SUÉCIA

 

  O que vem à mente das pessoas quando se diz "Suécia"? Algumas talvez respondam: "Pessoas altas e louras, sem dúvida!". Outras: "Um país com um óptimo nível de vida, pelo menos quando comparado com o nosso"! Ainda outras: "Frio, brrrrrrrrrrrrrr........."

  Correcto! No entanto, a Suécia é muito mais do que isso. Para começar, possui uma cultura diferente da nossa. Uma cultura que preza e trabalha para a protecção do meio ambiente. Daí que, por onde quer que se passe, se vejam florestas, amplos espaços verdes, rios e lagos bastante límpidos e claros, revelando um cuidado invulgar na sua preservação. Mesmo em Estocolmo, uma cidade que até tem mais habitantes que Lisboa (700.000 contra 550.000), vêem-se amplos jardins e espaços verdes, caminhos para ciclistas (estão por toda a parte), um eficiente sistema de transportes públicos (quando está afixado numa paragem que um autocarro chega às 08:52, chega MESMO a essa hora! Pude comprovar isso!), muitas ruas exclusivamente reservadas para peões (por exemplo, grande parte de Gamla Stan, a parte antiga da cidade)... enfim, é uma das poucas cidades onde, sem dúvida, um amante da natureza e do meio ambiente terá gosto em viver. No Verão? Definitivamente, sim! No Inverno? Hum... talvez não! Não podemos esquecer que a Suécia não está localizada propriamente no mesmo paralelo das Caraíbas. Muito pelo contrário. Os seus Invernos são dos mais rigorosos de toda a Europa, onde, num típico dia de Janeiro, o sol se levanta às 10h e se põe às 14h45. Com, em média, -10º de temperatura em Estocolmo, -20º no resto do país. Deprimente, sem dúvida! Aliás, algumas pessoas com quem falei salientaram justamente isso. O sueco mediano trabalha intensamente no Inverno, e goza no Verão. Isto porque quase todos os suecos tem direito a 35 dias úteis de férias por ano. Porque tanto tempo? A explicação que me deram tem lógica: "Sofremos bastante no Inverno por causa do tempo. Poucos países tem um Inverno rigoroso como o nosso. Por isso precisamos de ter este tempo todo de férias. Faz-nos falta..."

  Em termos culturais, nota-se também algumas diferenças. Por exemplo, a alimentação. Poucos países terão uma tão grande variedade de comida natural como a Suécia. Confesso que tive alguns problemas em adaptar-me, pois, por mais que se corra as lojas de alimentos e supermercados, parece que 50% da loja se compõe deste tipo de comida. Não que seja má, mas quem não está habituado, como eu, nota logo a diferença. Quantas foram as vezes em que pensei: "Minhas ricas batatas fritas..."

  Os costumes. O sueco gosta de ter a sua casa limpa. Muito limpa! Tão limpa, que onde quer que se entre, os sapatos são a primeira coisa que se tira. Não entram no resto da casa. Calça-se uns chinelos, ou então, como vi a maior parte das vezes, anda-se descalço pela casa. Não que isto surpreenda alguém. Só que é um costume tão generalizado, que praticamente todos os suecos o cumprem. Escrupulosamente! Eu que o diga...É que nunca andei tanto tempo seguido descalço...

  Bom, depois desta breve introdução, falemos de outros assuntos.

  Como já se depreendeu pelo acima, tive a oportunidade de visitar a Suécia, em 2001. Já por algum tempo que sentia vontade em ver este país. E, diga-se de passagem, não me pude queixar! Apanhei com 10 dias de sol, e temperaturas entre os 24-30º. Nada mau! Disseram-me que não é costume haver tantos dias de sol seguidos, muito menos com temperaturas tão altas. Mas como o que é bom acaba depressa, agora vejo-me aqui a escrever isto para você, caro visitante, ler...!

  Um dos aspectos altos da visita foi a oportunidade de conhecer Testemunhas de Jeová locais. Tive a oportunidade de conhecer o Betel sueco (lindo, lindo, lindo....), e de assistir ao último dia do congresso de Distrito em Strängnäs, que abrangia a zona de Estocolmo e arredores. Um programa cheio de actividades espirituais, sem dúvida!

  Aqui ao lado estão algumas fotos de Betel. Situa-se a cerca de 150km de Estocolmo. Foi construído em 1982. Chega-se lá de comboio, saíndo de Estocolmo com destino à estação de Arboga, ou de carro, tomando as auto-estradas E18 ou E20, sendo estas escolhas uma questão de gosto pessoal. Fica situado numa área muito bonita, rodeado de uma ampla floresta, com um belo lago, e com patos!!! Quando o visitei, albergava uma colónia de patos migratórios, que desde há alguns anos para cá, escolhe o lago de Betel para vir passar o Verão e cuidar das crias. Invulgar, mas engraçado! No Betel vivem e trabalham cerca de 100 pessoas, e o nosso guia, que fez a visita em sueco e inglês, tinha 21 anos.

  Quanto ao congresso, realizado no Salão de Assembleias de Strängnäs, realizou-se de 27 a 29 de Julho, 6ª a Domingo. Este Salão, até 94, era uma arena de desportos, propriedade da cidade local. No entanto, o alto custo de manutenção, aliado à fraca aderência da população local aos eventos ali realizados, motivou a venda deste grandioso recinto às Testemunhas. Este Salão tem a distinção de ser o maior Salão de Assembleias das Testemunhas de Jeová na Europa. Pode acomodar 10.000 pessoas. A assistência no Domingo foi de 3.600 pessoas. Foi impressionante a quantidade de cabeças louras que ali vi!

  Em resumo, vale a pena visitar a Suécia. Qualquer parte. O país é bastante limpo, as pessoas são civilizadas (a propósito deste ponto, vou contar uma experiência real, presenciada por mim. Quando eu e mais duas pessoas retornávamos da ilha de Vaxholm, após um passeio, entrámos num autocarro com direcção a Estocolmo. A viagem iria demorar cerca de 50 minutos. Ao lado de uma das pessoas que estava comigo sentou-se um bêbado. A princípio ficou calado. Depois de alguns minutos, começou a meter conversa com ela. Ela não ligou muito, mas ele lá ia tentando. Até que uma certa altura, já perto de Estocolmo, ele entorna uma garrafa de cerveja que trazia consigo, sujando a parte de trás do corredor do autocarro. O interessante é que ele imediatamente levantou-se, tirou um jornal que tinha no saco, e pôs-se a limpar toda a sujidade que tinha feito, pedindo várias vezes desculpa às outras pessoas. Quando saíu, o corredor de trás estava tão limpo que parecia que ali não tinha sido entornado nada! É preciso dar mais alguma prova de civilização??), o parque habitacional está bem conservado, praticamente não se vê pobreza (embora a haja, obviamente)... sem dúvida, um país a visitar. No Verão, de preferência. E sem qualquer tipo de pressa!


 

Imprima esta página


 

"Instrutores da Palavra de Deus" - Congresso das Testemunhas de Jeová 2001

"Instrutores da Palavra de Deus" - Congresso das Testemunhas de Jeová 2001

 

Aspecto do Salão de Assembleias e do Congresso

Aspecto do Salão de Assembleias de Strängnäs e do Congresso.

 

Betel em Arboga. Ar puro, e boas vistas.

Betel em Arboga. Ar puro, e boas vistas.

 

Exposição "As Testemunhas de Jeová e o Terceiro Reich", situada no 1º andar do Salão de Assembleias. Exposição permanente.

Exposição "As Testemunhas de Jeová e o Terceiro Reich", situada no 1º andar do Salão de Assembleias. Exposição permanente.

 

A tal colónia de patos...

A tal colónia de patos...

 

Real Teatro de Estocolmo

Real Teatro de Estocolmo.

 

Aspecto da parte mais antiga de Estocolmo, a chamada "Gamla Stan" (Cidade Velha)

Aspecto da parte mais antiga de Estocolmo, a chamada "Gamla Stan" (Cidade Velha).

 

INÍCIO | FRANÇA | NOTÍCIAS | C. DISTRITO | ISAÍAS 43:10 | HDH | SOBRE MIM | CONTACTE-ME

 

© 2003, Moisés Alves

1