O CLUBE DA LULUZINHA

Os alunos das escolas da Prefeitura só são avaliados na 3ª série.  São os ciclos, mas se ele não pode ser retido também não pode passar sem saber.  O problema é que ninguém cobra e as mães integrantes dos  Conselhos de Escola não se informam.  A escola tem espaço onde  o aluno não pode entrar, só entra professor; é o Clube da Luluzinha. 

O professor não precisa se locomover em duas escolas para completar as 8 horas diárias.  É a Jornada de Estudo Integral, as JEIS.  Oito horas aula que na verdade são 6 porque a hora de trabalho do professor não é como a do trabalhador comum.  A hora do professor é de 45 minutos.  Mais da metade de jornada diária é na classe, o resto deve ser usado para dar reforço aos alunos com dificuldade para todos passarem de ano no mesmo nível.

Só na teoria porque na prática os alunos fracos passam sem saber se o pai não tiver dinheiro para aulas particulares de reforço.  Como “a situação está preta” a gente vê esses absurdos que são alunos não alfabetizados na 5ª série.  As horas de JEI, que deveriam ser usadas para reforço, são usadas para tudo, menos para dar aula.  Para esconder que as JEIS são uma fraude os alunos são empurrados e os professores responsabilizam a lei, que não permite reprovar, as autoridades, os pais, e os alunos.  Todos; menos eles.

Aliás, nem tem espaço físico para dar aulas de reforço.  As jornadas de Ensino Integral são cumpridas em salas onde se reunem professores e na porta a sigla:   “SALA DE JEI”.  Aluno não entra.  É evidente que as JEIS são só para completar a jornada do professor, aluno que se dane.

Nenhuma lei ou portaria que favoreça o aluno vai para frente se a comunidade não puder cobrar.  As JEIS existem desde 1992; a assinatura é feita num livro de ponto que ninguém confere, só elas mesmas entre si.  Os pais e alunos nem sabem o que é JEI e para que serve.  Só recebem a triste notícia na reunião que seu filho está mal, precisa de aula de reforço.

Os alunos que chegam na 3ª série sem saber nada ficam se sentindo um peixe fora d’água.  Não sabem fazer o que a professora põe na lousa e como “cabeça vazia é oficina do diabo” começam a dar os tais problemas de disciplina e antes de chegarem à 8ª série são expulsos da escola deixando para trás uma enorme e suja ficha  no livro de ocorrências da escola.  Às vezes é até muito inteligente e enroscou lá atrás em algum ponto que poderia ser resolvido com algumas aulas de reforço que ele não pode fazer porque as tais JEIS são um verdadeiro CLUBE DA LULUZINHA.

São Paulo, 25 de agosto de 2000

 

 

Cremilda Estella Teixeira

Presidente – NAPA – Núcleo de Apoio a Pais e Alunos

 

1