Nome vulgar: Peixe-gato

Nome vulgar: Peixe-gato      
Nome científico:  Ictalurus Melas
Família:
Ictaluridae
Ordem: Siluriformes

 

 

Esta espécie, considerada uma das mais indesejáveis, é originária da América do Norte, sul do Canadá, e ao que tudo indica foi introduzida na Europa, mais concretamente em França, no final do século XIX. Actualmente parece encontrar-se em plena fase de expansão pela Península Ibérica. Em Portugal a informação sobre a existência do Peixe-Gato é praticamente nula, mas os pescadores desportivos já conhecem alguns aspectos da sua morfologia através de capturas que têm vindo a ser feitas ultimamente no Rio Guadiana, Barragem de Magos e Barragem dos Patudos, embora ainda em número não muito apreciável.

É um peixe com uma boca bastante larga com pequenos dentes e donde se destacam oito barbilhos bastante desenvolvidos. Com um corpo desprovido de escamas e ligeiramente viscoso possui cores escuras em tons acastanhados ou ligeiramente esverdeados no dorso e claros no ventre. Nas barbatanas peitoral e dorsal tem um forte e aguçado raio espinhoso que nos pode ferir e causar sensações dolorosas, por isso se torna necessário algum cuidado no seu manuseamento após a sua captura.

 

 É uma espécie que se adapta perfeitamente à poluição da água e tem forte resistência a elevadas variações térmicas, preferindo os fundos de águas calmas. Provavelmente será o peixe de água doce com maior capacidade para poder sobreviver várias horas fora de água, existem mesmo testemunhos que apontam para mais de 3 horas sem água.

Geralmente apresenta-se com um comprimento de 15 a 25 cm e um peso até 400 g. Excepcionalmente poderá ir até aos 45 cm com um peso não superior a 1,5 kg.

 

Sendo um predador considerado muito voraz, a sua alimentação baseia-se naturalmente em pequenos peixes, ovos de outras espécies, pequenos crustáceos, ou seja alimenta-se de quase tudo. Torna-se adulto entre os dois e três anos e a sua reprodução ocorre entre final de Abril e princípio de Junho, logo que a temperatura da água ronde os 18º. Pode reproduzir até cerca de 13.000 ovos, os quais são sempre bem protegidos pelo casal durante a incubação, período que normalmente tem a duração de 8 a 10 dias.

 

 

 

 

 

 

 

Este peixe pode vir a constituir mais um grave exemplo de introdução de uma espécie, com resultados muito negativos para as espécies naturais dos nossos rios, principalmente se a sua expansão não for controlada.

Há uma outra espécie similar que também poderá já ter sido introduzida em segredo em Portugal, ou estar em vias de o ser, que é o Siluro (Silurus glanis), que apesar de ser muito similar ao peixe-gato atinge dimensões muito superiores, já foram capturados exemplares com mais de 2 metros e com peso superior a 60 Kg em Espanha. É por isso uma espécie muito apetecível para a pesca desportiva e um forte candidato a ser introduzido (mesmo que seja ilegalmente).