Nome vulgar: BARBO

Nome vulgar: BARBO
Nome científico: Barbus sp.
Família
: Cyprinidae
Ordem: Cypriniformes

O Barbo é uma espécie autóctone da Península Ibérica, sendo um dos principais peixes em Portugal e um dos mais excitantes para a pesca desportiva. Esta espécie apresenta variações no nosso país, dando origem às designações de Barbo do Norte, com o nome científico Barbus bocagei, a norte do rio Tejo e rio Tejo inclusive, o Barbo Steindachneri que habita nas bacias hidrográficas a sul do Tejo, principalmente no Guadiana, e ainda, mas em reduzido número, os de nome Barbo de Cabeça Pequena (Barbus microcephalus), o Barbo do Sul (Barbus sclateri), e o Barbo comizo (Barbus comiza) nas restantes regiões situadas no sul de Portugal, sendo que o último também está presente no Tejo.

É um peixe muito combativo na sua defesa e com grande aptidão para percorrer as maiores profundidades dos rios e lagos. Apresenta tipicamente um corpo alongado tipo cilíndrico e musculado, com o ventre mais largo, tem o focinho pontiagudo e a boca com lábios grossos onde possui os tão característicos dois pares de barbilhos bem desenvolvidos que servem de órgãos de gosto e tacto. O último raio simples da barbatana dorsal é ossificado e denticulado, o qual é utilizado para tentar libertar-se do fio de pesca que o prende. Tem um dorso de cor acastanhada e olivácea e com os flancos e ventre mais claros.

 É essencialmente um peixe de fundo e de águas bem oxigenadas, vivendo em grupos nos sectores médios dos rios e ribeiras de correntes moderadas e de águas não demasiado frias, e também em algumas albufeiras. Utiliza preferencialmente as pedras e vegetação junto às margens para se refugiar.

 Esta espécie tem uma medida que varia entre os 20 e os 80 cm, podendo ir até aos 10 kg de peso.

O Barbo define-se como uma espécie omnívora e também detritívora, alimentando-se de restos de plantas, moluscos, crustáceos, insectos e os detritos que se vão depositando nos fundos. Pequenos peixes também podem entrar na sua alimentação.

 Na época da reprodução, de finais de Abril a Junho/Julho, os machos exibem umas pontuações brancas à volta do focinho designados de tubérculos nupciais. Realiza a desova no final da Primavera ou já durante o Verão, com uma capacidade de cerca de 8.000 ovos em média, em zonas de fundos pedregosos e arenosos e de águas pouco profundas mas ricas em oxigénio.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Barbus bocagei

 

           

 

 

 

 

 

 

 

Barbus comiza

 

                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                        

 

             

 

 

Barbus microcephalus

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Barbus sclateri

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

Barbus steindachneri