REFLEXOS

Reflexo é a forma mais simples de mecanismo neural que produz movimentos automáticos e involuntários no homem e no animal, através de uma resposta relacionada ao estímulo externo, sem intervenção direta do psiquismo e sem agir sobre ele. A resposta será dada em consequência da excitação dos efetores inervados pelas vias efetoras reflexas. Os reflexos podem ser classificados em duas classes de acordo com seus efeitos: os somáticos, que respondem através de músculos esqueléticos, agindo sobre o meio ambiente externo do organismo; e os viscerais, que respondem através de músculos liso, cardíaco ou glândulas, agindo sobre o meio ambiente interno do organismo.

Chama-se arco reflexo ao modelo usado para o mecanismo de reflexo. Ele é composto por: componente aferente, que recebe o estímulo e conduz até o sistema nervoso central; componente eferente, que conduz o estímulo desde o sistema nervoso até o músculo esquelético; e o centro reflexo, que decodifica a mensagem, produzindo uma resposta adequada.

O componente aferente é constituído por duas estruturas contínuas: o receptor e a via aferente. O receptor é a estrutura que apresenta a capacidade de responder de maneira seletiva a estímulos originados no ambiente e que apresentam forma de energia não elétrica. Cada um responde especificamente a uma forma de energia não elétrica dentro de uma faixa de intensidade fisiológica, produzindo uma variação de potencial elétrico que vai agir como estímulo no axônio, formando a via aferente reflexa. O caráter seletivo do receptor vai depender da localização dele no organismo e determinar sua classificação em: exteroceptivos, situados no tegumento externo do organismo e sensíveis a estímulos oriundos do meio externo; interoceptivos, situados no tegumento interno do organismo e sensíveis a estímulos originados no interior dele (vísceras); prioceptivos, situados nos tecidos que formam a massa do organismo e sensíveis a estímulos do próprio organismo; e ainda os algoceptivos, só sensíveis a estímulos que produzem dor.

A via aferente é formada pelo axônio do neurônio sensorial de primeira ordem, derivado do neurônio bipolar embrionário. O neurônio sensorial situa-se próximo ao S.N.C. (na medula) e apresenta corpo celular com forma esferóide, sem qualquer expansão dendrítica ou contato sináptico. Preso ao corpo celular por um pequeno pedículo, existe um prolongamento único que se estende desde a periferia ( onde se continua com o receptor), até o interior do S.N.C: é o axônio da via aferente reflexa.

O componente eferente é constituído pelo neurônio motor e pelas fibras musculares inervadas por seu axônio, que constituem o efetor reflexo. Os neurônios motores podem estar localizados na ponta inferior da medula espinhal, inervando os músculos do tronco e dos membros; ou nos núcleos motores dos nervos cranianos, inervando os músculos da face. Esses neurônios motores, por meio dos seus axônios, vão fazer conexão do S.N.C. com os efetores musculares, formando a via final comum do movimento. Assim, qualquer resposta reflexa vai depender da excitação desses neurônios e da condução do comendo motor até os músculos inervados por eles. Nos reflexos somáticos, o efetor reflexo é sempre um músculo esquelético. Esses músculos sempre se dispõem em pares antagônicos, ou seja, para um músculo com determinado efeito, sempre existe um com efeito oposto.

No centro reflexo, vai ocorrer a conexão adaptativa entre o término do componente aferente e o começo do eferente. O reflexo é dito monossináptico, quando a conexão entre esses dois componentes é direta e o centro reflexo contém uma única sinapse. Caso exista entre os componentes aferente e eferente um ou mais interneurônios, o reflexo é dito polissináptico e o centro reflexo conterá mais de uma sinapse.

Em função da evolução filogenética, a unidade funcional da medula é o segmento medular, que corresponde ao trecho da medula marcado pela entrada de vias aferentes (pela raiz dorsal), e pela saída eferentes (pela raiz ventral). Após a entrada pela ponta dorsal das fibras aferentes, elas emitem ramificações que ascendem pela substância branca medular, constituindo o neurônio sensorial de primeira ordem. Na ponta ventral, ficam os neurônios motores, cujos axônios formam a via efetora reflexa (via final do movimento). Na medula, o centro reflexo é representado pela região contida na região cinzenta entre o término da via aferente e o neurônio motor da ponta ventral.

Existem reflexos de extensão e de flexão, sendo cada um mediado por mecanismo neural específico (o arco relfexo), o qual é definido por termos do tipo receptor; de suas vias aferente e eferente; e do seu efetor muscular. Em geral, esses reflexos são interpretados em termos de medula, onde é levado em conta apenas o funcionamento de uma metade do segmento medular; são denominados de reflexos epsilaterais. Entre todos os segmentos medulares existe porém, uma interdependência funcional mantida por interneurônios em cada metade do segmento e entre suas duas metades. As respostas para os reflexos epsilaterais ocorrem no mesmo lado do corpo em que atuou o estímulo; entretanto, foi observada uma interação a nível segmentar entre dois tipos de reflexos: a estimulação de um, inibia o outro. Esse mecanismo foi chamado de inervação recíproca e é mais potente para o estímulo flexor do que para o extensor. Dada a interdependência das vias aferente e eferente, esses dois tipos de reflexo só podem ocorrer no centro reflexo do segmento medular correspondente.

O reflexo não é considerado uma estrutura distinta ou autônoma, pois sempre dependerá, em termos quantitativos, de todos os outros estímulos atuantes sobre o conjunto de receptores reflexos.

BIBLIOGRAFIA

AIRES, M. de M. ; Fisiologia, Editora Guanabara Koogan S.A. GUYTON, A. C. ; Fisiologia Humana, 6a edição, Editora Guanabara Koogan S.A.
1