LEITURAS
index

    Do que mais gosto é de poesia. De a ler e de a escrever.No entanto, aprecio  muitos outros géneros e cito: ficção científica, divulgação científica, suspense, policial, biografia e autobiografia, romance histórico, romance de acção,textos dramáticos...

    A minha 1ª sugestão concentra-se na poesia. Na que leio.
    Tenho lido poesia de horizontes geográficos e culturais distantes dos meus, para assim poder conhecer a alma , a sensibilidade, o modo de vida, as esperanças e o sofrimento de outros povos, de outros homens.A poesia traça a radiografia de pessoas num espaço e num tempo concretos que desejo conhecer.
    Registo, então, alguns livros de leitura( e releitura ) mais recente:

                                                                   «   Rio Mogami-
apascentando as chuvas de Maio
                                                                                            até ao mar
                                                                                            Extingue-se o dia
                                                                                            mas não o canto
                                                                                            da cotovia    »                                            «  Ah como estás bela minha amiga     ah como estás bela com teus olhos de pomba
                                                            oh como estás belo meu amado e que doçura    o nosso leito entre a verdura
                                                            os cedros são as vigas da nossa casa    os ciprestes são os forros do telhado.»
                                                          «                        O Louco

            Sabem como fiquei louco ?
 
            Há muito, muito tempo, muito antes de terem nascido os deuses,
            despertei de um profundo sono e notei que todas as minhas máscaras
            tinham sido roubadas.

            As sete máscaras que tinha fabricado para mim desapareceram

            Sem máscara saí a correr para a rua cheia de gente e gritei:Ladrões! Malditos ladrões !

            Todos se riram de mim, e alguns fecharam-se em casa com medo.

            Quando cheguei à praça principal, um rapaz que estava no telhado da casa, apontou-me um dedo e gritou: Olhem é um louco!

            Voltei os olhos para o ver e foi então que o sol pela primeira vez encontrou o meu rosto nu.

            Pela primeira vez o sol atingiu ao mesmo tempo o meu rosto e a minha alma.

            A partir de então nunca mais usei máscara.

            E passei a gritar: Abençoados ladrões que me roubaram as máscaras.

            Agora já sabem como me tornei num louco.

            Encontrei muita liberdade e segurança na minha loucura. A liberdade da solidão e a segurança de nunca ser compreendido, porque
            aqueles que nos compreendem fazem de nós escravos.

            Mas também sei que não posso orgulhar-me demasiado da minha segurança, pois nem sequer o ladrão encarcerado está livre de
            encontrar outro ladrão.  »
 
                                                                                     voltar
                                                                                                         .
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
  1