve ser motivado pelo sujeito patológico, sofredor, sujeito dividido, sujeito da esquize que se manifesta na clínica.  É preciso que o agente das neurociências seja o sujeito da clínica ($  ) que ao interpelar com seu pathos o mestre-cientista,
 (  S2 ), o faça produzir o saber  (  S2 ), mesmo sabendo que este saber não dará conta de todo real (  a  ) em jogo na verdade de sofrimento subjetivo.


Clique aqui para voltar à página dos Estados Gerais da Psicanálise de São Paulo

 

http://www.oocities.com/HotSprings/Villa/3170/EG.htm

 

1