Vida e Obra de Bernardo Guimarães
  poeta e romancista brasileiro [1825-1884 - biografia]

 
HOME | ISAURA ROMANCES | POESIAS | DOWNLOADS | PREFÁCIOS | CARTAS
  LIVRO 'ROMANCISTA DA ABOLIÇÃO' | CAUSOS | BG DE CADA UM | BG DIVERSOS
  DESCENDENTES | GENEALOGIA |
CURIOSIDADES | CONTEMPORÂNEOS DE BG
  ICONOGRAFIA | BLOG | EXPEDIENTE |
DEU NA MÍDIA | E-MAIL | LINKS

   

 

Contos da Solidão
Prelúdio
Amor ideal
Esperança
Invocação
Primeiro sonho de amor
Hino à aurora
O Ermo
O Devanear de um céptico
O devanear de um céptico (em esp.)
À uma estrela
No meu aniversário
Desalento
O destino do vate
Visita à sepulturade meu irmão
À sepultura deum escravo

Inspirações da Tarde
Invocação à saudade
Recordação
Ilusão
O sabiá
Hino do prazer
Hino à Tarde

Poesias Diversas
O nariz perante os poetas
À saia balão
Ao charuto (Ode)
Ao meu aniversário
Sirius
Dilúvio de Papel
Minha rede
Galope infernal
Adeus -- a meu cavalo branco
Idílio
A Orgia dos Duendes
Olhos verdes
Uma filha do campo
Ilusão desfeita
Utinam -- imitado de Victor Hugo
Foge de mim
Que te darei
A fugitiva
O bandoleiro
Ao cigarro

Evocações
Sunt lacrimæ rerum
Prelúdio
Primeira evocação
Segunda evocação
Terceira evocação
Lembrança
Nostalgia
Saudade
Lembrar-me-ei de ti
A meus primeiros cabelos brancos
Cenas do sertão
A Baía de Botafogo

Novas Poesias
Elegia
O meu vale
O brigadeiro Andrade Neves
A cismadora
À morte de Teófilo B. Otôni
Nênia
Gentil Sofia -- Balada
A campanha do Paraguai
Barcarola
O adeus do voluntário
Cantiga
Se eu de ti me esquecer
A morte de Flávio Farnese
Aureliano Lessa
Adeus da musa do Itamonte
"A Bernardo Guimarães"
A poesia
Melodia
Estrofes (À Brigada de 1864)

Poemas obsenos
O Elixir do Pajé
A Origem do Mênstruo

Folhas de Outono
Ode
Estrofes
Poesia
Hino ao 3º Batalhão de Voluntários
Flor sem nome
O vôo angélico
Poesia
Dous anjos
Não queiras morre
A Camões
Camões
Décimas
Estrofes
Uma lágrima
Epitalâmio
Fagundes Varela
À morte da inocente Maria
A sereia e o pescador
No álbum de Bernardo Horta
Hino à lei de 28 de setembro de 1871
Hino a Tiradentes
Saudades do Sertão de Minas
Saudação ao  Imperador
Hino a S.M.I. o Sr. D. Pedro II
À moda
Hino à Preguiça
O Ipiranga e o 7 de Setembro

Dispersos
Morte de Gonçalves Dias
Endereço ao editor
Soneto (Eu vi dos pólos o gigante alado)
Mote estrambótico
Lembranças do nosso amor
Disparates rimados
Parecer (Madre-de-Deus-do-Angu)
Dedicatórias
Trabalho e luz
Tributos da saudade
À memória de Monsenhor Felicíssimo

A morte de Flávio Farnese
[Farnese foi o fundador do jornal carioca "Atualidade",
 onde B.G. trabalhou de 1859 a 1860]


Musa infeliz, ah! que sinistro fado
Te cinge a fronte de funérea rama,
E entre sepulcros pranto amargurado
Hoje a chorar te chama?...

Já não te é dado mais vibrar na lira
De flores enramada
As meigas cordas, em que amor suspira,
Nem por valente vôo arrebatada
Tecer hinos de glória
Aos filhos prediletos da vitória,
Nem por tardes formosas
À sombra descantar entre os vergéis
Da natureza as cenas graciosas,
Das solidões os mágicos painéis.
Ah! não, que o gênio, que te inspira agora,
Por sobre as campas entre sombras mora.

Nem mirtos, nem rosais bordam-te as sendas;
Hoje te obriga inexorável sorte
A vaguear por entre as mudas tendas
Dos arraiais da morte.
A cada instante lúgubre ruído
De lápida, que tomba,
A teus ouvidos tétrico ribomba,
- Eterno, último adeus de um ser querido.
A cada passo um túmulo abalroas
Nessa, que trilhas, senda ltituosa.
Não mais canções, - só fúnebres coroas
Cumpre-te hoje tecer com mão saudosa,
E entre gemidos do sepulcro à borda
Estalar do alaúde a extrema corda.

Despe os louros, ó musa, e do alaúde
Arranca a última flor,
E vem comigo ao pé de um ataúde
Gemer trenos de dor.

***

Quem é, que nesse chão ali repousa
À sombra de pacíficos troféus,
Sob essa simples lousa,
Sem pompa de soberbos mausoléus?...
Que nome tão saudoso
Este arvoredo fúnebre murmura?
Que eco doloroso
Do seio dessa fria sepultura
Aos ouvidos me chega, e triste vibra
Do coração na mais sentida fibra?...
É este de Farnese
O derradeiro, gélido aposento;
E bem que sobre as cinzas não lhe pese
Custoso bronze, ou mármore opulento,
Só esse nome vale um monumento.
Que grande coração, que alma tão nobre
Perdeu-se ali tão cedo !..
Quanta esperança morta ali se encobre
Debaixo desse fúnebre lajedo?
Quanto anelo viril, que peito forte
Jaz esmagado pelos pés da morte!...
Hoje a família, a pátria, a liberdade
Do ilustre morto a ínclita memória
Pranteia com saudade
E aos confins da mais remota idade
Seu nome recomenda envolto em glória.
A larga testa de palor tingida
Era bem como lâmpada velada,
Em que a luz sagrada
Da inteligência em torno difundida
Sem ofuscar fulgia derramando
De sãs idéias o reflexo brando.
De nobre crença apóstolo extremado
Para guiar o povo entre as tormentas
O havia Deus fadado.
Do porvir pelas sendas nevoentas
O verbo do progresso ele entrevia
Nesta palavra só Democracia.
Ninguém com mais denodo desfraldara
A flâmula brilhante
Da bela causa, que lhe foi tão cara;
Ninguém mais anelante
Em liça entrou, e deu com próprio punho
De sua fé mais amplo testemunho.

Era um atleta; desd'a verde idade
Lutando sem cessar em liça aberta
Nos santos arraiais da liberdade
O vimos sempre alerta.
Era um atleta, um lidador valente
Esse, que aí jaz dormindo eternamente.

Inda no primo albor da juventude
O austero moço via com tristeza
Naufragar da nação toda a virtude
No charco da baixeza;
E embaída por pérfidos afagos
De um poder ominoso
Da corrução sorver a longos tragos
O ópio venenoso.

E o leão popular curvado ao solo
Em perro humilde e vil se convertendo,
De quem o esmaga, e lhe comprime o colo
Submisso os pés lambendo.

E os pilotos do estado em fim de contas
Do validismo à mesa embriagados
A nau já podre irem jogando às tontas
Por mares desastrados.

Via a pátria em letargo vergonhoso
Adormecida à beira de um abismo,
E a conjurar lançou-se audacioso
Tão feio cataclismo.

Dos filhos do progresso ei-lo na frente
Contra o oculto inimigo se revolta,
E ao perigo, que antolha-se eminente,
Do alarma o grito solta.

Ei-lo, que se dedica generoso
De nobre luta às escabrosas lidas;
Brande da imprensa o facho luminoso
Ante as turbas dormidas
Da indiferença na letal modorra.
Como réstia de luz, que o sol enfia
Entre as grades de lúgubre masmorra,
Da frase sua o ardor e a valentia
Do povo ao coração levou a crença,
E os gelos derreteu da indiferença.
Audaz empunha o cálamo de ferro,
E com pujante frase
Afronta a corrução, fulmina o erro,
E ataca pela base
Da autocracia o velho baluarte,
Que, em mal! - inda vigora em tanta parte.

Por seu talento másculo movida
A pluma se converte em férrea dava,
Que o servilismo e a corrução trucida,
E a sepultura ao despotismo cava.

Da inteligência na sublime arena
Muito ele pelejou;
E no torpe convício a nobre pena
Jamais, jamais manchou.
Curto na vida foi o estádio seu;
O astro refulgente,
Quando luz dardejava mais ardente,
Ao tocar no zenith se esvaeceu.

Foi curto o estádio, que correu na vida;
Foi apenas esplêndida manhã,
Em prol da pátria rápido volvida
Em glorioso afã.

Agora à sombra de incruentos louros
Tranqüilo ele repousa;
Seu nome inscrito nessa simples lousa
O recomenda aos séculos vindouros,
Enquanto nela a pátria e a liberdade
Vertem gemendo o pranto da saudade.
Descansa pois, amigo; assaz lidaste;
A vida foi-te só luta e provança;
Nem um só passo deste sem contraste;
Amigo meu, descansa.

Perdoa, se o teu sono sempiterno
Eu vim turbar no fúnebre jazigo...
Meu pranto aceita de pesar eterno,
E adeus, querido amigo...
 

 

 

1